A natureza universal sustenta a vida de todos os seres. (Dalai Lama)
ISSN 1678-0701 · Volume XX, Número 76 · Setembro-Novembro/2021
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(8) Notícias(7) Reflexão(4) Para sensibilizar(1) Arte e ambiente(1) Sugestões bibliográficas(2) Educação(1) Ações e projetos inspiradores(2) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) Relatos de Experiências(9)   |  Números  
Notícias
18/08/2021 (Nº 76) NOVA YORK TRANSFORMOU O MAIOR DEPÓSITO DE LIXO DO MUNDO EM UM OÁSIS VERDE DE PLANTAS NATIVAS
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4187 
  

NOVA YORK TRANSFORMOU O MAIOR DEPÓSITO DE LIXO DO MUNDO EM UM OÁSIS VERDE DE PLANTAS NATIVAS



Por Revista Saber é Saúde



Após o fechamento do maior aterro do mundo, o aterro Fresh Kills, as autoridades do Estado de Nova York e organizações sem fins lucrativos facilitaram uma transição que transformou o que costumava ser um enorme depósito de lixo em um oásis verde para plantas nativas.

Estamos falando do antigo aterro Fresh Kills, que antes carregava todo o lixo da cidade de Nova York, um lugar com cheiros pestilentos e cuja vista, feita de pilhas de lixo, teria chegado a 20 andares de altura.

Agora esse aterro, já fechado (desde 2001), foi transformado em uma imensa área verde, três vezes o tamanho do Central Park. O desejo de convertê-lo em parque levou o Departamento de Urbanismo a sediar um concurso internacional de design: o projeto de criação do maior parque de Nova York, ganho pela empresa Field Operations.

A conversão, como podemos imaginar, não foi fácil e envolveu não só muito trabalho mas também alguns rebanhos de cabras, introduzidos em 2012 pela sua capacidade de restauração ecológica.

Caminhões carregando milhões de toneladas de terra rica em ferro foram trazidos de Nova Jersey para cobrir as folhas de plástico à prova d’água que, por sua vez, isolavam e “cobriam” as pilhas de lixo, enquanto os tubos de extração de metano carregavam a fumaça dos detritos subterrâneos em Staten Casas na ilha para abastecer aquecedores e fogões.

Mais tarde, árvores foram plantadas e calhas de concreto construídas para canalizar rapidamente a água da chuva para longe dos montes de lixo.

A vegetação, que hoje cobre cerca de 150 milhões de toneladas de lixo, foi garantida em toda a área graças à redescoberta de espécies herbáceas nativas que também fornecem o habitat perfeito para as aves da região.

Foram as ervas nativas plantadas em Freshkills que atraíram uma população cada vez maior de pássaros, incluindo a maior colônia de pardais Locustella no estado de Nova York.

Faltam ainda alguns meses para a reabertura oficial da área, o plano prevê uma inauguração em várias fases: a partir da Fase 1 do Parque Norte, em que 21 hectares serão abertos ao público na próxima primavera, até a final que será estar acessível a todos os 2.200 acres do parque (até 2036).

O site Freshkills Park traz algumas imagens que permitem entender melhor a extensão da transformação, deixando você imaginar o que existia antes.

Uma transformação lenta, difícil mas extremamente importante de uma área que é assim reavaliada e devolvida aos cidadãos.



Fonte original: The New York Times  / via GreenMe

Fonte: encurtador.com.br/bsyHL



Ilustrações: Silvana Santos