O modo de funcionamento da humanidade entrou em crise. (Ailton Krenak)
ISSN 1678-0701 · Volume XXI, Número 80 · Setembro-Novembro/2022
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(11) Notícias(11) Dicas e Curiosidades(1) Reflexão(1) Para sensibilizar(1) Dinâmicas e recursos pedagógicos(1) Entrevistas(1) Arte e ambiente(1) Sugestões bibliográficas(1) Educação(1) Você sabia que...(1) Sementes(1) Ações e projetos inspiradores(5) Cidadania Ambiental(1) Do Linear ao Complexo(3) A Natureza Inspira(1) Relatos de Experiências(9)   |  Números  
Relatos de Experiências
13/09/2022 (Nº 80) IMAGENS FOTOGRÁFICAS NA ABORDAGEM DOS PROBLEMAS AMBIENTAIS NO BAIRRO DO ENGENHO MARANGUAPE EM PAULISTA - PE
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4368 
  

IMAGENS FOTOGRÁFICAS NA ABORDAGEM DOS PROBLEMAS AMBIENTAIS NO BAIRRO DE ENGENHO MARANGUAPE EM PAULISTA - PE

José Evangelista da Silva1

maestrocaboevangelista@hotmail.com

Especialista em Metodologia do Ensino de Geografia e Suas Tecnologias - FABEJA, Professor da Rede Pública Estadual de Pernambuco.



RESUMO

As fotografias podem contribuir para o processo de ensino e de aprendizagem trazendo mais motivação para as aulas por quebrarem a rotina de aulas totalmente teóricas. As imagens podem ainda, despertar a atenção do aluno para problemas ambientais do espaço geográfico onde vivem, pois os aproxima da realidade. Assim, este recurso foi utilizado na abordagem dos problemas ambientais existentes no bairro do Engenho Maranguape situado no município de Paulista-PE nas aulas de geografia. Os alunos, após discussão em sala de aula através de um formulário enviado pelo WhatsApp apontaram qual problema era mais evidente na paisagem local e indicaram soluções. Então, surge a proposta de utilizar resíduos descartados nas residências para confeccionar a decoração dos eventos e datas comemorativas vivenciados na escola. Desta forma, reduzem o descarte de resíduos e incentivam na família a reutilização, mitigando o descarte inadequado de resíduos sólidos na comunidade.

Palavras-chave: fotografias; problemas ambientais; geografia.

ABSTRACT

The photographs can contribute to the teaching and learning process bringing more motivation to the classes by breaking the routine of fully theoretical classes. . The images can also attract the attention of the student to environmental problems of the geographic space where they live, because it brings them closer to reality. Thus, this resource was used to address the environmental problems existing in the neighborhood of Engenho Maranguape located in the municipality of Paulista-PE in geography classes. Students, after discussion in the classroom through a form sent by WhatsApp pointed out which problem was most evident in the local landscape and indicated solutions. So, The proposal of using waste discarded in the residences to prepare the decoration of the events and commemorative dates experienced in the school. In this way, they reduce waste disposal and encourage family reuse, mitigating inadequate waste disposal in the community.

Keyword: photographs; environmental problems; geography.

INTRODUÇÃO

A utilização de diferente recursos didáticos passa a ser importante na produção do conhecimento, pois auxilia no processo de ensino e de aprendizagem do alunado, transformando numa aprendizagem significativa (PEROVANO; MENDES, 2020).

As imagens ao serem usadas nas aulas, constituem metodologias capazes de estimular à reflexão crítica sobre a ação humana no processo de produção do espaço, de modo que os conteúdos de aula tenham sentido também para atender as questões da vida e não só para responder às exigências curriculares da escola (FURTADO, 2014).

A exploração visual através da fotografia apreende a atenção do aluno, levando-o a investigar meios e criar perspectivas de desenvolvimento cognitivo através da análise das imagens utilizadas (TURAZZI, 2005).

As fotos não são apenas ilustrações a de um texto, favorecem a investigação e descobrindo informações e estabelecendo metodologias para uma análise e descoberta de novos conteúdos (KOSSOY, 1998 apud ALMEIDA; SCHEIR, 2018).

As imagens fotográficas apresentam informações sociais, culturais, ambientais que não são perceptíveis em fontes escritas despertando em sala de aula reflexões, sentimentos e desejos pertinentes a formação cidadã. (JÚNIOR; SILVA, 2018).

Trovo (2011) acredita que ao possibilitar a leitura das imagens em sala de aula estamos oferecendo oportunidade aos alunos para um ambiente rico em discussões, ideias e propício para novas conclusões e visões.

Sendo um recurso que desperta o olhar facilitando a compreensão e inserindo o aluno no universo pesquisado e segundo Gomes (1996 apud Almeida; Scheir, 2018), a imagem fotográfica, ao descrever a experiência, pode provocar novas percepções, produzindo a subjetividade inerente ao ato de olhar e imortalizando o fato e o espaço captados, contextualizando-os.

A arte de fotografar no processo de ensino e aprendizagem, dá possibilidades de olhar o espaço geográfico e levar o aluno a desbravar o espaço além de uma sala de aula. Sendo assim a fotografia se mostra como ferramenta de análise e elemento auxiliar na construção do pensamento crítico em tentativas de ambientação com o espaço vivido, tendo a Educação Ambiental como norte para inserção da fotografia dentro do contexto escolar (SANTOS; GONZAGA; MIRANDA, 2018).

Assim a fotografia é importante como ferramenta para a percepção ambiental e para compreensão dos comportamentos e das interrelações entre o homem e o meio ambiente (ECKERT; VICTOR; COELHO, 2016).

Portanto, fazendo uso de fotografias dos problemas ambientais do bairro de Engenho Maranguape, situado no município de Paulista-PE nas aulas de Geografia, tendo como objetivo primordial tornar a abordagem de conteúdo mais prazerosa e interessante ao aluno, ao mesmo tempo visando estimulando a percepção de acontecimentos no espaço vivido.

Diante da aproximação com a realidade ambiental da comunidade onde a supracitada escola está inserida através das fotografias como recursos didático, os alunos mediante a percepção individual apontaram o problema mais evidente como ainda propuseram a utilização de resíduos descartados na decoração do espaço escolar em datas comemorativas e eventos, mitigando o descarte inadequado de resíduos sólidos na comunidade.

METODOLOGIA

A metodologia se apoiará no método construtivista, o qual procura instigar no aluno a curiosidade pois, o aluno é induzido a buscar respostas tendo como ponto de partida seus conhecimentos prévios e sua interação social. O aluno tem como proposta participar ativamente do processo de ensino e aprendizagem, sendo regido por suas ações (COLL et al., 2009).

Assim, imagens de problemas ambientais que o correm nas áreas circunvizinhas da Escola de Referência em Ensino Médio Maestro Nelson Ferreira, situada no bairro de Engenho Maranguape que por sua vez localiza-se no município do Paulista - PE foram apresentadas aos alunos da segunda série do Ensino Médio durante a Semana do Meio Ambiente em 2021. As imagens permitiram uma aproximação do aluno para a realidade que o cerca no cotidiano, seja através do descarte incorreto dos resíduos sólidos produzidos nas residências da comunidade, ou mesmo, na retirada de madeira das áreas de manguezal que circunda o bairro (Foto 1 e 2).

Figura 1:Descarte de resíduos sólidos /Silva, 2021.

Figura 2: Retirada de madeira do manguezal Silva/ 2021.

Após a abordagem dos problemas ambientais enfatizando suas consequências, foi enviado para o grupo de WhatsApp de cada turma um formulário onde os alunos deveriam apontar qual problema ambiental do bairro era mais preocupante e qual solução poderia ser tomada de imediato por parte da comunidade escolar para minimizar os impactos do problema apontado. Os alunos tiveram uma semana para enviar o formulário com as devidas respostas.

RESULTADOS

Foram devolvidos 100% dos formulários pelos alunos das turmas da segunda série do Ensino Médio, totalizando 60 formulários. Sendo que 80% dos alunos apontaram o descarte inadequado de resíduos sólidos como o principal problema ambiental da comunidade. Várias alternativas constituíram o rol de sugestões para tentar de maneira breve mitigar o problema apontando.

Contudo, a alternativa mais plausível sugerida por 40% do alunado, correspondeu a separar material de cunho reciclável das residências dos mesmos e com esse material produzir a decoração da escola em eventos e datas comemorativas como: Carnaval, São João, Natal, Jogos interclasses, Mostras culturais. Para tanto, uma comissão foi criada por 3 representantes de cada turma visando pensar como seria executada em cada momento a decoração, e quais os materiais seriam coletados em cada momento.

Em 2021 foram dois momentos nos quais os alunos das referidas turmas promoveram a execução da decoração do ambiente escolar através da coleta de material reciclável de maneira a reduzir a produção de resíduos e consequentemente seu descarte inadequado, estimulando a reutilização dos mesmos em suas residências. O primeiro momento ainda ocorreu no mês de junho de 2021 com o São João e em dezembro do mesmo ano com o Natal (Foto 3). Cada turma se encarregou de elaborar a decoração de um espaço da escola, cujo o processo de confecção dos enfeites decorativos, ocorreu nas aulas de Geografia. Esta experiência proporcionou uma interação sadia, respeitando os protocolos estabelecidos para a Covid-19 e favorecendo um aprendizado mais produtivo num momento tão difícil para a Educação, além de estimular a discussão e a formulação de soluções para problemas ambientais existentes na comunidade.

Figura 3: Alunos preparando decoração de Natal Silva, 2021.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O uso de imagens fotográficas possibilita ao professor inserir na sua prática pedagógica um recurso que permite o aluno ter acesso a informações reais do seu espaço de vivência, de perceber a problemática ambiental que o cerca, ao mesmo tempo que levanta discussões, para atuar na comunidade através de ações promotoras na redução dos impactos ambientais, despertando o jovem para o protagonismo socioambiental.

As imagens por serem um recurso de investigação apoiado na linguagem visual, conduz a interpretação de realidades de maneira mais simples, onde o aluno por fazer parte do contexto se sente mais à vontade para relatar seu conhecimento, expondo suas opiniões e dando contribuições relevantes para a construção e reconstrução do espaço geográfico por tomar consciência que também é um ator das transformações espaciais.

A diversificação de recursos didáticos nas aulas de Geografia dinamiza o processo de ensino e aprendizagem facilitando a interação e a participação do aluno através da contextualização do conteúdo ministrado permitindo alcançar resultados positivos na construção do conhecimento como ainda aproximar o aluno do contexto socioambiental local.

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, F.; SCHIER, D.A. A fotografia como metodologia no ensino de História. Caderno Intersaberes. v.7, n. 12. p. 33-46, 2018. Disponível em: https://www.cadernosuninter.com/index.php/intersaberes/article/view/1152/910. Acesso em: 30 dez. 2021.

COLL, C. et. al. Construtivismo na sala de aula. 6ª. ed. São Paulo: Ática, 2009.

ECKERT, N.; VICTOR, N. T.; COELHO, A. Fotografia como ferramenta para a percepção ambiental de alunos do ensino fundamental no Pontal do Peba, Alagoas. In: Simpósio Internacional de Educação e Comunicação-SIMEDUC, 7, 2016. Aracaju. Anais eletrônico...Aracaju: p. 1-13, 2016. Disponível em: https://eventos.set.edu.br/simeduc/article /view/3350. Acesso em: 30 dez. 2021.

FURTADO, I.O. A análise da paisagem através de fotografias tiradas pelos próprios alunos: os possíveis usos para o celular nas aulas de geografia. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEÓGRAFOS, 7, 2014, Vitória-ES. Anais eletrônico...Vitória: AGB, 2014. Disponível em: http://www.cbg2014.agb.org.br/resources/anais/1/1407205531_ ARQUIVO_Artigo_Completo_Ires_Furtado.pdf. Acesso em: 30 dez.2021.

JÚNIOR, A.F.S.; SILVA. D.A.M. A fotografia na aula de História: potencialidades. Itinerarius Reflectiones. v.15,n.1. p. 1-21. 2019. Disponível em: https://www.revista.ufg.br/rir/article/view/54362. Acesso em: 20 dez. 2021.

PEROVANO, L.P.; MENDES, A.N.F. A utilização a fotografia no ensino aprendizagem e química. Revista Ensino, Saúde e Ambiente. V.13, n.1. p. 344-353, 2020. Disponível em: https://periodicos.uff.br/ensinosaudeeambiente/article/download/ 21640/24156/143498. Acesso em: 03 jan. 2022.

SANTOS, K.M; MIRANDA, J.C.; GONAGA, G.R. A fotografia como recurso didático. Revista Educação Pública. v. 18, ed. 1. p. 1-3. 2018. Disponível em: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/edições/18/1 Acesso em: 20 dez. 2021.

TROVO, A. W. As tecnologias no ensino de geografia: O uso das imagens como interpretação do meio em que vivemos. PDE/SEED-PR, Maringá: 2011. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/ped/arquivos/2123-8.pdf. Acesso em: 20 dez. 2021.

TURAZZI, M. I. História e o ensino da fotografia. São Paulo: Moderna, 2005.



Ilustrações: Silvana Santos