ISSN 1678-0701
Número 66, Ano XVII.
Dezembro/2018-Fevereiro/2019.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Notícias

04/12/2018PARA COMBATER OS PLÁSTICOS É PRECISO UMA REVOLUÇÃO POLÍTICA À ESCALA MUNDIAL  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=3445 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

PARA COMBATER OS PLÁSTICOS É PRECISO UMA REVOLUÇÃO POLÍTICA À ESCALA MUNDIAL”

Nos anos 90, Charles Moore descobriu a grande acumulação de lixo no Pacífico Norte. Desde então, tem viajado pelo mundo para nos alertar sobre os seus possíveis impactos. Veio a Portugal para avisar que estamos longe de estar preparados para vencer a batalha contra os plásticos.

TERESA SOFIA SERAFIM 

Charles Moore é o pai da investigação sobre a grande mancha de lixo (dominada por plástico) do Pacífico Norte e tem assumido bem esse papel. Depois de a ter descoberto nos anos 90, não tem parado de a estudar e de viajar pelo mundo para nos sensibilizar sobre o problema do plástico. Esteve esta semana na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e, na semana passada, deixou o seu testemunho na Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) da Universidade Nova de Lisboa para assinalar o Dia Nacional do Mar. E veio vestido a rigor: calças pretas, camisa avermelhada e um laço preto de plástico a condizer. Na mão, segurava uma coroa colorida também feita de plástico. “É de plástico reciclado e reutilizado. Veio da Holanda”, diz de forma energética.

Com a mesma energia, subiu ao palco do Grande Auditório da FCT. “Olá! Ei”, dirigiu-se para a plateia – quase preenchida –, que reagiu com um aplauso. O norte-americano de 71 anos anunciou que durante os próximos minutos iríamos estar no meio do oceano.

Naveguemos então até ao Pacífico Norte e recuemos até 1997. Nesse ano, a bordo do seu catamarã Alguita, o capitão Charles Moore regressava de uma regata. “Apenas queria testar o meu catamarã”, conta. Em 1994, já tinha criado a Fundação de Investigação Marinha Algalita (um nome inventado a partir do espanhol porque, além de química, estudou literatura espanhola) – que tinha o objectivo recuperar as zonas com algas para que as águas costeiras voltassem a ser prístinas – e decidiu adquirir o tal catamarã.

A toda a hora estava a ver fragmentos. Não era nenhuma grande ilha de plástico: eram pequenas peças a flutuar”, lembra. “Comecei a detectar que este tranquilo ‘oceano pintado’ parecia ser – como é que o devo dizer da melhor forma? – manchado. Aqui e ali, partículas peculiares e lascas manchavam a superfície do oceano. Acredito que a maioria é feita de plástico”, escreve no seu livro Plastic Ocean, de 2011 (não editado em Portugal).

Fonte: encurtador.com.br/gMNPW

https://www.publico.pt/





" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias