O modo de funcionamento da humanidade entrou em crise. (Ailton Krenak)
ISSN 1678-0701 · Volume XXI, Número 80 · Setembro-Novembro/2022
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(11) Notícias(11) Dicas e Curiosidades(1) Reflexão(1) Para sensibilizar(1) Dinâmicas e recursos pedagógicos(1) Entrevistas(1) Arte e ambiente(1) Sugestões bibliográficas(1) Educação(1) Você sabia que...(1) Sementes(1) Ações e projetos inspiradores(5) Cidadania Ambiental(1) Do Linear ao Complexo(3) A Natureza Inspira(1) Relatos de Experiências(9)   |  Números  
Reflexão
13/09/2022 (Nº 80) SACI E O MILHARAL
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4324 
  

SACI E O MILHARAL

Cláudio Loes

Naquele lugar, perdido no meio do nada, as pessoas não gostavam de passar. Dois caminhos se cruzavam. As pessoas que por ali passavam, faziam-no com muita pressa, afinal, era duro ser pego de surpresa pelo Saci, que vivia aprontando e ficava falando pelos cotovelos.

O Saci não era mau, ele só não tinha com quem aprontar no fundo daquele grotão, de onde um dos caminhos vinha. A tapera dele, lá embaixo, era simples, ficava à beira do rio. Tudo o que ele precisava para viver, lá havia. O único problema era falta de gente e as espigas de milho.

Da encruzilhada até a tapera do Saci, as pessoas plantavam milho. Elas se arriscavam, porque o Saci vivia assustando-as sustando, e a Mula-sem-cabeça também não deixava por menos. Quando o milho estava no ponto para ser comido cozido, o Saci, muito esperto, aproveitava sempre para pegar umas espigas. Tinha toda uma técnica para isso.

Como ele gostava de ficar na encruzilhada, na subida, ele parava no milharal, pegava umas espigas e escondia. Assim, quando voltasse teria como levá-las, sem ser pego por ninguém, porque as pessoas já tinham medo de vir de dia, à noite, então, nem pensar.

Por aqueles lados, o mato era preservado e o Curupira passeava para lá e para cá. Nesse dia, em especial, ele viu o Saci esconder as espigas e resolveu aprontar com ele. Quem diria, o Curupira dando uma de Saci! Ele foi, pegou as espigas e levou-as para a casa da Mula-sem-cabeça, do outro lado, na mata mais fechada, bem lá no alto.

O Curupira voltou logo para ver a reação do Saci. Não demorou muito, e já estava anoitecendo. O Saci foi para o lugar onde tinha guardado as espigas. Não as encontrou, e ficou subindo e descendo por aquele caminho diversas vezes. Ele poderia ter se enganado e já cansado, quando resolveu voltar para sua tapera.

O Curupira foi encontrar a Mula-sem-cabeça e comeram as espigas de milho, assadas no fogo. Fogo não era problema para a Mula-sem-cabeça. Ela ria muito com o Curupira, contando o ocorrido. Depois de se fartarem, ainda sobraram espigas. Decidiram levá-las para o Saci, afinal, ele tinha colhido as melhores, e feito uma boa seleção.

Chegaram à tapera, de mansinho, e o Saci estava dormindo. Deixaram as espigas na soleira da porta e foram embora.

Ao acordar e ver as espigas o Saci fiou intrigado. Se ele deixou-as escondidas, como foi que as espigas foram parar ali. Ele, que vivia aprontando, ficou com medo. Achou melhor colocar as espigas num saco e deixar na plantação de milho.

Ele nem seguiu até a encruzilhada para assustar as pessoas. Ficou escondido, vendo quem chegaria por ali.

O dono da plantação chegou com os filhos. Depois de examinar os pés de milho bem formados, viram o saco. Abriram e, para sua surpresa, estava com espigas de milho.

Saci apareceu, de repente. Eles ficaram assustados e deram para ele o saco com as espigas e disseram que sempre que quisesse ele poderia se servir. E saíram correndo dali.



Ilustrações: Silvana Santos