Nada pode substituir o contato com a natureza para o desenvolvimento da consciência ambiental [...] (Genebaldo Freire Dias)
ISSN 1678-0701 · Volume XX, Número 77 · Dezembro-Fevereiro 2021/2022
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(10) Notícias(6) Reflexão(1) Para sensibilizar(1) Entrevistas(1) Arte e ambiente(1) Educação(1) Ações e projetos inspiradores(2) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(4) A Natureza Inspira(2) Relatos de Experiências(4)   |  Números  
Relatos de Experiências
15/12/2021 (Nº 77) EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EM AÇÕES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM ESTUDO DE CASO NO SUL DO BRASIL
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4232 
  

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EM AÇÕES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM ESTUDO DE CASO NO SUL DO BRASIL



UNIVERSITY EXTENSION IN ENVIRONMENTAL EDUCATION ACTIONS: A CASE STUDY IN SOUTHERN BRAZIL



Júlia Luiza Stahl¹ (julialuizastahl@gmail.com (055) 996068746 – Autor para contato) ; Maristela Machado Araujo¹ (maristela.araujo@ufsm.br); Adriana Maria Griebeler¹ (griebeleradriana@gmail.com); Suelen Carpenedo Aimi¹ (suaimi@gmail.com); Juarez Iensen Pedroso Filho² (juarez@afubra.com.br); Álvaro Luis Pasquetti Berghetti3 (alvaro.berghetti@gmail.com); Felipe Turchetto4 (turchetto.felipe@gmail.com); Felipe Manzoni Barbosa5 (felipe93mb@gmail.com); Claudia Costella¹ (claudiacostella@hotmail.com); Leandra Pedron6 (leandra_pedron@hotmail.com)



1Departamento de Ciências Florestais, Universidade Federal de Santa Maria;

2Departamento Agroflorestal da Associação dos Fumicultores do Brasil (AFUBRA);

3Departamento de Solos, Universidade Federal de Santa Maria;

4Departamento de Engenharia Florestal, Universidade Federal de Santa Maria Campus Frederico Wesphalen;

5Departamento de Ciências Florestais, Universidade Federal do Paraná;

6Departamento de Defesa Fitossanitária, Universidade Federal de Santa Maria



Resumo

A extensão universitária conecta a universidade com a sociedade e amplia as oportunidades à formação do discente. Desse modo, a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e a Associação dos Fumicultores do Brasil (AFUBRA) desenvolvem ações participativas com escolas do subprograma Bolsa de Sementes, abordando a valorização das espécies arbóreas nativas do Sul do Brasil. Desse modo, o objetivo do trabalho é relatar experiências e resultados de atividades de extensão universitária da UFSM, em parceria com a AFUBRA. Para isso, foi incentivado a observação das características dos frutos e sementes, aliadas ao plantio de mudas no entorno de nascentes, com posterior avaliação do processo de restauração das áreas, por meio de indicadores ecológicos. Na experiência, foi possível constar o envolvimento e interesse da comunidade escolar e dos acadêmicos participantes, ficando evidente a importância do compartilhamento de saberes. A interação entre universidades e instituições privadas representa uma alternativa para apoiar escolas de ensino público básico na realização de ações planejadas, com investimento para organização e aporte de conhecimento técnico-científico, o que contribui para o desenvolvolvimento sócio, econonômico e ambiental da região.



Palavras-chave: Bolsa de Sementes. Parceria público-privado. Sensibilização. Espécies arbóreas nativas. Comunidade escolar.

Abstract

University extension connects the university with society and expands the opportunities for students' education. Thus, the Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) and the Associação dos Fumicultores do Brasil (AFUBRA) develop participatory actions with schools in the Bolsa de Sementes subprogram, addressing the appreciation of native tree species of southern Brazil. Thus, the objective of this work is to report experiences and results of university extension activities of UFSM, in partnership with AFUBRA. To this end, the observation of the characteristics of fruits and seeds was encouraged, together with the planting of seedlings around springs, with subsequent evaluation of the process of restoration of the areas, by means of ecological indicators. In the experience, the involvement and interest of the school community and the participating students was evident, making the importance of sharing knowledge evident. The interaction between universities and private institutions represents an alternative to support schools of basic public education in carrying out planned actions, with investment for the organization and contribution of technical and scientific knowledge, which contributes to the social, economic and environmental development of the region.



Keywords: Pouch of Seeds. Public-private partnership. Awareness. Native tree species. School community.



Introdução



A evolução na sociedade tem demandado novas necessidades à humanidade, muitas vezes, consistindo num paradoxo à conservação dos ecossistemas naturais, pois há uma desconexão do indivíduo com o ambiente em detrimento a outros interesses. Consequentemente, a natureza, fonte da matéria-prima, é negligenciada quanto sua importância. Nesse contexto, entende-se como estratégico o compartilhamento de informações relacionadas aos temas ambientais, tendo como alternativa reunir maneiras de integrar o conhecimento advindo das Universidades aos saberes e às realidades das comunidades nas quais estão inseridas e vice-versa. Diante disso, a Política Nacional de Extensão Universitária, publicada pelo fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras – (FORPROEX, 2012) descreveu a extensão universitária sendo “[...] um processo interdisciplinar, educativo, cultural, científico e político que promove a interação transformadora entre universidade e outros setores da sociedade”.

A extensão universitária tem como objetivo o intercâmbio de saberes, por meio de um conjunto de ações teóricas e práticas, as quais permitem a troca de experiências entre os profissionais tecnicamente capacitados (docentes, discentes e técnicos) com a comunidade que é detentora de experiências que servem de base para enriquecer e direcionar discussões acerca de determinado objetivo. Assim, o papel da extensão na universidade deixa de ser apenas disseminar o conhecimento acadêmico e passa a ser consolidado com base no trabalho conjunto do pesquisador extensionista com a comunidade envolvida na produção do conhecimento (PDI UFSM, 2016). Com o apoio da pesquisa-ação-participativa que preconiza a produção de conhecimentos, a ação educativa e a participação dos envolvidos, é possível construir conhecimento sobre a realidade trabalhada e, concomitantemente, firmar um processo educativo e participativo para o enfrentamento das diferentes realidades (TOZONI-REIS, M. F. C., 2005, p. 274).

De acordo com Campos (2020), a extensão aliada ao ensino e pesquisa, expressa uma visão de mundo e de sociedade presente nos projetos acadêmicos e nas políticas públicas com seus princípios e valores. Além disso, essa permite que o discente seja protagonista de sua formação técnica, quando adquire competências necessárias à sua formação profissional e cidadã. Desse modo, os conhecimentos acadêmicos provêm em parte da participação na elaboração de projetos de extensão, com vista às realidades e problemáticas existentes, planejamento de ações teóricas e práticas, bem como a execução das ações junto à comunidade. Adicionalmente, é de suma importância que o discente participe da discussão dos resultados obtidos pelo grupo e, posteriormente, retorne à comunidade envolvida, expondo suas reflexões sobre possíveis mudanças ou melhorias, levando em conta aspectos positivos e negativos provenientes da ação de extensão implementada.

Nesse sentido, visando maior engajamento em atividades extensionistas, uma das estratégias implementadas pelo Plano Nacional de Educação (Brasil, 2014), estabelece que seja destinado “[...] no mínimo 10% (dez por cento) do total de créditos curriculares exigidos para a graduação em programas e projetos de extensão universitária, orientando sua ação, prioritariamente, para áreas de grande pertinência social”. Diante desse cenário, cursos de formação superior que possuem em sua grade curricular disciplinas que abordam temáticas relacionadas às questões ambientais, podem utilizar metodologias voltadas aos projetos de educação ambiental. Isso pode ser possível devido à pertinência da discussão acerca de sua importância que, de acordo com a Política Nacional de Educação Ambiental (Brasil, 1999), estabelece Educação Ambiental (EA) como:

Um conjunto de processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constrõem valores sociais, conhecimentos, habilidades e competências voltadas à conservação do meio ambiente, bem de uso comum e do povo, essencial à ótima qualidade de vida e sua sustentabilidade.

No entanto, apesar da exigência no cumprimento da Lei nº 13.005/14, os recursos financeiros e organizacionais para implementação e continuidade das ações de extensão universitária, geralmente, são limitados devido, principalmente, à escassez e dependência de recursos públicos. Assim, destaca-se a importância da consolidação de parcerias das universidades com instituições privadas, associações ou cooperativas. Essas entidades, a exemplo da Associação dos Fumicultores do Brasil (AFUBRA), fomentam a logística, pois possuem como missão assegurar a qualidade de vida e o bem-estar social das comunidades inseridas em sua área de atuação, apoiando seu desenvolvimento social, econômico, ambiental e cultural.

Diante desse cenário, o subprograma Bolsa de Sementes foi criado por meio de parceria entre a AFUBRA e a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), sob a coordenação de uma de suas unidades, o Laboratório de Silvicultura e Viveiro Florestal (LabSilvi). A Bolsa de Sementes dentro da AFUBRA é gerida pelo Projeto Verde é Vida e visa promover a preservação do meio ambiente e das espécies arbóreas nativas do Sul do Brasil. Ao longo dos seus 20 anos de existência, o subprograma envolve comunidades rurais e escolas nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, em atividades relacionadas à coleta de sementes e seu beneficiamento (AFUBRA, 2020). Além disso, desenvolve atividades práticas de extensão e educação ambiental relacionadas à valorização de espécies nativas, com o envolvimento das escolas, comunidades, técnicos da AFUBRA e equipe de professores, graduandos e pós-graduandos da UFSM.

Desse modo, o objetivo do presente estudo de caso é relatar experiências e resultados de atividades de extensão universitária da UFSM, em parceria com a AFUBRA, a partir de ações de extensão voltadas à educação ambiental, bem como incentivar experiências similares em contextos regionais no Brasil.



Metodologia

As ações de extensão universitária foram desenvolvidas na Escola Estadual de Ensino Fundamental Adolfo Mânica, interior do município de Boqueirão do Leão, Rio Grande do Sul, as quais surgiram como proposta piloto para serem adaptadas e utilizadas em outras iniciativas. As atividades de educação ambiental foram desenvolvidas entre agosto de 2015 e novembro de 2017 e contaram com a participação direta de cerca de 60 estudantes, nove professores e três comunidades rurais.

A temática principal utilizada foi a valorização das espécies arbóreas nativas do Sul do Brasil, cadastradas no subprograma Bolsa de Sementes. A partir disso, utilizou-se subtemas referentes as características dos ambientes de entorno, a identificação das espécies, os tipos de frutos, a qualidade das sementes utilizadas na produção de mudas para recuperação ambiental e a importância de conservar e recuperar o entorno de nascentes. Tais atividades foram planejadas, organizadas e conduzidas pela Equipe do LabSilvi da UFSM (professores, acadêmicos de graduação e pós-graduação) e por colaboradores da AFUBRA. Utilizou-se recursos teóricos e práticos, sendo desenvolvidas dinâmicas, oficinas, palestras, gincanas, demonstrações e dias de campo, de modo a possibilitar a interdisciplinaridade no decorrer das ações práticas.

Desse modo, a ação foi dividida em cinco etapas, que geralmente consistiram em dias de campo: a primeira, referente ao planejamento das atividades com a participação de todos os agentes envolvidos; a segunda com atividades desenvolvidas na escola, incluindo o estudo do entorno e a identificação das espécies florestais nativas, coleta e beneficiamento de sementes para produção de mudas; a terceira com a realização e condução de plantio de mudas para recuperação do entorno de nascentes, localizadas em três propriedades rurais nos municípios de Boqueirão do Leão e Candelária, envolvendo a comunidade local, associada a organização para o monitoramento futuro; a quarta, realizada aos três anos após o início do projeto, com apresentação e discussão dos resultados obtidos. De forma complementar, na quinta etapa, a equipe da UFSM retornou às áreas, em março de 2021, para avaliação dos indicadores ecológicos do sucesso da restauração no entorno das nascentes, tais como o crescimento das mudas plantadas, desenvolvimento da regeneração natural no sub-bosque e qualidade do solo (mesofauna edáfica), além da obtenção das impressões dos agricultores envolvidos (Quadro 1).



Quadro 1 – Atividades de educação ambiental desenvolvidas com a Escola Estadual de Ensino Fundamental Adolfo Mânica, Boqueirão do Leão, RS

Ações

Temas abordados e atividades desenvolvidas


1ª) Planejamento das ações

Apresentação conceitual e discussão sobre a importância dos ecossistemas naturais, com ênfase às áreas de preservação permanente e o papel de toda comunidade na conservação destes ambientes.


2ª) Realização das ações na E.E.E.F. Adolfo Mânica

1) Identificação de espécies florestais arbóreas nativas (características morfológicas dos ramos, folhas, flores, frutos, tronco e casca), abordando sua autoecologia.


2) Seleção, marcação de árvores matrizes e desenvolvimento de calendário fenológico.

3) Coleta, beneficiamento e preparo de lotes de sementes de qualidade para uso na produção de mudas utilizadas em restauração de áreas.

4) Gincana com tarefas associadas às atividades realizadas e aplicação de questionários para obtenção de indicadores de assimilação das ações realizadas.

5) Questionário sobre espécies florestais e sua importância na preservação de nascentes.








3ª) Isolamento

e plantio de mudas no entorno das nascentes

1) Análise de áreas em propriedades rurais no entorno da comunidade escolar, para seleção das nascentes a serem restauradas.

2) Preparo da área e plantio de mudas, condução, monitoramento do crescimento e desenvolvimento das plantas, a partir da análise da sobrevivência, destacando a importância do replantio e relação solo-água-planta. Com apoio da comunidade escolar, realizou-se o plantio de cerca de 400 mudas das espécies nativas: Luehea divaricata Mart. & Zucc. (Açoita-cavalo), Psidium cattleyanum Sabine (Araçá), Schinus terebinthifolius Raddi (Pimenteira), Allophylus edulis (A. St- Hil., Cambess e A. Juss.) Radlk (Chal-chal), Cordia americana (L.) Gottshling & J.E.Mill. (Guajuvira), Ceiba speciosa (A. St.-Hil.) Ravenna (Paineira) e Citharexylum montevidense (Spreng.) Moldenke (Tarumã-de-espinho).

3) Demonstração de equipamentos e avaliações do crescimento (diâmetro de coleto e altura da parte aérea), e estado fisiológico das mudas plantadas (clorofila) e condições do ambiente (intensidade de luz), relacionando a prática com os conteúdos da matemática, tais como unidades de medidas (mm, m e cm).

4ª) Apresentação dos resultados alcançados

1) Dia de campo nas áreas demonstrativas que receberam os plantios, apresentação e discussão dos resultados com a participação do público externo, além dos depoimentos dos envolvidos na ação.

2) Visita de estudantes, professores e servidores da Escola na UFSM, oportunizando a integração da comunidade escolar e recursos de acesso ao ensino superior público.

5ª) Retorno às áreas dos plantios para avaliação da evolução da restauração e entrevista aos proprietários.

1) Avaliação do crescimento das plantas (altura total e diâmetro do coleto), mensurados com régua e paquímetro digital, respectivamente.

2) Avaliação da regeneração natural (por meio de censo) presente no sub-bosque (360 m² cada área). Foram medidos todos os indivíduos arbóreo-arbustivo com altura maior que 5 cm e identificados de acordo com a Lista de Espécies da Flora Brasileira (Flora Brasileira, 2021), e as famílias segundo o Angiosperm Phylogeny Group (APG IV, 2016).

3) A determinação da mesofauna do solo foi realizada de acordo com a metodologia descrita por Aquino (2006). O índice de diversidade de Shannon foi calculado para avaliar a diversidade de regenerantes e ordens de macro e microrganismos do solo das três áreas de plantio. Esse Índice foi determinado pela seguinte fórmula: H’ = ∑pi*lnpi, onde pi é a proporção de espécies em relação ao número total de espécimes encontrado no levantamento (MAGURRAN, 2011).

4) Entrevista aos proprietários com questionamentos sobre a sua percepção diante a prática realizada.

Fonte: A autora, 2021.



Resultados e discussões

As ações de extensão universitária proporcionaram expressivo aprendizado a todos os envolvidos, conforme relatos. No decorrer das atividades, apesar do planejamento prévio, ajustes foram realizados tendo em vista atingir os objetivos, que preconizavam o bem-estar e aprendizado de todos os participantes. Desse modo, no término de cada atividade, os resultados eram discutidos, levando em consideração os aspectos positivos e negativos, de modo a buscar estratégias de adequação e/ou possíveis alterações no encontro seguinte.

O compartilhamento de informações, questionamentos, relatos e os momentos de integração e acolhimento, inclusive as pausas para lanches, enfatizaram a importância da troca de saberes e o potencial das universidades no apoio às escolas públicas. Momentos (intervalos) livres entre as atividades devem ser previstos, mesmo com uma confraternização simples, condição que aproxima as pessoas, permite detectar impressões, potencializando a ação. Conforme relato da acadêmica do 5º semestre do curso de Engenharia Florestal, integrante da equipe da UFSM: “Foi uma ótima experiência poder transmitir às crianças a importância da preservação das matas ciliares, pois eu estava tendo a primeira oportunidade de repassar parte do que eu aprendi na sala de aula”. De forma complementar, um dos pós-graduandos reforçou: “A experiência foi muito gratificante e a cada encontro percebi o crescente engajamento dos participantes, o que me motivou e, também, possibilitou meu crescimento pessoal do decorrer das ações”.

A curiosidade das crianças fez com que surpresas ocorressem durante as explicações, sendo necessário a elaboração de respostas condizentes com a faixa etária (Figura 1A), oportunizando aos acadêmicos raciocínio rápido, lógico e interação com públicos variados. De acordo com Tardif (2008), as ações de extensão universitárias, por vezes, exigem outros saberes, além daqueles aprendidos dentro do currículo do curso, de modo a conduzir à reflexão sobre a utilização de abordagens pedagógicas diferenciadas. Nesse contexto, outra graduanda do curso de Engenharia Florestal (10º semestre), lembra que, ao participar de uma das atividade de campo com as crianças, foi questionada por um menino sobre a função do equipamento utilizado para medir o índice de clorofilas (Figura 1B). Na ocasião, a acadêmica explicou:

Quando precisamos saber como está a saúde do nosso corpo vamos ao médico para fazer exames. No caso das plantas, esse aparelho é uma das formas que permite verificar a fisiologia, ou seja, como elas estão por dentro; se as folhas apresentarem bastante clorofila indica que a planta está saudável, se não, ela pode estar precisando de adubação, por exemplo.

Os educandos de séries iniciais apresentam papel importante na demonstração de atitudes e, consequentemente, na sensibilização dos adultos. Paralelamente, em âmbito de universidade, Ferreira et. al (2020) destacaram que o ensino é capaz de tornar o discente um cidadão crítico e reflexivo, de forma que possa ser capaz de utilizar os conteúdos na resolução dos seus problemas, sendo o protagonista do seu aprendizado. Isso pode ser potencializado com a extensão universitária realizada nas escolas, que incentiva a observação e reflexão sobre o ambiente onde estão inseridos. No presente estudo, tal fato foi evidenciado nas respostas obtidas com a aplicação de questionário, pois ao serem indagados sobre o significado de mata ciliar, 94,7% dos estudantes marcaram corretamente a alternativa “Mata ciliar é a vegetação presente no entorno de rios, córregos e nascentes”. Além disso, 92,3% consideravam a mata ciliar importante para a preservação dos cursos d’água, reconhecendo a necessidade da conservação ou recuperação desses ambientes.

As atividades tiveram como objetivo despertar o interesse acerca do conhecimento e conservação das espécies florestais nativas, possibilitando a interação entre familiares, estudantes, professores e funcionários. Desse modo, por meio da identificação, seleção e marcação de novas árvores matrizes pela comunidade escolar (Figuras 1A e 2A), permitiu-se sensibilizar para a importância de ampliar a base genética de sementes utilizadas para produção de mudas, destinadas à recuperação de nascentes. Somado a isso, a confecção de exsicatas possibilitou a elaboração de material comparativo para facilitar a identificação de espécies no decorrer das atividades com novos estudantes (Figura 2B).

A análise dos questionários também permitiu constatar que os estudantes melhoraram seus conhecimentos sobre espécies florestais nativas por meio das ações desenvolvidas no subprograma. As espécies florestais Eugenia uniflora L. (Pitanga) e Ceiba speciosa (A. St.-Hil.) Ravenna (Paineira) foram elencadas como as espécies mais conhecidas (Figura 3). Entretanto, foi possível constatar em uma atividade que contou com a participação dos familiares dos estudantes, que o conhecimento existente sobre as espécies florestais nativas e suas utilizações parece não estar sendo compartilhado no ambiente familiar, uma vez que os pais possuem amplo conhecimento sobre as espécies e seus usos, enquanto os filhos não estão agregando essa valiosa informação ao seu aprendizado.

Nesse contexto, enfatiza-se a importância da abordagem sobre aspectos relacionados às temáticas ambientais nas escolas e a relevância de projetos como a Bolsa de Sementes para fomentar a valorização do meio ambiente. De acordo com Bezerra et al. (2014), a participação da escola no processo de construção do conhecimento, valores e atitudes voltadas para a temática ambiental é fundamental, pois promove a conscientização e o engajamento da comunidade escolar, na defesa do meio ambiente ecologicamente equilibrado e essencial à qualidade de vida.





As atividades de educação ambiental com a coleta e beneficiamento de frutos de espécies nativas para posterior obtenção de sementes também se mostraram eficientes, com engajamento e interesse dos estudantes e professores. Isso pode ser evidenciado quando questionados sobre o método de beneficiamento de frutos, como por exemplo da Eugenia involucrata DC., (Cerejeira-do-mato), com fruto “carnoso” (com polpa). Todos os estudantes marcaram corretamente a alternativa “Pré-condicionar os frutos na água e após, pressionar levemente sobre uma peneira para não danificar as sementes”. A partir de questões como essa, percebeu-se que os envolvidos tiveram a oportunidade de compreender aspectos relacionados aos tipos de frutos, aos métodos de coleta de sementes nas árvores, os cuidados na extração e beneficiamento, observando os tipos de frutos (carnosos, secos deiscentes e secos indeiscentes) e as formas de retirada de excesso de umidade para a obtenção de lotes de sementes de qualidade.

A realização das gincanas envolvendo os temas abordados em atividades teórico-práticas, permitiu a integração entre estudantes participantes, estimulando, também a cooperação mútua, a socialização e a criatividade. Silva (2017) considerou que essas atividades são extremamente valiosas no processo de ampliação do conhecimento, pois permitem o desenvolvimento de competências no âmbito da comunicação, das relações interpessoais e do trabalho em equipe. Além disso, nessa ação, a gincana serviu como ferramenta para revisar os conteúdos abordados,consolidando o aprendizado obtido ao longo de mais de dois anos de atividades.

O plantio e o monitoramento do desenvolvimento das plantas das espécies florestais nativas no entorno das nascentes, ao longo dos três anos, contaram com a participação de todos até então envolvidos, dos produtores rurais, junto com o olhar atento da comunidade geral em dia de campo (Figuras 4A e 4B). De acordo com o coordenador pedagógico do Projeto na AFUBRA: “Todos, escola e comunidade, estão envolvidos no projeto. Além disso, o diferencial aqui é o envolvimento dos produtores”.

Desse modo, o engajamento da comunidade e a inserção da pesquisa e da extensão, permitem vislumbrar perspectivas e soluções mais amplas e criativas. Ações como essa auxiliam na formação integral do estudante, além de colaborar para que o contexto comunitário seja compreendido não apenas como “publico alvo”, mas também como formador do conhecimento (PDI, 2016). De forma complementar, Figueiredo (2020) destaca a relevância do estabelecimento de espaços de diálogo e acolhimento, trabalhando o pensar individual para então expandir para o coletivo, propiciando vivências com a avaliação da prática educativa de forma reflexiva.