O conhecimento liberta, a ciência ilumina, informação salva vidas! – André Trigueiro
ISSN 1678-0701 · Volume XXII, Número 87 · Junho-Agosto/2024
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(4) Dicas e Curiosidades(5) Reflexão(13) Para Sensibilizar(1) Dinâmicas e Recursos Pedagógicos(7) Dúvidas(2) Entrevistas(1) Culinária(1) Arte e Ambiente(1) Divulgação de Eventos(7) O que fazer para melhorar o meio ambiente(4) Sugestões bibliográficas(1) Educação(1) Você sabia que...(1) Educação e temas emergentes(7) Ações e projetos inspiradores(27) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) Relatos de Experiências(5) Notícias(24)   |  Números  
Reflexão
14/03/2024 (Nº 86) AS ÁRVORES TAMBÉM TÊM CORAÇÕES MOLENGAS
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4732 
  

AS ÁRVORES TAMBÉM TÊM CORAÇÕES MOLENGAS

Redação 8/01/2024

As árvores também têm corações molengas, artigo de Rosângela Trajano

Tem gente que maltrata as árvores e não pensem que maltratá-las é só meter o machado pra cima e pronto. Existem muitas formas de machucá-las

Quando você é uma menina com sapatos brancos e vestido vermelho e tem como única amiga uma árvore, parece ser meio maluca, mas é o amor ensinando-lhe que todos os seres vivos precisam serem amados e respeitados. Eu amo um poeta que mora no meio do mato e nunca sai de lá porque ele diz que tem tudo o que precisa nesse lugar, inclusive o amor. De quem? “Ora, ora, das árvores, Rosa! Você que é tão esperta devia saber disso!” E eu não sabia mesmo!

Existem pessoas que não podem ser magoadas que logo choram, ficam tristes e até deprimidas. Qualquer coisa machuca essas pessoas e eu sou uma delas. Sempre quis mudar esse meu jeito de ser, mas não teve psicólogo ou terapia que me curasse. Eu nasci assim e não vou mudar.

As árvores também são assim, elas têm corações molengas, ou seja, que se ferem por qualquer coisa banal pra qualquer um de nós, porém para elas coisas que se tornam grandiosas, gigantes, imensas que são capazes de deixarem as suas folhas murchas ou até mesmo caírem ao chão assim como os seus galhos.

Elas e a gente não são assim porque querem, é coisa de genética mesmo, nascemos desse jeito e seremos assim para o resto das nossas vidas. O importante é que as pessoas aprendam a conviver com esse lado sensível nosso. Tem gente que maltrata as árvores e não pensem que maltratá-las é só meter o machado pra cima e pronto. Existem muitas formas de machucá-las. Uma delas é a falta de atenção.

Muitas vezes passamos pelas árvores ou temos uma nos nossos quintais e nem as percebemos, ao contrário, reclamamos da sujeira que fazem com as suas folhas. Isso machuca as árvores. Se você gosta da natureza e tem uma árvore em casa aprenda a não dizer coisas desagradáveis com elas, pois sentem e muito, são sensíveis, parecem crianças precisando de cuidados e carinhos.

Não sei direito onde fica o coração de uma árvore, creio que nas suas raízes mais profundas, o certo é que ele é molenga, chora por tudo, fica triste e também morre de solidão, por isso todo cuidado com a nossa árvore é pouco em se tratando de cuidados e amor. Sim, que nunca falte amor verdadeiro às nossas árvores.

O amor cura tudo, o amor salva as pessoas e pode salvar uma árvore da morte. Nos últimos anos, tenho visto muitos escritores para crianças com livros sobre florestas e árvores mais especificamente, mas ninguém se preocupa em saber o que elas sentem, quem elas amam, como gostariam de ser tratadas e por quem morreriam de amor.

A gente passa a vida inteiras preocupadas conosco e esquecemos que o outro depende do nosso amor. As árvores que estão lá nas nossas ruas, nos canteiros das grandes cidades, nos nossos quintais, precisam de um pouco de atenção, de palavras bonitas, de um pouco de poesia todos os dias. Quantas vezes você parou para ler uma história para uma árvore? Quantas vezes você parou para declamar um poema para uma árvore? Eu centenas de vezes, pois sou a louca da turma de amigos!

Infelizmente não temos mais tempo para as bonitezas que o mundo nos oferece, depois das redes sociais, dos jogos online, esquecemos que o amor é tão importante à vida quanto o oxigênio que respiramos. Só as árvores sabem disso e elas nos dão essa lição todos os dias produzindo seus frutos e flores com o maior carinho do mundo, estando ali nos nossos quintais, prontas para nos receber num abraço lindo ou nos oferecer uma sombra no Sol do meio-dia.

Os corações das árvores são molengas porque elas sabem perdoar os homens das serras elétricas e dos machados, elas permitem que os pássaros façam ninhos em seus galhos e também que façamos balanços neles. São corações cheios de bem querer fincados nas profundezas da Terra que se ligam a outros e mais outros e vão formando uma cadeia de transmissão de sentimentos bons ao mundo e aos seres vivos.

Se pudéssemos compreender os corações das árvores, ou se ao menos soubéssemos que elas amam incondicionalmente e sofrem solidão caladas, sem gritos, sem escândalos, sem brigas judiciais.

Ah, os corações das árvores, amantes do Universo, donos de uma simplicidade pura e encantadora que transmitem sossego e paz a quem as abraça, a quem lhes confidencia segredos ou até mesmo aqueles que estão perdidos pelas ruas e não sabem aonde ir.

Não são corações que guardam mágoas. Elas logo esquecem as nossas palavras brutas, as nossas podas malfeitas, as nossas reclamações e desatenção para com os seus pedidos de compaixão e solidariedade a si mesmas e às suas irmãs.

Quando comecei a observar as árvores mais de perto quis ser uma delas para sombrear o garotinho que gostava de ler livros de contos de fadas na pracinha da minha rua. Lá existia uma árvore linda que se esticava toda para chegar mais perto do menino e lê junto com ele aquele livro de contos de fadas porque assim como as crianças as árvores têm corações puros que acreditam em bruxas, fadas, príncipes, unicórnios, duendes e dragões.

Eu descobri, certo dia, que feri o coração de uma árvore ao deixá-la abandonada no meu quintal por mais de quinze dias e sem ir lá nem saber se ela estava precisando de ajuda. Foi, de repente, assim do nada, que a minha árvore chorou e eu enxuguei as suas lágrimas que vinham das suas folhas secas caídas ao chão e nem chovia, era até verão, a estação mais quente do ano.

Cada um de nós pode tocar o coração de uma árvore e descobrir o seu amor. Elas nunca ficam com raiva de nada. Elas esquecem das coisas muito rapidamente, mas só das coisas que não são boas. O carinho, o cuidado, a atenção que lhes damos ficam para sempre dentro dos seus corações grandiosos e gigantes por natureza divina.

Nas nossas “ignorãças“, como dizia o poeta Manoel de Barros, as árvores não têm órgãos iguais aos humanos. Não pensam, não têm sentimentos e nem nada. Estamos enganados, os ignorantes somos nós, pois as árvores têm tudo o que também temos só que em formas e lugares diferentes.

Tocar o coração de uma árvore é coisa fácil, basta dizer-lhe palavrinhas bonitas, cantar-lhes algumas pequenas canções, niná-las. Ah, elas adoram ser ninadas! Quem não gosta de um nino, um cafuné, um carinho no final da tarde? Os corações das árvores também disparam quando sofrem emoções fortes e são capazes de baterem muito rapidamente se tiverem surpresas inesperadas.

É amando as árvores que conquistamos os seus corações sejam eles onde estiverem dentro delas. Tudo o que somos capazes de pensar é possível de existir já dizia o filósofo Descartes. Se pensarmos que os corações das árvores unidos junto conosco são capazes de mudar o mundo para melhor conseguiremos acabar com as guerras, as fomes e as doenças.

As árvores também se relacionam afetivamente com outras e são capazes de morrerem de amor se forem abandonadas pelos seus parceiros ou traídas. Como dizia o poeta português Camões o amor arde e vira fogo, logo pode queimar toda uma árvore se não for correspondido. Os corações das árvores são capazes de nos darem ensinamentos, lições, aprendizagens que nunca deveríamos esquecer, pois nas suas sabedorias seculares podem curar nossos traumas e medos.

De tanto amarem sem serem correspondidas, as árvores são capazes de ficarem com seus corações doentes e precisarem de cuidados mais do que especiais. Elas não vão parar em UTIs ou hospitais como acontece conosco porque sabem cuidar umas das outras, mas podem morrer se descobrirem que foram vítimas de mentiras e inverdades.

Cuide do coração da sua árvore com atitudes e palavras de carinho, pois elas também precisam saber que são amadas para produzirem substâncias da felicidade em seus troncos, galhos e folhas. Há corações nas árvores que sofrem à espera de um pouco de atenção. Deixe o celular um pouco de lado e abrace uma árvore. Os corações moles são os que mais sofrem, pois ficam em silêncio total quando são magoados se fingindo de fortes só pra não serem chamados de mimados. As árvores procuram ser fortes o tempo todo até que chegam os cupins ou os homens com suas serras elétricas e as matam.

Apesar de terem corações molengas as árvores assim como as crianças costumam ser pirraças às vezes e ficam de birra por alguns tempos não produzindo frutos só para nos contrariarem porque as deixamos de lado ou não lhes demos a atenção necessária.

Para finalizar deixo vocês com a menina que fui um dia e me balancei nos galhos de um cajueiro que era o meu melhor amigo até o dia em que alguém que veio de longe o derrubou com um machado porque ele soltava muitas folhas e sujava tudo.

Rosângela Trajano é professora, ativista ambiental, escritora e poeta.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394



Fonte: As árvores também têm corações molengas (ecodebate.com.br)

Ilustrações: Silvana Santos