Nós nunca sabemos o valor da água até que o poço está seco. (Thomas Fuller)
ISSN 1678-0701
Volume XIX, Número 74
Março-Maio/2021
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(7) Notícias(5) Dicas e Curiosidades(2) Reflexão(3) Para sensibilizar(1) Dinâmicas e recursos pedagógicos(2) Entrevistas(1) Culinária(1) Sugestões bibliográficas(2) Educação(1) Sementes(1) Ações e projetos inspiradores(2) Gestão Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Relatos de Experiências(5)   |  Números  
Gestão Ambiental
31/03/2021 (Nº 74) DESAFIO DA GESTÃO AMBIENTAL, INCREMENTANDO A ECONOMIA CIRCULAR, EM UM MOMENTO DE PANDEMIA
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4121 
  

DESAFIO DA GESTÃO AMBIENTAL, INCREMENTANDO A ECONOMIA CIRCULAR, EM UM MOMENTO DE PANDEMIA



Sandra Barbosa / Ecóloga – smmbarbosa@gmail.com



Nos últimos meses, estamos assistindo a mudanças drásticas, na área empresarial, pressionados pelos graves problemas de saúde, pelo qual o mundo está passando. As mudanças são necessárias e importantes. Em todos os setores, ocorrem alterações nas logísticas. Não existe mais padrão de produção, as empresas foram obrigadas a reduzir o efetivo, mas a produção crescente se faz necessária para que a economia permanece estável. O setor de saúde cresceu consideravelmente, já que o mundo passa por um momento de crise na saúde. As empresas produtoras de insumos, estão abarrotadas de solicitações, sem condições de cumprimento, o setor passa por uma escassez de materiais usados na saúde, seja em hospitais, em UPA, funerárias, cemitérios ou em consultórios médicos. Como fazer uma boa gestão ambiental para atender as necessidades deste setor?

Planejamento é a palavra-chave para que se tenha uma gestão eficiente e adequada. Planejamento de uso dos insumos, fazer um uso consciente e necessário, sem desperdício, ainda se planeja a geração de resíduos destes setores, já que o cresce exponencialmente o volume de resíduos de saúde, gerado nos setores hospitalares, residenciais e funerários. Estes resíduos devem ser armazenados de forma diferenciada e segura para que não sejam misturados aos demais resíduos nos coletores ou ainda na rua quando os catadores separam os resíduos nas lixeiras, desta forma contaminando todo o ambiente de resíduos.

Neste momento, onde se discute a eficiência de fazer gestão ambiental, nas empresas e em tempos de debates para conter uma crise econômica, surge a economia circular, que traz uma nova referência para gestão ambiental empresarial. Muito da produção estagnada, em função da pandemia, integra o novo sistema de economia circular, trazendo uma nova oportunidade ao empresário, onde o produto serve para incrementar outros produtos e manter o sistema econômico funcionando com o mínimo de impacto negativo.

A economia circular possui três princípios básicos: conhecer e gerenciar os resíduos e suas possíveis contaminações, manter os produtos e os materiais em uso pelo maior tempo possível e, por fim, regenerar os sistemas naturais.

Figura 1: Sistema de economia circular.

Fonte: https://www.veolia.com/latamib/pt/quem-somos/renovando-o-mundo/economia-circular

Na figura 1 pode-se perceber a integração entre as etapas do sistema econômica e esta interação com o propósito de incrementar fatores positivos no modelo econômico, trazendo ao meio ambiente um bônus de sustentabilidade.

Desta forma, a economia circular traz para o sistema impactos positivos, pode-se descrever que ocorre uma economia financeira na produção dos bens, estabilizando os preços na cadeia produtiva; para um efeito positivo é necessário incrementar orientações aos colaboradores, para o novo modelo, neste sentido os programas de educação ambiental são uma ferramenta essencial para uma resposta rápida dos programas incrementados; ainda pode se considerar um benefício a fidelidade do cliente que reconhece no empreendedor um auxiliar na gestão dos recursos naturais e ainda um defensor das politicas públicas ambientais. Desta forma a economia circular incrementa no mercado, uma mudança pioneira, atendendo a demanda dos clientes preocupados com as questões ambientais e as políticas públicas que cobram novas posturas, ao mercado econômico.

Assim as soluções surgem desde o reaproveitamento das águas das indústrias até a reciclagem de materiais, surgindo subprodutos de qualidade. A educação ambiental torna-se uma referência nos programas eficientes de economia circular ou de gestão ambiental, sendo uma forma de acelerar os efeitos positivos e o atendimento a metas emergentes, para que desta forma os problemas ambientais, seja no Brasil, ou em qualquer outro país, possam ter soluções mais rápidas e produtivas.

O que atualmente, buscam os empresários é atender as demandas das comunidades com o menor impacto negativo possível, para que o mercado consumidor mantenha o respeito pelo produto. A economia circular dentro dos modelos de gestão ambiental, surge com o propósito de se manter e incrementar mais a gestão empresarial sustentável, atingindo assim um mercado fiel.

Nos próximos anos, veremos surgir, ainda, outros modelos eficientes que terão como base os princípios desenvolvidos nestes tempos de pandemia. O surgimento destas ferramentas ativam a eficácia do sistema econômico e podem ser aplicados em qualquer atividade, adaptadas as devidas necessidades. Desta forma, um modelo universal de gestão surge para auxiliar a solução de uma crise mundial.

Ilustrações: Silvana Santos