O conhecimento liberta, a ciência ilumina, informação salva vidas! – André Trigueiro
ISSN 1678-0701 · Volume XXII, Número 87 · Junho-Agosto/2024
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(4) Dicas e Curiosidades(5) Reflexão(13) Para Sensibilizar(1) Dinâmicas e Recursos Pedagógicos(7) Dúvidas(2) Entrevistas(1) Culinária(1) Arte e Ambiente(1) Divulgação de Eventos(7) O que fazer para melhorar o meio ambiente(4) Sugestões bibliográficas(1) Educação(1) Você sabia que...(1) Educação e temas emergentes(7) Ações e projetos inspiradores(27) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) A Natureza Inspira(1) Relatos de Experiências(5) Notícias(24)   |  Números  
Ações e projetos inspiradores
30/05/2024 (Nº 87) O ATOR DA GLOBO MUDOU SEUS HÁBITOS HÁ CERCA DE OITO ANOS E INCENTIVA QUE OS OUTROS FAÇAM O MESMO
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4889 
  

"Fomos educados e acostumados a um mundo de consumo e desperdício", diz Mateus Solano

O ATOR DA GLOBO MUDOU SEUS HÁBITOS HÁ CERCA DE OITO ANOS E INCENTIVA QUE OS OUTROS FAÇAM O MESMO



Julia Guglielmetti



"Sempre costumo dizer que fui criado como filho da natureza e não como dono dela", conta Mateus Solano em entrevista exclusiva para Planeta. Além de ser conhecido pelo trabalho na televisão, principalmente, por seus marcantes papéis nas novelas "Viver a Vida" (2009) e "Amor à Vida" (2013), da Globo, o ator também é um defensor ferrenho do meio ambiente. 

Ele abraça a causa e faz questão de difundi-la. Em suas redes sociais, onde acumula mais de 2,5 milhões de seguidores, usa o seu alcance para constantemente abordar o tema: "Creio que não existe questão mais importante do que essa". 

O que eu gostaria é que as pessoas acordassem o mais rápido possível para esta realidade e faço o que está ao meu alcance para isso

- Mateus Solano, ator, em entrevista exclusiva para Planeta

Pertencer à natureza é algo que sempre fez parte da vida de Solano. Em sua opinião, a humanidade se afastou de si mesma quando quis se entender como especial e não como parte da natureza. Ele conta que foi criado com "a noção da maravilha que é fazer parte desse todo". Mas que foi apenas mais tarde, há cerca de oito anos, que resolveu abraçar a causa de forma mais séria.

Mudanças no estilo de vida

Não é apenas com ativismo ou "falatório" que Solano ajuda o planeta. Foram inúmeras mudanças de hábitos que adotou no dia a dia. "Costumo dizer que um gesto muda. Foi a partir do meu primeiro gesto em direção a uma vida sustentável que os outros vieram se somando", conta.

O ator busca constantemente repensar o seu consumo, buscando reduzi-lo e comprando produtos que estejam alinhados com a sustentabilidade.

Plantando sementes

Uma característica comum entre a maior parte dos ativistas é a sede insaciável de promover conscientização e trabalhar para que a mudança possa acontecer. Com Solano, não é diferente. Ele sabe que cuidar do meio ambiente não traz retornos imediatos: "São sementes para uma nova forma de ser e estar no planeta, com uma maior conexão conosco e com alguma espécie de propósito enquanto seres inteligentes nesse planeta tão especial".

Quando fala sobre sustentabilidade, percebe que muitas vezes é difícil que o assunto seja, de fato, assimilado pela maioria das pessoas. "Fomos educados e acostumados a um mundo de consumo e desperdício", diz. Ao mesmo tempo, se sente motivado e feliz quando alguém chega até ele dizendo que escolheu mudar algumas atitudes graças à sua influência.

Como influenciador, tenho um alcance grande e tento aproveitá-lo para despertar o máximo de pessoas

-  Mateus Solano, ator, em entrevista exclusiva para Planeta

Ecoansiedade

A mudança do nosso comportamento, das políticas públicas e da forma como as empresas lucram precisa acontecer antes que seja tarde demais. Esse sentimento de urgência associado ao de nossas ações individuais serem apenas uma gota no oceano podem gerar grande ansiedade nos ativistas. Essa é a tal ecoansiedade, termo que vem ganhando popularidade nos últimos anos.

"Já sofri muito com essa angústia de achar que não vamos mudar a tempo, que a humanidade não vai conseguir se reconectar com o planeta antes de sua própria destruição", explica ao contextualizar que hoje tenta enxergar o problema por outro ponto de vista: de que está fazendo a sua parte. Ou seja, o que está ao seu alcance, o ator faz.

Junto a isso, são muitas causas precisando de atenção. É necessário melhorar como sociedade em diversos pontos, mas, para Solano, se existisse uma hierarquia, a causa ambiental deveria ser tratada com maior agilidade. Isso se deve pelo "simples" fato de que preservar o planeta é preservar a nós mesmos.

Sem água para beber ou ar para respirar, sem um ambiente equilibrado, a nossa sobrevivência neste planeta é impossível. Qualquer outra questão –política, social, cultural, histórica– fica menor diante desta que é uma questão de sobrevivência

- Mateus Solano, ator, em entrevista exclusiva para Planeta

Responsabilidade de todos

Nos bastidores da Globo, Solano está sempre "pegando no pé" para que a emissora fique cada dia mais sustentável e, inclusive, já comprou copos retornáveis para todos das equipes das novelas em que trabalhou. 

"A Globo já é super alinhada com uma conduta mais sustentável: carbono zero, utiliza água de reúso nas descargas, cuida do rio e da bela natureza ao redor dos estúdios, reduziu a praticamente zero o uso de plásticos descartáveis. Até a água é em lata", conta ao explicar que também mantém diálogo constante com a infraestrutura da emissora sempre que vê algo que possa ser melhorado.

Conhecido por declinar trabalhos de iniciativas ou produtos que não estejam alinhadas com o compromisso de preservar o planeta, Solano diz que nem sempre é fácil realizar essas recusas e abrir mão de um bom cachê. "Acredito que tenho uma responsabilidade enquanto figura pública que defende o meio ambiente. Preciso ser minimamente coerente com os ideais que prego". 

O ator não apenas recusa trabalhos, mas tenta usar a sua influência para transformar o mercado. Ele já foi responsável por apresentar produtos de empresas sustentáveis a outras empresas não tão sustentáveis, por exemplo.

"A responsabilidade no empresariado é gigantesca", diz Solano, que faz o "papel chato de puxar a orelha" do cidadão para que haja a demanda e a exigência em massa para que as empresas também mudem. "Só quando o consumidor privilegiar produtos mais sustentáveis é que a mudança vai acontecer nas empresas". 

O ator sente falta do posicionamento da classe artística –e não apenas dela– em relação a esse tema. "A defesa do meio ambiente precisa ser abraçada por mais e mais influenciadores para que deixe de ser uma pauta exótica e passe a ser parte do dia a dia", diz ele, ciente de que, de uns tempos para cá, é conhecido não apenas como artista, mas também como defensor do meio ambiente: "Os trabalhos que me aparecem fatalmente estão ligados à pauta". 

A sensação que tenho é sempre que sou visto como um E.T. quando recuso plástico ou trago uma sugestão para um restaurante, uma farmácia ou qualquer outro serviço se tornar mais sustentável

- Mateus Solano, ator, em entrevista exclusiva para Planeta

Mudança individual

Mais do que apenas esperar a mudança de influenciadores, Solano comenta que sente falta de "todo mundo" agindo. "Nós vivemos todos no mesmo e único planeta", reforça. 

"Não esqueço de uma live que fiz com um professor em que perguntei a ele se não achava que educação ambiental deveria ser uma matéria na escola. Ele me respondeu que não. Depois de uma pausa e do meu espanto ele completou: 'Educação ambiental deve fazer parte de todas as matérias'", relembra. 

Quando um indivíduo muda, ele passa, quase que automaticamente, a influenciar outras pessoas ao seu redor. Uma ação puxa a outra. "Cada um deve fazer a sua parte em vez de arranjar desculpas para não fazê-la". 

Para quem quer começar a mudar, mas não sabe bem por onde começar, o ator dá a dica de usar os "5 Rs": repensar, reduzir, recusar, reutilizar e reciclar. Leia mais no webstory abaixo.

"Há muito que se pode fazer no dia a dia para botar o planeta na conta. A economia da luz e da água, ter sempre uma sacola retornável e uma garrafa d'água quando sai de casa, separar o lixo...Tem muita coisa que pode ser feita por todo mundo", finaliza.