O conhecimento liberta, a ciência ilumina, informação salva vidas! – André Trigueiro
ISSN 1678-0701 · Volume XXII, Número 87 · Junho-Agosto/2024
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(4) Dicas e Curiosidades(5) Reflexão(13) Para Sensibilizar(1) Dinâmicas e Recursos Pedagógicos(7) Dúvidas(2) Entrevistas(1) Culinária(1) Arte e Ambiente(1) Divulgação de Eventos(7) O que fazer para melhorar o meio ambiente(4) Sugestões bibliográficas(1) Educação(1) Você sabia que...(1) Educação e temas emergentes(7) Ações e projetos inspiradores(27) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) A Natureza Inspira(1) Relatos de Experiências(5) Notícias(24)   |  Números  
Relatos de Experiências
30/05/2024 (Nº 87) DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA EM UM AQUÁRIO DE VISITAÇÃO PÚBLICA: ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO NO AQUÁRIO MARINHO DO RIO DE JANEIRO
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4891 
  

DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA EM UM AQUÁRIO DE VISITAÇÃO PÚBLICA: ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO NO AQUÁRIO MARINHO DO RIO DE JANEIRO

GONZAGA, Ian Boullosa1; GONÇALVES, Vitória Milena de Lima1; ANJOS, Joyce da Silva2; ROCHA, Patrícia Augusto Gouvea3; SANTOS, Sérgio Ricardo4

1 Educador(a) Júnior, Aquário Marinho do Rio de Janeiro,

ian.boullosa@aquariomarinhodorio.com.br; vitoria.goncalves@aquariomarinhodorio.com.br

2 Educadora Plena, Aquário Marinho do Rio de Janeiro,

joyce.anjos@aquariomarinhodorio.com.br

3 Bióloga Educadora, Aquário Marinho do Rio de Janeiro,

patricia.rocha@aquariomarinhodorio.com.br

4 Pesquisador, Instituto Museu Aquário Marinho do Rio de Janeiro,

sergio.santos@grupocataratas.com



Resumo: Os processos e as estratégias de comunicação e divulgação científica (DC) devem ser reconhecidos e valorizados na perspectiva de impulsionar a democratização e a popularização da ciência na sociedade moderna. Espaços educativos que se coloquem como impulsionadores do conhecimento científico, como os aquários de visitação pública, são importantes aliados no combate às fake news, à negligência com a alfabetização científica e os desdobramentos da construção de uma ciência antidemocrática, restrita à academia científica. Neste viés, o Aquário Marinho do Rio de Janeiro (AquaRio) objetiva comunicar e divulgar os conhecimentos científicos através de abordagens interativas, tecnológicas e lúdicas, descritas neste trabalho. Pôde-se concluir que deve-se destacar a importância da instituição no desenvolvimento de abordagens de ensino e DC.

Palavra chave: Educação Ambiental, Aquario, Sociedade Moderna

Abstract: The processes and strategies of scientific communication and dissemination (SCD) should be recognized and valued in the perspective of propelling the democratization and popularization of science in modern society. Educational spaces that position themselves as drivers of scientific knowledge, such as publicly accessible aquariums, are important allies in combating fake news, neglect of scientific literacy, and the ramifications of constructing a non-democratic science confined to the scientific academy. In this vein, the Marine Aquarium of Rio de Janeiro (AquaRio) aims to communicate and disseminate scientific knowledge through interactive, technological, and playful approaches outlined in this work. It can be concluded that the importance of the institution in the development of teaching and SCD approaches should be emphasized.

Keyword: Environmental Education, Aquarium, Modern Society



Introdução

As possibilidades que o mundo globalizado trouxe para a sociedade atual impactaram suas mais diversas esferas, como os processos comunicativos, que são parte integrante e indispensável dessa sociedade. Assim sendo, no que se refere a comunicação como aliada aos conhecimentos científicos, no passado, o seu acesso estava restrito aos membros da elite, sobretudo em razão do caráter acadêmico que muitas vezes é atribuído como única forma de comunicação científica, ficando a ciência restrita às universidades e centros de pesquisa (MOREIRA & MASSARANI, 2002). Diante desse contexto, pode-se considerar que os desdobramentos históricos e os cenários nos quais a comunicação científica se dá, refletem na forma como o conhecimento científico é passado, podendo resultar em uma ciência antidemocrática, na negligência para com a alfabetização científica e disseminação de fake news e seus desdobramentos (FREITAS & GONÇALVES, 2022). Entendendo que a DC “pressupõe um processo de recodificação, isto é, a transposição de uma linguagem especializada para uma linguagem não especializada, com objetivo de tornar o conteúdo acessível a uma vasta audiência” (BUENO, 1985) é preciso, portanto, refletir acerca dos processos comunicativos pelos quais ela ocorre.

Destacando as estratégias e ferramentas que são utilizadas para comunicar e divulgar ciência nos mais diversos espaços de ensino, sejam eles formais ou não-formais, ambientes privilegiados de alfabetização e DC (GOHN, 2006). Dentre estes espaços, pode-se dar destaque a instituições como zoológicos e aquários que, sustentados pelos pilares de pesquisa, educação, conservação e engajamento através da recreação de seu público, revelam-se como potencializadores da popularização dos conhecimentos científicos (GREENWELL et al, 2023). Para isso, o AquaRio, como um espaço de ensino não-formal e relevante equipamento de pesquisa e conservação ex-situ, visa comunicar e divulgar ciência através de uma abordagem atraente, motivadora e envolvente, considerando, através de um processo de transposição didática, a linguagem, a ludicidade e o seu alcance ao desenvolver estratégias de comunicação científica dentro e fora dos muros da instituição.

Objetivo

Diante do exposto, o presente trabalho objetiva apresentar estas estratégias de DC que são empregadas no AquaRio como ferramentas de sensibilização e conscientização do público.

Metodologia

A DC perpassa a comunicação em diferentes naturezas dentro do espaço do AquaRio. A principal é a oralidade, estando esta combinada e/ou acompanhada de outras vertentes. Para isto, recursos tecnológicos e materiais são utilizados na promoção da (1) comunicação interna, ou seja, aquela restrita aos espaços dentro da instituição e (2) comunicação externa, aquela que ultrapassa os muros do AquaRio.

  1. inclui monitores digitais, QrCodes e placas informativas, feitas de PVC adesivado, sobretudo em razão do caráter do plantel mantido pela instituição, composto por inúmeras espécies ameaçadas de extinção em vida livre que sofrem com os impactos causados pelos seres humanos. Este plantel apresenta 227 espécies em exposição de 6 táxons diferentes, cujas informações como nome científico e popular, hábitos de vida, curiosidades, distribuição geográfica e status de conservação segundo a IUCN, são expostos ao público através de televisores dispostos lateralmente aos recintos, bem como em Qrcodes que direcionam o visitante às informações mais detalhadas, e em 3 idiomas (português, inglês e espanhol), sobre os animais em exposição. Ao longo do circuito de visitação há, ainda, as placas temáticas e exposições de materiais biológicos, utilizadas como recurso comunicativo auxiliar, visando suscitar a reflexão, aguçar a curiosidade, sensibilizar e engajar o público em prol da conservação dos ecossistemas aquáticos.

  2. destaca-se a principal rede social utilizada pela mesma, o instagram (@aquariomarinhodorio), onde continuamente são publicados conteúdos educativos em diferentes formatos. Além desta, a instituição também conta com conteúdos de cunho educativo em redes sociais extras, como o tiktok (@aquariomarinhodorio) e youtube (@VemProAquaRio), de modo a visar o alcance de diferentes faixas etárias e públicos, utilizando-se, inclusive de um blog (https://blog.aquariomarinhodorio.com.br/) como plataforma para postagens de conteúdos técnicos mais aprofundados e de um podcast no spotify (https://open.spotify.com/show/48jzwW8ANnUdv7moIX825k?si=19126ed099df48c1).

Resultados

A bioexposição do AquaRio é setorizada a partir de temáticas que visam apresentar os diferentes ecossistemas aquáticos e a sua biodiversidade, bem como as interações ecológicas ali existentes e os impactos antrópicos que vêm comprometendo a sua viabilidade ecossistêmica. Nesse viés, pode-se afirmar que a abordagem temática do circuito de visitação está distribuída em 11 eixos, sendo identificados pela ambientação dos recintos e a fauna mantida nos mesmos, a saber: Plâncton, Praias Arenosas, Costão Rochoso, Águas-Vivas, Piranhas, Associações Biológicas, Peixes do Mundo, Pequenas Riquezas, Tanque Oceânico, Tubarão Lixa e Galeria de Corais. Ao longo destes eixos temáticos explorados no circuito de visitação, o público tem contato com um total de 59 televisores informativos (Figura 1), distribuídos ao longo dos recintos, sendo: Plâncton (1), Praias Arenosas (4), Costão Rochoso (4), Águas-Vivas (1), Piranhas (1), Associações Biológicas (8), Peixes do Mundo (4), Pequenas Riquezas (3), Tanque Oceânico (3), Tubarão Lixa (2) e Galeria de Corais (17). A escolha da quantidade de televisores por setor dá-se a partir da quantidade e extensão dos recintos, além do tamanho do plantel em exposição.

Figura 1 Exemplo das sinalizações expostas nos televisores.

Como estratégia comunicativa associada às sinalizações feitas pelos televisores ao longo do circuito de visitação, tem-se nos QRcodes uma ferramenta que possibilita tornar a construção do conhecimento científico mais dinâmica e interativa, ao permitir com que os sujeitos sejam protagonistas na busca pelas informações técnico-científicas relacionadas aos recintos. São observados um total de 35 QRcodes (Figuras 2 e 3) distribuídos ao longo da bioexposição temática da instituição que são acessados pelo público mediante a experiência sensorial promovida ao longo da visitação, já que a mesma aguça a curiosidade e o anseio por um significativo aprofundamento acerca dos objetos de exposição.

Figura 2 – Exemplo de QRcode para acesso a informações mais aprofundadas.