A natureza universal sustenta a vida de todos os seres. (Dalai Lama)
ISSN 1678-0701 · Volume XX, Número 76 · Setembro-Novembro/2021
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(8) Notícias(7) Reflexão(4) Para sensibilizar(1) Arte e ambiente(1) Sugestões bibliográficas(2) Educação(1) Ações e projetos inspiradores(2) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) Relatos de Experiências(9)   |  Números  
Relatos de Experiências
18/08/2021 (Nº 76) REÚSO DA ÁGUA NO ESPAÇO ESCOLAR: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DO SUJEITO ECOLÓGICO
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4193 
  

REÚSO DA ÁGUA NO ESPAÇO ESCOLAR: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DO SUJEITO ECOLÓGICO

Josué de Freitas Lima1, Arlindo Pereira Nogueira2, Deyk Anne Calixto Paz3 Luana Mateus de Sousa4 Germana Costa Paixão5



1Licenciado em Ciências Biológicas-UECE/UAB

2Mestre em Sociobiodiversidade e Tecnologias Sustentáveis e Tutor do curso de Ciências Biológicas- UECE/UAB

³Mestranda em Sociobiodiversidade e Tecnologias Sustentáveis- UNILAB

4Doutoranda em Ecologia e Recursos Naturais- UFC

5Doutora em Microbiologia Médica e coordenadora do curso de Ciências Biológicas- UECE/UAB



Resumo: O crescimento da população mundial vem afetando diretamente o meio ambiente, principalmente, quando se refere aos rios e nascentes. Dessa forma, essa escrita teve por objetivo analisar as contribuições de um projeto de reuso de água no espaço escolar, para a formação de um sujeito ecologicamente sustentável. Para isso, foi aplicado um questionário online via Google Forms, enviado para e-mail e WhatsApp dos funcionários que trabalharam na instituição durante o ano de 2017, onde o primeiro bloco abordou o perfil sociodemográfico dos participantes, enquanto o segundo bloco foi composto por questões objetivas e subjetivas versando sobre a importância do projeto de reuso de água enquanto ativo, e sua importância na formação do sujeito ecológico. Os resultados mostraram que o projeto trouxe boas influências ecológicas e sociais para os funcionários e que estes concordam que o mesmo ocorreu com os alunos, trazendo dessa forma, contribuições na formação de uma sociedade mais ecológica. Dessa forma, este estudo sugere uma reflexão sobre o uso de práticas sustentáveis dentro do espaço escolar para que assim contribua na formação integral dos discentes.

Palavras-chaves: Reaproveitamento Hídrico. Educação Ambiental. Formação Cidadã. Impactos Sociais.



WATER REUSE IN SCHOOL SPACE: CONTRIBUTIONS IN THE FORMATION OF THE ECOLOGICAL SUBJECT



Abstract: The growth of the world population has been directly affecting the environment, especially when it comes to rivers and springs. Thus, this writing aimed to analyze the contributions of a water reuse project at school for the formation of an ecologically sustainable subject. For this, an online questionnaire was applied via Google Forms, sent to the e-mail and WhatsApp of employees who worked at the institution during 2017, where the first block addressed the sociodemographic profile of the participants, while the second block was composed of questions objective and subjective, dealing with the importance of the water reuse project, while active, and its importance in the formation of the ecological subject. The results showed that the project brought good ecological and social influences to the employees, and that they agree that the same happened with the students, thus bringing contributions to the formation of a more ecological society. Thus, this study suggests a reflection on the use of sustainable practices within the school space so that it contributes to the integral training of students.

Keywords: Water Reuse. Environmental education. Citizen Formation. Social Impacts.



Introdução

O crescimento da população mundial vem afetando diretamente o meio ambiente, principalmente quando se refere aos rios e nascentes, visto que muitos já se encontram poluídos. Problemas ambientais como estes, têm gerado discussões e pesquisas com o intuito de solucionar, ou ao menos reduzir as causas dessas tragédias (NOGUEIRA; RIBEIRO, 2019).

Dessa forma, a água potável está ficando cada dia mais escassa, não sendo um problema somente a nível comunitário, mas global (FONTANA, et al., 2015). Isso causa diversos prejuízos à sociedade, pois afeta diretamente na qualidade de vida social (CAETANO; OLIVEIRA., 2016).

Olívio e Ishiki (2014), ponderam que o mal uso da água aliado a crescente demanda populacional tem diminuído consideravelmente as reservas de água em todo planeta, inclusive no Brasil. Esse problema se agrava na região Nordeste, caracterizada por irregularidade das chuvas e temperaturas relativamente elevadas (RAMALHO, 2013).

De acordo com Silva e Santana (2014, p.1),

O crescimento populacional e as alterações climáticas aceleram a redução da disponibilidade de água em determinadas regiões. Como uma boa prática pode ser feito o reciclo e o reuso da água em vez de descartá-la de forma desenfreada e na maioria das vezes contaminada no meio.

Assim, é importante que haja conscientização e preocupação no que se refere ao cuidado como o meio em que vivemos. Uma possível solução para isso, é criar hábitos que evite o desperdício de água, como por exemplo, por meio da captação de águas nos tempos chuvosos para usá-la e reutilizá-la nas atividades do dia a dia.

Dessa forma, surge a necessidade de elaborar estratégias que permitam reutilizar a água, pois com o aumento da população, cresce as possibilidades de, em futuro próximo passarmos por uma grande escassez de água.

Nesse contexto, este estudo surgiu a partir da observação de relatos dos alunos durante o Estágio Supervisionado do Ensino Fundamental (ESEF) em uma escola pública, localizada no município de Capistrano-CE, quando foi relatado sobre a implantação de um projeto de reúso de água na escola durante o ano de 2017, seus benefícios e sua atual desativação.

A partir dessas ponderações, questionou-se: quais razões levaram a desativação do projeto de reúso da água na escola e qual seu impacto na formação do sujeito ecológico? Para responder esse questionamento, foi proposto uma pesquisa com todos os funcionários que trabalharam na referida escola durante o ano de 2017, por meio de uma pesquisa analítica exploratória. Com isso, esta pesquisa objetiva em linhas gerais, analisar as contribuições de um projeto de reúso de agua no espaço escolar para a formação de um sujeito ecologicamente sustentável, mais especificamente, averiguar como ocorreu a implantação do projeto de reúso de água na referida escola; Identificar carências de ações ecológicas com a inativação do projeto e verificar o parecer dos pesquisadores comparando com os já existentes na literatura específica.

Dessa forma, pretende-se contribuir na formação do sujeito ecológico a partir das contribuições ofertadas no espaço escolar, propondo informações que possibilitem a reativação do projeto de reúso de água na escola estudada, assim como sugerir a ação ambiental para novas instituições escolares.

A importância da água e formas de reúso

Nas últimas décadas têm crescido os debates relacionados à disponibilidade hídrica a nível mundial, construindo pautas relevantes nos cenários nacionais e internacionais, cujo objetivo é garantir a quantidade e qualidade da água, assim como suas formas de utilização (RIBEIRO; ROLIN., 2017).

Silva, et al. (2014) consideram a água como o líquido mais importante e precioso, não sendo possível imaginar a vida na terra com sua ausência, por isso é importante repensar no desenvolvimento sustentável, onde não somos proibidos a produzir mais e melhor, desde que se faça isso pensando nas gerações futuras e com responsabilidade.

Segundo Bacci e Pataca (2008, p. 211)

A água tem fundamental importância para a manutenção da vida no planeta, e, portanto, falar da relevância dos conhecimentos sobre a água, em suas diversas dimensões, é falar da sobrevivência da espécie humana, da conservação e do equilíbrio da biodiversidade e das relações de dependência entre seres vivos e ambientes naturais.

Dessa forma, percebe-se a importância da água para a sobrevivência da vida em nosso planeta, com isso, devemos cuidar e preservar desse bem tão precioso, empregando conceitos, técnicas, práticas e edificações com objetivos de conservá-la, a fim de suprir as necessidades existentes (LEMOS; FACUNDES; SCHERER., 2009).

Assim, devemos sempre buscar meios de conservar e armazenar a água para que não haja a falta durante os meses mais escassos, pois o reaproveitamento de água das chuvas traz diversos benefícios ambientais, a saber: evita a erosão no solo, que por sua vez, possibilita diminuir a contaminação de rios, açudes e nascentes, causada na maioria das vezes pelos agrotóxicos usados nas lavouras (CAETANO; OLIVEIRA., 2016).

Para Moruzzi (2008), o reúso da água pode ocorrer tanto de forma direta quanto indireta, por meio de ações planejadas ou não, para finalidades potáveis ou não potáveis.

Sabe-se que para as escolas da zona rural a água é um pouco mais escassa de que as da cidade, principalmente, quando falamos do Nordeste brasileiro onde as chuvas são irregulares. Assim, essas escolas devem se preocupar em criar meios que captem essa água e reutilizem a mesma nas atividades de limpeza e outras atividades realizadas no espaço escolar. No entanto, ainda trata-se um assunto pouco abordado nas políticas públicas. Dessa forma, devem ser abordadas novas medidas com finalidades de desenvolvimento, em relação ao reúso da água nas escolas municipais, principalmente, as rurais (MACIEL; FARIAS., 2013).

A escola com o espaço de formação do sujeito ecológico

Para Ferreira, et al. (2019, p.1), “o ser humano é responsável pelo que acontece a sua volta e, a não ser que ocorra uma transformação em seu comportamento predatório, valores e hábitos, improvavelmente encontrar-se-á uma solução eficaz para a sobrevivência”. Segundo o autor, para haver uma mudança significativa da realidade em que estamos inseridos, o homem tem que mudar alguns hábitos. A escola é um ótimo lugar para proporcionar esta mudança por meio de discussões que contribuem para a ampliação da reflexão da educação ambiental em todas as suas dimensões, construindo possibilidades na formação do sujeito ecológico (OLIVEIRA, et al., 2017).

O sujeito ecológico está relacionado a um modo de viver em sociedade com um estilo de vida que inspira atitudes ecologicamente orientadas, é incorporado pelos indivíduos que adotam essa orientação ecológica para praticarem naturalmente (CARVALHO, 2013).

Silva e Ferreira (2014, p.3) afirmam que:

O sujeito ambiental vem sendo construído a partir deste momento e os seus limites têm sido ampliados na contemporaneidade, pois é edificado nas relações societárias cotidianas, adquirindo características peculiares da cultura de cada localidade, porém não perde seu foco.

Dessa forma, Lotti, et al. (2015), dizem que a educação ambiental enquadra-se como a uma forma eficiente de promover a difusão de questões ambientais e preservação para toda a sociedade, uma vez que tem como principal objetivo a conscientização dos alunos de que o planeta passa por um período de intensas transformações que desencadeiam desequilíbrios naturais, os quais afetam a qualidade dos recursos naturais como água, solo e ar e, ainda, podem alterar drasticamente o clima e a amplitude dos habitats naturais, resultando em reduções na biodiversidade e na qualidade de vida humana.

Percurso metodológico

Trata-se de uma pesquisa com abordagem mista (qualitativa e quantitativa) e exploratória quanto a seu objetivo. A abordagem qualitativa permite responder questões muito particulares, com um nível de realidade expresso por meio dos motivos, aspirações, crenças, valores e atitudes (MINAYO, 2001). Enquanto na abordagem quantitativa, é possível mensurar os dados, traduzir os números e promover a compreensão de diferentes problemáticas, enriquecendo, dessa forma, a compreensão dos diferentes eventos da pesquisa (GATTI, 2004). Por sua vez, o estudo exploratório proporciona maior familiaridade com o problema, possibilitando um estudo sob diversos ângulos e aspectos, como a análise de exemplos que estimulam a compreensão (PRODANOV; FREITAS, 2013).

A pesquisa aconteceu em uma escola pública do município de Capistrano-CE. Capistrano está localizado a 120 km de Fortaleza, Capital do Estado, com aproximadamente 17.621 habitantes e área de 194,797 km², sua maior população encontra-se na zona rural e sua principal fonte de renda está na agricultura, indústrias de produtos alimentares e comércio (IBGE, 2021).

Quanto aos participantes, foram 19 participantes, sendo que 57,9% são do sexo masculino e 42,1% do sexo feminino, com idade variando entre 23 e 47 anos, com recorte etário maior entre 33 e 37 anos (31,6%). No quesito formação, 42,1% têm o superior completo, 10,5% possuem superior incompleto, e, 47,4% são especialistas. A respeito da função, 63,2% são professores, 10,5% gestores, e 26,3% estão divididos entre secretário(a), coordenador(a) e agente/auxiliar administrativo.

A coleta dos dados ocorreu através da aplicação de um questionário online por meio do Google Forms, que foi enviado para e-mail e WhatsApp dos funcionários, onde o primeiro bloco abordou o perfil sociodemográfico dos participantes, enquanto o segundo bloco foi composto por questões objetivas e subjetivas versando sobre a importância do projeto de reúso de água, enquanto ativo, e sua importância na formação do sujeito ecológico. Posteriormente, foi feito uma análise de conteúdo dos dados, cuja técnica se dar através da organização do questionário respondido, leitura minuciosa dos dados e análise do pensamento manifesto pelos pesquisados (MINAYO, 2001).

A pesquisa foi pautada nos preceitos legais e administrativos estabelecidos na Resolução n. 510, de 7 de abril de 2016, do Conselho Nacional de Saúde. Para tanto, foi utilizado o Termo de Anuência, solicitando a autorização aos gestores da escola para realização da pesquisa e o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) a todos os participantes assegurando os direitos e deveres dos sujeitos pesquisados.

Resultados e discussão

O questionário foi enviado aos 27 funcionários que trabalharam durante o ano de 2017 na escola pesquisada, obtendo-se um retorno de 19 (70,3%) do total de participantes.

O primeiro questionamento visou identificar o percentual e o nível de envolvimento dos funcionários durante a implantação do projeto no ano de 2017. Os resultados indicaram que 07 (36,8%) foram participantes de forma direta, ou seja, exerciam alguma função no projeto durante a implantação, enquanto 05 (26,4%) participaram, porém de forma indireta, apenas auxiliando os demais. Enquanto 07 pesquisados, (36,8%) responderam que não tiveram nenhuma participação ou envolvimento, conforme mostra o Gráfico 01.

Gráfico 01- Nível de envolvimento dos funcionários durante a implantação do projeto de reuso de água na escola pesquisada, 2020.

Fonte: Elaborado pelos autores, 2020.



Percebeu-se que a maioria dos funcionários optaram em se envolver de alguma forma na implantação do projeto de reúso de água na escola. Por sua vez, notou-se um número considerável de funcionários que optou em não se envolver de nenhuma forma.

Considerando que cada funcionário de uma escola é peça fundamental para a evolução da educação, sendo dessa forma, também educadores (ANGST, 2017), é importante que todos estejam comprometidos e engajados no processo de ensino e aprendizagem, algo essencial para a formação da cidadania. E quando se refere a formação do sujeito ecológico dentro do espaço escolar, é importante que haja práticas pedagógicas, não apenas dos professores, mas todos os funcionários devem estar comprometidos com a construção desse conhecimento (BERTI; GREGATI, 2016).

Um outro questionamento procurou saber dos entrevistados, o quanto eles concordam que o projeto é importante para a escola. 42% responderam que concordam completamente, 42% concordam e 16% nem concordam nem discordam, não havendo nenhuma discordância (Gráfico 02).

Gráfico 02- Nível de concordância sobre a importância do projeto de reúso de água no espaço escolar, 2020.



Fonte: Elaborado pelos autores, 2020.

Verificou-se que a maioria (84%), concordam que é importante que o projeto de reúso de água esteja ativo na escola, visto que, uma vez ativo, pode ser usado como demostração e exemplo durante as aulas, assim como, na construção diária de um ser ecológico, não só do aluno, mas de todo o corpo de funcionários da escola.

Para Cirilo e Ferreira (2017, p.1)

O foco de uma educação dentro do novo paradigma ambiental tende a compreender, para além de um ecossistema natural, um espaço de relações socioambientais. Nesse contexto, as práticas educativas devem apontar para propostas pedagógicas centradas na mudança de hábitos, atitudes e práticas sociais”.

Adiante, foi pedido que cada pesquisado avaliasse o projeto. Os resultados obtidos foram: (53%) avaliaram como excelente, e, (47%) avaliaram como bom, não havendo nenhuma indicação para ruim ou péssimo (Gráfico 03).

Gráfico 03- Avaliação do projeto de reúso de água na escola, 2020.

Fonte: Elaborado pelos autores, 2020.

Ao analisar as justificativas das avaliações do projeto, destacamos as mais relevantes a partir de abreviações: E3, E4, E5... para identificar os entrevistados, conforme mostra o Quadro 1.

Quadro 1: Justificativa de avaliação do projeto, 2020.

E3

Esse projeto veio conscientizar os alunos na questão da preservação do meio ambiente. Outro fator importante foi à economia de água na escola.

E4

Por que a água que é reutilizada usamos para regar as plantas, sendo que é essencial no período do verão, pois nesse período a água se torna pouca.

E5

A água é um recurso que pode acabar. Dessa forma, projetos que visam o seu reúso da água é de extrema importância para o nosso planeta.

E6

Esse projeto foi de suma importância principalmente no que diz respeito na reutilização da água dentro da instituição, sem falar que ajudou bastante no decorrer da limpeza da mesma.

E8

Tendo em vista a importância do reúso da água vejo que é fundamental reutilizar a água para regar algumas plantas ou até mesmo uma horta escolar.

E11

É uma forma de reutilizar e evitar o desperdício da água e ao mesmo tempo preservar o meio ambiente.

E15

Esse projeto é de grande importância na valorização do meio ambiente e de seus recursos.

E16

Por trabalhar a visão do aluno como sujeito que deve preservar a casa comum, a partir de atividades ecológicas que fazem parte do cotidiano do discente.

E17

Traz consciência e responsabilidade com o planeta.

E19

Como sabemos, um dos grandes problemas que atinge algumas regiões e o desperdício da água, ocasionando assim a sua escassez, e esse projeto vem de alguma forma contribuir para que não ocorra esse tipo de problema, conscientizando o ser humano a valorizar mais o meio ambiente.

Fonte: Elaborado pelos autores, 2020.

Verificou-se nas respostas dos entrevistados algo em comum, os seja, uma preocupação com o meio ambiente, e de alguma forma concordam que o projeto ajuda na diminuição do desperdício de água, visto que “os recursos hídricos são utilizados como forma de atendimento às necessidades constantes do ser humano, e por diversos motivos enfrenta uma crescente escassez (ANDRE, MACEDO, ESTENDER, 2015, p.2). Ainda sim, contribui com a preservação do meio ambiente. Dessa forma, percebe-se que os envolvidos na pesquisa demonstram uma preocupação com o futuro de nosso planeta e com a escassez de água daqui alguns anos. Isso nos leva refletir na importância da reativação do projeto, pois verifica-se na fala dos entrevistados o quanto ele é capaz de trazer argumentos de conscientização ecológica.

Em outro questionamento foi perguntado o seguinte: na sua opinião, o projeto trouxe alguma(s) contribuições para sua vida social? Os resultados foram: 42% disseram que concordam completamente, 42% concordam e 16% nem concordam nem discordam. Ou seja, a maioria (84%) percebe de alguma forma, contribuições do projeto do seu convívio social. Isso é muito relevante, pois a formação do sujeito ecológico está diretamente relacionada ao nosso modo de viver em sociedade (CARVALHO, 2013), o que possibilita uma maior disseminação de práticas ecológicas na sociedade.

No instrumento de pesquisa os funcionários foram solicitados a descreverem a partir de suas percepções, a importância desse projeto para a formação de alunos do Ensino Fundamental, quando obteve-se os seguintes resultados (Quadro 2).

Quadro 2: Importância do projeto para a formação dos alunos, 2020.

E2

Vejo esse projeto como uma prática significativa para se formar cidadãos ativos, aptos a participar de ações de conservação e recuperação do meio ambiente.

E4

De forma boa, pois ajuda os alunos a compreender melhor a importância do reúso da água. Sendo que com esse projeto eles podem conscientizar suas famílias a reutilizar a água em seus lares.

E5

Mostrará aos educando a importância da água para a sociedade humana e mostrará caminhos para que esse recurso cada vez mais escasso possa dá uma sobrevida às vidas do planeta.

E6

A conscientização de utilizar e reutilizar a água sem desperdiçar.

E7

Vejo como uma contribuição, que fortalece o conhecimento dos alunos sobre a importância da economia da água, é fundamental que os alunos compreendam a importância da água para a vida do ser humano, plantas, animais e etc.

E11

Ajuda muito na conscientização de reutilização da água, evitando o desperdício, para uma formação consciente e responsável com recurso natural.

E15

Os alunos se tornam seres autônomos e responsáveis enxergando novas possibilidades de cuidado com o meio em que vivem respeitando a natureza, buscando uma vida mais sustentável.

E16

De grande valia podendo os mesmos se apropriaram de técnicas de reúso de água, para assim, evitar o desperdício desse bem tão precioso e de grande utilidade em nosso planeta.

E18

Conscientizar para que não haja desperdício da água, e que mesmo já utilizada, pode se reaproveitada para outras atividades.

E19

O projeto busca trabalhar a partir da perspectiva de tornar o aluno como sujeito crítico, ecológico e responsável pela casa comum.

Fonte: Elaborado pelos autores, 2020.

Nas respostas supracitadas é notório o interesse pelo projeto, apresentado pelos envolvidos na pesquisa, pois com os resultados obtidos verificou-se elogios, preocupação com a formação e conscientização dos alunos, no que tange a forma de pensar e agir com o meio ambiente.

Para Santos (2015, p.12), “a educação é um instrumento essencial neste processo de aliar desenvolvimento socioeconômico à sensibilização sobre as questões ambientais”.

De acordo com Tugoz, Bertolini e Brandalise (2017, p.2),

atualmente, as questões relacionadas à preservação ambiental e ao uso consciente da água passaram a ser uma preocupação mundial, o que tem impulsionado o aumento crescente de políticas públicas voltadas à promoção de práticas sustentáveis.

Dessa forma, a educação ambiental aliada as políticas públicas podem trazer diversos benefícios ao meio ambiente através da formação do sujeito ecológico no espaço escolar, que por sua vez torna-se um disseminador de ideias sustentáveis na sociedade.

Considerações finais

Pode-se considerar dessa forma que o projeto de reúso de água no espaço escolar torna-se relevante na formação do sujeito ecológico, seja ele aluno, professor ou qualquer outro funcionário da escola. Pois, verificou-se a importância do aprendizado a partir da prática e demonstração, ou seja, torna-se mais fácil ensinar e aprender ser um sujeito ecológico quando há motivações diárias, o que consequentemente influencia no modo de pensar e agir no meio ambiente. Dessa forma, alunos e funcionários irão levar os conhecimentos adquiridos para suas casas e certamente seus familiares também irão aprender e praticar esses novos hábitos na sociedade.

Dessa forma, este estudo pretende informar por meio dos dados, a importância da reativação do projeto de reúso de água na escola para que haja uma continuidade no auxílio às atividades escolares como limpeza, cuidado com o meio ambiente e consequentemente, na formação do sujeito ecológico.

Referências

ANDRÉ, S. D.; MACEDO, D. D.; ESTENDER, C. A. Conservação e Uso Racional da Água: Novos hábitos para evitar a escassez dos recursos hídricos e para a continuidade do bem finito. XiiSEGe T Simpósio de excelência e tecnologia, otimização de recursos e desenvolvimento 2015. Disponível em: https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos15/152213.pdf. Acesso em: 24 de nov de 2020.

ANGST, F. A escola e seus atores: os funcionários de escola. VIII Simpósio Iberoamericano. 2017. Disponível em: https://www.uffs.edu.br/campi/cerro-largo/noticias/viii-simposio-iberoamericano-em-desenvolvimento-da-red-cidir-sera-em-cerro-largo-1. Acesso em 29 de dez, 2020.

BERTI, C, D, M, F.; GREGATI, A, R. Água: uma proposta escolar de uso racional e reúso. Versão online ISBN 978-85-8015-093-3 cadernos PDE volume 1, 2016. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2016/2016_artigo_cien_unicentro_francismaradallacorteberti.pdf. acessado em: 23 de nov de 2020.

BACCI, C. L. D. D.; PATACA. M. E. Educação para a água. Estudos Avançados 22 (63), 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v22n63/v22n63a14.pdf. Acessado em: 16 de abr de 2020.

CAETANO, M. B.; OLIVEIRA, B. W. V. S. Captação e reutilização de água em escolas municipais e estaduais de Ribeirão Preto-SP. ENGEMA encontro internacional sobre gestão empresarial emeio ambiente. ISSN: 2359-1048 dezembro 2016. Disponível em: http://engemausp.submissao.com.br/18/anais/arquivos/243.pdf. acessado em: 31 de mar de 2020.

CARVALHO, I.C.M. O sujeito ecológico: a formação de novas identidades culturais e a escola. In: Pernambuco, Marta; Paiva, Irene. (Org.). Práticas coletivas na escola. 1ed.Campinas: Mercado de Letras, 2013, v. 1, p. 115-124.

CIRILO, A. M. M.; FERREIRA, S, J.O reaproveitamento de água na escola como ferramenta para a formação do sujeito ecológico. ISSN 1678-0701Número 59 (volume 16, série 1)
Março-Maio/2017. Disponível em: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=2648. Acessado em: 23 de Nov de 2020.

FONTANA, R. L. M. et al. Teorias demográfica e o crescimento. Ciências Humanas e Sociais. Unit | Aracaju | v. 2 | n.3 | p. 113-124 | Março 2015 | periodicos.set.edu.br.

FERREIRA, P. V. et al. Educação ambiental nas escolas: uma reflexão sobre a importância da coleta seletiva de lixo e reciclagem. Revista de Educação Ambiental. ISSN 1678-0701 número 68, ano xviii. Junho-agosto/2019. Disponível em: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=3735.

GATTI, B. A. Estudos quantitativos em educação. Fundação Carlos Chagas, Educação e Pesquisa, São Paulo, v.30, n.1, p. 11-30, jan./abr. 2004. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ep/v30n1/a02v30n1.pdf> Acesso em: 03 mar 2018.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Cidades. 2021. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/ce/capistrano.html. Acesso em 25 de jul de 2021.

LOTTI, F. L. et al. A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO SISTEMA EDUCACIONAL BRASILEIRO: UMA BREVE REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. EDUCERE - Revista da Educação, Umuarama, v. 15, n. 1, p. 57-71, jan./jun. 2015. Disponível em:revistas.unipar.br.

LEMOS, R. P.; FAGUNDES, M. R.; SCHERER, J. M. Reaproveitamento de água para fins não potáveis em habitações de interesse social. X Salão de Iniciação Científica – PUCRS, 2009. Disponível em: http://www.pucrs.br/edipucrs/XSalaoIC/Ciencias_Sociais_Aplicadas/Arquitetura_e_Urbanismo/70444-PAULO_ROGERIO_LEMOS.pdf. Acessado em: 16 de abr de 2020.

MINAYO, M. C.S.(org.). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

MORUZZI, B. R. Reuso de água no contexto da gestão de recursos hídricos: impacto, tecnologias e desafios. OLAM – Ciência & Tecnologia – Rio Claro / SP, Brasil – Ano VIII, Vol. 8, N.3, P. 272 Julho – Dezembro / 2008 ISSN 1982-7784. Disponível em: http://www.rc.unesp.br/igce/planejamento/download/rodrigo/reuso.pdf Acessado em: 16 de abr de 2020.

MACIEL, A. M. S.; FARIAS, S. D. E. O Uso e Reuso da Água nas Escolas Municipais Rurais de Sant’Ana do Livramento: Importantes Dimensões para o Desenvolvimento de Políticas Públicas. XXXVII ANPAD rio de janeiro/RJ – 7 a 11 de setembro de 2013. Disponível em: http://www.anpad.org.br/diversos/down_zips/68/2013_EnANPAD_APB1770.pdf. Acessado em: 23 de abr de 2020.

NOGUEIRA, A. P; RIBEIRO, L.P.D. Espectroscopia NIR: uma proposta sustentável para análise da qualidade do café sombreado do Maciço de Baturité, Ceará. Revista Educação Ambiental em Ação. 2019. Disponível em: http://www.revistaea.org/pf.php?idartigo=3805. Acesso em: 15 de junho de 2020.

OLIVO, M. D. A; ISHIKI, M. H. Brasil frente à escassez de água. .ColloquiumHumanarum, Presidente Prudente, v. 11, n. 3, p.41-48, set/dez 2014. DOI: 10.5747/ch.2014.v11.n3.h170. disponível: revistas.unoeste.br › index.php › article › download. Acessado em: 31 de mar de 2020.

OLIVEIRA, K. C. et al. Uma análise das pesquisas em Educação Ambiental. ISSN 2176-1396. 2017. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2017/24912_14087.pdf.

PRODANOV, C.C.; FREITAS, E.C. Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisae do Trabalho Acadêmico. 2ª edição. FEEVALE. Rio Grande do Sul. 2013.

RAMALHO, M. F. J. L.; A fragilidade ambiental do Nordeste brasileiro: o clima semiárido e as imprevisões das grandes estiagens. Sociedade e Território, Natal, v. 25, nº 2, EDIÇÃO ESPECIAL, p. 104-115, jul./dez. 2013.revistas.unoeste.br. Acessado em: 31 de mar de 2020.

RIBEIRO, G. G. L.; ROLIM, D. N. Planeta água de quem e para quem: uma análise da água doce como direito fundamental e sua valoração mercadológica. Revista Direito Ambiental e sociedade, v. 7, n. 1. 2017 (p. 7-33). Disponível em:

www.ucs.br › revistas › index.php › direitoambiental › article › download. Acessado em: 16 de abr de 2020.

SILVA, D. R. W.; SILVA, R. M.; PIRES, B, T. O USO SUSTENTÁVEL E A QUALIDADE DA ÁGUA NA PRODUÇÃO ANIMAL. REVISTA ELETRÔNICA NUTRITIME – ISSN 1983-9006 Artigo 266 Volume 11 - Número 05– p. 3617- 3636– Setembro/Outubro 2014. Disponível em: https://www.nutritime.com.br/arquivos_internos/artigos/ARTIGO266.pdf. acessado em: 16 de abr de 2020.

SILVA, D. A. M.; SANTANA, D. G. C. REUSO DE ÁGUA: possibilidades de redução do desperdício nas atividades domésticas. REVISTA DO CEDS. Periódico do Centro de Estudos em Desenvolvimento Sustentável da UNDB N. 1 agosto/dezembro 2014 – Semestral Disponível em: http://www.undb.edu.br/ceds/revistadoceds. Acessado em: 31 de mar de 2020.

SILVA, D. V.; FERREIRA, L. A construção do sujeito ecológico: uma agenda contemporânea permeada pelo passado. R. Laborativa. v. 3, n. 2, p. 03-20, out./2014. http://ojs.unesp.br/index. php/rlaborativa.

SANTOS, T. REUSO DE ÁGUA, UMA REVISÃO SISTEMÁTICA. Instituto Federal de Educação, ciência e tecnologia de mato grosso campus cuiabá - bela vista. 2015. Disponível em:http://tga.blv.ifmt.edu.br/media/filer_public/9e/2e/9e2ebc9f-a391-4b59-a5fd-46fc7c951a5e/20151_tcc_-_tatiane_santos.pdf. acessado em: 24 de nov de 2020.

TUGOZ, EI J; BERTOLINI, G. R. F; BRANDALISE, L. T. Captação e Aproveitamento da Água das Chuvas: O Caminho para uma Escola Sustentável. Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834. 2017.



Ilustrações: Silvana Santos