Temos de fazer o melhor que podemos. Esta é a nossa sagrada responsabilidade humana. Albert Einstein
ISSN 1678-0701 · Volume XX, Número 82 · Março-Maio/2023
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(5) Dicas e Curiosidades(4) Reflexão(7) Para sensibilizar(1) Entrevistas(1) Arte e ambiente(1) Divulgação de Eventos(9) O que fazer para melhorar o meio ambiente(1) Sugestões bibliográficas(4) Educação(1) Você sabia que...(1) Ações e projetos inspiradores(2) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) A Natureza Inspira(1) Relatos de Experiências(3) Notícias(12)   |  Números  
Folclore
14/12/2022 (Nº 81) PROFESSORA USA ELEMENTOS DO FOLCLORE PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4405 
  

PROFESSORA USA ELEMENTOS DO FOLCLORE PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Especialista desenvolve oficinas para professores de Corumbá, Miranda e Anastácio a partir de materiais didáticos produzidos com base na lenda do Saci-Pererê.

Quase 200 professores da rede pública de Corumbá, Miranda e Anastácio participaram de uma oficina sobre educação ambiental. A atividade, realizada em fevereiro nos três municípios – e que contou com um encontro extra em março, em Anastácio –, foi desenvolvida pelo Programa de Educação Ambiental (PEA) que acontece durante as obras de recuperação de pista e implantação de acostamentos na BR 262, no trecho entre Anastácio e Corumbá. A gestão ambiental do empreendimento é realizada pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), por meio do Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura (ITTI), em parceria com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). 

Em entrevista, a professora da UFPR e responsável pelas oficinas, Christiane Gioppo, comenta sobre a importância do trabalho junto aos professores municipais, a partir do mapeamento do bioma e de sua relação com o campo da cultura, especialmente com o folclore. “Essa escolha ocorreu por conta do caráter interdisciplinar que possibilita conciliar a percepção ambiental com a formação cultural dos professores”, comenta Gioppo. Além disso, a professora também conta um pouco da primeira experiência nos três municípios. Confira. 

Como foi a primeira parte da oficina em Corumbá, Miranda e Anastácio?

Foi ótima. Em Corumbá trabalhamos com um grupo de 40 professores. O curioso é que havia vários profissionais de outras regiões da cidade, professores que vieram de áreas mais afastadas e aqueles que vieram de escolas que não participariam inicialmente do projeto – eles foram convidados e resolveram se integrar ao grupo, o que foi muito produtivo à atividade.

Já em Miranda tivemos dois dias de oficina e atendemos 80 profissionais. Primeiro trabalhamos com um grupo de professores da área urbana e depois com outro grupo de professores de uma escola indígena bilíngue. E boa parte desse grupo era composta por professores da etnia Terena. Então isso me chamou bastante atenção porque eles têm toda uma filosofia de vida diferenciada e uma relação com a questão ambiental.

E em Anastácio…

Em Anastácio a ação não pôde ser realizada integralmente no dia programado. Nós fizemos somente quatro horas de atividade – o que impediu de realizarmos a parte de campo. Particularmente, chamou a atenção o poder das emissoras de rádio junto à comunidade, já que durante a oficina uma das pessoas soube pela rádio e veio participar. Inclusive, a própria representante da Secretaria Municipal de Educação também escutou e veio conversar com a gente. Ela disse então que boa parte dos professores de outra escola não pôde comparecer e pediu para que a gente voltasse para fazer a atividade com essa outra escola.

E como foi o retorno a Anastácio este mês?

Quando nós voltamos lá o que achei muito interessante é que a escola não chamou só os professores para participar, mas também pais, alunos adultos que fazem parte do cotidiano da escola e alunos das séries do ensino fundamental, que colaborariam com os professores na execução da atividade. Fiquei com a certeza de que na hora em que eles forem executar a ação proposta isso vai ser muito significativo.

Conte sobre sua metodologia de trabalho. Por que a escolha em trabalhar com o Saci?

Nossa ideia foi fazer uma relação transversal com as diversas áreas do conhecimento. Nós encontramos uma estratégia de trabalhar com uma entidade da “mitologia brasileira” que é o Saci. Essa história começou quando percebemos que nos livros de biologia algumas imagens de fungos e capítulos que tratavam sobre fungos traziam imagens de duendes, de sacis… E nós então começamos a nos questionar por que isso acontecia.

Então estudamos a história do Saci e percebemos que em algumas delas – e há várias versões dessa lenda por todo o país – o Saci nasce dentro de um broto de bambu e ali vive sete anos. E quando ele morre se transforma num cogumelo venenoso. O curioso é que a capa vermelha do cogumelo é justamente o capuzinho do Saci. E foi aí que a gente teve a ideia de usar o Saci como fio condutor de todo o trabalho sobre a questão ambiental.

E quando fomos trabalhar com os professores percebemos que eles faziam apenas o que estava no livro didático. E era muito pouco! E normalmente eles não gostavam de trabalhar com esse tema – ou porque tinham nojo ou não gostavam de trabalhar com fungos. Acabavam pulando o assunto.

Então fomos examinar os livros. Descobrimos então que os livros tratam pouquíssimo da questão dos fungos e cogumelos. 

E então vocês começaram a desenvolver livros?

Isso. O primeiro deles conta a história do Saci. Na história ele mora numa floresta e alguém foi lá e jogou uma guimba de cigarro e a floresta incendiou. Então o Saci não pode mais viver ali. Ele tem que buscar outro lugar para morar. Quando vai para diferentes regiões do Brasil encontra os diversos biomas. Então a história diz: “O Saci veio para o Sul, mas aí ele pegou um resfriado e não conseguia ficar descalço… Teve o pé congelado e decidiu ir para outro lugar. Aí ele foi para o Nordeste e tal, e tal…”.

Só que os dois livros não tratam exatamente do Saci conhecido no Pantanal e nem o Saci escolhe o Pantanal para viver. E foi esse o nosso fio condutor no desafio no trabalho com os professores, porque a gente pensava: “Será que não existe um Saci do Pantanal?”.

Então vamos tentar ver o que o Saci poderia ter feito por aqui a partir das histórias que os professores conhecem. Por que será que o Saci não escolhe o Pantanal para viver? Será que ele não conheceu direito? Então o que a gente precisa é conhecer melhor o Pantanal e são os professores que vão dizer como é a região. Eles conhecem a região, eu sou de fora. 

E como funciona a atividade prática da oficina?

Na sequência do trabalho a gente escolhe uma área muito simples – pode ser perto da escola mesmo – e vai lá mede, fotografa, localiza vegetais característicos da região, descreve os vegetais. Então todo o trabalho é conduzido assim: pelo Saci e nessas situações. E com isso a gente vai utilizando a literatura infantil, o livro-jogo que trabalha os biomas, depois a gente vai medir a mapear uma área – e a gente vai usar a geografia e a matemática –, e aí depois os alunos e professores passam a escrever uma carta para o Saci ressaltando aspectos do Pantanal. 

Qual é a próxima etapa?

Vai ser uma exposição, no início de maio, com os resultados do trabalho desenvolvido com os estudantes. Nós pedimos para que os professores em conjunto com os estudantes escrevessem uma carta para o Saci. E a nossa ideia é selecionar várias páginas e criar um livro que caracterize o Saci do Pantanal.

 

Hendryo André
Assessoria de Comunicação
ITTI – Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura
(41) 3226 6658 | comunicacao@itti.org.br



Fonte: https://itti.org.br/professora-usa-elementos-do-folclore-para-educacao-ambiental/

Ilustrações: Silvana Santos