A responsabilidade social e a preservação ambiental significa um compromisso com a vida. - João Bosco da Silva
ISSN 1678-0701 · Volume XXI, Número 85 · Dezembro-Fevereiro 2023/2024
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(1) Dicas e Curiosidades(1) Reflexão(9) Para Sensibilizar(2) Dinâmicas e Recursos Pedagógicos(2) Entrevistas(1) Arte e Ambiente(1) Divulgação de Eventos(13) O que fazer para melhorar o meio ambiente(3) Sugestões bibliográficas(3) Educação(1) Você sabia que...(4) Reportagem(2) Educação e temas emergentes(1) Ações e projetos inspiradores(14) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Relatos de Experiências(2) Notícias(17)   |  Números  
Notícias
15/12/2023 (Nº 85) A SAÍDA É SEMPRE COLETIVA
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4683 
  

A SAÍDA É SEMPRE COLETIVA

Por Fundo Brasileiro de Educação AmbientalPublicado em: 04/12/2023

O Instituto Comunitário Grande Florianópolis (ICOM), parceiro do FunBEA na Aliança Territorial da Rede Comuá, promove o desenvolvimento da comunidade através da filantropia comunitária.

Em julho de 2023, Instituto Comunitário Grande Florianópolis (ICOM), lançou o Comitê Permanente para o Desenvolvimento do Frei Damião, uma das comunidades mais vulneráveis de todo o estado de Santa Catarina. A iniciativa articula diferentes atores, unindo moradores e representantes da comunidade, poder público, empresas privadas locais, organizações da sociedade civil (OSCs) e pessoas físicas. Este comitê é um dos mecanismos de governança do Programa de Desenvolvimento do Frei Damião, que conta com um fundo de financiamento. Mensalmente, seus 24 membros se reúnem para decidir coletivamente quais os melhores caminhos a seguir em prol da comunidade. Esse trabalho feito de maneira horizontal é um exemplo de como a filantropia comunitária acontece no Brasil.

Comunidade Frei Damião. Foto: Laís Dorigon/ICOM

O Programa de Desenvolvimento Permanente do Frei Damião teve origem no Fundo Chuvas, outra iniciativa do ICOM realizada ainda no final de 2022, para apoiar a região depois que fortes tempestades atingiram o sul do Brasil. Na ocasião, foram mapeadas 400 famílias em situação de vulnerabilidade no Frei Damião após o evento climático. Isso levou a uma ação articulada entre o ICOM, as OSCs e empresas locais, lideranças comunitárias e outros atores. Com o Fundo Chuvas se possibilitou o investimento de R$222 mil na comunidade, dinheiro que chegou às famílias por meio de doações de 130 pessoas, entre físicas e jurídicas. Ao final, foram 62 famílias selecionadas, de acordo com o grau de gravidade e perda, para receber o apoio.

Foi assim, depois de perceberem a efetividade deste apoio, que o ICOM e outros membros locais resolveram dar continuidade ao trabalho, fundando o Comitê Permanente para o Desenvolvimento do Frei Damião. Logo no início, os membros do comitê definiram, juntos, quais seriam os sete eixos de atuação na comunidade e agora buscam construir coletivamente caminhos para atingi-los.

Sete eixos de atuação no Frei Damião definidos pelo Comitê. Reprodução: Instituto Comunitário de Florianópolis.

Willian Narzetti é gerente executivo no ICOM e conta que um dos pontos principais é fazer com o território e não para o território, mas ressalta que o aprendizado é constante, pois não existe uma fórmula pronta.

Eu acho que iniciativas como o Comitê são a materialização de muitos conceitos e ideias. Não existe um desenho de governança pronto, não existe um modelo de filantropia comunitária pronto. O que existe são uma série de princípios e cuidados que a gente pode e deve estar seguindo e implantando para que cada território consiga, dentro disso, avançar e desenvolver o seu modelo de filantropia comunitária e de desenvolvimento”, explica.

Outro ponto importante, segundo Willian, é a transparência que movimentos como esse precisam ter. Nesse sentido, o ICOM faz o gerenciamento do Fundo Frei Damião, outra instância de governança do Programa de Desenvolvimento. No contexto da filantropia comunitária, um fundo é um mecanismo independente, conectado à causa da justiça socioambiental e orientado pelas prioridades destacadas pela comunidade. Quer dizer, quando o dinheiro é doado de forma independente para que as comunidades decidam com autonomia sobre o seu destino, isso permite que as pessoas saiam do lugar de “beneficiários” e ocupem o lugar de “co-investidores”.

Para Vladimir Rodrigues, presidente da Associação de Moradores do Frei Damião, o diálogo com a comunidade sobre as necessidades é de extrema importância para o desenvolvimento local. “Aqui já vieram diversas pessoas e entidades tentando mudar nossa realidade, mas sem escutar quem está aqui trabalhando no momento. Não buscaram saber das nossas mazelas, dos nossos dilemas, das nossas necessidades. Então quando acontece essa conversa, a gente consegue expor tudo isso, deixar mais explícito e fica mais fácil da pessoa investir em pontos específicos que estamos acionando”, conta Vladimir.

Além de recursos financeiros, iniciativas como o Programa de Desenvolvimento do Frei Damião, também entregam às comunidades algo muito além do dinheiro em si. Escuta, acolhimento, solidariedade e diversos outros tipos de recursos também fazem parte do ecossistema da filantropia comunitária e são tão importantes quanto, para o desenvolvimento das comunidades. “Na verdade, aqui era uma comunidade esquecida e agora temos o comitê agindo e trazendo os atores para junto da comunidade. Essa é uma grande vitória para nós”, finaliza Vladimir.

Fonte: https://www.funbea.org.br/a-saida-e-sempre-coletiva/



Ilustrações: Silvana Santos