A revista precisa do seu apoio!
Desde seu nascimento em 2002, a revista tem crescido em importância e conteúdo (59 exemplares trimestrais, + de 9 milhões os acessos, avaliação QUALIS-B1 na área de Ensino), requisitando mais dedicação dos membros da equipe, que a mantém de forma independente (sem apoio financeiro externo). Para continuarmos a desenvolver este trabalho, viemos pedir o apoio da comunidade através de doações.
Às pessoas que contribuírem enviaremos um brinde-surpresa! - Editores da revistaea.org
ISSN 1678-0701
Número 59, Ano XV.
Março-Maio/2017.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias
Artigos

10/03/2017
INTERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL EM UMA COMUNIDADE DA REGIÃO SETENTRIONAL DO PIAUÍ  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=2694 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

INTERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL EM UMA COMUNIDADE DA REGIÃO SETENTRIONAL DO PIAUÍ

 

Darlane Freitas Morais da Silva-Mestranda do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente da Universidade Federal do Piauí (UFPI), darlanebio@hotmail.com

Antônio Alberto Jorge Farias Castro-Doutor em Biologia Vegetal pela Universidade Estadual  de Campinas e professor da Universidade Federal do Piauí (UFPI),albertojorgecastro@gmail.com

Nelson Leal Alencar-Doutor em Botânica pela Universidade Federal Rural de Pernambuco e professor da Universidade Federal do Piauí (UFPI),nelsonalencar@hotmail.com

Pedro Pereira Neves- Assistente de Pesquisa na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária-(Embrapa Meio-Norte), pedro.neves@embrapa.br

Ruth Raquel Soares de Farias-Doutora em Biotecnologia em Recursos Naturais pela Universidade Federal do Piauí, ruthraquelsf@gmail.com

 

Resumo:Objetivou-se promover por meio de um curso a formação da consciência ambiental dos moradores de uma comunidade do entorno de uma área de cerrado ecotonal, na parte setentrional do Piauí. Os conhecimentos transmitidos foram importantes para conjecturar a percepção ambiental dos moradores.

Palavras-chave:Conservação, Percepção, Tensão ecológica, Cerrado ecotonal

Abstract: The objective was to promote through a course the formation of environmental awareness of the residents of a community around an ecotonal cerrado area, in the northern part of Piauí. The knowledge transmitted was important to conjecture the environmental perception of the residents.

Keywords:Conservation, Perception, Ecological tension, Cerrado ecotonal

 

1. INTRODUÇÃO

 

As áreas de tensão ecológicas na região setentrional do Piauí constituem setores prioritários para conservação, pois trata-se de áreas transicionais ou ecótonos que apresentam características específicas e geralmente estão mais suscetíveis a degradação ambiental (RIVAS, 1996; CASTRO et al., 2007; SOUSA et al., 2011). Essa diversidade de ambientes formando um complexo conjunto de mosaicos e fisionomias vegetais, amplia a necessidade de conservação das áreas heterogêneas, enriquecidas pelo contato biológico dos biomas circunvizinhos (MMA, 2006).

Segundo as diretrizes estratégicas para implementação do programa cerrado sustentável, a valorização através da educação, comunicação e conscientização são meios para o fortalecimento da cultura regional, conservação das riquezas ambientais e sociais para o uso sustentável da diversidade biológica (MMA, 2006).

Ao invés do isolamento entre as pessoas e a natureza, será primordial encontrar meios para manter a coexistência da natureza com o desenvolvimento econômico e tecnológico de forma harmônica (ISPN, 2016). Nesse contexto, iniciativas que fomentam a formação da consciência ambiental das populações locais contribuem para conservação e uso sustentável da vegetação (MMA, 2006).

O objetivo deste trabalho foi subsidiar a formação da consciência ambientalem uma comunidade do entorno de um cerrado ecotonal da região setentrional do Piauí.

 

2. METODOLOGIA

 

            A atividade sobre educação ambiental foi desenvolvida na comunidade Pé-do-Morro, localizada no entorno de uma área de cerrado ecotonal, no município de Buriti dos Lopes, pertencente a área de tensão ecológica do Piauí da região setentrional do Piauí, inserida no território de desenvolvimento da planície litorânea e na Área de Proteção Ambiental da Serra da Ibiapaba (RIVAS, 1996; PLANAP, 2006).

            De acordo com,o Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas a atividade desenvolvida na comunidade caracteriza-se como curso (FORPROEX, 2007). Os aspectos éticos (Conselho Nacional de Saúde, Resolução n°466/2012 e 510/16) foram obedecidos, com a pesquisa submetida à apreciação do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Universidade Federal do Piauí (UFPI), Campus Ministro Reis Velloso (CMRV), sendo aprovada com o número (CAAE: 51277915.3.00005669/parecer: 1393360).

O curso compreende uma forma de retorno de uma pesquisa florística desenvolvida em uma área de cerrado ecotonal do entorno da comunidade Pé-do-Morro, sendo o curso realizado em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Centro de Pesquisa Agropecuária do Meio-Norte, Unidade de Execução de Pesquisa de Parnaíba-(Embrapa Meio-Norte) e ministrado em uma escola da própria comunidade.

 

3. RESULTADOS E DISCUSSÃO

 

Os moradores da comunidade foram convidados a participar do curso sobre temas relativos ao meio ambiente para despertar a consciência ambiental dos mesmos. Compareceram ao curso 18 moradores, entre eles, lavradores, professores, dona de casa e estudantes.

Primeiramente houve a acolhida dos participantes no local do curso, a escola “Unidade Escolar Aires Portela de Sampaio” da própria comunidade, com explanação dos objetivos, conteúdos e atividades a serem realizados (Figura 1).

 

Figura 1. Momento inicial da oficina de educação ambiental, comunidade Pé-do-Morro, Município de Buriti dos Lopes, Piauí, Brasil.

 

Em seguida, iniciou-se a exposição e debate sobre os principais temas ambientais, considerando os exemplos locais do meio ambiente da comunidade. Ministrou-se o curso por meio da exposição oral dos conteúdos, usando recursos multimídia, reflexão, debate em grupo e atividades práticas, comtemplando os temas sobre preservação, degradação e reflorestamento.

As atividades práticas foram relacionadas a preparação de adubos orgânicos, plantio de planta nativa na frente da escola e distribuição mudas de plantas nativas aos participantes do curso. Por último, cada participante avaliou o curso por meio de questionário fornecido pela Emprapa Meio-norte, dando contribuições e sugestões para a melhoria do mesmo (Figura 2).

 

Figura 2. Atividades da oficina desenvolvida na comunidade Pé-do-Morro, Município de Buriti dos Lopes-PI. A, B, C, D e E. Explicações sobre a produção e manejo de adubo orgânico para produção de mudas de plantas. F e G. Distribuição de mudas de plantas para os participantes da oficina. H e I. Plantio de mudas na comunidade.

 

Buscou-se estimular o interesse dos moradores da comunidade para construção de valores, conceitos e atitudes sustentáveis em relação ao meio ambiente no qual estão inseridos, promovendo a conscientização ambiental.Tal prática, apesar de pontual é uma ferramenta valiosa de interação de saberes da comunidade com o meio acadêmico e vice-versa, que pode culminar na elevação do nível de percepção ambiental, na valorização dos saberes tradicionais locais, no fortalecimento comunitário e do sentimento de pertencimento local (FRANCO et al., 2013).

De acordo com as diretrizes estratégias do programa cerrado sustentável, a conservação da vegetação deve necessariamente passar pelo fortalecimento das comunidades e de seus modos de vida relacionados a sustentabilidade dos recursos naturais (MMA, 2006).Muitas espécies de árvores do cerrado são utilizadas pelas comunidades locaispara lenha, carvão, construção, estacas, carros de boi, móveis e utensílios domésticos, tais como as tigelas e colheres de pau usadas pela população rural, com a madeira sendo colhida de forma sustentável (ISPN, 2016).

Segundo (JACOBI, 2003),o meio ambiente deve ser tratado em uma perspectiva holística que relaciona o homem, a natureza e o universo, tendo como referência que os recursos naturais se esgotam e que o principal responsável pela sua degradação é o ser humano.

Durante o presente curso procurou-se refletir sobre as práticas sociais, em um contexto marcado pela degradação do meio ambiente, proporcionando a conscientização ambiental dos participantes. Como afirma (QUADROS, 2007), as atividades que viabilizam a participação, a responsabilidade socioambiental e o resgate de saberes tradicionais locais podem promover a sustentabilidade e a diminuição dos impactos ambientais.

 

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

A interação socioambiental proposta por meio do curso realizado na comunidade Pé-do-Morro, mesmo sendo pontual, foi importante para promover a formação da consciência e percepção ambiental dos moradores do entorno de uma área de cerrado ecotonal da parte setentrional do Piauí.

 

5. REFERÊNCIAS

 

CASTRO, A. A. J. F.; CASTRO, N. M. C. F.; COSTA, J. M.; FARIAS, R. R. S.; MENDES, M. R. A.; ALBINO, R. S.; BARROS, J. S.; OLIVEIRA, M. E. A. Cerrados marginais do Nordeste e ecótonos associados. Revista Brasileira de Biociências. Porto Alegre, v. 5. supl. 1, p. 273-275, jul. 2007.

 

FORPROEX. Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras. Extensão Universitária: organização e sistematização. Belo Horizonte: Coopmed, 2007. 112p.

 

FRANCO, A. R.; MORAIS, G. A. C.; ANDRADE, M. A.; SILVEIRA, G. T. R. Projeto de educação ambiental para os recursos hídricos do Parauninha:comunidades ribeirinhas como cidadãos ambientaispromotores de sustentabilidade na Região do ParqueEstadual da Serra do Intendente. Ambiente & Educação, v. 18, n. 2, p. 15-36, 2013.

 

ISPN. Instituto Sociedade, População e Natureza. Conservação Internacional. Perfil do Ecossistema Hotspot de Biodiversidade do Cerrado. ISPN: Brasil, 2016. 459p.

 

JACOBI, P. Educação ambiental, Cidadania e Sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, n. 118, p. 189-205, mar., 2003.

 

MMA. Ministério do Meio Ambiente. Programa Nacional de Conservação e Uso Sustentável do Bioma Cerrado. Brasília, DF: Esplanada dos Ministérios, 2006. 56p. 

 

PLANAP. Plano de Ação para o Desenvolvimento Integrado da Bacia do Parnaíba: Território da Planície Litorânea/ CODEVASF. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba. Brasília, DF: TDA Desenhos & Arte Ltda., 2006. 72p.

 

QUADROS, A. Educação ambiental: iniciativas populares e cidadania. Santa Maria: UFRM, 46p. Monografia (Especialização), Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria, 2007.

 

RIVAS, M. P. Macrozoneamento geoambiental da bacia hidrográfica do rio Parnaíba. Rio de Janeiro: IBGE, 1996.

 

SOUSA, N. V.; FILHO, F. A. V.; CASTRO, A. A. J. F.; WANDERLEY, L. L. Setores prioritários para fins de conservação em área de tensão ecológica da bacia do Parnaíba. In: FAÇANHA, A. C.; SOUSA, M. A. M. (Orgs.). Indicações geográficas e temas em foco. Teresina: EDUFPI, 2011. 384p.

 



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias