Tudo o que temos a fazer [...] é colocar nosso jeito de viver dentro dos meios ecológicos conhecidos. (Marcus Eduardo de Oliveira)
ISSN 1678-0701 · Volume XX, Número 78 · Março-Maio/2022
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(7) Notícias(5) Dicas e Curiosidades(1) Reflexão(1) Para sensibilizar(1) Dinâmicas e recursos pedagógicos(1) Arte e ambiente(1) Divulgação de Eventos(1) Sugestões bibliográficas(1) Educação(1) Ações e projetos inspiradores(2) Do Linear ao Complexo(3) A Natureza Inspira(1) Relatos de Experiências(11)   |  Números  
Artigos
15/03/2022 (Nº 78) CHARGES COM TEMÁTICA AMBIENTAL: UM RECURSO DIDÁTICO PARA UM ENSINO DE CIÊNCIAS CRÍTICO
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4268 
  

CHARGES COM TEMÁTICA AMBIENTAL: UM RECURSO DIDÁTICO PARA UM ENSINO DE CIÊNCIAS CRÍTICO



Alex Barbosa da Silva1, Patrícia Lopes Romero2, Rafaelle Bonzanini Romero3, Adriano Lopes Romero4



1Mestrando em Ensino de Ciências Humanas, Sociais e da Natureza (PPGEN) pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Professor da Rede Municipal de Ensino de Marilândia do Sul - PR e Mauá da Serra - PR, alex-barbosa@hotmail.com.br

2Mestre em Letras, professora da Rede Estadual de Ensino do Paraná na cidade de Campo Mourão, patricialopesromero2@gmail.com

3Doutora em Química, professora na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Departamento Acadêmico de Química, campus Campo Mourão, rbromero@utfpr.edu.br

4Doutor em Educação em Ciências, professor na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Departamento Acadêmico de Química, campus Campo Mourão, adrianoromero@utfpr.edu.br



RESUMO: Neste artigo chamamos a atenção para as potencialidades que o gênero textual charge possui como recurso didático, e sua utilização com temas voltados a Educação Ambiental, para promover um ensino de Ciências crítico. Com base nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), selecionamos algumas charges, disponíveis no site da rede social de compartilhamento de fotos Pinterest, que são relacionadas aos dez problemas ambientais que devem ser solucionados até 2030. As charges selecionadas foram descritas e classificadas como “charge de Educação Ambiental com realidade alterada”, “charge de Educação Ambiental com ficção contextualizada” ou “charge de Educação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável”. Algumas charges apresentam aspectos relacionados à naturalização da poluição e ao racismo ambiental e, assim como as demais com temática ambiental, podem (e devem) ser trabalhadas, de forma contextualizada e crítica, em disciplinas de Ciências em todos os níveis da Educação Básica.

PALAVRAS-CHAVE: Conscientização ambiental. Desenvolvimento sustentável. Educação em Ciências.



ABSTRACT: In this article we draw attention to the potential that the textual genre cartoon has as a teaching resource, and its use with themes related to Environmental Education, to promote a critical science education. Based on the Sustainable Development Goals (SDGs), we selected some cartoons, available on the photo sharing social network site Pinterest, which are related to the ten environmental problems that must be solved by 2030. The selected cartoons were described and classified as "environmental education cartoon with altered reality", "environmental education cartoon with contextualized fiction" or "environmental education and sustainable development cartoon". Some cartoons present aspects related to the naturalization of pollution and environmental racism and, like the others with environmental themes, can (and should) be worked, in a contextualized and critical way, in scientific disciplines at all levels of Basic Education.

KEYWORDS: Environmental awareness. Sustainable development. Science Education.



INTRODUÇÃO

Na medida em que o Homem avança, no seu anunciado objetivo de conquistar a Natureza, êle vem escrevendo uma sequência deprimente de destruição; as destruições não são apenas dirigidas contra a Terra que êle habita, mas também contra a vida que compartilha o Globo com êle (CARSON, 1962, p. 94).

Há 60 anos, a bióloga marinha e ambientalista estadunidense Rachel Carson (1907-1964), a partir da publicação do livro Silent spring (Primavera silenciosa), deu início ao movimento ambientalista moderno (MAIA; FRANCO, 2021). Explorando, desde o título do livro, aspectos sensoriais, a autora entende a natureza com um equilíbrio entre todas as espécies que habitam nosso planeta (SOUZA; MARTINS, 2020). Na citação indicada acima, a autora nos faz refletir sobre as ações do Homem, que está destruindo a vida de todas as espécies, incluindo a nossa, na Natureza. Essa crítica nos remete a um processo, cada vez mais frequente em nosso cotidiano, de naturalização de ações contra o meio ambiente (GOROSTIZA; SAURÍ, 2019; SILVA et al., 2021), uma vez que:

Ao 'naturalizar' com sucesso a poluição - isto é, apresentar um processo induzido pelo homem como natural, fora do controle humano -, os atores podem tentar apagar as lutas socioambientais e obter imunidade ao escrutínio social e político, evitando assim responsabilidades legais emanadas do princípio 'poluidor-pagador' e, portanto, afastando os custos ambientais e sociais (GOROSTIZA; SAURÍ, 2019, p. 2, tradução nossa).

Para ir contrário a esse processo, é necessário desenvolver ações que estimulem reflexões que permitam desnaturalizar e, posteriormente, renaturalizar as ações contra o meio ambiente (LOPES et al., 2000). Para isso, a Educação Ambiental, principalmente a realizada na Educação Básica, pode contribuir, por meio de ações variadas e continuadas, para o desenvolvimento de cidadania ambiental não apenas de sensibilização ambiental (HIGUCHI; AZEVEDO, 2004).

Ao abordarmos a temática Educação Ambiental é fundamental recordarmos que a partir do ano de 2012 a mesma foi inserida como conteúdo obrigatório na Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional (LDBEN), e com a criação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), a qual abrange todo o currículo da Educação Básica no Brasil, vieram junto algumas inquietações da superficialidade que a temática foi tratada no documento. A BNCC é dividida por áreas de conhecimentos, assim ao olharmos o documento a Educação Ambiental não é estabelecida como uma área de conhecimento. Oliveira e Neiman (2020) discorrem que, com a implantação da BNCC, alguns temas transversais não são contemplados de maneira explícita, inclusive a Educação Ambiental. Corroborando com os autores Oliveira e Royer (2019), complementam que a base apresenta uma concepção naturalista e reducionista, condensando numa mera ferramenta para gestão de recursos naturais dentro de uma perspectiva a favor do desenvolvimento sustentável.

No âmbito do ensino de Ciências, vários recursos didáticos têm sido utilizados para abordar temáticas ambientais, tais como uso de Textos de Divulgação Científica (COSTA; PERTICARRARI, 2020; NASCIMENTO et al., 2021), atividades experimentais (ROCHA; SANTOS, 2010; MARCONDES et al., 2019), jogos didáticos (MULINE et al., 2013; PATRIARCHA-GRACIOLLI; ZANON; SOUZA, 2018), filmes (MATTA; ROCHA, 2017), desenhos animados (CABRAL; NOGUEIRA, 2019; LOVATO; SEPEL, 2021) e charges (PASSOS et al., 2018; TONELLO; WYZYKOWSK; GÜLLICH, 2018; WYZYKOWSKI; FRISON; BIANCH, 2020). Entre esses recursos didáticos, chamamos a atenção para as charges, um gênero textual multimodal (OLIVEIRA; CODINHOTO, 2021) presente no cotidiano das pessoas, que circulam nos meios de comunicação de massa e em redes sociais. Acreditamos que o caráter humorístico das charges torna esse gênero bastante popular, tornando-se, portanto, um espaço alvo para a disseminação de ideias sobre o meio ambiente, inclusive sobre processos de naturalização de ações contra o meio ambiente, que podem ser exploradas como recurso didático para um ensino crítico (ENNIS, 1985; TENREIRO-VIEIRA, 2004) em disciplinas de Ciências.

No contexto apresentado, no presente trabalho exploramos a potencialidade do uso de charges de temática ambiental para abordar tópicos de Educação Ambiental, para promover, de maneira interdisciplinar, um ensino de Ciências crítico.



DESENVOLVIMENTO

Para entendermos a charge enquanto esse gênero textual, devemos considerar que:

A palavra charge é de origem francesa, ‘charger’, que significa carregar ou exagerar, dependendo do contexto em que está inserida [...]. O papel da charge é expor a realidade por meio de um texto-imagem que geralmente aborda um fato histórico ou importante personagem, de forma crítica, opinativa e humorada. Outra característica importante apontada, indica que a charge é de rápida leitura, e, muitas vezes traz consigo inúmeras informações, cabendo ao leitor ter um conhecimento prévio sobre o assunto, para que venha a compreender a criticidade do texto (GONÇALVES, 2019, p. 25).

Complementando, Oliveira, Santos e Borges (2013, p. 179) apresentam outras características sobre as charges:

Desde o século XIX é possível encontrar charges nos jornais e, atualmente [...] o texto humorístico encontrado nas charges é indispensável aos órgãos de imprensa de largo público. A charge não é somente um desenho que ilustra a notícia. É um texto crítico, com traços humorísticos, que atrai a atenção do leitor e promove a reflexão sobre as temáticas problematizadas na imagem. A ironia, o humor e a sátira são recursos estilísticos que possibilitam ao leitor uma leitura crítica.

As características pontuadas por Gonçalves, 2019 e Oliveira, Santos e Borges (2013) indicam que as charges possuem grande potencial para serem utilizadas no contexto educacional. No contexto do ensino de Ciências existem vários relatados acerca do uso de charges (PASSOS et al., 2018; TONELLO; WYZYKOWSK; GÜLLICH, 2018; WYZYKOWSKI; FRISON; BIANCH, 2020). Tonello, Wyzykowsk e Güllich (2018), por exemplo, relataram que o uso de charges e quadrinhos contribuíram para que os estudantes desenvolvessem um pensamento crítico e uma sensibilização sobre questões ambientais.

Como indicado anteriormente, Rachel Carson iniciou um movimento para refletir sobre problemas ambientais, decorrentes da ação do ser humano, que colocam em perigo tanto a saúde do planeta quanto a nossa. Fazendo um grande recorte histórico, a preocupação com temas ambientais reaparece, em 2015, com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), que compõem a Agenda 2030, um documento assinado por 193 países, incluindo o Brasil, membros das Nações Unidas (ONU). Esse documento apresenta 17 objetivos e 169 metas - relacionados a quatro dimensões (social, econômica, ambiental e institucional) - que identificam as prioridades globais de desenvolvimento sustentável (DANTAS; FONTGALLAND, 2021).

Os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável relacionados a dimensão ambiental são: ODS 6, cujo objetivo é garantir disponibilidade e manejo sustentável da água e saneamento para todos; ODS 11, cujo objetivo é tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis; ODS 13, cujo objetivo é tomar medidas urgentes para combater a mudança do clima e seus impactos; ODS 14, cujo objetivo é a conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável; ODS 15, cujo objetivo é proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter à degradação da terra e deter a perda de biodiversidade (ONU, 2015; DANTAS; FONTGALLAND, 2021).

A seguir apresentamos, 10 problemas ambientais, que devem ser resolvidos até 2030, que estão relacionados aos cinco ODS indicados anteriormente. Para cada um dos problemas ambientais indicados foram selecionadas charges, para as quais apresentamos uma descrição e relação com o contexto ambiental. As charges foram selecionadas a partir da rede social de compartilhamento de fotos Pinterest (acessível em: br.pinterest.com).

As charges selecionadas foram classificadas em três categorias: (1) Charge de Educação Ambiental com Realidade Alterada, que “é composta por charges que ilustram situações que acontecem em nosso contexto social” (WYZYKOWSKI; FRISON; BIANCHI, 2020, p. 297); (2) Charge de Educação Ambiental com Ficção Contextualizada, que são charges “em que os autores recorreram à imaginação para informar os leitores sobre problemas ambientais e suas consequências para todos os ecossistemas” (WYZYKOWSKI; FRISON; BIANCHI, 2020, p. 299); e (3) Charge de Educação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável, que são charges “que destacam o homem como integrante do Planeta, assim como os outros seres vivos” (WYZYKOWSKI; FRISON; BIANCHI, 2020, p. 302).



Adaptação e mitigação às mudanças climáticas

O aquecimento global induzido pelas emissões de gás carbônico (CO2), que aumentaram segundo a ONU em 50% desde 1990, está acelerando as mudanças climáticas e ameaça a sobrevivência de milhões de pessoas, animais e plantas, pois provoca episódios meteorológicos, tais como secas, incêndios e inundações, cada vez mais frequentes e extremos. A ocorrência do fenômeno mudanças climáticas nos obriga a tomar medidas que atenuem seus efeitos e ajudem a nos adaptarmos às consequências que, inclusive contendo o aumento do termômetro terrestre abaixo de 2 ºC como exigem o Acordo de Paris (um compromisso mundial, firmado em 2015, sobre as alterações climáticas que prevê metas para a redução da emissão de gases do efeito estufa), permanecerão durante séculos (IBERDROLA, c2022). As charges 1-4, relacionadas ao problema de adaptação e mitigação às mudanças climáticas, são apresentadas na Figura 1.

Figura 1: Charges relacionadas ao problema de adaptação e mitigação às mudanças climáticas.

Fonte: Charges 1 (www.pinterest.es/pin/535998793147602800), 2 (www.pinterest.es/pin/73253931427287758/), 3 (www.pinterest.es/pin/410672059777955424/), 4 (www.pinterest.es/pin/470063279856579483/).

A charge 1 representa uma criança que, ao assistir televisão, fica perplexa ao perceber a ocorrência de várias situações provocadas pelo Homem que afetam a saúde do planeta. Esta charge, que é classificada como “Charge de Educação Ambiental com Realidade Alterada”, pode ser utilizada para discutir sobre as ações do Homem na Natureza, assim como o futuro de nosso planeta.

A charge 2 representa um grupo de pinguins, adaptados a condições de extremo calor, tal como de regiões desérticas, transpirando e nostálgicos com saudade de andar sobre o gelo. Esta charge, que é classificada como “Charge de Educação Ambiental com Ficção Contextualizada”, pode ser utilizada para discutir as consequências do aquecimento global, não apenas para nossa espécie, mas para todo o ecossistema.

A charge 3 representa um diálogo entre um adulto e uma criança, na qual o adulto percebe uma alteração climática e o classifica como “louco”. A criança, por outro lado, de forma irônica, concorda com o adulto, mas observa de longe, e com feição de insatisfeita, os reais motivos que provocaram essa mudança. Esta charge, que é classificada como “Charge de Educação Ambiental com Realidade Alterada”, pode ser utilizada para discutir sobre a naturalização da poluição, do descarte inadequado de lixo, do desmatamento das florestas provocadas pelas pessoas e grandes indústrias.

A charge 4 representa o diálogo de dois animais que habitam o Ártico sobre a ação dos humanos em minimizar o aquecimento do planeta. Localizados sobre dois pequenos blocos de gelo e sem nenhuma grande geleira no cenário, a percepção é a de que parte dos humanos não acreditam no aquecimento global. Esta charge, que é classificada como “Charge de Educação Ambiental com Ficção Contextualizada”, pode ser utilizada para discutir quais ações humanas têm contribuído para o aquecimento global, assim como atitudes sustentáveis para combater o aquecimento global.



Os problemas de poluição e seu impacto na saúde

A Organização Mundial da Saúde estima que 90% da humanidade respira ar poluído e, consequentemente, demanda uma redução da contaminação para reduzir o índice de doenças respiratórias, evitando assim sete milhões de óbitos/ano. A água contaminada também causa problemas importantes de saúde, além de cinco milhões de mortes anuais. A ONU defende eliminar as descargas de resíduos, minimizar o uso de produtos químicos e depurar mais quantidade de águas residuais, entre outras medidas (IBERDROLA, c2022). As charges 5-8, relacionadas ao problema de poluição e seu impacto na saúde, são apresentadas na Figura 2.

Figura 2: Charges relacionadas ao problema de poluição e seu impacto na saúde.

Fonte: Charges 5 (www.pinterest.es/pin/535998793146043684/), 6 (www.pinterest.es/pin/535998793151657079/), 7 (www.pinterest.es/pin/535998793155067518/), 8 (www.pinterest.es/pin/73253931427287759/).

A charge 5 apresenta duas casas, uma com quintal limpo e outra com uma grande quantidade de lixo, que é jogado intencionalmente por um homem de idade. A quantidade de objetos que acumulam água, de insetos e roedores é grande, ainda assim o homem parece não se importar com a situação observada. Em contrapartida, a criança ao observar a quantidade de lixo na casa ao lado imagina que aquela situação poderá adoecê-lo. Esta charge, que é classificada como “Charge de Educação Ambiental com Realidade Alterada”, pode ser utilizada para discutir como as ações humanas sobre a Natureza têm contribuído para o adoecimento da população.

A charge 6 apresenta um homem de idade segurando uma plaquinha, com o seguinte dizer: Mais saúde. Enquanto no chão há uma grande quantidade de objetos jogados na calçada e na rua. Ao fundo podem-se ver diversas indústrias com várias chaminés soltando uma fumaça escura, na atmosfera. E no meio deste cenário uma árvore segurando uma plaquinha escrita: Salve, com uma ilustração do planeta terra. Esta charge, que é classificada como “Charge de Educação Ambiental com Ficção Contextualizada”, pode ser utilizada para abordar temas relacionados ao descarte de lixo de forma correta, poluição e seus impactos na saúde.

A charge 7 apresenta um rapaz e uma criança sentados em um sofá em frente a uma televisão e um pequeno cachorro, todos fazem uso de máscaras de proteção respiratória. Nota-se que a imagem está toda acinzentada representando a poluição. Ao olharmos pela janela da sala tem várias chaminés de indústrias com muita fumaça e congestionamento de carros na rua. Na televisão passa a imagem de um lugar diferente, uma zona rural, sendo este um local com muita cor, com árvores, rio, um gramado e um céu azul. O menino diz ao pai: quero morar naquele lugar. Esta charge, que é classificada como “Charge de Educação Ambiental com Ficção Contextualizada”, pode ser utilizada para trabalhar a diferença entre campo e cidade, os impactos da poluição na vida em sociedade.

A charge 8 apresenta dois homens conversando. Ao fundo nota-se muitos carros, com muita fumaça saindo de seus escapamentos, o que traz a imagem um tom acinzentado representando poluição. Na calçada onde os dois estão conversando tem uma pequena muda árvore murcha, devido à poluição. Quando um dos homens vai acender um cigarro para fumar, o outro com olhar de desespero fala; Pare! Não fume. O cigarro vai destruir seus pulmões. Esta charge, que é classificada como “Charge de Educação Ambiental com Realidade Alterada”, pode ser utilizada para trabalhar sobre a poluição ocasionada pelas indústrias e pela combustão de combustíveis fósseis, tais como os usados em automóveis. O contexto retratado nos remete, ainda, ao crescimento populacional e ao consumismo, que gera poluição e seus impactos para saúde pública.



A proteção dos oceanos

Os mares se tornaram os grandes aterros de plástico do planeta. Além disso, existem outros graves problemas ecológicos relacionados com os oceanos, como a deterioração dos ecossistemas pelo aquecimento global, os efluentes contaminantes, as águas residuais e o derramamento de combustíveis. A ONU advoga pela melhoria da administração dos espaços protegidos, defendendo que os mesmos tenham recursos suficientes, e pela redução da pesca, da poluição e da acidificação dos oceanos causada pelo aumento da temperatura terrestre (IBERDROLA, c2022). As charges 9-12, relacionadas ao problema de proteção dos oceanos, são apresentadas na Figura 3.

Figura 3: Charges relacionadas ao problema de proteção dos oceanos.

Fonte: Charges 9 (www.pinterest.es/pin/438538082464609901/), 10 (www.pinterest.es/pin/122160208632285964/), 11 (www.pinterest.es/pin/803962970986796145/), 12 (www.pinterest.es/pin/237001999131953175/).

A charge 9 apresenta uma cidade ao fundo da imagem, com uma jovem sob um gramado a beira de um rio com um botijão de gás oxigênio se aproximando com a máscara perto de vários peixes com a cabeça fora da água tentando respirar. Esta charge, que é classificada como “Charge de Educação Ambiental com Ficção Contextualizada”, pode ser utilizada para abordar temas relacionados aos impactos da ação humana no ambiente aquático, em especial a vida marinha.

A charge 10 apresenta uma encosta à beira mar. Há vários objetos de plásticos retirados do mar pelas aves. Uma ave presa em um pneu, que diz: Plástico de novo? E a outra responde: Pois é, o mar não está pra peixe. Esta charge, que é classificada como “Charge de Educação Ambiental com Ficção Contextualizada”, pode ser utilizada para abordar como a falta de consciência em relação ao descarte inadequado de lixo pode trazer danos prejudiciais a vida dos animais.

A charge 11 contém três animais, um urso polar, um pinguim e uma foca. Há dois navios ao fundo e vários objetos, que nos remetem a algumas grandes empresas, jogados no cenário (mar), enquanto dois dos animais ficam presos em pequenos blocos de gelo. Esta charge, que é classificada como “Charge de Educação Ambiental com Ficção Contextualizada”, pode ser utilizada para discutir sobre a importância da criação e fiscalização de leis que protejam os oceanos contra a poluição; a extinção de algumas espécies de animais devido à falta de conscientização, que leva a poluição dos variados ecossistemas.

A charge 12 representa um mar com um navio cargueiro com vários containers coloridos. Desse navio está sendo lançado ao mar um líquido escuro que forma a imagem de uma caveira, geralmente associada ao conceito de toxicidade, sobre a água. Ao lado da mancha formada sob a água, aparecem alguns animais com olhares de assustados. Esta charge, que é classificada como “Charge de Educação Ambiental com Ficção Contextualizada”, pode ser utilizada para discutir sobre a poluição dos oceanos, ocasionada pelo derramamento de petróleo, que pode ocasionar a morte dos organismos vivos desse ambiente.



A transição energética e as energias renováveis

Ao mesmo tempo que a energia significa 60% de todas as emissões mundiais de gases de efeito estufa, a ONU calcula que 13% da humanidade não tem eletricidade e que 3 bilhões de pessoas dependem dos combustíveis fósseis para cozinhar. Esta situação exige uma transição energética para um modelo mais limpo, acessível, eficiente e baseado no uso de fontes renováveis para formar comunidades mais sustentáveis, inclusivas e resistentes aos problemas ambientais, como as mudanças climáticas (IBERDROLA, c2022). As charges 13-16, relacionadas ao problema de transição energética e as energias renováveis, são apresentadas na Figura 4.

Figura 4: Charges relacionadas ao problema de transição energética e as energias renováveis.

Fonte: Charges 13 (www.pinterest.es/pin/31947478595451678/), 14 (www.pinterest.es/pin/5840674505864497/), 15 (www.pinterest.es/pin/733172014336548189/), 16 (www.pinterest.es/pin/498140408788889727/).

A charge 13 representa um coletivo de pessoas desenrolando um “tapete” contendo uma grande área verde (com árvores, casas utilizando energias eólica e solar) sob uma cidade grande e industrializada. Esta charge, que é classificada como “Charge de Educação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável”, pode ser utilizada para trabalhar temas voltados a necessidade de substituição de energias não-renováreis, tais como a gerada a partir de combustíveis fósseis, para energias renováveis, tais como a eólica e solar.

A charge 14 representa um homem com dois cenários possíveis em termos de uso de energia. No cenário de cima, as ações humanas não impactam o meio ambiente, as fontes de energia utilizadas são renováveis (eólica, solar e hidrelétrica). No cenário de baixo, as ações humanas impactam diretamente o meio ambiente (causando a morte da fauna e flora), as fontes de energia utilizadas são não-renováveis (carvão e combustíveis fósseis). Esta charge, que é classificada como “Charge de Educação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável”, pode ser utilizada para abordar as consequências do uso de energias não-renováveis e as alternativas energéticas mais sustentáveis.

A charge 15 representa uma comparação entre dois tipos de emissores de gases poluentes. Ao longe uma cidade industrializada, onde carros e indústrias (emissores inanimados) poluem a atmosfera com emissão de gases, tais como o CO2, provenientes do uso de combustíveis fósseis. Em contraste, um emissor animado, uma vaca que emite gás metano, que também polui a atmosfera. Esta charge, que é classificada como “Charge de Educação Ambiental com Realidade Alterada”, pode ser utilizada para discutir sobre a poluição causada pela pecuária (PEDREIRA; PRIMAVESI, 2006), que não é discutida, portanto já se encontra naturalizada.

A charge 16, publicada no dia 13/04/2020 no site Sputnik Brasil, representa um barril de petróleo em uma unidade de terapia intensiva, cujo soro/medicamento é indicado como OPEC++ (sigla em inglês para Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados). Esta charge, que é classificada como “Charge de Educação Ambiental com Ficção Contextualizada”, pode ser utilizada para discutir sobre a produção, comercialização e interesses econômicos relacionados ao petróleo.



Um modelo alimentar sustentável

A produção intensiva de alimentos tem consequências nefastas para o meio ambiente ao empobrecer o solo e os ecossistemas marinhos. Além disso, a exploração excessiva dos recursos naturais colocou em perigo a segurança alimentar e o abastecimento de água potável. A ONU considera imprescindível uma mudança do modelo produtivo e de nossos hábitos alimentares, apostando em uma dieta mais vegetariana e com alimentos locais para poupar energia e emissões de CO2 (IBERDROLA, c2022). As charges 17-20, relacionadas ao problema de modelo alimentar sustentável, são apresentadas na Figura 5.

Figura 5: Charges relacionadas ao problema de modelo alimentar sustentável.

Fonte: Charges 17 (www.pinterest.es/pin/296533956689324568/), 18 (www.pinterest.es/pin/145170787975826870/), 19 (www.pinterest.es/pin/591238257306842753/), 20 (www.pinterest.es/pin/178455203963501061/).

A charge 17 representa um homem fazendo uso de uma máscara de proteção respiratória, com uma bomba de pulverizar “pesticida” nas costas. Enquanto o homem pulveriza as hortaliças, uma toupeira assustada pergunta: Você também come isto com a máscara? Esta charge, que é classificada como “Charge de Educação Ambiental com Ficção Contextualizada”, pode ser utilizada para abordar, por exemplo, temas relacionados a alimentação sustentável e os benefícios do consumo de alimentos orgânicos. Ao questionar sobre o uso da máscara, a toupeira nos faz refletir para o fato de que os “pesticidas” são, assim como Rachel Carson pontuava há 60 anos, “biocidas” devido às consequências nocivas a todos os seres vivos, inclusive nossa espécie.

A charge 18 representa um avião fazendo a pulverização de agrotóxico em uma plantação. O agrotóxico que sai do avião forma a imagem de uma caveira, que representa o conceito de toxicidade. Esta charge, que é classificada como “Charge de Educação Ambiental com Realidade Alterada”, pode ser utilizada para discutir sobre o "insustentável" sistema produtivo alimentar, que tem utilizado uma grande quantidade de agrotóxicos para controlar diferentes tipos de organismos indesejáveis em culturas agrícolas.

A charge 19 representa três pessoas. Um “grande agricultor” (em posição de destaque e com vestimentas indicando um maior status social) pisando em algumas hortaliças dentro de um recipiente no chão e com um tambor na mão, possivelmente contendo agrotóxico, despejando com um funil na boca do rapaz que está sentado à mesa para fazer sua refeição. Ao lado tem um “pequeno agricultor”, possivelmente de produtos orgânicos, desesperado, vendo sua produção sendo desprezada pelo “grande agricultor”. Esta charge, que é classificada como “Charge de Educação Ambiental com Realidade Alterada”, pode ser utilizada para discutir temas relacionados ao uso de agrotóxicos em culturas agrícolas, presença de agrotóxicos nos alimentos que consumimos e dificuldades de inserção mercadológica de produtos orgânicos.

A charge 20 representa a briga entre o sistema de cultivo agroecológico, que busca a sustentabilidade da agricultura familiar, com três grandes oponentes: agrotóxico, desmatamento e transgênicos. Esta charge, que é classificada como “Charge de Educação Ambiental com Ficção Contextualizada”, pode ser utilizada para discutir as vantagens do sistema de cultivo agroecológico em comparação aos sistemas de cultivos que utilizam agrotóxicos para o controle de organismos indesejáveis.



Proteção da biodiversidade

Oito por cento das espécies animais conhecidas já desapareceram e 22% estão em perigo de extinção devido especialmente, à destruição de seus habitats naturais, à caça furtiva e à introdução de espécies invasoras. A ONU cobrou ações contundentes para terminar com estes indícios e preservar o nosso patrimônio natural, como é o caso das florestas que estão cada vez mais ameaçadas (IBERDROLA, c2022). As charges 21-24, relacionadas ao problema de proteção da biodiversidade, são apresentadas na Figura 6.