A responsabilidade social e a preservação ambiental significa um compromisso com a vida. - João Bosco da Silva
ISSN 1678-0701 · Volume XXI, Número 85 · Dezembro-Fevereiro 2023/2024
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(1) Dicas e Curiosidades(1) Reflexão(9) Para Sensibilizar(2) Dinâmicas e Recursos Pedagógicos(2) Entrevistas(1) Arte e Ambiente(1) Divulgação de Eventos(13) O que fazer para melhorar o meio ambiente(3) Sugestões bibliográficas(3) Educação(1) Você sabia que...(4) Reportagem(2) Educação e temas emergentes(1) Ações e projetos inspiradores(14) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Relatos de Experiências(2) Notícias(17)   |  Números  
Reflexão
15/12/2023 (Nº 85) EU AMO A TERRA
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4690 
  

EU AMO A TERRA

por Anna Frota



Mudando o Rumo de nossa “Casa”

Manifesto pela perpetuação da vida saudável em nosso planeta



O momento é raro. Hora de a humanidade dar uma super guinada.

Acreditar que é preciso o caos para surgir o novo.

Como a ave fênix que ressurge das cinzas para alcançar os céus.

É vibrar pela unificação dos povos, pela queda das fronteiras; de uma economia que respeite a vida e a perpetuação de todas as espécies que co-habitam nosso planeta...

Hora de darmos as mãos para todos os irmãos que respiram, se alimentam e bebem da mesma água. Hora de educar para a Paz.

Hora de mudar o rumo e tomarmos nas mãos o destino de nossa única “casa”.

É o momento de trocar os verbos ter e possuir pelo ser de cada um de nós.

Por isso:

Nós que respiramos,

que necessitamos de água, ar e alimentos,

que falamos línguas distintas,

que possuímos raça, credo e culturas diferentes,

que acreditamos numa cultura pela paz e na unificação de todos os povos...

que fazemos parte dessa teia de espécies que co-habitam o mesmo planeta,

que somos interdependentes e co-criadores deste universo...

Por que compartilhamos antes de tudo, uma mesma casa

Queremos declarar nosso amor ao Planeta através de praticas sustentáveis.

De políticas mais humanas centradas no desenvolvimento do Ser

Queremos um re-ligamento com nossa espiritualidade e com o Criador

Uma economia mais equânime e qualitativa

Que trabalhem a comunidade da vida como um todo

Queremos a cooperação em lugar da competição



A hora é agora, Interdependência ou Morte!

Ilustrações: Silvana Santos