A natureza universal sustenta a vida de todos os seres. (Dalai Lama)
ISSN 1678-0701 · Volume XX, Número 76 · Setembro-Novembro/2021
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(8) Notícias(7) Reflexão(4) Para sensibilizar(1) Arte e ambiente(1) Sugestões bibliográficas(2) Educação(1) Ações e projetos inspiradores(2) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) Relatos de Experiências(9)   |  Números  
Notícias
18/08/2021 (Nº 76) RIO DE JANEIRO LANÇA “FÁBRICA” DE ÁRVORES
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4185 
  

RIO DE JANEIRO LANÇA “FÁBRICA” DE ÁRVORES

Meta é plantar 50 mil árvores em 4 anos.

Por Marcia Sousa



A cidade do Rio de Janeiro está lançando um novo projeto para levar mais verde para as áreas urbanas. Trata-se da “fábrica” de árvores, uma iniciativa para construção de viveiros onde serão cultivadas mais de 10 mil mudas por ano. As árvores serão plantadas em parques, praças e ruas. 

Desenvolvido pela Fundação Parques e Jardins (FPJ) e pela Secretaria de Meio Ambiente, o projeto teve início na zona norte do Rio. Em três meses, a região ganhou 400 novas árvores. A meta é que, em toda a cidade, sejam plantadas 50 mil árvores em quatro anos. 

A iniciativa tira do papel o Plano Diretor de Arborização Urbana. Segundo a prefeitura, é a primeira vez que o Rio produz suas próprias mudas – antes oriundas de Belo Horizonte e São Paulo. Um paradoxo para uma cidade que abriga duas grandes florestas urbanas. 

Não foi informado quantos viveiros serão construídos, mas eles estarão dentro da Fazenda Modelo: uma estrutura da prefeitura, no bairro de Guaratiba, com cerca de 15 mil m². O foco dos plantios serão as regiões Norte e Oeste da cidade, que têm os menores índices de arborização da cidade.



Foto: Marcelo Piu | Prefeitura do Rio



A Fábrica de Árvores vai ser um instrumento transformador da arborização urbana do Rio. A partir de agora a cidade vai ter condições de produzir suas próprias mudas de alta qualidade. É uma iniciativa impulsionadora dessa revolução verde que estamos propondo, e que vai nos auxiliar a reduzir, ainda mais, a desigualdade de acesso aos recursos ambientais da cidade”, destacou o presidente da Fundação Parques e Jardins, Fabiano Carnevale.

No âmbito da iniciativa, os resíduos das podas das árvores da cidade serão triturados e processados até virarem composto orgânico. Este por sua vez vai ajudar no desenvolvimento das novas mudas.

O projeto tem apoio da empresa Farm e ajuda de voluntários.



Fonte: encurtador.com.br/jlDW9



Ilustrações: Silvana Santos