O conhecimento liberta, a ciência ilumina, informação salva vidas! – André Trigueiro
ISSN 1678-0701 · Volume XXII, Número 87 · Junho-Agosto/2024
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(4) Dicas e Curiosidades(5) Reflexão(13) Para Sensibilizar(1) Dinâmicas e Recursos Pedagógicos(7) Dúvidas(2) Entrevistas(1) Culinária(1) Arte e Ambiente(1) Divulgação de Eventos(7) O que fazer para melhorar o meio ambiente(4) Sugestões bibliográficas(1) Educação(1) Você sabia que...(1) Educação e temas emergentes(7) Ações e projetos inspiradores(27) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) A Natureza Inspira(1) Relatos de Experiências(5) Notícias(24)   |  Números  
Notícias
30/05/2023 (Nº 83) ONU ACELERA AÇÃO AO RISCO DE DESASTRES E PROMOVE AGENDA 2030
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4518 
  

ONU ACELERA AÇÃO AO RISCO DE DESASTRES E PROMOVE AGENDA 2030

Byeco21

18 de maio de 2023

O risco de desastres está aumentando globalmente - Foto: Toshiharu Kato - Sociedade da Cruz Vermelha Japonesa

Representantes dos Estados Membros da ONU reunidos em Nova York esta semana concordaram em ter um maior compromisso político no desenvolvimento da resiliência.

O compromisso é firmado no momento no qual o risco de desastres rapidamente cresce.

Até 2030, a projeção é de cerca de 560 desastres por ano, ou seja, 1,5 desastres por dia. No início da reunião, o ciclone Mocha atingiu Mianmar e Bangladesh, destruindo centenas de casas, enquanto fortes chuvas causaram inundações na Região norte da Itália Emilia-Romagna.

A reunião high-level faz parte da revisão intermediária do Marco de Sendai para Redução de Desastres 2015-2030 (Sendai Framework for Disaster Reduction 2015-203), um acordo internacional com sete metas para reduzir as perdas globais por desastres.

Acordado pelos Estados Membros em 2015, o Sendai Framework tornou-se mais relevante do que nunca, pois as mudanças climáticas causam eventos climáticos mais frequentes, extremos e imprevisíveis, e riscos geofísicos, como terremotos, continuam a ceifar milhares de vidas.

À medida que os riscos são negligenciados, os desastres estão se materializando mais rapidamente, superando nossa capacidade de enfrentamento, com consequências cada vez mais terríveis para as pessoas, meios de subsistência, para a sociedade e os ecossistemas dos quais dependemos”, disse a Sra. Mami Mizutori, Representante Especial do Secretário-Geral para Redução de Risco de Desastres e Chefe da UNDRR (Escritório da ONU para Redução de Risco de Desastres), que coordenou o processo de revisão.

Os representantes concordaram, por meio de uma Declaração Política, que o aumento dos custos humanos e econômicos dos desastres exigia redobrar os esforços para reduzir os riscos e criar resiliência.

Não posso enfatizar demais a necessidade de ampliar a implementação do Marco de Sendai para nossa própria resiliência coletiva. Desastres não são naturais e não conhecem fronteiras”, disse a Sra. Mwanahamisi Singano, que falou em nome do Mecanismo de Engajamento de Partes Interessadas Grupo de Partes Interessadas de Mulheres e Gênero e Organização de Meio Ambiente e Desenvolvimento das Mulheres (WEDO).

O valor da redução do risco de desastres foi destacado pelo Sr. Mustafa Kemal Kilinç, um estudante que sobreviveu aos terremotos de fevereiro que atingiram Türkiye e a Síria:

Estou aqui hoje porque nosso prédio não desabou pois nosso empreiteiro aplicou altos padrões para tornar nosso prédio resistente a terremotos.”

Declaração Política exorta os países a incorporar a redução de riscos em todos os investimentos e decisões, além de reforçar a resiliência, especialmente nos países e grupos mais vulneráveis.

Líderes de Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento reforçaram o apelo. “O principal desafio são os limitados recursos técnicos e financeiros disponíveis para investir na redução do risco de desastres”, disse o primeiro-ministro da Guiana, Mark Anthony Philips.

O financiamento é impulsionado por investimentos pós-desastre, tudo isso dificulta o investimento… Precisamos de mais investimentos para os fatores de risco básicos”, acrescentou o primeiro-ministro de Tonga, Siaosi ‘Ofakivahafolau Sovaleni.

Os impactos dos desastres desde a Cúpula da Terra de 1992. Entre 1992 e 2012, estima-se de forma conservadora que os desastres mataram 1,3 milhão de pessoas, afetaram 4,4 bilhões e resultaram em perdas econômicas de US$ 2 trilhões. Estes são números surpreendentes quando você considera o que isso significa em termos de oportunidades perdidas, vidas destruídas, moradias perdidas, escolas e unidades de saúde destruídas, perdas culturais e estradas destruídas.

Foi feito apelos urgentes para que os países atendessem as cláusulas da Declaração Política:

Esta revisão intermediária é nossa última chance antes de 2030 para mudar de rumo coletivamente, a partir de hoje… Eu desafio você a levar em conta o risco em todas as decisões que afetam como vivemos, consumimos, construímos e investimos”, disse o Sr. Csaba Kőrösi, presidente da a Assembleia Geral da ONU, que presidiu a reunião de alto nível.

A Sra. Amina J. Mohammed, Secretária-Geral Adjunta das Nações Unidas, disse:

Ao olharmos para a Cúpula dos ODS de 2023 e a Cúpula do Futuro, é hora de fazer uma mudança dramática da gestão de desastres para a gestão de riscos e investimento em prevenção. As pessoas dependem disso… Precisamos trabalhar juntos; Estados membros, investidores, empresas, sociedade civil e todo o sistema da ONU para garantir que as cláusulas contidas na revisão intermediária sejam integradas em todas as nossas agendas.”

A revisão intermediária constatou que, após oito anos de implementação, muitas lições de desastres foram ignoradas. Como afirma o relatório oficial divulgado pelo Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres (UNDRR), “o progresso estagnou e, em alguns casos, foi revertido”.

Foi constatado na revisão que 125 países atualmente têm estratégias nacionais para redução do risco de desastres, mas metade dos países ainda não possui sistemas de alerta precoce de perigos múltiplos.

Ele constata que as taxas de mortalidade são mais baixas durante os desastres do que antes, graças a melhorias nos alertas precoces em alguns países, mas o número de pessoas afetadas está aumentando. Sem uma ação efetiva, muito mais pessoas serão afetadas e perderão suas vidas.

À medida que aceleramos a ação de informar sobre o risco de desastres até 2030 e a necessidade de futuro resiliente, estimulamos todos os Estados e partes interessadas a levar adiante os apelos à ação a serem adotados na declaração política de hoje”, disse a Sra. Mizutori.

SOBRE A UNDRR

O Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres (UNDRR) lidera a coordenação da redução do risco de desastres no sistema da ONU. Usamos nosso conhecimento especializado e presença em cinco escritórios regionais para trabalhar com governos nacionais e locais, organizações intergovernamentais, sociedade civil e setor privado.

Vislumbramos um mundo onde os desastres não ameacem mais o bem-estar das pessoas e o futuro do planeta. O desenvolvimento sustentável e a Agenda 2030 não podem ser alcançados sem trabalhar em direção ao objetivo de construir resiliência.

SENDAI FRAMEWORK

O Sendai Framework for Disaster Risk Reduction  (2015-2030) visa alcançar uma redução substancial no risco de desastres e perdas até o ano de 2030. Ele trabalha de mãos dadas com a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e o Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas.

SOBRE A REVISÃO INTERMEDIÁRIO

De 18 a 19 de maio, os líderes governamentais se reunirão na sede da ONU em Nova York para a Reunião de Alto Nível da Revisão Intermediária da Estrutura de Sendai, co-presidida pelos governos da Austrália e da Indonésia. Foi adotada uma declaração política que estabelece ações para acelerar a resiliência a desastres e o progresso nos sete objetivos do Marco de Sendai.

Fonte: ONU acelera ação ao risco de desastres e promove Agenda 2030 (eco21.eco.br)

Ilustrações: Silvana Santos