ISSN 1678-0701
Número 60, Ano XVI.
Junho/Agosto/2017.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     I Prêmio Educação Ambiental em Ação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Educação Ambiental e Comunicação     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias
Artigos

03/06/2017BIOMONITORAMENTO DO RIACHO DO LAMÊGO EM CAXIAS (MA) ATRAVÉS DA DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE EPT (EPHEMEROPTERA, PLECOPTERA E TRICHOPTERA)  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=2726 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

BIOMONITORAMENTO DO RIACHO DO LAMÊGO EM CAXIAS (MA) ATRAVÉS DA DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE EPT (EPHEMEROPTERA, PLECOPTERA E TRICHOPTERA)

 

 

Daniel Silas Veras

 Professor do Instituto Federal do Maranhão Campus Caxias. email: daniel.veras@ifma.edu.br

Mariana Marinho de Abreu

Técnica em Meio Ambiente  Professor do Instituto Federal do Maranhão Campus Caxias

 

 

RESUMO: O  biomonitoramento  é  um  importante instrumento  para  análise  da  qualidade  dos ecossistemas,  entre  eles  os  aquáticos,  são  diversos  os tipos  de  métricas  que  utilizam  os  macroinvertebrados bentônicos,  no  presente  trabalho  utilizou-se  o  índice EPT (Ephemeroptera, Plecoptera e Trichoptera),  além  da  avaliação  microbiológica  de  Coliformes fecais, o local de estudo foi o riacho Lamêgo, situado na bacia  do  Itapecuru,  em  Caxias (MA),  as  amostras  foram colhidas em dois pontos do riacho, através das métricas aplicadas  foi  possível  verificar  que  o  ponto  de amostragem  que  sofre influência  antrópica  direta se encontra em um estado de degradação maior do que em relação ao  ponto  que  sofre  menor  intervenção  humana,  no entanto, todo o riacho pode ter a qualidade de sua água comprometida.

 

Palavras-Chave: Bioindicadores, macroinvertebrados bentônicos, qualidade da água.

 

BIOMONITORING OF LÃMEGO STREAM IN CAXIAS (MA) THROUGH DETERMINING OF THE INDEX EPT (EPHEMEROPTERA, PLECOPTERA E TRICHOPTERA)

 

ABSTRACT: Biomonitoring is an important tool for analysis of the quality of ecosystems, including aquatic, are many types of metrics that use benthic macroinvertebrates, in this study we used the EPT index (Ephemeroptero, Plecoptero and Trichoptero), in addition to microbiological evaluation of fecal coliforms, the study site was Lamêgo stream, located in the basin of Itapecuru in Caxias (MA), samples were collected at two points of the stream, through the metrics applied was verified that the sampling point that is under direct human influence is in a state of degradation greater than in relative to the point that suffers less human intervention, however, the entire stream may have compromised the quality of their water.

 

Keysword: Bioindicators, benthic macroinvertebrates, water quality.

 

 

 

 

 

 

 

INTRODUÇÃO

 

A água se encontra na quase totalidade da superfície terrestre, no entanto, é considerado um recurso finito, pois a água adequada para os usos já citados apresenta-se em um percentual muito reduzido, tal fato contemporaneamente urge uma preocupação, haja vista a ação antrópica ter como uma de suas externalidades a degradação dos bens naturais, dentre eles a qualidade da água.

Nos ecossistemas de Cerrado as veredas são fitofisionomias importantes para conservação da água, pois estas se localizam próximas às nascentes e funcionam como vias de drenagem, contribuindo para a perenidade e a regularidade dos cursos d’água, visto que atua como bacias coletoras (BAHIA et al, 2009).

Nesse contexto fica evidente a necessidade da utilização de instrumentos que permitam diagnosticar a qualidade ambiental dos ecossistemas, as abordagens físicas e químicas permitem caracterizar o ambiente, a biota indica se está ocorrendo impacto ou não, bem como intensidade do mesmo (POLETO, 2010).

O uso de parâmetros biológicos para medir a qualidade da água se baseia nas respostas dos organismos em relação ao meio onde vivem.  Como os rios estão sujeitos a inúmeras perturbações, a biota aquática reage a esses estímulos, sejam eles naturais ou antropogênicos (BUSS; BAPTISTA & NESSIMIAN, 2003).

Na avaliação da qualidade da água, as análises biológicas normalmente adotadas seguem métodos ecológicos que têm como base o levantamento das comunidades residentes no corpo hídrico, cuja análise da composição e estrutura permite a inferência sobre as condições ambientais (POLETO, 2010)

Os  macroinvertebrados  bentônicos  são  os  mais  utilizados por  apresentarem  diversas características  favoráveis:  grande  diversidade  de  espécies;  longos  ciclos  de  vida  e mobilidade  relativamente  baixa,  refletindo  padrões  temporais  e  condições  locais;  são encontrados  em  abundância  na  maioria  dos  habitats  aquáticos;  reagem  a  diferentes perturbações  ambientais;  são  fáceis  de  coletar,  envolvendo  equipamentos  de  baixo custo; e são de identificação relativamente simples (SUGA; TANAKA, 2008).

Existem vários métodos baseados em estudos de macroinvertebrados para avaliar a estrutura das comunidades bentônicas, dentre a qual podemos destacar o índice de EPT (Ephemeroptera, Plecoptera e Trichoptera) cuja maioria das ordens é sensível à poluição, portanto, o  presente  projeto  estabelecerá parâmetros para o biomonitoramento do riacho  do Lamêgo em Caxias-MA através do levantamento do índice de EPT.

 

MATERIAIS E MÉTODOS

 

Área de estudo 

          O presente trabalho foi realizado no riacho Lamêgo no município de Caxias, Maranhão, nos seguintes pontos de coleta:   próximo   às   nascentes   do   riacho   Lamêgo   localizado   nas proximidades do residencial Eugênio Coutinho e na área do IFMA-Campus Caxias.  

          Os pontos de coleta de água para análise físico-química, microbiológica e de macroinvertebrados foram referenciados através do uso de GPS GARMIN   Etrex   30, em coordenadas UTM, a cartografia foi realizada com os softwares ArcGIS 9.3 (Figura 1). 

Figura 1: Riacho Lamêgo Bacia do Itapecuru, Caxias (MA).

           

 

Análises físico-químicas e de bioindicadores 

 

 As análises físico-químicas foram realizadas com o Ecokit, que conta com   testes colorimétricos para as análises, foram verificados os seguintes parâmetros: Oxigênio dissolvido, amônia, ortofosfato, temperatura, pH, turbidez, os resultados foram comparados com a resolução CONAMA nº 357/2005 (Tabela 1).  

Tabela 1: Categoria das águas doces classe 3, adaptado da Resolução CONAMA nº 357/2005.

 

 Para avaliar os parâmetros coliformes fecais, utilizou-se o kit microbiológico Colipaper, no qual constam todos os procedimentos para a realização dos testes, os resultados obtidos nos testes microbiológicos foram comparados como os parâmetros constantes na Resolução CONAMA nº 274/2000 que dispõe sobre a balneabilidade das águas brasileiras (Figura 2).

Figura 2: Categoria das águas doces destinadas a balneabilidade, adaptado da Resolução CONAMA nº 274/2000.

 

A amostragem ocorreu no inverno seco, nesse período espera-se que as variações não gerem diferenças significativas sobre os dados, então sendo necessária apenas uma coleta anual (CESTEB, 2012).

As amostras de sedimento para a análise da comunidade bentônica foram recolhidas com amostrador tipo Surber (30x30 cm) com tela de nylon de malha de 250 micrômetros. O material coletado foi transferido para sacos plásticos e fixados em álcool 70% e etiquetados com os dados de local e data de coleta. 

Os espécimes encontrados foram identificados e classificados ao nível de família com auxílio de    microscópios estereoscópio      Coleman       e   dos     manuais      de   identificação      de macroinvertebrados aquáticos de Mugnai, Nessimiam   & Baptista 2010 e Insetos imaturos: metamorfose e identificação de Costa, Ide & Simonka 2006. 

 Para determinação do índice EPT calculou-se a abundância dos organismos das ordens Ephemeropteras, Plecoptera e Tricoptera, em relação ao número total de organismos da amostra (Formula 1). 

 

 

         (1) 

 

 Para   a   classificação   da   qualidade   da   água segundo o índice EPT levou-se   em consideração a Figura 3, disponível em Gonçalves (2007): 

Figura 3: Classe de qualidade e significado dos valores do índice EPT. 

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

 

Os resultados das análises físico-químicas realizadas em dois pontos do riacho Lâmego encontram-se na tabela 2. 

 

Tabela 2:  Parâmetros físico-químicos das amostras coletadas no ponto 1 e 2. Caxias, maio/2013.

 

 

  Os valores das variáveis físico-químicas nos pontos 1 e 2 da amostragem quando comparadas com os parâmetros estabelecidos pela resolução CONAMA nº 357/2005, enquadram as águas do riacho Lamêgo como de classe 3, as quais são propícias para a navegação e à harmonia paisagística (CONAMA, 2005).

Os resultados das análises dos testes microbiológicos podem ser observados na tabela 3.    

 

Tabela 3:  Parâmetros microbiológicos das amostras coletadas no ponto 1 e 2. Caxias, maio/2013.

 

 Para   as   análises   microbiológicas   não   foi   possível   realizar   as   cinco   amostragens preconizadas na resolução CONAMA nº 274/2000, pois o riacho secou no período que seria realizada a última análise, bem como houve a falha da terceira análise feita no ponto 1. 

Nesse sentido, considerando as análises realizadas, o ponto 1 e o 2, encontravam-se com qualidade satisfatória para a balneabilidade. Em um estudo realizado na Serra do Cipó (MG) indicou que seus corpos hídricos não eram indicados para consumo humano, mas possuíam grande potencial para fins de recreação (CALLISTO et al, 2004). 

 As diferenças observadas nos índices de C. fecais nas áreas amostradas decorrem possivelmente pelo ponto 1 ser mais pressionado pelas ações de degradação de origem antrópica. Pois em locais que sofrem muita intervenção humana observa-se índices maiores de C. fecais, fato observado no balneário Veneza em Caxias (MA), o qual recebe a descarga direta de efluentes de bares e restaurantes do seu entorno, que em um monitoramento em 2010 estabeleceu-se índices de 1600 NMP/100 ml de C. fecais estando, portanto, em níveis acima do limite para categoria satisfatória (NETO et al, 2012).

 Na campanha de coleta de macroinvertebrados obteve-se 590 espécimes de insetos aquáticos, dos quais 200 não foi possível realizar a identificação dos espécimes, pois estavam com suas estruturas danificadas, dos 390 identificados estavam distribuídos em 13 famílias e 6 ordens.  

 A ordem Diptera apresentou a maior diversidade com 3 famílias, as demais ordens apresentaram 2 famílias. As ordens mais abundantes foram Diptera (279 espécimes), Hemíptera (67) e Ephemeroptera (29). 

Em um monitoramento realizado no Córrego do Retiro das Pedras em Minas Gerais a ordem Diptera (Chironomidae) foi a mais abundante com 500 espécimes (CORREIA et al, 2004), fenômeno esperado, haja visto, essa família ser pouco exigente quanto às condições ambientais. 

O índice EPT, para o ponto 1 (Figura 4), foi de 4,8% portanto, a classificação dessas águas está ruim. 

Figura 4: Imaturos coletados no ponto 1. Caxias, maio/ 2013.

 

Este ponto está mais próximo do residencial Eugênio Coutinho, assim sofre um maior impacto antrópico, pois recebe os efluentes não tratados do referido residencial, assim como, tem uma maior perda de sua mata ciliar. Isso leva a mudanças nas condições ecológicas que são necessárias para a manutenção das comunidades residentes nesses habitats.   

           Em Minas Gerais o biomonitoramento da Bacia do Rio das Velhas através de índice multimétricos bentônicos no qual é considerando entre outros o índice EPT verificou que a qualidade da água em vários pontos das bacias foi ruim, os pontos em que tal situação foram observados tinham uma maior influência do uso e ocupação do solo de seu entorno (FERREIRA, ALVES & CALLISTO, 2012). 

           Para o ponto 2 (Figura 5), o índice EPT foi de 17,7% suas águas são classificadas como ruim, contudo seu índice está melhor se comparado com o ponto 1.    

 

Figura 5: Insetos coletados no ponto 2. Caxias, maio/ 2013.

 

 Isso se explicaria por este local de amostragem está mais conservado, possuindo uma maior área de mata ciliar, indicando uma menor influência das ações antrópicas, bem como uma menor alteração nesses habitats. No riacho Whetstone, no condado de Morrow em Ohio a melhor qualidade da água estava relacionada com a maior porcentagem de    organismos sensíveis a poluição (OLIVE: DAMBACH, 1973), esse fato corrobora com o observado neste estudo, pois observou-se que o ambiente mais conservado apresentou um melhor índice de EPT.

 Os resultados das análises físico-químicas estão discrepantes com os resultados para o índice EPT, principalmente para o parâmetro de OD que apresentaram altos índices e não explicam a baixa abundância de espécimes de EPT, tal fato pode estar relacionado com a baixa acurácia do método de análise físico-químico que pode ter gerado índices equivocados para os parâmetros levantados.    

 

 

CONCLUSÃO 

 

O presente estudo permite indicar que o riacho Lamêgo tem um grande potencial paisagístico e que tem potencial para atividades de contato primário, no entanto, a comunidade de macroinvertebrados indica que as ações antrópicas nas nascentes, ponto que apresentou menor índice EPT, principalmente no que se refere a retirada da mata ciliar tem afetado negativamente a ecologia do riacho. 

 Portanto, evidencia a necessidade de ações de recomposição da mata ciliar, bem como, ações de educação ambiental para a tomada de atitudes de conservação de tais recursos por parte da população que mora no entorno das nascentes do riacho.            

 

  AGRADECIMENTOS 

  A Fundação de amparo à pesquisa e ao desenvolvimento científico e tecnológico do Maranhão-FAPEMA, pela concessão de bolsa através do programa Maranhão faz ciência- PROCIÊNCIA.

 

REFERÊNCIAS 

 

BUSS, D. F.; BAPTISTA, D. F.; NESSIMIAN, J. L. Bases conceituais para a aplicação de biomonitoramento em programas de avaliação da qualidade da água de rios. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, p. 465-473, mar-abr, 2003. 

 

CALLISTO, M. et al. Diversity Assessment of Benthic Macroinvertebrates, Yeasts, and Microbiological Indicators Along a Longitudinal Gradient In Serra do Cipó, Brazil. Braz. J. Biol. 64 (4), p. 743-755, 2004. 

 

CESTEB. Protocolo para o biomonitoramento com as comunidades bentônicas de rios reservatórios do estado de São Paulo. São Paulo: CESTEB, 2012. Disponível em:http://www.cetesb.sp.gov.br/agua/aguas-superficiais/129-manuais-e-protocolos                   Acesso    em:    09   mai.  2014. 

 

CONAMA, 2000. Resolução CONAMA nº 274, de 29 de novembro de 2000. Brasília-DF (Brasil), Conselho Nacional de Meio Ambiente, Ministério do Meio Ambiente. 

 

CONAMA, 2000. Resolução CONAMA nº 357, de 17 de março de 2005. Brasília-DF (Brasil), Conselho Nacional de Meio Ambiente, Ministério do Meio Ambiente. 

 

CORREIA, H. V. L. Avaliação rápida da diversidade de macroinvertebrados bentônicos em diferentes substratos orgânicos no Córrego Retiro das Pedras, Cadeia do Espinhaço-  Minas Gerais.  Disponível em:  www.seb-ecologia.org.br/viiceb/resumos/843a.pdf   Acesso em:  20 ago. 2013. 

 

FERREIRA, W. R. et al. Biomonitoramento de longo prazo da Bacia do Rio das Velhas através de um índice multimétrico bentônico. RBRH-  Revista Brasileira de Recursos Hídricos, vol. 17, n. 3, p. 253-259, jul/set 2012.   

 

GONÇALVES, F. B. Análise comparativa de índices bióticos de avaliação de qualidade de água utilizando macroinvertebrados, em um rio litorâneo do estado do Paraná. Curitiba, 2007. Dissertação de mestrado- Universidade Federal do Paraná, 2007. 

 

NETO, M. E. Análises físicas, químicas e microbiológicas as águas do Balneário Veneza na bacia hidrográfica do Médio Itapecuru, Ma.  Arq.  Inst. Biol., São Paulo, v.79, n.3, p.397-403, jul./set., 2012. 

 

POLETO, C. Introdução ao gerenciamento ambiental. Rio de Janeiro: Interciência, 2010. 

 

OLIVE, J.  H.; DAMBACH, C. A. Benthic  macroivertebrates  as  index  of  water  quality  in  Whitstone creek, Morrow Couty, Ohio (Scioto river basin). Ohio Journal of Science. v. 73, n.3, p.  129-149, may, 1973. 

 

SUGA, C. M.; TANAKA, M.  O. Estrutura de comunidades de macroinvertebrados num gradiente de riachos em diferentes estados de conservação, no sudeste brasileiro. Disponível em:  http://www.ambiente-augm.ufscar.br/uploads/A1-060.pdf Acesso em: 20 out. 2012. 

 



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     I Prêmio Educação Ambiental em Ação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Educação Ambiental e Comunicação     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias