Tudo o que temos a fazer [...] é colocar nosso jeito de viver dentro dos meios ecológicos conhecidos. (Marcus Eduardo de Oliveira)
ISSN 1678-0701 · Volume XX, Número 78 · Março-Maio/2022
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(7) Notícias(5) Dicas e Curiosidades(1) Reflexão(1) Para sensibilizar(1) Dinâmicas e recursos pedagógicos(1) Arte e ambiente(1) Divulgação de Eventos(1) Sugestões bibliográficas(1) Educação(1) Ações e projetos inspiradores(2) Do Linear ao Complexo(3) A Natureza Inspira(1) Relatos de Experiências(11)   |  Números  
Notícias
15/03/2022 (Nº 78) 77% DOS BRASILEIROS PRIORIZAM PROTEÇÃO AMBIENTAL EM RELAÇÃO A AVANÇO ECONÔMICO
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4257 
  

77% DOS BRASILEIROS PRIORIZAM PROTEÇÃO AMBIENTAL EM RELAÇÃO A AVANÇO ECONÔMICO

Emylly Alves da CNN



Pesquisa do Ipec também aponta que 96% têm convicção de que o aquecimento global está acontecendo

De Agostini via Getty Images

Salvador

Uma pesquisa realizada pelo Ipec (Inteligência em Pesquisa e Consultoria) aponta que 77% dos brasileiros consideram importante proteger o meio ambiente, mesmo que isso signifique menor crescimento econômico e menos empregos. Apenas 13% priorizam promover o desenvolvimento da economia e a geração de empregos.

O levantamento também mostra que 96% dos brasileiros acreditam que o aquecimento global está, de fato, acontecendo. A maioria (77%) afirma que a ação humana é a principal causa, enquanto 11% acham que o fenômeno é resultado de mudanças naturais do meio ambiente.

A pesquisa também expôs os receios da população em relação ao futuro. Para 75%, os efeitos do aquecimento podem prejudicá-los e prejudicar muito as suas famílias. E apesar de a maioria considerar a questão importante, apenas 21% disseram saber muito sobre o tema.

Realizada pelo segundo ano consecutivo, a pesquisa ouviu 2.600 pessoas de todas as regiões do país. As entrevistas foram feitas por telefone entre setembro e novembro de 2021. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

A degradação da Amazônia também entrou em pauta. Para 74% dos entrevistados, as queimadas do bioma não são atos necessários para o crescimento da economia. Na percepção dos brasileiros, os danos, neste caso, não são apenas ambientais: 86% consideram que a devastação da floresta é, inclusive, prejudicial à imagem do Brasil no exterior.

Madeireiros (76%), pecuaristas (49%) e políticos (38%) são apontados pelos brasileiros como os maiores responsáveis pelas queimadas na Amazônia.

À pergunta sobre quem mais pode contribuir para resolver o problema das mudanças climáticas, a maioria atribuiu a responsabilidade ao governo (37%), à frente das empresas e indústrias (32%), da população (24%) e das ONGs (4%).

*Sob supervisão de André Catto

Fonte: https://bityli.com/RjsRi

Ilustrações: Silvana Santos