Nós nunca sabemos o valor da água até que o poço está seco. (Thomas Fuller)
ISSN 1678-0701
Volume XIX, Número 74
Março-Maio/2021
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(7) Notícias(5) Dicas e Curiosidades(2) Reflexão(3) Para sensibilizar(1) Dinâmicas e recursos pedagógicos(2) Entrevistas(1) Culinária(1) Sugestões bibliográficas(2) Educação(1) Sementes(1) Ações e projetos inspiradores(2) Gestão Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Relatos de Experiências(5)   |  Números  
Ações e projetos inspiradores
31/03/2021 (Nº 74) PROFESSOR PEDALA UM ANO PELO BRASIL ESTUDANDO O VALOR DA ÁGUA
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4100 
  

PROFESSOR PEDALA UM ANO PELO BRASIL ESTUDANDO O VALOR DA ÁGUA

Professor de Geografia percorreu 13 estados de bicicleta e lança documentário sobre o valor e preservação da água em diferentes realidades

Por Natasha Olsen

Da abundância de água na Amazônia à transposição das águas do rio São Francisco. Das cisternas da Bahia até Minas Gerais no maior desastre ambiental do Brasil, no Rio Doce, cheio de rejeitos da mineração. Das favelas do Rio de Janeiro, Estado com o maior consumo de água por habitante do país, a São Paulo, que consume o volume morto do reservatório da Cantareira.

Esses foram alguns dos cenários encontrados pelo professor de geografia Marcio Francisco Martins durante sua trajetória pelo Brasil no ano de 2016. Viajando de bicicleta, ele passou por 13 estados do país e registrou em vídeo as mais espontâneas respostas para a pergunta “Qual o valor da água para você?”.

Passados cinco anos da captação das imagens, muitas questões ocorreram nos campos político e social, e o documentário enriquece o debate quanto à conscientização em relação às questões ambientais.

Entre janeiro e dezembro de 2016, o professor pedalou pelos Estados de Pará, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, conheceu diversas pessoas, visitou inúmeros cenários e dormiu em praças públicas, igrejas, museus, postos de gasolina, entre outros.



Projeto Pedalágua

A ideia da viagem surgiu para ajudar o professor a incrementar as aulas de Geografia. No final do ano de 2015, a seca e o consumo do volume morto da Cantareira e a tragédia do Rio Doce estavam em evidência nos noticiários.

Com esses eventos em mente, ao passar pelo sertão nordestino e ver como aquele povo dava valor para a água vivendo em uma região com baixa disponibilidade hídrica, em comparação ao povo do sudeste, com mais acesso ao recurso e desperdiçando tanto, Marcio sentiu que deveria fazer algo mais, fazer algo que levasse as pessoas a refletirem sobre o uso e o real valor que a água possui. Assim, surgia a ideia de se produzir o documentário.



O projeto Pedalágua tem como objetivo promover o debate e conscientizar o povo brasileiro para as questões ambientais e o desperdício de água, com entendimento de que este precioso recursos essencial à vida é um bem coletivo.

Eu tenho o sonho de alertar as pessoas para as grandes dificuldades que podem vir a acontecer com a escassez de água em um futuro próximo. Esse lançamento faz parte da concretização desse sonho”, comenta Marcio.



Documentário

O documentário é composto por seis episódios, disponíveis gratuitamente no canal do Pedalágua no YouTube. Em breve, será lançado um material com propostas de aula para que professores possam utilizar esses vídeos em suas atividades.

Episódio 1 – Pedalando pela Transamazônica BR-230

A pedalada pela Transamazônica trouxe a visão de um Brasil diferente. Conversas com moradores da região, relatos de seca na Amazônia e conexões com protetores da floresta mudaram os rumos do projeto Pedalágua.

Episódio 2 – A transposição das águas do rio São Francisco

O nordestino é, antes de tudo, um forte”. A veracidade da frase de Euclides da Cunha foi comprovada durante a ciclojornada pela Caatinga. Conhecer a obra da transposição do rio São Francisco e o modo de viver do sertanejo, que dá valor a cada gota de água, pode ser a saída para que a região Sudeste não enfrente novas dificuldades hídricas.

Episódio 3 – A indústria da seca

Os desafios e custos da manutenção da obra de transposição das águas do rio São Francisco, que tem a proposta de combater a seca do nordeste, é vital para o entendimento da situação da região.

Episódio 4 – #ExpediçãoRemaLama

Apenas nove meses após o maior desastre ambiental do país – o rompimento da barragem de Fundão em Mariana (MG) em 2015 -, uma viagem de caiaque mostrou a lama que modificou histórias, vidas, paisagens e assassinou um grande rio.

Episódio 5 – Qual o valor da água da Cantareira?

O Estado de São Paulo é o último destino do projeto Pedalágua. Um ano após consumir o volume morto do da Cantareira a população paulista parece ainda não ter se conscientizado a respeito do consumo consciente de água.

Episódio 6 – Brumadinho: uma cidade anestesiada

Coletar depoimento de pessoas em uma cidade que sofreu com 270 mortes e recebeu milhões em indenizações é um desafio na expedição do Pedalágua. Será que o rompimento da barragem da mina do Córrego do Feijão será o último desastre ambiental em nosso país?

Sobre o idealizador

Marcio Francisco Martins é professor de Geografia, pós-graduado em Gestão Ambiental e já atuou como fotojornalista. Cicloativista, sempre manifestou interesse em despertar nas pessoas uma atenção especial para as questões ambientais. Busca entender o porquê de o brasileiro desperdiçar tanta água.



Para acessar links para vídeos, acesse a fonte: https://bitlybr.com/rjGe





Ilustrações: Silvana Santos