O conhecimento liberta, a ciência ilumina, informação salva vidas! – André Trigueiro
ISSN 1678-0701 · Volume XXII, Número 87 · Junho-Agosto/2024
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(4) Dicas e Curiosidades(5) Reflexão(13) Para Sensibilizar(1) Dinâmicas e Recursos Pedagógicos(7) Dúvidas(2) Entrevistas(1) Culinária(1) Arte e Ambiente(1) Divulgação de Eventos(7) O que fazer para melhorar o meio ambiente(4) Sugestões bibliográficas(1) Educação(1) Você sabia que...(1) Educação e temas emergentes(7) Ações e projetos inspiradores(27) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) Relatos de Experiências(5) Notícias(24)   |  Números  
Notícias
30/05/2023 (Nº 83) AQUECIMENTO PODE ULTRAPASSAR 1,5ºC NOS PRÓXIMOS 5 ANOS
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4522 
  

AQUECIMENTO PODE ULTRAPASSAR 1,5ºC NOS PRÓXIMOS 5 ANOS

Organização Meteorológica Mundial diz que chance de pelo menos um ano acima do limite do Acordo de Paris é de 66%

Um relatório publicado nesta quarta-feira (17) pela Organização Meteorológica Mundial (OMM), agência especializada da ONU, afirma que o aquecimento global pode ultrapassar 1,5ºC em algum momento entre 2023 e 2027. A temperatura média anual global nos próximos cinco anos será entre 1,1°C e 1,8°C maior do que a média observada na era pré-industrial (1850 a 1900).

Segundo a OMM, há 66% de chance de a temperatura global ultrapassar a barreira do 1,5ºC por pelo menos um ano no período avaliado. Há 98% de probabilidade que o quinquênio seja o mais quente já registrado.

O Acordo de Paris, assinado em 2015, tem como meta garantir que o aquecimento da Terra neste século fique abaixo de 2ºC, com esforços para que ele seja estabilizado em 1,5ºC. O IPCC, o painel do clima da ONU, mostrou em 2018 que os impactos de um aquecimento de 2 graus seriam muito graves e difíceis de manejar. Desde então, vários países tratam 1,5 graus como o limite a perseguir. O mesmo IPCC mostrou em 2021 que o esquentamento do planeta deve superar essa cifra por volta de 2030. Agora, a OMM prevê que isso ocorrerá muito mais cedo, ainda que temporariamente.

O impulsionamento da temperatura a partir deste ano deve ocorrer devido ao aumento da emissão de gases de efeito estufa e pela ação do fenômeno atmosférico-oceânico El Niño, que aquece as águas do Pacífico tropical e deixa algumas regiões mais secas e quentes.

Espera-se que o aquecimento do El Niño se desenvolva nos próximos meses e isso se combinará com a mudança climática induzida pelo homem para empurrar as temperaturas globais para um território desconhecido”, disse Petteri Taalas, secretário-geral da OMM. “Isso terá repercussões de longo alcance para a saúde, segurança alimentar, gestão da água e meio ambiente. Precisamos estar preparados”, completou.

Em um relatório publicado no mês de abril, a OMM ressaltou que em 2021, último ano para o qual os números globais consolidados estão disponíveis, os níveis atmosféricos de gases de efeito estufa CO2, metano e óxido nitroso atingiram novos recordes. Dados em tempo real coletados em locais como Havaí, nos Estados Unidos, e Tasmânia, na Austrália, indicaram que as concentrações dos três gases no ar continuaram em crescimento no ano passado.

Em março, foi destacado no relatório-síntese do IPCC que as emissões de gases de efeito estufa precisam diminuir 43% até 2030 para barrar o aquecimento global.

O relatório desta quarta-feira também apresenta informações sobre mudanças nos padrões de precipitação. É possível que neste ano as chuvas sejam mais reduzidas em partes da Indonésia, Amazônia e América Central em comparação com o período de 1991 a 2020. Entre os meses de maio e setembro de 2023 a 2027, é possível que haja chuvas acima da média no Sahel, região da África na borda do deserto do Saara, no norte da Europa, no Alasca (EUA) e no norte da Sibéria (Rússia). Na mesma temporada, a Amazônia e trechos da Austrália ficarão mais secos. Já no norte da Eurásia, a precipitação deve ser exagerada entre dezembro e fevereiro até 2027.

Fonte: Observatório do clima

Fonte secundária: JORNAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DE SÃO PAULO (jornaldomeioambientesp.org)

Ilustrações: Silvana Santos