Estamos sendo lembrados de que somos tão vulneráveis que, se cortarem nosso ar por alguns minutos, a gente morre. - Ailton Krenak
ISSN 1678-0701 · Volume XXI, Número 86 · Março-Maio/2024
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Dicas e Curiosidades(7) Reflexão(3) Para Sensibilizar(1) Dinâmicas e Recursos Pedagógicos(6) Dúvidas(4) Entrevistas(4) Saber do Fazer(1) Culinária(1) Arte e Ambiente(1) Divulgação de Eventos(4) O que fazer para melhorar o meio ambiente(3) Sugestões bibliográficas(1) Educação(1) Você sabia que...(2) Reportagem(3) Educação e temas emergentes(1) Ações e projetos inspiradores(25) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) A Natureza Inspira(1) Notícias(21)   |  Números  
Para Sensibilizar
13/03/2023 (Nº 82) EXPECTATIVAS ÀS VEZES PODEM ESTRAGAR TUDO!
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4437 
  

EXPECTATIVAS ÀS VEZES PODEM ESTRAGAR TUDO!

RESUMO: Enfim chegaram as férias adiadas, e apesar de maravilhosas, tiveram seus percalços!





Olá!

Que gostoso estar escrevendo pra vocês mais uma vez, a primeira edição do ano de 2023!

Eu e minha irmã tiramos uma semana de férias, éramos para embarcar em janeiro de 2022, mas devido ao Covid, nossas tão esperadas férias foram adiadas por um ano.

Finalmente chegou o grande dia e em 29/01/2023, fomos de Campinas ao porto de Santos, felizes da vida para embarcar no Navio Costa Firenze.

Nosso grupo era de 10 pessoas, todas muito felizes e com muitas expectativas!

Algumas delas, que logo no princípio, já foram retiradas! 😖🤣

O embarque no porto de Santos é um desastre, não tem lugar pra todos sentarem, ficamos por quase três horas aguardando o embarque em pé. Mas finalmente entramos.

O Navio é enorme, foi MUITO BACANA nossa viagem, teve mais prós que contras.

Mas a tripulação do navio, parecia estar em número inferior do que o necessário, talvez por conta da pandemia, ou por motivos de orçamento, o qualquer outro que desconheço, era “bravinha”, mau educada em sua maioria.

E tivemos várias pequenas chatices, logo nos primeiros momentos, pra início a insulina da minha irmã que precisa ficar refrigerada, assim como outros medicamento de muitos outros passageiros, tiveram que ser colocados em pequenas caixas térmicas com gelo dentro que deveria ser trocada pelo menos 2x por dia. (lembra que a tripulação estava em número inferior ao necessário) Mas nenhum quarto tem frigobar! (a gente sempre pergunta de frigobar pra insulina), ou seja, mais trabalho para a tripulação.

A mala da minha irmã não chegou, tivemos que ir atrás, a cama de casal pedimos pra separar, tudo respondido com pouca simpatia.

A falta de gentileza da tripulação, com algumas exceções, obviamente, nos acompanhou por toda a viagem, mas não íamos de maneira alguma deixar que isso estragasse nossa diversão.