O conhecimento liberta, a ciência ilumina, informação salva vidas! – André Trigueiro
ISSN 1678-0701 · Volume XXII, Número 87 · Junho-Agosto/2024
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(4) Dicas e Curiosidades(5) Reflexão(13) Para Sensibilizar(1) Dinâmicas e Recursos Pedagógicos(7) Dúvidas(2) Entrevistas(1) Culinária(1) Arte e Ambiente(1) Divulgação de Eventos(7) O que fazer para melhorar o meio ambiente(4) Sugestões bibliográficas(1) Educação(1) Você sabia que...(1) Educação e temas emergentes(7) Ações e projetos inspiradores(27) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) Relatos de Experiências(5) Notícias(24)   |  Números  
Ações e projetos inspiradores
30/05/2023 (Nº 83) A VISÃO INTEGRADA DE BACIA HIDROGRÁFICA COMO POTENCIAL PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4497 
  

A VISÃO INTEGRADA DE BACIA HIDROGRÁFICA COMO POTENCIAL PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Vagner Luciano Coelho de Lima Andrade

A visão integrada de Bacia Hidrográfica como potencial para a Educação Ambiental: Considerações sobre cursos de formação do Projeto Manuelzão, Bacia Hidrográfica do Ribeirão Arrudas, afluente do Rio das Velhas, MG

Vagner Luciano Coelho de Lima Andrade (1)

O Projeto Manuelzão, via Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais ampliou junto aos Comitês de Bacia Hidrográfica do Ribeirão Arrudas, o Projeto de Educação Ambiental, acolhendo as demandas educativas das Superintendências Estaduais de Ensino com professores inscritos e ativamente participantes nos 17 comitês: Acaba Mundo, Barreiro, Britos, Cachorro Magro, Cardoso, Cercadinho, Ferrugem, Freitas, Jatobá, Leitão, Mata, Navio, Pastinho, Pintos, Piteiras, Serra e Tejuco. Além dos educadores estaduais, foram convocadas as lideranças comunitárias e professores municipais ou particulares de cada córrego. Tendo começado no primeiro semestre do ano de 2003, o projeto teve a permanência de um ano, repartido em quatro módulos (dois por semestre). O método foi desenvolvido transversalmente por etapas: presencial, com carga horária de 40 horas subdivididas em 04 módulos de 10 horas onde os educadores ganharam o curso prático e teórico, com dinâmicas e ponderações; e monitoramento, onde estiverem nas áreas verdes, nos espaços comunitários e nas unidades escolares abrindo espaço para as ações com acompanhamento do grupo coordenador.

Portanto, os módulos trazendo a visão integrada de bacia hidrográfica como potencial para a educação ambiental foram distribuídos em quatro temas interdisciplinares: Curso Cidadania Ambiental Módulo I -Gestão Ambiental, Curso Cidadania Ambiental Módulo II – Legislação Ambiental, Curso Cidadania Ambiental Módulo III – Políticas Públicas, Curso Cidadania Ambiental Módulo IV – Saúde, Ambiente e Cidadania. O módulo principal teve como objetivos fundamentais elucidar e mover os partícipes, acerca do que verdadeiramente vem a ser Educação Ambiental, visto que na educação escolar, ela faz reverência, por um lado, ao reducionismo da abordagem de bases teóricas da Ecologia, e por outro, aos métodos de instrução convencional que são dirigidos aproximadamente apenas para difusão de elementos dispersos e desconexos. A estimativa feita no fim do de cada módulo, mostrou que tal finalidade de mudança de paradigma foi adquirida.

Nesta proposta, almejou-se alocar os docentes para o contato com os problemas ambientais locais, oferecendo subsídios para que pudessem trabalhar com os estudantes num formato realmente interdisciplinar. A escola que se destacou foi a Escola Municipal União Comunitária, no Brasil Industrial, região do Córrego Cafezal, afluente do Córrego Barreiro, sob coordenação da Professora Tamara Angélica Fêlix Lana. Considera-se a relevância do Projeto Manuelzão, que concentra suas ações nas Bacias Hidrográficas dos Ribeirões Arrudas e Onça, que são os dois afluentes mais poluentes do Rio das Velhas. Os cursos de formação sobre bacia hidrográfica como potencial para a educação ambiental, são de suma importância para alavancar a reabilitação todas de todas as bacias formadoras do Rio das Velhas.

Os temas escolhidos pelas escolas e comunidades participantes foram caracterização da fitogeografia do município, caracterização da zoogeografia do município, dinâmica do relevo local, economia ambiental, educação ambiental, estudo da bacia como unidade biogeofísica, geomorfologia e hidrografia, introdução teórica em Ecologia, levantamento da fauna local, levantamento de áreas verdes, noções da topografia, percepção ambiental, qualidade de vida, reconhecimento dos recursos hídricos locais, temáticas ambientais emergentes, vegetação e fauna e visão integrada da bacia hidrográfica.

Os agentes comunitários também desenvolveram ações relevantes como mapeamento de nascentes e projeção de parques urbanos para algumas áreas verdes ameaçadas. o destaque foi o Projeto de Lei nº 628/2013., de Autoria do Vereador Wellington Bessa – Sapão, cuja ementa era cria o Parque Ecológico Municipal Júlia Kubitschek, numa área verde, para fins de preservação do meio ambiente. O Parque Municipal Júlia Kubitschek seria implantado na Quadra 6155, do Bairro Araguaia, entre Ruas Colibri, Cristiano Rezende e Faisão e que foi infelizmente Retirada, antes da apreciação, aprovação/reprovação do plenário.

1 Educador e Mobilizador da Rede Ação Ambiental. Bacharel-licenciado em Geografia e Análise Ambiental (UNI-BH), Licenciado em História (UNICESUMAR) e especialista na área de Educação, Patrimônio e Paisagem Cultural (Filosofia da Arte e Educação, Metodologia de Ensino de História, Museografia e Patrimônio Cultural, Políticas Públicas Municipais). Licenciado em Ciências Biológicas (FIAR), Tecnólogo em Gestão Ambiental (UNICESUMAR) e especialista na área de Educação, Patrimônio e Paisagem Natural (Administração escolar, Orientação e Supervisão, Ecologia e Monitoramento Ambiental, Gestão e Educação Ambiental, Metodologia de Ensino de Ciências Biológicas).

CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/3803389467894439

in EcoDebate, ISSN 2446-9394





Ilustrações: Silvana Santos