Renunciar ao supérfluo coloca ainda mais em evidência o necessário e o indispensável. - Pierre Rabhi
ISSN 1678-0701 · Volume XXI, Número 81 · Dezembro-Fevereiro 2022/2023
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(4) Dicas e Curiosidades(3) Reflexão(6) Para sensibilizar(2) Dinâmicas e recursos pedagógicos(2) Dúvidas(1) Entrevistas(1) Saber do Fazer(1) Arte e ambiente(1) Divulgação de Eventos(9) O que fazer para melhorar o meio ambiente(1) Sugestões bibliográficas(2) Educação(1) Você sabia que...(1) Plantas medicinais(3) Folclore(1) Ações e projetos inspiradores(3) Gestão Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) A Natureza Inspira(1) Notícias(16)   |  Números  
Artigos
14/12/2022 (Nº 81) CARACTERIZAÇÃO DA PRESENÇA DE PLÁSTICOS E MICROPLÁSTICOS EM UMA PRAIA URBANA DA CIDADE DE SÃO LUIS - MA, BRASIL
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4431 
  

CARACTERIZAÇÃO DA PRESENÇA DE PLÁSTICOS E MICROPLÁSTICOS EM UMA PRAIA URBANA DA CIDADE DE SÃO LUIS - MA, BRASIL



Mateus Brandão Marques1, Carla Carolina Ferreira Caldas1, Ana Laura Araújo Gratão1, Bruna Silva Cordeiro1, Átila Vinícius Oliveira Rocha1, Ítala de Cássia Sousa Reis1, Flavia Maria Gomes Parente Alves Maciel2 e Paula Verônica Campos Jorge Santos3

1 Discente do Curso de Oceanografia - Departamento de Oceanografia e Limnologia, Universidade Federal do Maranhão - São Luís - MA, Brasil. E-mail: mateusbmbm2@gmail.com

2Mestre em Desenvolvimento socioespacial e Regional, Universidade Estadual do Maranhão – UEMA.

3 Professora Dra do curso de Oceanografia do Departamento de Oceanografia e Limnologia, Universidade Federal do Maranhão - São Luís - MA, Brasil. E-mail: paula.veronica@ufma.br



RESUMO

Plástico é um polímero, que pode levar centenas de anos para se decompor. Com o passar dos anos, a depender das condições às quais está submetido parte-se em pedaços menores, tornando-se microplásticos. Descobertas científicas recentes associam a presença de microplásticos e efeitos negativos sobre a biota, especialmente sobre órgãos como estômago. No ano de 2022 microplásticos têm sido encontrado em sague de humanos e peixes, dentre outros compostos, como o leite materno. O que reforça a hipótese que o microplástico está em todos os lugares, podendo tornar-se um problema de saúde pública ambiental. Neste contexto, o presente estudo visa diagnosticar a presença de plástico e microplástico na praia da guia, localizada no município de São Luís (MA). Foi realizada coleta para caracterizar a ocorrência e identificação dos tipos de plásticos e microplásticos, na qual foi demonstrada a presença maior de garrafas pet, já no que se refere aos microplásticos observou-se apenas materiais de classificação secundária. Foi possível observar que a presença de plásticos está em sua maioria relacionada ao descarte incorreto, mas que a ação das marés pode ser agente de condução do lixo do mar para a região da praia.

Palavras-chave: Lixo no Mar; Zona costeira; corrente marinha; Litoral do Maranhão



ABSTRACT

Plastic is a polymer, which can take hundreds of years to decompose. Over the years, depending on the conditions to which it is subjected, it breaks into smaller pieces, becoming microplastics. Recent scientific discoveries associate the presence of microplastics and negative effects on the biota, especially on organs such as the stomach. In the year 2022, microplastics have been found in the blood of humans and fish, among other compounds, such as breast milk. This reinforces the hypothesis that microplastic is everywhere and can become an environmental public health problem. In this context, the present study aims to diagnose the presence of plastic and microplastic in Praia da Guia, located in the municipality of São Luís (MA). Collection was carried out to characterize the occurrence and identification of types of plastics and microplastics, in which the greater presence of PET bottles was demonstrated, as for microplastics, only secondary classification materials were observed. It was possible to observe that the presence of plastics is mostly related to incorrect disposal, but that the action of the tides can be an agent of transport of garbage from the sea to the beach region.

Key-words: Garbage in the Sea; Coastal zone; Marine current; Coast of Maranhão.



  1. INTRODUÇÃO



O Brasil possui mais de 8.000 km de extensão de Região Costeira, e por possuir um extenso litoral recortado por baías, ilhas, cabos e uma grande diversidade natural de fauna e flora costeira é um dos países que mais sofrem com a degradação ambiental marinha (Ab‟Saber, 2001; More, 2012).

De acordo com Carriço e Pinho (2021) essa região é bastante habitada e consequentemente urbanizada, destacando que o processo de ocupação territorial traz consequências e impactos negativos ao funcionamento natural do sistema costeiro.

Uma das consequências é o lixo marinho, que consiste de qualquer resíduo sólido de origem antropogênica que foi introduzido no ambiente marinho (Coe; Rogers, 1997). Alguns resíduos podem ser citados como: plástico, vidros, borrachas, isopor, tecido, metais, matéria orgânica e madeira antropogênica (Cheshire et al. 2009) e constituindo-se principalmente de material pouco degradável ou não degradável, o qual inevitavelmente acumula no ambiente, o que acaba gerando de problemas diversos na área (UNEP/GPA, 2006).

Plástico é um tipo de polímero, que além de levar centenas de anos para se decompor, seu descarte inadequado no meio ambiente vem crescendo exponencialmente. Isto faz com que seus rejeitos tenham como destino os ecossistemas costeiros e marinhos, tais como as praias e os oceanos. Ao serem expostos às forças de fricção das ondas e a radiação ultravioleta do sol, os objetos plásticos partem-se em pedaços menores. Detritos menores que 5 mm são chamados de microplásticos, que podem se tornar, inclusive, vetores de transmissão de toxinas e bactérias (Amaral, 2021).

Por ser assunto recente, a ocorrência de microplástico é pouco conhecida nos ambientes costeiros brasileiros e o plástico de sua origem é um problema em potencial, recentemente microplásticos foram encontrados na corrente sanguínea de humanos, na placenta humana e no leite materno, os quais em sua maioria eram compostos por plásticos de pets, embalagens de alimentos e sacolas plásticas. A zona Costeira do Estado do Maranhão, possui uma extensão de 640 km de costa, sendo caracterizada como a segunda maior do país, e nela diversas atividades são desenvolvidas, a exemplo das turísticas e portuárias. Sendo assim, o objetivo do presente artigo é diagnosticar a presença de plástico e microplástico em uma praia localizada na região das reentrâncias maranhenses, praia da guia.



  1. METODOLOGIA



    1. Área de Estudo

A Praia da Guia (2°31’53.05’’S, 44°20’30.48’’W), está situada a noroeste da Ilha de São Luis, Maranhão (Figura 1). Está inserida nas proximidades da área urbana, apresentando 2 km de extensão, banhada pela Baía de São Marcos, com formação de dunas, falésias e vegetação de tabuleiro (Paiva; Almeida Jr, 2020; Guterres et al., 2020).

Figura 1. Localização da praia da Guia, com a caracterização dos pontos de amostragem.

    1. Análise de Dados

A coleta foi dividida quatro pontos (4,2 m cada), onde se coletou e identificou os tipos de plásticos (figura 2). No mesmo local, realizou-se a observação de fatores influentes na dispersão destes resíduos.

Figura 2. Marcação dos pontos de coleta e identificação dos plásticos.

Fonte: O autor.

Em cada ponto, também se coletou uma amostra de sedimento, onde se retirou os dois primeiros centímetros para identificação de microplásticos. Essas amostras foram levadas para laboratório, onde se utilizou da metodogia de Schneider (2018) com algumas modificações, se fazendo a secagem em temperatura ambiente (25 °C) e após se fez uso de peneiras granulométricas, inicialmente de 1 mm seguida da de 4,75 mm.

Para identificação dos microplásticos, seguiu-se a classificação de Olivato et al., (2018) e Schneider (2018) que definem os microplásticos como de origem primária e secundária. Sendo os de origem primária os plásticos fabricados em tamanhos microscópicos, com formato de grânulos de resinas e microesferas, estes são utilizados nas formulações de produtos cosméticos e de higiene pessoal. Já os de origem secundária, são aqueles que resultam de plásticos maiores quando expostos às ações das intempéries e processos de degradação.



  1. RESULTADOS



A partir da coleta de resíduos plásticos na praia, se obteve um quantitativo de aproximadamente 540 kg de materiais (Figura 3) de variados tipos e tamanhos. O maior quantitativo encontrado foram as garrafas pet, seguidos de outros tipos de detritos (Figura 4), tais como: embalagens, sapatos, frascos de remédios, seringas, tubos de eppendorfs, isopores, além de fragmentos de tecidos e redes de pesca.

Figura 3. Resíduos plásticos coletados.

Fonte: O autor.



Figura 4. Diferentes resíduos encontrados na Praia da Guia-MA.