Estamos sendo lembrados de que somos tão vulneráveis que, se cortarem nosso ar por alguns minutos, a gente morre. - Ailton Krenak
ISSN 1678-0701 · Volume XXI, Número 86 · Março-Maio/2024
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Dicas e Curiosidades(7) Reflexão(3) Para Sensibilizar(1) Dinâmicas e Recursos Pedagógicos(6) Dúvidas(4) Entrevistas(4) Saber do Fazer(1) Culinária(1) Arte e Ambiente(1) Divulgação de Eventos(4) O que fazer para melhorar o meio ambiente(3) Sugestões bibliográficas(1) Educação(1) Você sabia que...(2) Reportagem(3) Educação e temas emergentes(1) Ações e projetos inspiradores(25) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) A Natureza Inspira(1) Notícias(21)   |  Números  
Divulgação de Eventos
30/05/2023 (Nº 83) REMÉDIO DO MATO – CURA E CULTURA ATRAVÉS DA FLORESTA
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4540 
  

REMÉDIO DO MATO – CURA E CULTURA ATRAVÉS DA FLORESTA

DIAS 24 E 25 DE JUNHO

 

O conhecimento dos povos indígenas sobre a mata em seu entorno é passado de geração em geração, através da observação e das falas em torno da fogueira. 

A anciã que faz um chá, um rezo, a mãe que entoa uma canção para os curumins, o cacique que cuida e ensina coletivamente, os cânticos que curam nossa alma, tudo isto faz parte do processo de cuidado e cura dentro da aldeia. 

Nesta vivência, Catarina Nimbopyruá, Simone Takuá e as famílias da Aldeia Tapirema, compartilharão seus conhecimentos sobre as ervas do seu entorno e de um pouquinho mais longe, suas músicas, sua cultura e costumes com você. 

É algo que vai além de um curso, é uma vivência onde se pode sentir a floresta e a cultura dos povos originários. 

Em especial, nesta vivência, além de todo o conhecimento compartilhado, teremos, em  primeira mão, o lançamento do livro Remédio do Mato: Cura e Cultura Através da Floresta, um pouco da história de Catarina, Simone, Andreza, suas relações com a floresta e a cura, além de uma pequena história sobre o território. 

Todas as atividades estão cercadas de cantos, danças e a espiritualidade tupi guarani, banho de lagoa e de mar, as brincadeiras com as crianças, o viver coletivo, a conexão com a floresta e a alegria de viver em comunidade.



PROGRAMAÇÃO E CONTEÚDO

 

Dia 24 – Sábado – das 10h as 21h 

– Ary Porã! O bom dia com os cantos sagrados tupi guarani. 

Na aldeia, os cânticos são importantes meios de cura tanto física quanto espiritual. Neste momento, com os cantos e danças, a comunidade te dá as boas-vindas com alegria e cura. 

Benção dos anciões; Nossos anciões e anciãs darão as bênçãos desejando um dia cheio de saúde e conhecimento. 

Caminhando pelo território, conhecendo as ervas medicinais em sua morada, a mata.

Lançamento e Roda de conversa com as autoras do livro “Remédio do Mato – cura e cultura através da floresta”. Catarina Nimbopyruá, Simone Takuá e Andreza Poitena, falarão sobre o livro e suas experiências de vida em contato com as ervas do território. 

Apresentação das ervas medicinais usadas pela comunidade, suas propriedades e benefícios. 

Oficina prática para preparação de chás e xarope com as ervas da Mata de Restinga do Território Piaçaguera com Catarina Nimbopyruá. 

Banho de ervas com abre caminho para limpeza espiritual 

Fogueira Cultural com a iniciação do Petynguá e defumação 

  

Dia 25 – Domingo – das 9h até as 14h 

– Ary Porã! O bom dia com canto e dança tupi guarani na comunidade.  

Benção dos anciões agradecendo e desejando a todos mais um dia com saúde e conhecimento. 

Aprendendo sobre as Plantas Medicinais do território brasileiro utilizadas pelos povos tradicionais, com Simone Takuá 

Oficina prática de tintura e garrafadas com Simone Takuá. 

Encerramento cultural com o canto de até breve e entrega de certificado. 

ALIMENTAÇÃO E HOSPEDAGEM

 

ALIMENTAÇÃO INCLUSA:

Durante toda a Vivência serviremos uma deliciosa alimentação feita pelas cozinheiras da Aldeia. Toda alimentação é vegana, composta por grãos, raízes, legumes, pães, caldos e muito mais.

HOSPEDAGEM:

Para acampar temos duas opções:

Você pode acampar na Aldeia (grátis para participantes, basta trazer sua barraca);

Acampamento com barraca e colchonete inclusos.

 – Você também pode pernoitar em alguma pousada próxima da aldeia (o valor é a parte e você pode ver diretamente com as pousadas). Segue abaixo 3 pousadas que indicamos:

1) Pousada Morada dos Pássaros.

Endereço: Rua Piratinins, 509 – Estância Bal Maria H Novaes, Peruíbe – SP, 11750-000

Telefone: (13) 99606-2087

 

2) Peruibe Praia Pousada

Endereço: Rua Piratinins, 73 – Estância Bal Maria H Novaes, Peruíbe – SP, 11750-000

Telefone: (13) 3458-1068

 

3) A Pousada Vegana

Endereço: Av. Gov. Mario Covas Júnior, 4183 – Cidade Nova Peruíbe – Peruíbe – SP, 11750-000

Ela não fica tão próxima da Aldeia como as outras, por isso o ideal é estar de carro 

Contato por whatsapp com o Elton (13) 99671.9910.

 

INFORMAÇÕES IMPORTANTES

Na Aldeia temos banheiros, ducha, praia e lagoa.

Temos também algumas tomadas.

A chegada à Aldeia pode ser feita na sexta a partir das 17h até as 19 h ou no sábado a partir das 8hs.

A Aldeia é de fácil acesso e a chegada é por conta de cada participante. Enviaremos um e-mail com dicas e mapa para a chegada após a inscrição.

 

ONDE SERÁ A VIVÊNCIA?

 

A vivência será na Aldeia Tapirema, que fica dentro da Terra Indígena Piaçaguera, que está localizada em Peruíbe, litoral sul de São Paulo.

A Terra Indígena Piaçaguera morada de 400 indígenas tupi guarani distribuídos em onze aldeias. A trajetória dos Tupi-Guarani de Piaçaguera é marcada por resistência, luta e a busca por viver de acordo com sua cultura em um contexto bastante adverso, em razão da proximidade de duas cidades em expansão. O processo de demarcação da Terra Indígena consumiu muitos anos e conseguiram a homologação apenas em 2016.

A Terra Indígena está localizada no bioma da Mata Atlântica e ocupa uma área que vai desde a beira da praia até a serra do mar. É uma área bastante preservada – apenas 11% de seu território encontra-se desmatado – situada em uma região bastante urbanizada do litoral paulista, onde as atividades e os empreendimentos ligados ao turismo e ao lazer constituem base importante da economia local.