Renunciar ao supérfluo coloca ainda mais em evidência o necessário e o indispensável. - Pierre Rabhi
ISSN 1678-0701 · Volume XXI, Número 81 · Dezembro-Fevereiro 2022/2023
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(4) Dicas e Curiosidades(3) Reflexão(6) Para sensibilizar(2) Dinâmicas e recursos pedagógicos(2) Dúvidas(1) Entrevistas(1) Saber do Fazer(1) Arte e ambiente(1) Divulgação de Eventos(9) O que fazer para melhorar o meio ambiente(1) Sugestões bibliográficas(2) Educação(1) Você sabia que...(1) Plantas medicinais(3) Folclore(1) Ações e projetos inspiradores(3) Gestão Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) A Natureza Inspira(1) Notícias(16)   |  Números  
Saber do Fazer
14/12/2022 (Nº 81) A PRESERVAÇÃO AMBIENTAL COMO ALIADA DA AGRICULTURA
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4399 
  

A PRESERVAÇÃO AMBIENTAL COMO ALIADA DA AGRICULTURA

Co-fundador da reNature busca inspiração nos processos naturais RENATURE/DIVULGAÇÃO/JC

Bruna Suptitz

Voltar o olhar para a natureza e entender com ela a melhor forma de cuidar do solo é a proposta da agricultura regenerativa, conceito apresentado pela Fundação reNature para aliar produção agrícola com preservação ambiental. Princípios como o uso eficiente da água e práticas como a diversificação de culturas, por exemplo, são formas de garantir a sustentabilidade do solo a longo prazo.

Quem explica é Felipe Villela, co-fundador da holandesa reNature que trabalha com projetos voltados à agricultura regenerativa. Gaúcho de criação, ele esteve em Porto Alegre para participar da 17ª edição do Painéis da Engenharia, promovido pelo Sindicato dos Engenheiros do Rio Grande do Sul (Senge-RS) na quinta-feira, dia 8.

Em conversa com a coluna, Villela conta sobre como praticar uma agricultura que vai além da sustentabilidade ao maximizar os impactos positivos - para a produção e para o futuro do planeta.

Jornal do Comércio - O que é a agricultura regenerativa?

Felipe Villela - Agricultura regenerativa é uma agricultura baseada na imitação dos processos da natureza. Os principais princípios são a saúde do solo, o aumento da biodiversidade, o uso eficiente de água, a resiliência econômica da propriedade e a redução de gases de efeito estufa. E as principais práticas são a cobertura do solo - usar espécies que mantém o solo coberto para evitar, por exemplo, a erosão e outros desafios climáticos; o plantio direto - não arar muito o solo para evitar a perda de microrganismos fundamentais; a transição de insumos sintéticos e químicos para insumos biológicos e orgânicos; e a diversificação e rotação de culturas - sair da monocultura e produzir outras consorciadas para ter uma maior quantidade de fotossíntese e espécies naquele ecossistema.

JC - A rotatividade do plantio é mais que a prática da safra e entressafra?

Vilella - Exatamente. A rotação, a safra e a safrinha também são maneiras de sempre utilizar aquela terra, só que é muito importante manter o solo coberto o ano inteiro, até no inverno, porque o solo acaba liberando a umidade e o carbono para a atmosfera ao invés de retê-lo se ele não estiver coberto. E sim, a rotação é fundamental, mas a diversificação é mais importante ainda. Hoje no Brasil já tem oitenta milhões de hectares degradados por conta da pecuária de baixa produtividade e extensiva e também por conta da monocultura de grãos, principalmente, que vem comprometendo o solo por falta de cobertura, por falta de ciclagem de nutriente, que a quantidade excessiva de fertilizantes de insumos químicos tem tem feito o solo ficar cada vez mais prejudicado e comprometido à erosão. Utilizar espécies de plantas como fonte de fertilizante natural é muito mais eficiente do que ficar sempre trazendo de fora esses insumos.

JC - No que o conceito de regeneração avança em relação à sustentabilidade?

Villela - Sustentabilidade tem o foco na sustentação de um sistema ou de um ecossistema. E isso é basicamente a gente conseguir diminuir o impacto negativo e neutralizá-lo, simplesmente sustentar a nossa sociedade com os recursos naturais. Mas nós não podemos somente nos dar ao luxo de, por exemplo, neutralizar as nossas emissões e os nossos impactos negativos. Se quisermos realmente ter um futuro próspero e abundante em termos de recursos naturais, precisamos maximizar o impacto positivo e ir além da sustentabilidade. Esse é o movimento de regeneração, conseguir não só sustentar, mas sim regenerar o solo para que as próximas gerações tenham suficiente recursos naturais.

JC - A ideia é não colocar a preservação ambiental como contraponto à produção agrícola ou a pecuária, mas como aliada, isso?

Villela - Exato. Se o agro não incluir o meio ambiente na sua tomada de decisão, não vai ser produtivo a longo prazo. E por que estou dizendo isso? Porque hoje a gente vê os severos efeitos climáticos na produtividade de todos grãos, no Brasil e no mundo inteiro. Tivemos perdas significantes, desde a soja do Paraná, pelo efeito da estiagem, até a cafeicultura, que teve uma queda de 25% na produtividade - e o Brasil é o maior exportador de café do mundo - por conta das geadas. O clima está impactando a produção agrícola de uma forma que, se não criarmos um ambiente resiliente climaticamente falando, na paisagem agrícola, não vamos conseguir garantir segurança alimentar e não vamos continuar produzindo commodities para exportação, para garantir um PIB de 30% que hoje contribui para o nosso país. E vemos mercados estrangeiros exigindo essa mudança de práticas até com compromissos de compra de produto somente proveniente de fontes sustentáveis e regenerativas.

Fonte: A preservação ambiental como aliada da agricultura (jornaldocomercio.com)

Ilustrações: Silvana Santos