ÍNDICES COMPARATIVOS DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES E COMERCIAIS: ANÁLISE GRAVIMÉTRICA REALIZADA POR ALUNOS DO CURSO DE TÉCNICO EM MEIO AMBIENTE

 

Marcia Vilma Gonçalves de Moraes *

Monise Terra Cerezini**

 

Resumo

Este estudo foi realizado por alunos do curso de técnico em meio ambiente no município de Ribeirão Preto, estado de São Paulo, com acompanhamento da professora responsável pela atividade, como parte do conteúdo prático da disciplina de gerenciamento de resíduos. O objetivo deste estudo foi proporcionar a observação da atividade prática e a comparação com dados bibliográficos por parte dos alunos do curso. Para as amostras dos resíduos sólidos domiciliares foram selecionadas residências térreas e para as amostras dos resíduos comerciais foram selecionados comércios de loja de lingerie, ótica, colchões, armarinhos de costura, tecidos, celulares e banco. O total dos resíduos domiciliares foi de 52,3Kg e dos resíduos comerciais de 18,83kg.O total de resíduos recicláveis do tipo plástico, papel, papelão, vidro e alumínio encontrados nos resíduos domiciliares representaram 25,14% e nos resíduos comerciais representaram 53,1%. Os resíduos orgânicos de alimentos encontrados nos resíduos domiciliares representaram 61,08% e nos resíduos comerciais 14,86%. Os alunos vivenciaram na pratica a análise gravimétrica dos resíduos sólidos, conhecendoalgumas oportunidades de trabalho na área de meio ambiente, como na consultoria de empresas de gerenciamento de resíduos sólidos e participação em programas de educação ambiental da população.

Palavras-chaves:análise gravimétrica, resíduos domiciliares, resíduos comerciais, gerenciamento de resíduos sólidos, técnico em meio ambiente.

 

* Licenciada em Biologia, com aperfeiçoamento em educação ambiental, escritora da editora Saraiva Educação, docente da Universidade Paulista e do Senac, marcia.gmoraes@sp.senac.br

** Bióloga, especialista em Gestão Ambiental e Sustentabilidade, doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais na Universidade Federal de São Carlos, mo_terra@yahoo.com.br

 

 

INTRODUÇÃO

A Educação Profissional de nível médio no Brasil hoje é regulada pelo Decreto nº 5.154 de 23 de julho de 2004 e pela Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.Dentre as modalidades de educação profissional, o ensino técnico é voltado para estudantes de ensino médio ou pessoas que já possuam este nível de instrução, sendo oferecido em três diferentes modalidades: o curso técnico integrado, onde o aluno faz o curso técnico paralelamente ao ensino médio; o concomitante, onde o aluno faz o curso técnico simultaneamente ao ensino médio, mas em instituições diferentes; e o curso subsequencial, onde o aluno faz o curso técnico após a conclusão do ensino médio.

Pesquisa realizada pelo Ibope em 143 municípios sobre a educação profissional, revelou que apenas 16% da população brasileira, com mais de 16 anos, está estudando e dois terços dessa população exercem alguma atividade remunerada. Esta pesquisa também demonstrou que 25% da população brasileira já frequentou um curso profissional, e que a cada dez estudantes nove concluem o curso, sendo que a principal razão para o ingresso em cursos profissionalizantes é a percepção de acesso mais rápido ao mercado de trabalho, sendo que 70% dos ex-alunos de cursos técnicos conseguem emprego no primeiro ano depois de finalizado o curso e 35% continuam trabalhando na área em que fez o curso (PESQUISA CNI-IBOPE, 2014).

O cursoTécnico em Meio Ambiente está dentro da modalidade de educação profissional, sendo um curso oferecido em várias instituiçõespúblicas e privadas.Na grade curricular da área profissional de meio ambiente, a disciplina sobre Gerenciamento de Resíduos Sólidos está prevista nos referenciais curriculares nacionais e deve ser vista pelo aluno durante a sua formação técnica (MEC, 2000). Neste contexto, o aluno recebe informações pertinentes ao conhecimento especifico sobre os resíduos sólidos, como a definição legal dada pela ABNT/NBR 10.004 de 2004, que define resíduos sólidos como:

“Resíduos nos estados sólido e semissólido, que resultam de atividades de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de serviços e de varrição. Ficam incluídos nesta definição os lodos provenientes de sistemas de tratamento de água, aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle de poluição, bem como determinados líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou corpos de água, ou exijam para isso soluções técnica e economicamente inviáveis em face à melhor tecnologia disponível” (ABNT/NBR 10.004:2004).

Outra legislação importante que o aluno deve conhecer durante a disciplina de Gerenciamento de Resíduos Sólidos diz respeito à Lei nº 12.305 de 2 de agosto de 2010, que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos, e dá outras providencias sobre osresíduos sólidos, classificando-os quanto a sua origem em resíduos domiciliares, resíduos de limpeza urbana, resíduos sólidos urbanos, resíduos de estabelecimentos comerciais e prestadores de serviços, resíduos dos serviços públicos de saneamento básico, resíduos industriais, resíduos de serviços de saúde, resíduos da construção civil, resíduos agrossilvopastoris, resíduos de serviços de transportes e resíduos de mineração.

A partir dos conhecimentos técnicos sobre gerenciamento de resíduos sólidos, também é possível oferecer a parte pratica desta disciplina, incluindo atividades como a análise gravimétrica dos resíduos sólidos. Por meio da gravimetria, é possível identificar todos os itens que fazem parte da composição do resíduo sólido e o percentual de cada componente em relação ao peso total da amostra. Segundo Leme e Joia (2006), a análise gravimétrica permite definir formas de disposição final mais adequada e de implantação de sistemas de tratamento e coleta seletiva para estes resíduos, podendo ser utilizada como uma ferramenta para planejamento e gerenciamento dos resíduos sólidos de uma cidade.

Além de identificar o percentual dos materiais na constituição do resíduo, a análise gravimétrica permite a adoção de medidas de redução, reutilização e reciclagem, inferindo sobre as instalações, a equipe de trabalho e os equipamentos adequados, estimando receitas e despesas decorrentes (FUZARO; RIBEIRO, 2003).

Neste sentido, as atividades trabalhadas em aulas práticas podem ajudar no desenvolvimento e na construção dos conceitos teóricosvistos em sala de aula, permitindo que os alunos aprendam como abordar objetivamente o seu mundo e como desenvolver soluções para problemas complexos.  As aulas práticas servem também de estratégia e podem auxiliar o professor em um tema já abordado, construindo com seus alunos uma nova visão sobre este mesmo tema(LEITE; SILVA; VAZ, 2005).

Aliar as aulas teóricas com atividades práticas e possibilitar o desenvolvimento da pesquisa e da problematização proposta em sala de aula, faz com que o aluno desenvolva o interesse pelo assunto abordado, possibilitando seu protagonismo como sujeito da aprendizagem, possibilitando que o mesmo desenvolva habilidades e competências específicas (PERUZZI; FOFANZA, 2014).

Neste contexto, Reigota (2009) fala sobre a importância de se desenvolver debates e pesquisas sobre os problemas ambientais locais e globais no espaço escolar, pois neste ambiente os alunos trazem diferentes opiniões e visões sobre os temas estudados, tornando o debate mais plural, contribuindo para a formação do sujeito crítico, reflexivo e capaz de intervir nos problemas da sociedade em que está inserido.

 

 

OBJETIVOS

Este estudo teve como objetivoprincipal observar em atividade práticaos conteúdos teóricosda disciplina Gerenciamento de Resíduos trabalhados em sala de aula e comparar os resultadosobtidos com dados bibliográficos. Os objetivos específicos desta atividade foram:

                         I.        Conhecer o volume de resíduos gerados nodomicílio e no comércio;

                       II.        Conhecer os tipos de resíduos gerados no domicílio e no comércio;

                      III.        Quantificar o material reciclável que esteja sendo descartado em aterro sanitário;

                     IV.        Conhecer diferentes campos de atuação na área de meio ambiente.

 

MATERIAIS E MÉTODO

O estudo foi realizado por alunos do curso de técnico em meio ambiente na modalidade subsequencial em uma escola profissionalizante do município de Ribeirão Preto, estado de São Paulo, com acompanhamento da professora responsável pela atividade. Este estudo fez parte do conteúdo pratico, realizadoapós aula teórica da disciplina de Gerenciamento de Resíduos dentro do plano pedagógico do curso. Os alunos foram orientados quanto a realização do estudo e das medidas de controle adotadas para não haver nenhuma exposição a riscos de acidentes como cortes, picadas de animais peçonhentos ou contaminação por agentes biológicos presentes nos resíduos.

A coleta dos resíduos sólidos domiciliares foi realizada no dia 15 de agosto de 2016 às18:30hs e a coleta dos resíduos sólidos comerciais foi realizada no dia 26 de setembro de 2016 às 18:30hs. Para realização do estudo, os alunos receberam equipamentos de proteção individual (EPIs) como máscara descartável, luvas de PVC, óculos de segurança e avental descartável, também foi orientado o uso do calçado fechado.

Para as amostras dos resíduos sólidos domiciliares foram selecionadas somente residências térreas, não sendo feita coleta em prédios. As residências selecionadas para amostragem foram escolhidas aleatoriamente, sendo realizada nas imediações da escola para facilitar o transporte dos resíduos.

Para as amostras dos resíduos comerciais foram selecionadas somente comércio pequenos e de atividade econômica que não incluísse alimentação, como barres e restaurantes. A amostragem foi realizada numa avenida comercial do mesmo município, também nas imediações da escola. Os tipos de comércios com resíduos coletados foram loja de lingerie, ótica, colchões, armarinhos de costura, tecidos, celulares e banco. Vale ressaltar que no dia da coleta dos resíduos comerciais a rede bancaria estava em greve.

No dia da coleta dos resíduos os alunos foram separados em quatro grupos de quatro a cinco membros, cada grupo foi responsável pela coleta dos resíduos que estavam na calçada das casas ou do comercio, sendo estes sacos colocados dentro de sacos de lixo preto de 100litros. Utilizou-se um veículo caminhonete com caçamba aberta para acondicionamento dos sacos de lixo coletados. Estes sacos foram encaminhados para triagem dentro da escola numa área pré-determinada montada com uma lona de 30m². Para pesagem dos resíduos foi utilizado uma balança antropométrica digital. A Figura 1 mostra a área de triagem dos resíduos.

Neste estudo foi empregado a análise gravimétrica para quantificar os resíduossólidos domiciliares e comerciais que foram separados de acordo com a sua característica em resíduos de papel, papelão, plástico, vidro, alumínio,alimentos orgânicos eoutrosorgânicos.

 

Figura 1: Área de triagem dos resíduos.

 

RESULTADO E DISCUSSÕES

Após a realização da análise gravimétrica dos resíduos sólidos, os alunos anotaram os dados encontrados e tabularam os resultados para serem discutidos juntamente com a professora e para comparação com outras referências bibliográficas deste tipo de estudo realizado no Brasil.

Os resultados encontrados pelos alunos, quanto ao total em quilos dos resíduos domiciliares e comerciais coletados foram decinco sacos de 100litros, totalizando 52,85quilos de resíduos domiciliares e nove sacos de 100litros, totalizando 19,25 quilos do resíduo comercial. A distribuição dos pesos dos sacos em quilos está representada na Tabela 1.

Após a separação e pesagem individual de cada tipo de resíduo o total dos resíduos sólidos domiciliares foi de 52,3 quilos havendo uma perda de 0,55 gramas após a manipulação dos resíduos, isto se deu a alguns resíduos que ficaram na lona ou nos sacos.O total de resíduos domiciliares foi de 18,83 quilos, havendo uma perda de 0,42 quilos após a separação, manipulação e pesagem individual de cada tipo de resíduo.

 

Tabela 1: Peso dos sacos em quilos coletados no domicilio e no comercio.

Resíduo domiciliar

Resíduo comercial

Sacos

Peso em quilos

Sacos

Peso em quilos

1

15,60

1

2,35

2

5,90

2

1,60

3

10,10

3

0,90

4

6,55

4

6,25

5

14,70

5

1,85

 

 

6

1,45

 

 

7

1,40

 

 

8

1,50

 

 

9

1,95

TOTAL

52,85

TOTAL

19,25

 

A quantidade em quilos de cada tipo característico dos resíduos gerados domiciliares e comerciais separados em papel, papelão, plástico, vidro, alumínio e orgânicos (alimentos e outros) estão representados na Tabela 2.

 

Tabela 2: Distribuição dos tipos de resíduos coletados no domicilio e no comercio.

Tipo de resíduo

Resíduo domiciliar

Resíduo comercial

Peso em quilos

%

Peso em quilos

%

Papel

2,65

5,07

1,10

5,84

Papelão

1,65

3,15

2,55

13,54

Plástico

7,3

13,96

5,5

29,21

Vidro

1,0

1,91

0,4

2,12

Alumínio

0,55

1,05

0,45

2,39

Alimentos orgânicos

31,95

61,09

2,80

14,87

Outros orgânicos

7,2

13,77

6,03

32,02

TOTAL

52,3

100

18,83

100

 

Nas amostras dos cinco sacos de resíduos domésticos não foram encontrados nenhum material potencialmente contaminante ao meio ambiente como pilhas, baterias ou lâmpadas fluorescentes. Porém foi encontrado uma seringa de insulina com a capa da agulha, sendo frisado nesta situação a importância do uso dos EPIs para manipulação dos resíduos sólidos evitando possíveis acidentes durante a manipulação destes resíduos pelos alunos.

Lembrando que de acordo com a Lei nº 12.305 de 2 de agosto de 2010, que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos, este tipo de resíduo faz parte dos resíduos de serviço de saúde não devendo ser descartado dentro dos resíduos domésticos por receber tratamento diferente para seu descarte correto. Com isto os alunos observaram a importância da educação ambiental para que as pessoas possam realizar corretamente o descarte dos resíduos gerados. A Figura 2 mostra a seringa de insulina encontrada no resíduo domiciliar.

 

Figura 2: Agulha de insulina encontrada no resíduo domiciliar.

 

Os materiais do tipo vidro foram representados por vidraria de alimento e alguns vidros quebrados, sendo que estes estavam envolvidos em papel jornal, não sendo encontrado nenhum vidro quebrado solto dentro das sacolas de lixo.

Esta observação do acondicionamento correto dos vidros quebrados pelos geradores dos resíduos sólidos domiciliares veio de encontro as informações que os alunos receberam durante palestra realizada na escola sobre gerenciamento dos resíduos no município de RibeirãoPreto, onde o palestrante era representante da empresa responsável pela coleta de resíduo do município, afirmando a recente distribuição residencial de folhetos com orientação aos munícipes sobre o correto acondicionamento de vidros. A Figura 3 mostra o folheto de orientação distribuído aos moradores do município. 

 

Figura 3: Folheto de orientação distribuídos aos munícipes pela empresa que realiza a coleta dos resíduos domésticos e comerciais.

 

Dentro dos materiais do tipo plástico, foram encontrados em maior quantidade laminados, garrafas de refrigerante e embalagens de alimentos.A somatória dos resíduos recicláveis do tipo plástico, papel, papelão, vidro e alumínio encontrados nos resíduos domiciliares representaram 25,14% (13,15 quilos) enquanto que nos resíduos comerciais coletados estes resíduos recicláveis representaram 53,1% (10quilos). Os alunos constataram que o bairro onde foi realizado o estudo não possui coleta seletiva, sendo que no municípioa coleta seletiva ocorre em apenas vinte e sete bairros. Foi discutido que a prefeitura poderia estender este programa de coleta seletivade forma a diminuir o descarte incorreto destes resíduos recicláveis e aumentar a vida útil do aterro sanitário onde atualmente são depositados estes resíduos recicláveis.

Os resíduos recicláveis encontrados nas amostras de resíduos comerciais demostram que a área comercial não possui programas de gerenciamento dos seus resíduos,visto que esses resíduos poderiam ser encaminhados para a reciclagem. Portanto a implantação de programas de coleta seletiva de resíduos dentro dessas empresas seria muito importante para diminuição dos resíduos que vão para o aterro sanitário, podendo a empresa ter lucro com a venda destes recicláveis ou apoiar programas sociais como cooperativas de catadores de recicláveis, promovendo a sustentabilidade e tendo um reconhecimento social. Tais conceitos vêm crescendo entre os consumidores na escolha de aquisição de bens e serviços de empresas que presem por valores sustentáveis.

Os materiais de tipo alumínio foram representados por latas de alimentos do tipo industrializados não sendo encontradas nenhuma latinha de alumínio nas amostras de resíduos domésticos e dosresíduos comerciais. Esta situação vivenciada pelos alunos vem de encontro com os dados levantados em 2014pela ABRELPE – Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, mostrando que o Brasil reciclou 45,7% de papel, 58,9% de plástico do tipo PET 58,9% e 20,9% do plástico do tipo IRMP. Quanto a reciclagem de alumínio o Brasil se manteve na liderança mundial, com índice de 97,9% de reciclagem de latas de alumínio e de 35,3% da reciclagem dos outros alumínios (ABRELPE,2014).

Quanto aos materiais do tipo alimentos orgânicos, foram encontrados restos de alimentos. Conforme mostrado na Figura 4, foi encontrada uma marmita fechada com todo conteúdo intocado.

 

Figura 4: Marmita intacta encontrada no resíduo doméstico.

 

A representatividade dos resíduos de alimentos orgânicos foi mais expressiva nos resíduos domiciliares (61,09%) do que nos resíduos comerciais (14,87%). Os demais orgânicos encontrados foram representados por papel higiênico, fralda descartável, e folhas de árvores, com um total de 7,2 quilos (13,77%)do volume encontrado nos resíduos domiciliares e 6,03 quilos (32,02%) nos resíduos comerciais. É importante frisar que o estudo realizado foi no mês de inverno onde ocorre o desfolhamento de muitas arvores.

Como parte da atividade prática, os alunos fizeram buscas de referências bibliográficas de artigos e trabalhosna mesma área de estudo e encontraram resultados semelhantes aoslevantados neste estudo. Um estudo realizado no município de Joao Pessoa apresentou um percentual de 63,95% de matéria orgânica e 15,11% de material potencialmente reciclável como metal ferroso e não-ferroso, papel/papelão, vidro e plástico (NETO et. al., 1999).

Em outro estudo sobre composição gravimétrica realizado no Centro da cidade de Barreiras na Bahia, os autores encontraram como resultados da composição dos resíduos sólidos 63,8% de matéria orgânica, 11,4% de plásticos, 8,9% de papel, 3,8% de vidro, 2,0% de metais e 10,2% de materiais considerados como outros, tais como cabelos, terra, trapos, papel higiênico, guardanapos, fralda descartável (CARVALHO; JESUS; PORTELLA, 2013). Outro estudo realizado que os alunos analisaram os resultados foi o estudo de composição gravimétrica realizado com resíduos sólidos domiciliares gerados no município de Criciúma em Santa Catarina,cujosresultados obtidos foram de 28% resíduos orgânicos e 47% de resíduos passíveis de reciclagem (OENNING et. al., 2012).

 

CONCLUSÃO

Este estudo aponta a importância das aulas práticas para despertar nos alunos o desejo de buscar conhecimento e não somente recebê-lo pronto e formatado, demostrando a importância do professor como um sujeito mediador e não como um agente centralizador das informações e conhecimento. Os alunos puderam vivenciar na prática a técnica de análisegravimétrica dos resíduos,muito empregada no gerenciamento dos resíduos sólidos nos municípios brasileiros, além de possibilitar a pesquisar de dados bibliográficos e fazer comparações com resultados encontrados em outros estudos, permitindo uma discussão mais rica em sala de aula.

 Sendo um curso profissionalizante é muito importante fazer com que os alunos identifiquem as possíveis áreas de atuação do profissional da área de meio ambiente. Esta atividade mostrou algumas oportunidades de trabalho como consultor de empresas que atuam no gerenciamento dos resíduos sólidos, assim como na participação deste profissional em programas de educação ambiental para a sensibilização da populaçãoquanto ao descarte correto destes materiais.

Nos relatos compartilhados em sala de aula, os alunos puderam compreender a importância do profissional da área de meio ambiente para orientar as empresas e a população quanto ao gerenciamento dos resíduos. Espera-se que este trabalho contribua para que professores de outros cursos compreendam a importância das aulas práticas para o desenvolvimento dos conteúdos teóricos abordados em sala de aula, principalmente em cursos profissionalizantes, frisando a experiência adquirida nas aulas práticas deste estudo.

Diante dos resultados encontrados na análise gravimétrica dos resíduos, tanto das atividades domiciliares quanto comerciais, fica evidente a falta de informações quanto a forma correta de separação e descarte dos resíduos sólidos. Neste sentido, este estudo ressalta a importância do profissional da área de meio ambiente e sua atuação no gerenciamento de resíduos sólidos e a importâncias das atividades práticas na formação deste profissional, visando uma formação integral.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 10004: Classificação de resíduos sólidos. Rio de Janeiro, 2004. 

ABRELPE. Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais. Panorama dos resíduos sólidos no Brasil. 2014. Disponível em: <http://www.abrelpe.org.br/Panorama/panorama2014.pdf>. Acesso em 23/01/2017.

BRASIL. Lei nº 12.305 de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Brasília, 2010.Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm>. Acesso em 23/01/2017.

CARVALHO, J. L. V.; JESUS, S. C.; PORTELLA, R. B. Composição gravimétrica dos resíduos sólidos domiciliares e comerciais do centro da cidade de Barreiras/Bahia. Revista on-line Chão Urbano, vol.13, n.3, maio/junho, 2013. Disponível em: <http://chaourbano.com.br/visualizarArtigo.php?id=65>. Acesso em 23/01/2017.

FUZARO, J. A.; RIBEIRO, L. T. Coleta seletiva para prefeituras. 3 ed. São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente, 2003.

LEITE, A. C. S.; SILVA, P. A. B.; VAZ, A. C. R. A importância das aulas práticas para alunos jovens e adultos: uma abordagem investigativa sobre a percepção dos alunos do PROEF II. Revista Ensaio, Belo Horizonte, vol.7, n.3, p.166-181, set-dez, 2005.

LEME, S. M.; JOIA, P. R. Caracterização física dos resíduos sólidos urbanos domiciliares em Aquidauana/ MS. Geografia, v.15, n.1, p.35-49, 2006.

MEC. Ministério da educação. Educação profissional: referenciais curriculares nacionais da educação profissional de nível técnico. Área profissional: meio ambiente. Brasília, 2000, 45 p.

NETO, J. P. F. et. al. Determinação da composição gravimétrica dos resíduos sólidos domiciliares do município de João Pessoa/ PB. Anais do XX Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, 1999. Disponível em: <http://docplayer.com.br/15949002-Determinacao-da-composicao-gravimetrica-dos-residuos-solidos-domiciliares-do-municipio-de-joao-pessoa-pb.html>.Acesso em 23/01/2017.

OENNING, A. S. et. al. Estudo de composição gravimétrica dos resíduos sólidos urbanos do município de Criciúma. Revista Iniciação Científica, v. 10, n. 1, 2012.

PERUZZI, S. L.; FOFONKA, L. A importância da aula pratica para a construção significativa do conhecimento: a visão dos professores das ciências da Natureza. Revista Educação Ambiental em Ação, vol.12, n. 47, março-maio, 2014.

PESQUISA CNI-IBOPE. Retratos da sociedade brasileira: educação profissional. 2014.

CNI. Confederação Nacional da Indústria. Brasília: CNI, 2014.26 p. Disponível em: <http://docplayer.com.br/5773976-Retratos-da-sociedade-brasileira-educacao-profissional.html. Acesso em 24/01/2017.

REIGOTA, M. O que é Educação Ambiental. 2.ª ed. Revista ampliada. São Paulo: Brasiliense, 2009.