O conhecimento liberta, a ciência ilumina, informação salva vidas! – André Trigueiro
ISSN 1678-0701 · Volume XXII, Número 87 · Junho-Agosto/2024
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(4) Dicas e Curiosidades(5) Reflexão(13) Para Sensibilizar(1) Dinâmicas e Recursos Pedagógicos(7) Dúvidas(2) Entrevistas(1) Culinária(1) Arte e Ambiente(1) Divulgação de Eventos(7) O que fazer para melhorar o meio ambiente(4) Sugestões bibliográficas(1) Educação(1) Você sabia que...(1) Educação e temas emergentes(7) Ações e projetos inspiradores(27) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) A Natureza Inspira(1) Relatos de Experiências(5) Notícias(24)   |  Números  
Artigos
30/05/2024 (Nº 87) PERCEPÇÕES SOCIOAMBIENTAIS DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA SOBRE O RIO MACACO EM PALMEIRA DAS MISSÕES/RS
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4895 
  

PERCEPÇÕES SOCIOAMBIENTAIS DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA SOBRE O RIO MACACO EM PALMEIRA DAS MISSÕES/RS

Jeferson Rosa Soares¹

José Vicente Lima Robaina²



¹Pós-Doutorando em Educação em Ciências-UFRGS, Doutor em Educação em Ciências-UFRGS, Mestre em Educação Ambiental-FURG, Tecnólogo em Gestão Ambiental-UNOPAR, Especialista em Educação em Ciências-UNIPAMPA. Porto Alegre/RS. E-mail: josoares77@gmail.com Orcid: http://orcid.org/0000-0002-8654-6316

²Doutor em Educação, UNISINOS (2007), Mestre em Educação, UFRGS (1996), Graduação em Licenciatura Plena em Química PUCRS (1985), Graduação em Licenciatura Curta em Ciências PUCRS (1982) e Professor Adjunto do Campus Porto Alegre, Departamento de Ensino e Currículo (DEC), da Faculdade de Educação (FACED), do curso de Educação do Campo: Licenciatura em Ciências da Natureza, UFRGS. Professor do PPG Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, UFRGS. Porto Alegre/RS. E-mail: joserobaina1326@gmail.com Orcid: https://orcid.org/0000-0002-4604-3597



RESUMO

Este estudo investiga as percepções socioambientais de professores das Escolas do Ensino Fundamental em Palmeira das Missões/RS sobre o Rio Macaco. A pesquisa, desenvolvida durante nove meses como parte de um pós-doutorado na UFRGS, tem como objetivo principal explorar a concepção desses educadores sobre o ambiente do Rio Macaco e seu entorno. A metodologia abrangeu entrevistas e questionários aplicados a docentes, sendo os dados analisados qualitativamente e quantitativamente no software SPSS 26. Resultados preliminares revelam uma diversidade de perspectivas, destacando a importância do Rio Macaco como fonte de abastecimento e sua relevância ambiental. Surpreendentemente, uma parcela significativa dos professores expressou desconhecimento ou falta de preparo para abordar questões de Educação Ambiental em sala de aula. Essas percepções dos professores oferecem informações valiosas para aprimorar o ensino de ciências e a formação docente, indicando a necessidade urgente de fortalecer a capacitação dos educadores nessa área. A análise dessas percepções socioambientais abre caminho para estratégias pedagógicas mais contextualizadas e eficazes, visando promover uma consciência ambiental robusta entre professores.

Palavras-chave: Percepções socioambientais, Educação Ambiental, Ensino de Ciências, Rio Macaco.



ABSTRACT

This study investigates the socio-environmental perceptions of teachers from Elementary Schools in Palmeira das Missões/RS regarding the Macaco River. Developed over nine months as part of a post-doctoral program at UFRGS, the main objective is to explore these educators' conceptions of the Macaco River environment and its surroundings. The methodology included interviews and questionnaires administered to teachers, with data analyzed qualitatively and quantitatively using SPSS 26 software. Preliminary results reveal a diversity of perspectives, emphasizing the significance of the Macaco River as a water supply source and its environmental relevance. Surprisingly, a significant portion of teachers expressed a lack of awareness or preparation to address Environmental Education issues in the classroom. These teacher perceptions provide valuable data for enhancing science education and teacher training, indicating an urgent need to strengthen educators' capabilities in this area. The analysis of these socio-environmental perceptions paves the way for more contextualized and effective pedagogical strategies, aiming to foster a robust environmental awareness among teachers.

Keywords: Socio-environmental perceptions, Environmental Education, Science Education, Macaco River.



1 Introdução

O Rio Macaco, localizado no município de Palmeira das Missões/RS, destaca-se não apenas como uma fonte vital de abastecimento de água, mas também como um componente essencial do ecossistema local. Sua importância socioambiental permeia a vida da comunidade, influenciando diretamente a qualidade de vida e a consciência ambiental. Este estudo visa explorar as percepções dos professores das Escolas do Ensino Fundamental em relação ao Rio Macaco, considerando sua relevância para a cidade e seu entorno.

A problemática central deste estudo é delineada pela seguinte questão de pesquisa: "Como o ambiente do Rio Macaco e seu entorno são concebidos, sob o ponto de vista socioambiental, por professores de Escolas do Ensino Fundamental na Cidade de Palmeira das Missões/RS?" Essa indagação direciona a pesquisa para a compreensão das visões dos educadores sobre o Rio Macaco e as implicações dessas percepções no contexto educacional.

A relevância deste estudo reside na integração das percepções socioambientais dos professores ao contexto educacional. Compreender como esses profissionais concebem o ambiente do Rio Macaco pode fornecer valiosas informações para o desenvolvimento de estratégias pedagógicas mais contextualizadas e eficazes. Além disso, o estudo contribui para a literatura sobre Educação Ambiental, fornecendo subsídios para aprimorar a formação de professores e promover uma consciência ambiental mais robusta entre os estudantes.

Este estudo é fruto de um projeto de pós-doutorado realizado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) ao longo de nove meses. O objetivo central da pesquisa é explorar e aplicar metodologias ativas na formação de professores, destacando a importância da integração de temas socioambientais no processo educacional.

A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas e questionários aplicados a professores das Escolas do Ensino Fundamental em Palmeira das Missões. As entrevistas permitiram uma abordagem mais aprofundada das percepções dos professores, enquanto os questionários forneceram uma visão mais abrangente, atingindo um número significativo de participantes. A escolha dessas metodologias permitiu uma triangulação dos dados, aumentando a robustez das conclusões (ALVES-MAZZOTTI; GEWANDSZNAJDER, 1998; BARDIN, 2011).

Os dados coletados foram analisados utilizando métodos qualitativos e quantitativos (MARCONI; LAKATOS, 2002). As respostas das entrevistas foram categorizadas e interpretadas, enquanto os dados dos questionários foram submetidos a análises estatísticas no software SPSS 26. A convergência dessas análises proporcionou uma compreensão abrangente das percepções dos professores em relação ao Rio Macaco e seu entorno.

A partir desta pesquisa, buscou-se não apenas desvelar as percepções dos professores em relação ao Rio Macaco, mas também lançar luz sobre como essas visões podem ser integradas ao processo educacional de maneira mais efetiva (FLICK, 2009). O entendimento das nuances socioambientais do Rio Macaco pelos educadores tem o potencial não apenas de enriquecer o currículo escolar, mas também de catalisar uma consciência ambiental mais profunda entre os estudantes, fomentando cidadãos conscientes e engajados.

Ao prosseguir com a análise dos resultados, serão aprofundadas as implicações práticas e teóricas dessas percepções, explorando caminhos para aprimorar o ensino de ciências e a formação de professores. Dessa forma, almeja-se contribuir significativamente para o avanço da Educação Ambiental e, consequentemente, para a construção de uma sociedade mais consciente e comprometida com a preservação do meio ambiente.

2 Percepções socioambientais, ensino de ciências e metodologias ativas

Esta seção, em seu início, concentra-se na análise das percepções socioambientais, situando o leitor no contexto teórico que fundamenta a compreensão das concepções dos professores da Educação Básica em relação ao Rio Macaco em Palmeira das Missões/RS. A compreensão dessas percepções será fundamental para a identificação de fatores que possam influenciar a abordagem desses profissionais em relação ao ambiente natural que circunda suas práticas educativas.

Percepções socioambientais referem-se à interpretação individual e coletiva que os sujeitos atribuem aos elementos do meio ambiente e à interação desses elementos com as dimensões sociais. No contexto educacional, as percepções socioambientais dos professores desempenham um papel significativo na formação de valores e atitudes dos alunos em relação ao meio ambiente. Essas percepções são moldadas por uma variedade de influências, incluindo experiências pessoais, formação acadêmica, e interações com a comunidade local (PESSANO et al., 2013).

Estudos anteriores destacam a importância de compreender as percepções socioambientais dos professores, uma vez que estas influenciam diretamente as práticas pedagógicas e, por conseguinte, a construção do conhecimento ambiental pelos alunos. A abordagem dessas percepções na Educação Ambiental torna-se uma ferramenta fundamental para promover uma conscientização mais profunda e a adoção de atitudes sustentáveis (PESSANO et al., 2013; SILVA, 2016; SOARES; COSTELLA; ROBAINA, 2021; SOARES et al., 2023).

A literatura indica que as percepções socioambientais dos professores não são uniformes e podem variar de acordo com fatores contextuais, como localização geográfica, contexto socioeconômico e cultura local. No presente estudo, a análise dessas percepções visa contribuir para a compreensão das particularidades do ambiente do Rio Macaco em Palmeira das Missões/RS, oferecendo informações sobre como essas percepções podem influenciar o processo de ensino e aprendizagem em Ciências.

A literatura aponta para a necessidade de alinhar as práticas pedagógicas às percepções dos educadores, promovendo uma abordagem mais integrada e contextualizada ao meio ambiente local. Essa abordagem não apenas fortalece o entendimento dos alunos sobre as questões socioambientais, mas também proporciona uma experiência educativa mais significativa.

Dessa forma, ao explorar a literatura sobre percepções socioambientais, este estudo busca embasar teoricamente a compreensão das atitudes e valores dos professores em relação ao Rio Macaco, contribuindo para o avanço da pesquisa no campo da Educação Ambiental e do ensino de Ciências (PESSANO et al., 2013; SILVA, 2016; SOARES; COSTELLA; ROBAINA, 2021; SOARES et al., 2023).

A abordagem ao ensino de Ciências e a relação entre professores e o meio ambiente representam uma área fundamental de investigação, cuja compreensão é essencial para a promoção de práticas educativas eficazes e contextualizadas. O papel do professor no contexto ambiental vai além da transmissão de conhecimentos científicos, envolvendo uma interação dinâmica com o ambiente circundante, a comunidade local e os desafios ambientais contemporâneos.

O ensino de Ciências, quando orientado por uma perspectiva ambiental, busca integrar conceitos científicos com a compreensão da relação entre os seres humanos e o meio ambiente. Esta abordagem não apenas fortalece o conhecimento científico dos alunos, mas também os capacita a entender as interações complexas entre os sistemas naturais e as atividades humanas. Os professores, nesse cenário, desempenham um papel essencial na mediação desse processo, influenciando diretamente a forma como os alunos percebem e respondem aos desafios ambientais.

A literatura destaca a importância de capacitar os professores para integrar efetivamente o meio ambiente em seus planos de ensino, promovendo não apenas a compreensão teórica, mas também a conscientização prática e a tomada de decisões sustentáveis. Essa integração é essencial para formar cidadãos ambientalmente conscientes, capazes de contribuir para a resolução de problemas socioambientais em suas comunidades (AMARAL, 2001; OLIVEIRA; OBARA; RODRIGUES, 2007; VITTORAZZI; GOUVEIA; SILVA, 2020).

A relação entre professores e o meio ambiente é complexa, sendo influenciada por fatores como formação acadêmica, experiências pessoais, valores culturais e a conscientização sobre questões ambientais globais. Compreender essa relação permite identificar potenciais obstáculos e facilitadores para a integração eficaz do meio ambiente no ensino de Ciências.

No contexto específico do Rio Macaco em Palmeira das Missões/RS, a relação entre professores e o meio ambiente local ganha uma dimensão particular. A análise das percepções e atitudes dos professores em relação a esse ambiente específico pode revelar dados para a adaptação das práticas educativas à realidade ambiental da região. Isso inclui considerar elementos como a biodiversidade local, os desafios ambientais específicos e as oportunidades para a aprendizagem experiencial (SOARES; COSTELLA; ROBAINA, 2021).

A importância das metodologias ativas na formação de professores representa uma vertente significativa no cenário educacional contemporâneo, oferecendo uma abordagem dinâmica e participativa no processo de aprendizado. Essas metodologias transcendem o tradicional modelo de ensino centrado no professor, proporcionando aos futuros educadores experiências mais envolventes e reflexivas, alinhadas com as demandas da sociedade contemporânea (PIFFERO et al., 2020; SOARES et al., 2022).

As metodologias ativas caracterizam-se pela promoção da participação ativa dos estudantes no processo de construção do conhecimento. No contexto da formação de professores, essa abordagem visa preparar os educadores para uma prática pedagógica mais contextualizada e adaptável, capaz de atender às necessidades diversificadas dos alunos e integrar as dimensões sociais e ambientais em seu ensino. A dinâmica das metodologias ativas, aprendizagem baseada em problemas e projetos colaborativos, proporciona aos futuros professores oportunidades para desenvolver habilidades de pensamento crítico, solução de problemas e trabalho em equipe. Essas habilidades são fundamentais não apenas para o ensino eficaz, mas também para a formação de cidadãos capazes de enfrentar os desafios complexos da sociedade contemporânea (PIFFERO et al., 2020).

Ao incorporar metodologias ativas na formação de professores, promove-se uma maior conexão entre teoria e prática. Os educadores são desafiados a aplicar os conceitos aprendidos em situações do mundo real, preparando-os para enfrentar as complexidades do ambiente escolar. Essa abordagem prática contribui para uma formação mais sólida e para o desenvolvimento de uma compreensão mais profunda do papel do professor na promoção da aprendizagem significativa. Além disso, as metodologias ativas favorecem a internalização do conhecimento, uma vez que os professores em formação se tornam protagonistas de sua própria aprendizagem. Essa autonomia no processo formativo estimula a reflexão constante sobre práticas pedagógicas, incentivando a busca contínua por aprimoramento e inovação.

A adoção de metodologias ativas na formação de professores representa um caminho promissor para preparar educadores mais capacitados, reflexivos e alinhados com as demandas de uma educação contemporânea voltada para a promoção de uma aprendizagem significativa e integrada ao contexto socioambiental. Essa abordagem não apenas transforma a maneira como os professores aprendem, mas também influencia diretamente a qualidade do ensino que proporcionarão aos seus futuros alunos.

Assim, a integração das percepções socioambientais, do ensino de ciências e das metodologias ativas emerge como um cenário complexo e interconectado. A análise crítica desses três elementos revela a interdependência entre as visões dos professores sobre o meio ambiente, a abordagem no ensino de ciências e a eficácia das metodologias ativas na formação docente.

Ao considerar as percepções socioambientais dos professores, destaca-se a importância de compreender como essas visões influenciam diretamente a forma como o meio ambiente é integrado nas práticas pedagógicas. A relação entre professores e o meio ambiente local, exemplificado pelo Rio Macaco em Palmeira das Missões/RS, molda não apenas as percepções individuais, mas também a maneira como os educadores abordam o ensino de ciências em sala de aula.

A literatura revisada enfatiza que o ensino de ciências não é um ato isolado, mas sim uma experiência educativa que transcende os limites da sala de aula. A relação entre professores e o meio ambiente local desempenha papel importante na contextualização do conhecimento científico, tornando-o mais relevante e significativo para os alunos. Nesse contexto, as metodologias ativas emergem como uma ponte fundamental entre as percepções socioambientais e a prática pedagógica eficaz.

A introdução de metodologias ativas na formação de professores representa não apenas uma inovação pedagógica, mas uma mudança paradigmática na abordagem educacional. Essas metodologias capacitam os futuros professores a se envolverem ativamente em sua própria aprendizagem, promovendo a reflexão crítica, a resolução de problemas e a integração do conhecimento de forma contextualizada. A pesquisa proposta neste contexto pós-doutoral na UFRGS visa aprofundar essa compreensão, explorando como as metodologias ativas podem ser adaptadas e potencializadas no contexto específico do Rio Macaco.

As percepções socioambientais, ensino de ciências e metodologias ativas destacam a complexidade das interações entre esses elementos. A compreensão aprofundada dessa dinâmica proporciona não apenas uma base teórica sólida para a pesquisa em andamento, mas também sugere a necessidade de abordagens integradas que considerem a inter-relação intrínseca entre as percepções dos professores, o ensino de ciências e a aplicação eficaz de metodologias ativas na formação docente. Essa integração promete contribuir significativamente para aprimorar as práticas educativas, alinhando-as com os desafios e oportunidades do ambiente local, como exemplificado pelo Rio Macaco.



3 Resultados

Em 1834, o 5º distrito do município de Cruz Alta, atualmente conhecido como Palmeira das Missões, abrangia uma área territorial de 15.600 km². O primeiro núcleo urbano foi estabelecido em 1724, sendo que em 1821 recebeu a denominação de Vilinha, um nome atribuído pelos extratores de erva-mate. Ao longo do tempo, o município passou por diversas designações, incluindo Vilinha do Herval, Vilinha da Palmeira, Santo Antônio da Palmeira, até adotar a denominação final de Palmeira das Missões.

A presente seção de resultados visa apresentar e discutir os dados obtidos por meio da aplicação de um questionário semiestruturado a 49 professores de cinco escolas públicas em Palmeira das Missões, RS, Brasil. As escolas foram selecionadas estrategicamente para abranger diferentes características e localizações geográficas, proporcionando uma visão abrangente das percepções dos professores em relação ao Rio Macaco.

A análise dos dados, realizada por meio do software SPSS 26, concentra-se inicialmente nos aspectos demográficos dos professores, fornecendo uma visão contextualizada do grupo participante. Em seguida, exploram-se as respostas relacionadas à percepção dos docentes sobre os aspectos ambientais específicos do Rio Macaco.

Gráfico 1 Área de formação dos professores

Legenda:

  1. Pedagogia Anos iniciais

  2. Artes-música

  3. Ciências (Humanas, LP)

  4. Ed. Física

  5. Educação Artística

  6. Educação Tecnológica

  7. Ensino fundamental/ portuguesa .

  8. Geografia

  9. Letras (Inglês, Português, Linguagens, Pedagogia)

  10. Licenciatura em Geografia; Pedagogia(cursando).

  11. Licenciatura Plena em Matemática

  1. Língua Portuguesa

  2. Linguagens

  3. Magistério e Licenciatura em Educação Física

  4. Magistério e História

  5. Matemática

  6. Matemática e economia

  7. Pedagogia

  8. Pós graduação

  9. Tecnologia em Gestão Ambiental

  1. Não respondeu

Fonte: dados da pesquisa (2023).



Os dados demográficos revelam uma diversidade significativa no grupo de professores participantes, abrangendo diferentes faixas etárias, anos de experiência no ensino e formação acadêmica. Essa diversidade contribui para uma compreensão mais rica das percepções, considerando a variedade de experiências e perspectivas presentes no corpo docente das escolas investigadas.

Ao abordar as questões relacionadas à percepção ambiental do Rio Macaco, observa-se um conjunto heterogêneo de respostas. Alguns professores demonstram um conhecimento mais aprofundado sobre a biodiversidade local, os desafios ambientais enfrentados pelo rio e suas implicações para a comunidade. Outros, por sua vez, revelam uma percepção mais superficial ou até mesmo desinformada sobre esses aspectos.

É relevante destacar que, no âmbito da percepção ambiental, alguns professores evidenciam uma preocupação destacada com a preservação do Rio Macaco, enquanto outros manifestam uma visão mais utilitarista, associando o rio principalmente a aspectos econômicos ou recreativos. Essas divergências ressaltam a complexidade das percepções socioambientais e apontam para a necessidade de abordagens educativas mais abrangentes que considerem a diversidade de valores e conhecimentos presentes na comunidade escolar.

A análise estatística descritiva proporciona uma visão inicial dos padrões e variações nas respostas dos professores, estabelecendo um ponto de partida para uma discussão mais aprofundada. A riqueza dos dados obtidos permite não apenas identificar tendências gerais, mas também explorar nuances individuais nas percepções dos professores em relação ao Rio Macaco, enriquecendo assim a compreensão da relação entre educadores e o ambiente local.

No que diz respeito ao conhecimento dos professores sobre a origem da água que abastece o Município de Palmeira das Missões, os resultados indicam que a grande maioria dos docentes, representando 94% das respostas, afirmou conhecer a procedência da água. Apenas 2% dos participantes indicaram desconhecimento sobre essa informação. Quando especificamente questionados sobre a origem da água que abastece o município, destacou-se de maneira expressiva a menção ao "Rio Macaco" por 92% dos professores. Uma parcela reduzida, equivalente a 2%, indicou que a origem da água poderia ser tanto no "Rio Macaco" quanto no "Rio Guarita".

Esses resultados evidenciam um nível considerável de conhecimento por parte dos professores em relação à origem da água que abastece o município de Palmeira das Missões, com o "Rio Macaco" se destacando como a fonte primária mencionada pela maioria dos participantes. Essa percepção é relevante para a compreensão das conexões entre os educadores e o ambiente local, especialmente considerando o contexto do Rio Macaco e sua importância no fornecimento de recursos hídricos para a comunidade.

Os dados obtidos desta pergunta indicam que 61% dos professores avaliaram a qualidade da água como "BOA", enquanto para outros 22% dos docentes, a classificação foi de "ÓTIMA". Em relação às medidas propostas ou implementadas para aprimorar a qualidade ambiental na microbacia do Rio Macaco, alguns trechos específicos das falas dos professores se fazem importantes nessa discussão como elencadas a seguir: ‘Não tenho um grande conhecimento nessa área, mas acredito que o reflorestamento as margens do rio Macaco são de grande valia. [E-02]’; “Reflorestar/Reflorestamento. [E-04]; [E-09]”; “Obedecer às regras ambientais, proteger sempre as nascentes, a mata ciliar, não plantar soja à beira do rio, obedecer ao espaço delimitado até a margem, conscientizar aos moradores a não largarem lixo em suas margens. [E-06]”; “Evitar a poluição. [E-10]” Preservação das nascentes- (coibir o aterramento de nascentes para aumentar as áreas de plantio), recuperação da mata ciliar e conscientização sobre a contaminação das águas devido ao uso de agrotóxicos nas plantações tendo por consequência a contaminação da água do rio e do lençol freático. [E-11]”; Conscientizar a importância do cuidado do Rio e natureza. [E-12]” Conscientização para preservação de um rio tão importante para nosso município. [E-13]”.

De maneira geral, percebe-se, segundo a visão dos professores, a necessidade de aumentar os investimentos no sistema com o intuito de implementar ações eficazes para conter a poluição e aprimorar o manejo dos esgotos em nosso município. A melhoria das margens do rio pode ser alcançada por meio de iniciativas como a limpeza. Além disso, os professores sugerem que a mata ciliar também pode ser beneficiada, inclusive com a participação dos moradores locais que residem próximos ao rio. Eles propõem apoiar as autoridades na implementação de uma fiscalização constante e efetiva para coibir o desmatamento da mata ciliar ao redor do Rio, o que poderia em nosso entendimento ser levado mais a sério pelos gestores de nosso município, na forma de apoiar os docentes a estarem colocando essas ideias em prática.

Ressalta-se a importância de as autoridades municipais estabelecerem leis eficazes para punir o uso indiscriminado de aviões pulverizadores e agrotóxicos sem certificação, seja por indivíduos ou grupos que adotem práticas irregulares. Os professores enfatizam a necessidade de campanhas de conscientização ambiental e de preservação das matas, visando um processo educativo que promova a preservação da região, com benefícios para toda a comunidade, ações já elencadas e desdobradas no trabalho de Soares (2022) e Soares et al (2023). Portanto, preservar as nascentes e manter a mata ciliar próxima dos rios é uma tarefa que requer a colaboração de diversos setores da comunidade que utilizam a água de alguma forma, destacando a relevância da Educação Ambiental no processo de formação.

Ao serem indagados sobre a realização de atividades pedagógicas junto ao Rio Macaco, observou-se que a maioria dos professores, totalizando 73%, afirmou não ter realizado qualquer tipo de atividade pedagógica nas proximidades do rio. Por outro lado, 27% dos docentes relataram ter participado de atividades pedagógicas nesse ambiente. Vale ressaltar que a maioria, correspondendo a 71% dos professores, optou por não responder a essa questão.

Quando questionados sobre atividades não pedagógicas no Rio Macaco, uma parcela pequena, representando 6%, realizou visitas ao rio, enquanto outros 4% desenvolveram trabalhos de reflorestamento nas margens do Rio Macaco, indicando uma utilização do rio para fins não pedagógicos. Ao analisar o uso do Rio Macaco para atividades pedagógicas, verificou-se que 63% dos professores fizeram uso pedagógico do rio, enquanto 33% o utilizaram para atividades não pedagógicas, importante destacar que ações foram realizadas no trabalho de Soares (2022) que fizeram com que esse número pudesse aumentar.

Quanto ao tipo específico de atividade pedagógica realizada junto ao Rio Macaco, os resultados apontam que 16% dos professores indicaram o consumo de água como uma prática pedagógica, enquanto 10% mencionaram o ato de tomar a água do rio. Nota-se que a maioria, equivalente a 55% optou por não responder a essa pergunta o que demanda ainda um esforço em realizar pesquisas na formação de professores de forma mais aprofundada para que esse porcentagem diminua, Esses dados sugerem uma variedade de abordagens no uso do Rio Macaco para atividades pedagógicas, destacando a diversidade de práticas entre os docentes participantes.

Quanto aos temas e desafios que fazem parte da realidade dos estudantes, os professores concordam de maneira unânime, apontando que esses aspectos deveriam ser integrados aos objetos de conhecimento nas escolas, alcançando a totalidade de 100% das respostas.

Os trechos a seguir detalham a percepção dos professores em relação a como os temas e desafios da realidade dos estudantes deveriam ser incorporados como objetos de conhecimento nas escolas: Projetos integradores problematizando a realidade e os problemas ambientais encontrados em nosso município, alternando seminários e aula de campo. [E-04]”, “Acredito que para se realizar um bom trabalho temos que conhecer a realidade dos nossos alunos. [E-16]”, “deveriam estar no pop nos planos de estudo e ainda no referencial gaúcho e assim na BNCC. [E-22]”, “Acho importante e necessário o conhecimento do ambiente e da história do lugar onde se vive. [E-24]”,Projetos envolvendo toda a comunidade escolar. [E-25]; [E-49]”, “Conhecendo mais a realidade dos educandos e a partir daí cria se métodos para aproxima-los da escola. [E-26]”, “Problematizando as situações mais pertinentes. [E-27]”.

Os professores enfatizam a importância de trazer a realidade atividades culturais, mostras fotográficas, visitas guiadas, plantações de árvores nativas, panfletagens para sensibilização dos estudantes e da comunidade entre outros para a sala de aula, acreditando que isso despertaria um maior interesse. Eles sugerem a implementação de trabalhos interdisciplinares e parcerias em projetos que abordem as problemáticas locais, destacando a relevância de incluir estudos e projetos sobre o rio que abastece a cidade. Acreditam que essa abordagem pode promover uma consciência ecológica entre os alunos, destacando a importância da compreensão e reconhecimento da realidade do rio para incentivar a preservação.

Os professores consideram fundamental tornar obrigatória a inclusão de conteúdos relacionados ao meio ambiente nos planos de aula das disciplinas de Ciências da Natureza principalmente mostrando à sociedade que a preservação do rio é uma responsabilidade compartilhada. Apesar de o tema já ser abordado nos anos iniciais e fazer parte do currículo escolar, enfatizam que realizar estudos, palestras, pesquisas e visitações aumentará o conhecimento dos estudantes sobre a história da cidade e o contexto do Rio Macaco. Além disso, ressaltam a importância de os alunos conhecerem de perto a origem da água consumida, destacando a necessidade de ações multidisciplinares, ampliação de materiais de apoio, aulas direcionadas à realidade dos estudantes e atividades pedagógicas e criativas para estimular uma reflexão sobre o impacto do Rio Macaco em seu cotidiano e na cidade como um todo.

No que diz respeito à preparação dos professores para abordar a Educação Ambiental em suas escolas, os resultados corroboram a questão, uma vez que 51% afirmaram possuir pouco conhecimento sobre Educação Ambiental e expressaram que não se sentem preparados para trabalhar essa temática em suas instituições de ensino.



Gráfico 2 - Preparação dos professores para trabalhar a Educação Ambiental na sua escola.