A natureza universal sustenta a vida de todos os seres. (Dalai Lama)
ISSN 1678-0701 · Volume XX, Número 76 · Setembro-Novembro/2021
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(8) Notícias(7) Reflexão(4) Para sensibilizar(1) Arte e ambiente(1) Sugestões bibliográficas(2) Educação(1) Ações e projetos inspiradores(2) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) Relatos de Experiências(9)   |  Números  
Relatos de Experiências
18/08/2021 (Nº 76) PRESENÇA DE FUNGOS E BACTERIAS EM AREAS HOSPTALARES
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4190 
  

PRESENÇA DE FUNGOS E BACTERIAS EM AREAS HOSPSITALARES: USANDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA MELHORIA DA QUALIDADE DA SAÚDE

Kelly Porto de Macedo / Licenciada em Biologia.

kellysouzaporto@gmail.com



Resumo

O trabalho em questão, pesquisou a presença de bactérias em quartos hospitalares e em pacientes, através da técnica de esfregaço, o objetivo desta pesquisa foi de elaborar material informativo para promover campanhas educativas com a pretensão de reduzir os níveis de contaminações, seja em ambientes hospitalares ou em pacientes. Foram encontradas bactérias nos ambientes hospitalares e em pacientes de cardiologia, renais. Elaboramos um material educativo com pretensão de promover conscientização na comunidade. Este trabalho poderá ser ampliado para uma segunda fase com intenção de avaliar a redução ou não dos níveis de contágios após a campanha efetivada.



Abstrat

The work in question, researched the presence of bacteria in hospital rooms and in patients, using the smear technique, the objective of this research was to develop informational material to promote educational campaigns with the aim of reducing the levels of contamination, whether in hospital environments or in patients. Bacteria were found in hospital environments and in renal cardiology patients. We prepare educational material with the intention of promoting awareness in the community. This work can be extended to a second phase with the intention of evaluating the reduction or not of contagion levels after the effective campaign.



Introdução

Nestes últimos tempos o mundo vem tratando de alguns temas comuns somente a área da saúde. Falar sobre bactérias, vírus, fungos era um tema comum a área de saúde e da biologia em sala de aula. O mundo está vivendo uma pandemia e por este motivo começaram a surgir debates em torno da situação atual com relação a pandemia. Conhecer o que são bactérias e como pode-se contaminar, passou a ser uma condição importante, tanto na saúde, com relação a segurança do trabalho, como também na educação, para que as pessoas estejam preparadas para se prevenir. Atualmente além de bactérias, os vírus e fungos tanaram-se importante reconhecer ou conhecer a variedades destes ou ainda a forma de contágio e controle.

Podemos considerar que a pandemia trouxe ao debate, uma condição de desinformação da comunidade, seja em prevenção ou em controle ambiental. Assim é importante que a comunidade conheça os riscos a que esta sujeita num ambiente hospitalar ou ambulatorial, com relação a presença de vírus, bactérias e fungos, bem como conhecer as formas preventivas e a pretensão de elaborar material educativo, para que a comunidade possa controlar a condição de contágio.

Este trabalho pesquisou a condição de um ambiente hospitalar ou laboratorial, com relação a presença de bactérias em locais com paciente com problemas renais, cardíacos ou pacientes com problemas de origem neurológica. Para tanto, foram analisados ambientes diversos da área hospitalar, de um hospital privado com atendimento de convênios, do município de Pelotas, com objetivo de identificar a presença de bactérias, fungos e vírus, nestes ambientes e concluir com a elaboração de material didático que atenda a divulgação de flayer educativos, referendando informações voltadas a educação ambiental, para que a comunidade, conheça e se comporte dentro dos propósitos de prevenção para controle da saúde de todos e do ambiente.

A forma de identificação das bactérias foi feita através da técnica de esfregaço nos quartos hospitalares e no paciente. Para que o crescimento microbiano ocorra com êxito, é necessário encontrar as condições físicas (pH, temperatura, pressão osmótica) e químicas ideais (fatores nutricionais) para os microrganismos se multiplicarem. (Black / 2002)

A saúde necessita de condições específicas para que posso evoluir com qualidade. São importantes manter hábitos de higiene, como lavar as mãos, os alimentos, manter alimentos armazenados em potes, refrigerados, armários, para prevenir contágio com insetos ou outros animais que possam contaminar os alimentos e o contato com mãos e outras partes do corpo. O organismo humano é frágil, dependendo das condições de imunidade que tenham.

A educação é uma ferramenta importante, para preservação da qualidade da saúde. Campanhas educativas para cuidados com a saúde são importantes para melhorar a vida das famílias, somente com campanhas educativas, divulgando as condições de contágio podem amenizar os graves problemas de saúde que são enfrentados constantemente pelos postos de atendimentos e hospitais.

O contágio ocorre de uma forma natural e em ambiente hospitalares a probabilidade é bem maior, assim sempre é necessário reforçar as informações para controlar o processo de contaminações e expansão de bactérias.

Segundo Koerich 2002 "o aprendizado adulto é pessoal, é ter a vida como educação, pois é um processo que dura a vida toda, que todos nós temos em comum e que alimenta o ciclo da mudança de comportamento, é, portanto, um processo de evolução.

Está descrito em Brasil 2008, que A Política Nacional de Educação Ambiental traz em seu artigo 2º que

[...] a educação ambiental é um componente essencial e permanente da educação nacional, devendo estar presente, de forma articulada, em todos os níveis e modalidades do processo educativo, em caráter formal e não formal.

Assim optamos por pesquisar em leitos hospitalares e nos pacientes, através da técnica de esfregaço e em laboratório identificar a presença de bactérias ou não, em caso positivo a alternativa seria criar um material informativo sobre as bactérias encontradas e formas de contaminação, ainda ficou claro a necessidade de treinamentos para colaboradores sobre o tema, sendo que estas seriam soluções para minimizar a proliferação das contaminações, já que a extensa gravidade dos casos pode levar a estágios graves ou até a morte.

Esta pesquisa ocorreu com pacientes de quartos hospitalares em isolamento, em dias aleatórios, pacientes dos setores de cardiologia, renais, nos pacientes foram coletados em locais com escaras ou na urina, foram encontradas bactérias: Klebsiella, pseudomonas, Staphylococus aureus.

Os resultados revelaram uma quantidade de contágios até então desconhecida nestes setores, assim optamos por levar a comunidade hospitalar um projeto de educação ambiental para atender as propostas da qualidade em saúde no ambiente hospitalar.

A Educação Ambiental é uma estratégia viável para a controle da saúde que pode ter alcance comunitário e trabalhar questões socioambientais que interferem na condição de saúde comunitária. Ressalta-se a importância da interdisciplinaridade e da participação popular para o sucesso do trabalho em comunidade. As questões avaliadas foram qualidade de higienização, armazenamento de alimentos, condição do paciente, e houve um debate com a bioquímica do hospital e sempre foi debatido com os familiares e com o paciente sempre que possível.

Elaborou-se material educativo para conscientização da comunidade dentro do hospital e de visitantes, sejam estagiários de técnico de enfermagem, de enfermagem, de medicina e outros estagiários que passam pelo setor. Este material foi divulgado em reuniões promovidas pelo setor de saúde e segurança do trabalho.

Concluímos que é relevante as pesquisas aleatórias para identificação de presença ou não de bactérias em ambiente hospitalar, para reduzir os níveis de contaminação na saúde da comunidade, usando a educação ambiental como ferramenta multiplicadora. Este trabalho ainda prevê uma segunda etapa de avaliação com locais e pacientes após a divulgação dos materiais informativos.

Desta forma entendemos que a educação ambiente será uma oportunidade de controle e gestão da saúde pública.



Bibliografia Consultada



BLACK, J. G. Microbiologia: fundamentos e perspectivas. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.

MADIGAN, MICHEL T.; MARTINKO, J. M.; PARKER, J. Microbiologia de Brock. 10. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

Falkenberg, M. B., Mendes, T. de P. L., Moraes. E. P. de, Souza. E. M. de. Educação em saúde e educação na saúde: conceitos e implicações para a saúde coletiva.

Koerich MS. Enfermagem e patologia geral: resgate e reconstrução de conhecimentos para uma prática interdisciplinar [dissertação]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2002.

Brasil. Presidência da República. Lei nº 009795/1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. In:Brasil. Presidência da República. Legislação de Direito Ambiental. São Paulo: Saraiva; 2008. 872 p. (Coleção Saraiva de Legislação)

TORTORA, G. J.; FUNKE, B. R.; CASE, C. L. Microbiologia. 8. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007. (Biblioteca Pearson).

Ilustrações: Silvana Santos