O modo de funcionamento da humanidade entrou em crise. (Ailton Krenak)
ISSN 1678-0701 · Volume XXI, Número 80 · Setembro-Novembro/2022
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(11) Notícias(11) Dicas e Curiosidades(1) Reflexão(1) Para sensibilizar(1) Dinâmicas e recursos pedagógicos(1) Entrevistas(1) Arte e ambiente(1) Sugestões bibliográficas(1) Educação(1) Você sabia que...(1) Sementes(1) Ações e projetos inspiradores(5) Cidadania Ambiental(1) Do Linear ao Complexo(3) A Natureza Inspira(1) Relatos de Experiências(9)   |  Números  
Artigos
13/09/2022 (Nº 80) EDUCAÇÃO EM SOLOS: UMA ATIVIDADE DE PERCEPÇÃO SOBRE O SOLO NO ENSINO FUNDAMENTAL I
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4360 
  

EDUCAÇÃO EM SOLOS: UMA ATIVIDADE DE PERCEPÇÃO SOBRE O SOLO NO ENSINO FUNDAMENTAL I

Thiago Woiciechowski1, Hemilly Nogueira Ramos de Carvalho2, Carla Deisiane de Oliveira Costa do Val3

1Prof. Dr. Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul, Engenharia Florestal e Agronomia, thiagowoi@uems.br. 2Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul, hemillynogueira@hotmail.com. 3Doutora em Agronomia, Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul, carladeisiane@hotmail.com.



Resumo. Uma das formas de se adquirir consciência sobre o recurso natural solo é na fase escolar. No entanto, os conteúdos a respeito da ciência do solo são abordados sem a devida importância no ensino fundamental I, em que boa parte dos docentes utilizam apenas os livros escolares como recurso didático. Assim, atividades de percepção sobre o solo contribuem para a verificação da aprendizagem, revelando lacunas no ensino sobre o solo e, a partir disso, sugerindo diferentes formas de abordagem frente ao que é tradicionalmente repassado na sala de aula. O trabalho teve como objetivo analisar a percepção dos estudantes do ensino fundamental I sobre o solo, correlacionando o aprendizado por meio dos livros escolares utilizados. A pesquisa ocorreu em uma escola da rede particular de ensino em Aquidauana, MS e teve a participação de 36 estudantes do ensino fundamental I matriculados no 3°, 4° e 5° ano. O levantamento dos dados ocorreu em duas etapas, a primeira caracterizada pela pesquisa documental nos livros didáticos utilizados pelos docentes de ensino fundamental e, a segunda, realizada no ambiente escolar e definida pela aplicação de questionários semiestruturados para os estudantes e, posterior levantamento dos resultados e apontamentos. As temáticas relacionadas ao solo estavam apresentadas nos livros didáticos da disciplina de Ciências no 2º e 3º ano do ensino fundamental. Os questionários mostraram que os estudantes do ensino fundamental detêm conhecimentos básicos sobre o solo, diretamente obtidos pelos livros didáticos, especialmente os estudantes do 3° ano pelas temáticas estudadas na disciplina de Ciências. Foi observado algumas lacunas no processo de aprendizagem, especialmente para aspectos relacionados ao conceito do solo e suas variadas funções. Além disso, os estudantes relataram que a escola não realizada atividades práticas com o solo. As metodologias de avaliação sobre percepção a respeito do solo evidenciam que a educação ambiental é um dos caminhos para dialogar sobre a importância do solo e sua valorização, melhorando as estratégias de ensino e aprendizagem e permitindo a sensibilização dos estudantes a respeito do solo, recurso importante para a vida no planeta.

Palavras-chave: Educação ambiental. Ensino de solos. Percepção do solo. Educação básica. Livro didático.



SOIL EDUCATION: A SOIL INSIGHT ACTIVITY IN ELEMENTARY SCHOOL I



Abstract. One of the ways to acquire awareness about the natural resource soil is in the school phase. However, studies on soil science are approached without due importance in Elementary I, where most of the teachers use only the textbooks as a didactic resource. Thus, perception activities about the soil contribute to the verification of learning about soil and, from this, suggesting different ways of approaching what traditionally taught in the classroom. This work aimed to analyze the perception of elementary school students about the soil, correlating it with the textbooks used. The research took place in a private school in Aquidauana, MS and had the participation of 36 students from elementary school enrolled in the 3rd, 4th and 5th grades. The data survey occurred in two stages, the first characterized by documentary research in textbooks used by elementary school teachers and defined by the application of semi-structured questionnaires for students and subsequent survey of the results and notes. The themes related to soil were presented in the science textbooks of the 2nd 3rd year of elementary school. The questionnaires showed that the elementary school students have basic knowledge about soil, directly obtained from the textbooks, especially those of the 3rd grade, due to the themes studied in the science class. Some gaps in the learning process were observed, especially for aspects related to the concept of soil and its various functions. In addition, the students reported that the school did not carry out practical activities with soil. The evaluation methodologies on soil perception show that environmental education is one of the ways to discuss the importance of soil and its valorization, improving the teaching and learning strategies, allowing the sensitization of students about the soil, which is important for life on the planet.

Keywords: Environmental Education, Teaching Soil, Soil Perception, Elementary School, Textbook.

INTRODUÇÃO

O solo é um elemento natural da paisagem, considerado fundamental para o desenvolvimento das atividades humanas. É graças aos solos que as sociedades produzem alimentos, constroem suas moradias e, além disso, o recurso natural serve como habitat para diversas formas de vida (SALOMÃO et al., 2020). O solo é considerado um recurso natural finito, não renovável (SANTOS et al., 2019) e estima-se que se leva entre cem e quatrocentos anos para a formação de um centímetro de solo sobre o material consolidado (SIEBE et al., 2007).

Apesar de ser considerado um dos bens mais valiosos e merecedores de proteção, a degradação dos solos ocorre de maneira descontrolada pela população (ZANELLATO, 2015). A falta de consciência e sensibilidade a respeito do solo causam atitudes negligentes em torno da sua conservação, ocasionando o aumento de problemas ambientais como aerosão hídrica e a poluição do solo, além do assoreamento dos cursos d’água (MUGGLER et al., 2006).

A sustentabilidade tem como princípio suprir às necessidades das gerações presentes de modo que não afete a qualidade de vida das gerações futuras. Neste contexto, Muggler et al. (2006) consideraram a necessidade de desenvolver e estimular a percepção popular em relação ao solo por meio da concepção de valores e atitudes que considerem o princípio de sustentabilidade, com o intuito de que práticas e condutas sejam revistas. Uma destas possibilidades é por meio da Educação Ambiental (WEBER et al., 2017).

A Educação Ambiental (EA) é uma ferramenta para o desenvolvimento sustentável bastante utilizada na conscientização da sociedade (WEBER et al., 2017). O seu principal objetivo é auxiliar na compreensão de questões relacionadas ao meio ambiente, esclarecendo que ele é resultado do funcionamento anexo de diversos componentes e que uma intervenção sobre qualquer um deles afetará o todo (SILVA, 2018).

No âmbito escolar brasileiro, os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN´s) norteiam os docentes da rede básica de ensino na condução de seu trabalho, além de orientar e apoiar discussões e o desenvolvimento do projeto educativo nas escolas (BRASIL, 1997). Conforme as demandas descritas pelos PCN´s, a EA deve ser trabalhada de forma que questões ambientais permeiem os diversos conteúdos abordados durante o processo educativo das pessoas e não apenas em uma determinada disciplina (MUGGLER et al., 2006).

Desta forma, é esperado que o tema solo seja apresentado e discutido no contexto das ciências naturais, conforme determinado pelos PCN´s (MARTINS et al., 2017) e, por sua vez, correlacionado às disciplinas de Geografia, Ciências e Biologia (SANTOS et al., 2019). As orientações exigidas pelos PCN´s, definem que a abordagem de tal tema no ensino fundamental I deve ser realizada de maneira introdutória, com a expectativa de que os estudantes obtenham a capacidade de compreender e assimilar características específicas de cada ambiente (SILVA, 2018).

Por outro lado, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é um documento que aponta o conjunto orgânico e progressivo de aprendizagens essenciais que todos os estudantes devem desenvolver ao longo das etapas e modalidades da educação básica (BRASIL, 2018). Nos anos iniciais, a BNCC indica a apresentação do tema solo nas disciplinas de Ciências no 3º e 5º ano e na disciplina de Geografia no 2º ano do ensino fundamental I.

No processo educativo, o solo é exposto como um componente básico do funcionamento do meio ambiente, amplamente discutido na EA (ZANELLATO, 2015). A Educação em Solos, uma das tantas extensões da EA, é considerada uma ferramenta que busca sensibilizar e orientar pessoas em diversas idades, sobre questões relacionadas a importância dos solos tanto para vida humana quanto para o meio ambiente, além de abordar sobre a necessidade de sua proteção e conservação (MUGGLER et al., 2006).

Uma das formas de se adquirir consciência sobre o solo é na fase escolar, por meio de atividades que visem à identificação de atributos, características e diferentes formas de utilização dos solos (SANTOS et al., 2019). Por outro lado, Santos & Catuzzo (2020) mencionaram a existência de problemas por parte do educador em enxergar o solo como um elemento de paisagem.

As dificuldades em torno do ensino de solos na educação básica são resultado de lacunas contidas nos materiais didáticos, uma vez que dispõem de informações tecnicamente incorretas e inadequadas a atualidade, além da ausência de aspectos regionais que facilitariam a melhor visualização do recurso pelos estudantes em seu cotidiano (SANTOS et al., 2019), visto que as temáticas são abordadas de forma superficial, fragmentada e sem conexão com os PCN´s (ZANELLATO, 2015).

Os projetos de extensão universitária nas temáticas de educação em solos são considerados instrumentos de aprendizagem alternativos, suprindo possíveis falhas no ensino sobre solos na educação básica (SANTOS et al., 2019), desde que sejam recorrentes no âmbito escolar. Todavia, tais instrumentos devem prever metodologias de avaliação prévia sobre o solo, fundamentando-se que, na maioria das vezes, o livro didático é o único recurso utilizado nas escolas (SANTOS; CATUZZO, 2020; ZANELLATO, 2015).

Assim, o uso de questionários ou enquetes (ZANELLATO, 2015; SANTOS et al., 2019), mapas mentais (OLIVEIRA, 2006; BIONDI; FALKOWSKI, 2009), experimentos demonstrativos seguido de questionários (FREITAS, 2018), práticas itinerantes com perguntas e respostas (SANTOS; CATUZZO, 2020) e práticas pedagógicas com o uso de ensaios (SOBRINHO et al., 2020) são exemplos de metodologias que permitem detectar o conhecimento prévio de estudantes a respeito do solo.

A educação em solos está inserida no contexto da educação ambiental e oportunizar percepções do meio ambiente em que se vive, durante a fase escolar, proporciona mudanças atitudinais com vistas à conservação dos recursos naturais do planeta, especialmente o solo. Assim, este trabalho teve por objetivo aplicar uma atividade na forma de questionário e analisar a percepção dos estudantes do ensino fundamental I sobre o solo, correlacionando o aprendizado por meio dos livros didáticos utilizados.



MATERIAL E MÉTODOS

O trabalho teve como público-alvo estudantes da educação básica de uma escola da rede particular na cidade de Aquidauana, MS. O município está localizado na região central do Estado de Mato Grosso do Sul, distante aproximadamente 140 quilômetros da capital estadual, Campo Grande e, apresenta-se como acesso ao Pantanal Sul-mato-grossense. É considerada uma cidade de médio porte, que conta com cerca de aproximadamente 45 mil habitantes (IBGE, 2010).

O público para a pesquisa consistiu em 36 estudantes do ensino fundamental I, sendo 9, 12 e 15 estudantes, respectivamente, dos 3°, 4° e 5° ano. Inicialmente, foram realizadas reuniões entre a coordenação escolar, docentes e os membros do projeto de extensão universitária, objetivando atender o interesse da escola na execução das ações extensionistas junto as demandas e assuntos desenvolvidos nas disciplinas de acordo com a temática de educação em solos.

Para realização do trabalho, ações para a investigação da educação em solos no ensino fundamental I no ambiente escolar foram estabelecidas e divididas em duas etapas. A etapa I foi caracterizada pela pesquisa documental nos livros didáticos utilizados pelos docentes em disciplinas das séries onde o solo ou parte de algum conteúdo sobre o solo era apresentado. A etapa II foi realizada no ambiente escolar e foi estabelecida pela aplicação dos questionários para os estudantes e, posterior levantamento dos resultados e apontamentos.

Na etapa I, a pesquisa documental foi realizada para uma análise da conteúdo sobre o solo e a forma de abordagem nos livros didáticos adotadas no ensino fundamental I. Para tanto, foram executadas as análises quali-quantitativas, por série, nas ementas e, depois, nos livros didáticos, averiguando informações pertinentes aos conteúdos de solos. Na pesquisa documental é considerada as apostilas e livros usados na educação básica caracterizados como arquivos conservados no interior de órgãos públicos e privados que sofrem algum tipo de investigação (GIL, 2010). Tais análises deveriam fundamentar as respostas dos estudantes sobre o conhecimento teórico a respeito do solo, permitindo estabelecer correlações.

Na etapa II, os estudantes formaram grupos no pátio da escola. Foi definido um momento para cada série e, em seguida, explicações sobre a atividade foram repassadas para então ser aplicado o questionário semiestruturado. O questionário continha sete questões, de fácil interpretação, dispostas em nível teórico (Q2-Q6) e nível empírico ou cultural (Q1 e Q7). Nas questões Q4 e Q6, os estudantes poderiam informar de forma escrita, em linhas em branco dispostas abaixo das questões, respectivamente, que cores o solo pode ter e que animais podem viver no solo. As questões subscrevem-se na seguinte ordem:

Q1. Você já estudou sobre o solo?

Q2. Você sabe o que é o solo?

Q3. O solo é importante para os seres vivos?

Q4. Existe diferentes cores no solo? Quais cores?

Q5. Você acha que as plantas ajudam a proteger o solo?

Q6. Você conhece algum animal que vive no solo? Quais animais?

Q7. Na escola existe alguma atividade para cuidar do solo?

O diagnóstico permite analisar o entendimento a respeito do solo, estudado nas disciplinas, buscando expandir o conhecimento dos estudantes e promover uma conscientização sobre o solo com vistas à sua conservação, em ações futuras pelos docentes. Os questionários foram recolhidos e agrupados por série para posterior análise.

As respostas dos questionários foram analisadas segundo o método de análise de conteúdos de Bardin (2011). O método consiste na organização e ordenação dos dados, explorando o material, ou seja, as respostas, inferindo sobre semelhanças ou ausências dentro dos itens exploratórios de conhecimento (SANTOS et al., 2019). Os dados obtidos foram tabulados com o auxílio do programa Excel®, utilizando estatística descritiva (percentual).



RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os conteúdos sobre o solo contidos nos livros didáticos foram concebidos de acordo com as indicações da BNCC. Nos anos iniciais, a BNCC indica a apresentação do tema solo nas disciplinas de Ciências no 3º e 5º ano e na disciplina de Geografia no 2º ano do ensino fundamental I, em que se espera dos estudantes uma compreensão em torno da importância da água, em seus diferentes estados, para a agricultura, o clima, a conservação do solo, a geração de energia elétrica, a qualidade do ar atmosférico e o equilíbrio dos ecossistemas (BRASIL, 2018).

Ao analisar as ementas das disciplinas do 3, 4 e 5° ano do ensino fundamental I foi constatado que a aproximação das temáticas relacionadas ao solo aparecem nas unidades referente na disciplina de Ciências no 2º e 3º ano do ensino fundamental I, apenas. De maneira geral, os livros didáticos apresentam uma abordagem ampla do conteúdo, de forma interdisciplinar, e indicam o uso de materiais de apoio para a transmissão das informações de maneira lúdica e divertida, ampliando o debate dos estudantes sobre os temas.

Para o 2º ano do ensino fundamental I, o livro utilizado é de autoria de Thamirys Genova da Silva, publicado pela editora Maxiprint no ano de 2019. O conteúdo sobre o solo apresenta-se disposto na unidade dois intitulada de “Componentes do ambiente”. O livro trata os seguintes assuntos tópicos: Solo’; ‘Importância do solo para os seres vivos’; ‘Uso do solo pelo ser humano’ e ‘Tipos de solos’.

Já o livro didático utilizado no 3° ano do ensino fundamental I é de autoria de Adelyr Raicoski de Noronha, publicado pela editora Positivo Soluções Didáticas Ltda., no ano de 2019. O conteúdo sobre o solo apresenta-se bastante diversificado e está disposto na unidade seis, intitulada de ‘Solo do Planeta’. O livro trata os seguintes tópicos: ‘Características e formação do solo’; ‘Composição do solo’; ‘Tipos de solos’; ‘Importância do solo’; ‘Agroflorestas’; ‘O solo tem vida’; ‘Degradação do solo’; ‘Cuidados com o solo’ e ‘Compostagem’.

A aplicação dos questionários foi realizada após as averiguações do conteúdo referentes ao solo no material didático. A primeira questão abordou os estudantes a respeito do estudo sobre o solo. Nas turmas do 3º, 4º e 5º ano do ensino fundamental I, os estudantes que responderam “sim” corresponderam a 100%, 92% e 80%, e os estudantes que responderam “não” corresponderam a 0%, 8% e 20%, respectivamente nas séries (Figura 1).

Figura 1. Percentual de estudantes do 3º, 4º e 5º ano, do ensino fundamental I, que responderam "sim" e "não", referente a pergunta: "Você já estudou sobre solo”?

O conteúdo sobre solos é abordado no 2 e 3° ano do ensino fundamental conforme os tópicos dispostos nos livros didáticos citados anteriormente. Deste modo, embora o assunto não seja recorrente ao longo das séries iniciais, os estudantes demonstraram conhecimento sobre o estudo do solo na escola e os aspectos que o cercam, fato relacionado diretamente ao uso do livro didático pelos docentes. O primeiro passo para compreensão sobre o recurso natural solo é estudar sobre ele. A compreensão e entendimento dos estudantes sobre as funcionalidades do solo vem por meio da educação (ZANELLATO, 2015).

A segunda questão indagou os estudantes se eles sabiam o que era o solo. Nas turmas do 3º, 4º e 5º ano do ensino fundamental I, os estudantes que responderam “sim” corresponderam 67%, 92% e 33% e os estudantes que responderam “não” corresponderam 33%, 8% e 67%, respectivamente (Figura 2).

Figura 2. Percentual de estudantes do 3º, 4º e 5º ano, do ensino fundamental I, responderam "sim" e "não", referente a pergunta: "Você sabe o que é o solo"?

A primeira abordagem sobre o solo, no 2° ano do ensino fundamental, tem início com uma pergunta: “o que vem à mente quando falamos em solo?” (Figura 3). Em seguida, é apresentando termos popularmente utilizados para designar o solo, sendo eles lama e terra, além de expressar que o solo é um componente natural indispensável para a vida do planeta. Na sequência é apresentado os agentes que influenciam na formação dos solos: chuvas, ventos, restos de plantas e animais, além de diferentes tipos de sais minerais.

Imagem 49

Figura 3. Trechos do livro de Ciências utilizado para abordar o conceito de solo no 2º ano do e ensino fundamental I (SILVA, 2019).

O solo é considerado um elemento do meio ambiente, porém seu conceito varia de acordo com o ponto de vista de quem o define (OLIVEIRA, 2014). A aprendizagem e o interesse do estudante sofrem interferência direta pela forma como os docentes compreendem e atuam didaticamente em sala de aula (FREITAS et al., 2018).

Nos livros didáticos analisados não há uma conceitualização clara do que é o solo e devido ao fato do assunto não estar apresentado de forma sequencial em todas as séries iniciais, informações sobre o recurso não são plenamente absorvidas pelos estudantes. Para estudantes do ensino fundamental, o conceito solo ainda é muito abstrato, pois por muitas vezes o estudante não tem contato direto com este componente ambiental em seu cotidiano (OLIVEIRA, 2014).

A terceira questão investigou o conhecimento sobre a importância do solo para os seres vivos. Nas turmas do 3º, 4º e 5º ano do ensino fundamental I, os estudantes que responderam “sim” corresponderam a 100%, 100% e 87%, e os estudantes que responderam “não” corresponderam a 0%, 0% e 13%, respectivamente (Figura 4).

Figura 4. Percentual de estudantes do 3º, 4º e 5º ano, do ensino fundamental I, responderam "sim" e "não", referente a pergunta: "O solo é importante para os seres vivos"?

A maioria dos estudantes estabelecem uma relação do solo como recuso natural importante para os seres vivos. Por meio de respostas espontâneas, durante a aplicação do questionário, os estudantes responderam apontando a importância do solo principalmente para o cultivo de plantas, habitat de animais e base para a construção de moradias.

Tal fato é justificativo pelas abordagens da importância do solo nos livros didáticos e corroboram com Zanellato (2015), que afirmou que os estudantes podem ainda não perceber a complexidade da temática solo, porém suas concepções demostram que percebem a sua importância, principalmente para a vida dos seres humanos e animais.

Ao abordar sobre a importância dos solos para os seres vivos, o livro didático enfatiza e discorre sobre a importância do solo para as plantas. Desta forma, a importância do solo é pautada no contexto edáfico, demonstrando relevância para o desenvolvimento das plantas para a produção de alimentos (Figura 5).

Imagem 12 Imagem 38

Figura 5. Trechos do livro de Ciências abordando a importância e uso do solo para os seres vivos, no 2º ano do ensino fundamental I.

A quarta questão perguntava sobre a existência de diferentes cores no solo. Nas turmas do 3º, 4º e 5º ano do ensino fundamental I, os estudantes que responderam “sim” corresponderam a 100%, 100% e 93%, e os estudantes que responderam “não” corresponderam a 0%, 0% e 7%, respectivamente (Figura 6).

Figura 6. Percentual de estudantes do 3º, 4º e 5º ano, do ensino fundamental I, responderam "sim" e "não", referente a pergunta: "Existem diferentes cores no solo"?

A cor é facilmente perceptível quando se trata de aspectos morfológicos do solo, despertando o interesse e a curiosidade dos estudantes (MENDES et al., 2019). É a partir da cor que são realizadas deduções sobre os atributos mineralógicos e biológicos do solo (SILVA et al. 2018) e principalmente informações sobre drenagem da água, por isso, compreender as diferentes cores que perfil do solo pode apresentar é primordial para o ensino de solos.

Quando questionados sobre quais cores os solos poderiam apresentar, os estudantes responderam principalmente as cores: marrom, preto e vermelho. Nestas faixas etárias, geralmente, os estudantes citam as cores supracitadas por influência da ilustração do perfil de solo disposto nos livros didáticos (SANTOS et al., 2019).

Na abordagem sobre as características e formação do solo, o livro didático de Ciências do 3° ano do ensino fundamental caracteriza o solo como o lugar que em que as plantas se desenvolvem e como abrigo para os seres vivos que habitam a superfície e seu interior e, em seguida, demonstra a sequência cronológica de formação do solo apresentando, ao final do processo, o solo maduro com tonalidades da cores marrom e cinza (Figura 7).