O conhecimento liberta, a ciência ilumina, informação salva vidas! – André Trigueiro
ISSN 1678-0701 · Volume XXII, Número 87 · Junho-Agosto/2024
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(4) Dicas e Curiosidades(5) Reflexão(13) Para Sensibilizar(1) Dinâmicas e Recursos Pedagógicos(7) Dúvidas(2) Entrevistas(1) Culinária(1) Arte e Ambiente(1) Divulgação de Eventos(7) O que fazer para melhorar o meio ambiente(4) Sugestões bibliográficas(1) Educação(1) Você sabia que...(1) Educação e temas emergentes(7) Ações e projetos inspiradores(27) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) A Natureza Inspira(1) Relatos de Experiências(5) Notícias(24)   |  Números  
Notícias
30/05/2023 (Nº 83) O PRIMEIRO DIA DA ABIQUIM, EM PARIS, NAS DISCUSSÕES DO ACORDO GLOBAL DO PLÁSTICO
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4531 
  

O PRIMEIRO DIA DA ABIQUIM, EM PARIS, NAS DISCUSSÕES DO ACORDO GLOBAL DO PLÁSTICO

Terca-Feira, 30 de Maio de 2023

Representantes de entidades e empresas da indústria química

Começaram ontem (29) as discussões em torno do acordo global para eliminação da poluição plástica, através do Second Session of the Intergovernmental Negotiating Committee on Plastic Pollution (INC-2) e da qual a Abiquim está presente enquanto membro acreditado na UNEP (United Nations Environment Programm. No evento, que acontece na sede da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), em Paris, e vai até o dia 02 de junho, a Abiquim está levando a posição do setor e contribuições técnicas sobre o tema, que possam subsidiar as discussões e a posição do governo brasileiro sobre o acordo.

Segundo André Passos Cordeiro, presidente-executivo da Abiquim, o objetivo é dialogar e contribuir ativamente para o tema, lembrando que a Associação já vem atuando junto aos representantes do governo brasileiro no sentido de adotar um instrumento que seja adequado à realidade de cada país. 

No primeiro dia, a Abiquim manteve conversas bilaterais com a delegação brasileira, acompanhados pelo ICCA (International Council of Chemical Associations) que apresentou a posição global da indústria química. A Associação, afirmou Passos, apresentou a posição da indústria química brasileira. Foram destacados os seguintes pontos para o governo brasileiro, que é quem vota na elaboração do acordo. São eles:

. Impulsionar a produção sustentável por meio do aumento do uso de matérias-primas circulares e, em particular, matérias-primas derivadas de resíduos plásticos para a produção de plásticos, dissociando, dessa forma, o crescimento do vazamento de resíduos no meio ambiente. Este impulsionamento também pode ser feito com a criação de sinais de demanda de mercado por meio de metas de reciclagem nacionais/regionais; por exemplo, taxas de reciclagem junto com metas de conteúdo reciclado em aplicações, o que alavancaria o investimento e as inovações no mercado - inclusive na infraestrutura de gerenciamento de resíduos - e direcionaria fluxo de capital para modelos de negócios mais sustentáveis;

. Design usando princípios de circularidade (por exemplo, para coleta, reutilização e reciclagem);

. Impulsionar o consumo sustentável de plásticos por meio da aplicação de uma metodologia baseada na ciência - por exemplo, uma árvore de decisão - para identificar e abordar usos finais desnecessários de plásticos (aplicações/produtos) em nível local.

. Incentivar os governos a estabelecer planos de ação nacionais de gestão de resíduos e permitir políticas para impulsionar o estabelecimento e a aceleração da infraestrutura de gestão de resíduos, incluindo coleta, classificação, reciclagem e descarte seguro de resíduos. 

Passos ressalta ainda que no Brasil, com apoio fundamental de todas as empresas associadas, a Abiquim já vem trabalhando ativamente nessa temática, com a implantação e constante renovação do Programa Atuação Responsável, principal iniciativa da Abiquim para promover ganhos em relação ao meio ambiente, saúde e segurança, tendo a sustentabilidade como um dos fundamentos de sua atuação.

As primeiras discussões para a construção do acordo aconteceram no INC1 (Intergovernmental Negotiating Committee on Plastic Pollution 1), realizada entre os meses de novembro e dezembro do ano passado, no Uruguai, onde a Abiquim, juntamente com o ICCA (International Council of Chemical Associations), reconheceu e apoiou a construção do acordo internacional, visto a importância da ação não apenas para a própria cadeia de economia circular proposta pela indústria química brasileira, mas também como importante contribuição para a sociedade como um todo.

Nesse sentido, a entidade enxerga a assertividade da resolução para estabelecer um acordo global para eliminação da poluição plástica, inclusive no ambiente marinho. Tal medida, que tem como prazo o ano de 2024, foi aprovada durante a 5ª Sessão da Assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEA 5.2), em março de 2022, e conta com a participação de todas as partes interessadas no tema, incluindo governos, setor privado (considerando toda a cadeia do plástico), ONGs e comunidade científica e a própria Abiquim.

Fonte: Abiquim

Ilustrações: Silvana Santos