A responsabilidade social e a preservação ambiental significa um compromisso com a vida. - João Bosco da Silva
ISSN 1678-0701 · Volume XXI, Número 85 · Dezembro-Fevereiro 2023/2024
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(1) Dicas e Curiosidades(1) Reflexão(9) Para Sensibilizar(2) Dinâmicas e Recursos Pedagógicos(2) Entrevistas(1) Arte e Ambiente(1) Divulgação de Eventos(13) O que fazer para melhorar o meio ambiente(3) Sugestões bibliográficas(3) Educação(1) Você sabia que...(4) Reportagem(2) Educação e temas emergentes(1) Ações e projetos inspiradores(14) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Relatos de Experiências(2) Notícias(17)   |  Números  
Reflexão
15/12/2023 (Nº 85) “PAREM DE FALAR E FAÇAM ALGUMA COISA”
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4676 
  

PAREM DE FALAR E FAÇAM ALGUMA COISA”

Foi isso que a Laila, uma menina de Barbados, nos disse quando perguntamos se os adultos estavam fazendo o suficiente com relação à emergência climática.

Além dela, conversamos com mais 25 crianças e adolescentes, de 12 países. Nosso objetivo era superar uma barreira aparentemente intransponível: a de fazer com que as crianças sejam ouvidas pelos líderes que participam da COP28.

Em um esquema quase de guerrilha, conseguimos levar as vozes dessas meninas e meninos para a abertura da COP28 e para dentro das salas de negociação em Dubai, exibindo os vídeos que realizamos em conjunto com o Unicef -- e com o apoio indispensável da Fundação Van Leer e da agência Fbiz. 



Espia só o que eles disseram:




Apesar de serem as mais atingidas – e as que menos responsabilidade têm pela emergência climática –, as crianças não são ouvidas ou priorizadas nas discussões e negociações.

Crianças e adolescentes representam 33% da população global (2,2 bilhões de pessoas). Nos países mais expostos a riscos climáticos, especialmente no Sul Global, elas são mais de 50% da população;

Mais de 1 BILHÃO de crianças vivem em condições de risco climático extremo;

Apenas 2,4% dos principais fundos climáticos multilaterais apoiam programas que levam em conta essa população.

Fontes: CERI, UNITED NATIONS, UNICEF, WHO.



O Alana  está  na COP 28, em Dubai, articulando junto com outras organizações uma série de ações para que crianças e adolescentes sejam ouvidos e conquistem o seu devido espaço: que é o de estar no centro dos acordos e negociações.

E de que ações estamos falando?

1. CAP (Children´s Action Plan, em inglês) ou Plano de Ação para as Crianças:

Um plano que estabelece metas e ações sensíveis às crianças em áreas prioritárias, levando em conta seus direitos e suas expressões para garantir participação plena, igualitária e significativa em todo o processo da COP

2. Educação Baseada na Natureza: Temos levado, a painéis e eventos, a ideia de naturalizar os espaços escolares, promovendo o desemparedamento da infância e uma aprendizagem com e na natureza, que funciona como estratégia para adaptação e mitigação diante da emergência climática.

3. COP das Crianças: Estamos propondo a realização de uma COP centrada nas crianças, em 2025, no Brasil, para ampliar suas vozes e dar visibilidade ao impacto que a emergência climática tem na vida e nos direitos de crianças e adolescentes.


E, sabe, você pode vir nessa com a gente.

Que tal levar as vozes dessas crianças para as suas redes?

Tem vídeo curtinho para bombar no Instagram, versão completa no YouTube (tudo bem se cair aquela lagriminha), uma feita especialmente para o zap da família... é só baixar a que você prefere

Ah, e tem mais informações na central do projeto,
aqui.

Tô contando com você.

Te vejo na #COPDasCrianças!

JP Amaral
Gerente de Natureza 

















Obrigada por acompanhar o nosso trabalho e fazer parte da nossa comunidade!
Esta é uma publicação do Sistema Alana.


Alana Rua Fradique Coutinho, 50, 11º andar Sao Paulo, Sp 05416-000 Brazil















Ilustrações: Silvana Santos