A responsabilidade social e a preservação ambiental significa um compromisso com a vida. - João Bosco da Silva
ISSN 1678-0701 · Volume XXI, Número 85 · Dezembro-Fevereiro 2023/2024
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(1) Dicas e Curiosidades(1) Reflexão(9) Para Sensibilizar(2) Dinâmicas e Recursos Pedagógicos(2) Entrevistas(1) Arte e Ambiente(1) Divulgação de Eventos(13) O que fazer para melhorar o meio ambiente(3) Sugestões bibliográficas(3) Educação(1) Você sabia que...(4) Reportagem(2) Educação e temas emergentes(1) Ações e projetos inspiradores(14) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Relatos de Experiências(2) Notícias(17)   |  Números  
Ações e projetos inspiradores
06/09/2023 (Nº 84) BIOPARQUE PANTANAL COLOCA CAMPO GRANDE EM EVIDÊNCIA NAS ÁREAS DO TURISMO, PESQUISA E INCLUSÃO
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4590 
  

BIOPARQUE PANTANAL COLOCA CAMPO GRANDE EM EVIDÊNCIA NAS ÁREAS DO TURISMO, PESQUISA E INCLUSÃO

O ponto turístico foi inaugurado no dia 28 de março de 2022, e desde então alcança números cada vez maiores

27 AGO 2023 - POR ROSANA LEMES, BIOPARQUE PANTANAL

Crédito: Eduardo Coutinho

Campo Grande se tornou referência no turismo e se destaca pela grandiosidade do Bioparque Pantanal. Atualmente o maior aquário de água doce do mundo abriga aproximadamente 40 mil animais e realiza importantes trabalhos de preservação, inclusão e pesquisa científica.

O ponto turístico foi inaugurado no dia 28 de março de 2022, e desde então alcança números cada vez maiores. Em tão pouco tempo, o local já recebeu 497 mil visitantes, sendo que turistas de 111 países já fincaram suas bandeiras no complexo de água doce e se encantaram com a diversidade de peixes do Pantanal e outras regiões.

Estudantes participam de atividades pedagógicas toda semana

Por seu um espaço que vai além do lazer, o Bioparque desenvolve um rico trabalho de educação ambiental com estudantes de escolas públicas e privadas. Por meio do Núcleo de Educação Ambiental (NEA), estudantes participam de atividades pedagógicas, que somadas ao passeio, ampliam a conscientização sobre a preservação do meio ambiente e seus recursos. Até o momento, 57 mil estudantes já tiveram acesso ao espaço de experiência e conhecimento.

O local vai além de um espaço de lazer e desenvolve trabalhos de preservação

Aliado à educação ambiental estão os projetos desenvolvidos nas áreas da conservação e pesquisa. Prova disso é a consolidação do complexo como espaço turis-científico, que tem como objetivo mostrar as belezas e riquezas dos rios e, ainda, fomentar a pesquisa, sendo essa responsável por resultados positivos para a ciência. O Bioparque conta com 45 espécies reproduzidas, mais de 250 reproduções, 11 registros inéditos de espécies para a ciência no mundo e nove no Brasil.

Diretora-geral do Bioparque Pantanal, Maria Fernanda Balestieri pontua o papel do empreendimento, consolidado como turis-científico. “Nosso trabalho reflete na conservação de espécies, essencial para a manutenção e equilíbrio do nosso ecossistema. Aqui nós somos um laboratório vivo, não só dispomos de uma espalho de lazer, como também contribuímos para o bem-estar animal e consequentemente a perpetuação de espécies, sendo que aqui eles encontram um ambiente propício para deixar descendentes”.

Inclusão
Com o projeto ‘Bioparque para todos – Iguais na diferença’, o Bioparque Pantanal proporciona a todos um ambiente inclusivo e acessível. Profissionais capacitados, tecnologias assistivas e protocolos de atendimento são diferenciais no dia-a-dia do complexo e fazem a diferença para a pessoa com deficiência.

Logo na entrada do complexo, o balcão de acessibilidade está à disposição do visitante com cadeiras de rodas, material em braile, tablets com interpretação dos tanques em Libras, fones de ouvido para audiodescrição e crachá de identificação para autistas e pessoas com deficiências ocultas. O local também conta com intérprete de libras.

O Bioparque conta com profissionais capacitados para o atendimento acessível

Além de dispositivos tecnológicos, o local dispõe de elevador que dá acesso a todos os pavimentos, corrimãos e identificação dos tanques em braile e experiência tátil para cegos. Neste último, o visitante pode tocar os animais taxidermizados e entender o formato de cada espécie, por meio de uma luva.

O complexo oferece experiência e conhecimento para todos

A estudante Lilian Garcia é deficiente visual, e relatou sua experiência  no complexo. “Tive um total apoio e respaldo na descrição dos tanques, dos peixes, de tudo o que tem aqui dentro. O atendimento está excelente, recomento a todos.

O presidente da Apae de Dourados, Marcelo Vardasca também reconheceu o trabalho de inclusão do ponto turístico e o atendimento especial com os alunos da instituição pela qual é responsável. “Foi uma grande festa, uma experiência incrível, um dia inesquecível para mais de 100 alunos da Apae. O passeio ficará marcado na vida de nossos alunos, sou grato a todos que nos ajudaram a realizar esse sonho e, principalmente, pelo atendimento dos profissionais e a dedicação com cada um, respeitando sempre cada particularidade”.

Fotos: Eduardo Coutinho

Fonte: https://bitlybr.com/BPsVW





Ilustrações: Silvana Santos