ISSN 1678-0701
Número 63, Ano XVI.
Março-Junho/2018.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Resultado do prêmio     Prêmio: Destaques     Prêmio: Selecionados     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Prêmio: Destaques

10/03/2018CONSERVAÇÃO DE SOLOS: SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL DE ALUNOS DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DE CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=3058 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

Conservação de Solos: Sensibilização Ambiental de Alunos de Licenciatura em Pedagogia de Campos dos Goytacazes, RJ


Seldon Aleixo1, Cristiano Peixoto Maciel2, Ana Paula da Silva3


1Laboratório de solos, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro – UENF. Campos dos Goytacazes/RJ, Brasil. seldon_aleixo@mail.com

2Instituto Federal Fluminense – IFF. Campos dos Goytacazes/RJ, Brasil.

3Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro – IFRJ. Arraial do Cabo/RJ, Brasil



Resumo

O solo é o componente central dos ecossistemas terrestres, e a sua degradação representa a perda da capacidade de manter a estabilidade dos ecossistemas, além de impactar diretamente a vida. As preocupações com o uso adequado dos solos são cada vez mais pertinentes dentro da discussão ambiental, onde a Educação Ambiental pode ser utilizada como uma ferramenta para uso consciente dos recursos naturais. O objetivo foi sensibilizar alunos do curso de licenciatura em Pedagogia sobre a importância da conservação de solos presentes no município de Campos dos Goytacazes, Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Os resultados apontaram que o principal desafio futuro no ensino de solos permeia pela melhoria na qualificação pedagógica na área socioambiental e ciência do solo dos futuros professores, levando em consideração as especificidades das diferentes classes de solos e usos da terra da região.

Palavras-chave: Educação ambiental, Conservação de solos, Pedagogia


Abstract

Soil is the central component of terrestrial ecosystems, and your degradation represents the loss of the capacity to maintain the stability in ecosystems, as well as directly impact life. Concerns about the proper use of soils are increasingly relevant within the environmental discussion, where Environmental Education can be used as a measure for conscious natural resources uses. The objective was to sensitize undergraduate Pedagogy students on the importance of soil conservation of the municipality of Campos dos Goytacazes, State of Rio de Janeiro, Brazil. The results pointed out that the main future challenge in soil education is the improvement in the pedagogical qualification in the socio-environmental and soil science areas of future teachers, taking into account the specificities of the different soil classes and land uses in this region.

Key-words: Environmental education, Soil conservation, Pedagogy



1. Introdução


O solo é o componente central dos ecossistemas terrestres, e atua como o constituinte fundamental para sustentar a vida como conhecemos. A superfície terrestre atua como suporte para a humanidade e isso é amplamente possível porque os solos estão presentes nela. Da superfície total do planeta Terra, cerca de 15 milhões de km2 são utilizados na agricultura, além de 30 milhões de km2 destinados a pastagens que sustentam animais destinados ao consumo humano (RAMANKUTTY et al., 2008). Como recurso natural dinâmico, o solo é passível de ser degradado em função do uso inadequado pelo ser humano, o que promove interferências negativas no equilíbrio ambiental, e consequentemente reduz a capacidade de produção de alimentos a médio e longo prazo. Isto acaba por gerar incertezas dentro da segurança alimentar a nível global de uma população crescente.

Portanto, partindo da premissa que os solos estão sob uma intensa pressão de exploração por parte da humanidade, a degradação dos solos pode ser observada através de: uma diminuição da fertilidade natural e do conteúdo de matéria orgânica do solo, erosão hídrica, compactação, desertificação, contaminação por resíduos urbanos e industriais, exploração mineral e uso na construção civil. Nesse contexto, talvez a mais importante das ameaças seja a erosão acelerada devido a perturbações agrícolas. Quando os solos naturais são utilizados na agricultura, sua cobertura vegetal natural é removida para o preparo do solo. O resultado disso é que, com a implantação do plantio convencional, as taxas de erosão em terras aráveis são muito superiores às observadas sob a vegetação natural. Por outro lado, os solos de áreas naturais, que não possuem atividades humanas recentes, auxiliam na manutenção da biodiversidade, além de contribuir na armazenagem de água, pode armazenar carbono no solo e auxiliar no controle da emissão de elementos potencialmente causadores do efeito estufa (HIEDERER & KÖCHYL, 2012).

Segundo Lima et al. (2007) a conservação e a proteção dos solos garante a manutenção de um ambiente sustentável e sadio para a vida do homem, e este se dá principalmente através do estudo científico do solo. No geral, o que se observa é um elevado estabelecimento do conhecimento gerado em grupos de profissionais ou acadêmicos inseridos na área da ciência do solo (LIMA et al., 2007). Entretanto somente aguardar por informações detalhadas do uso do solo como um recurso finito e sem promover as medidas necessárias para impedir, ou até mesmo mitigar, a degradação do solo pela a ação humana e suas consequências pode ser considerada uma insensatez do ponto de vista socioambiental. Ou seja, a população em geral deve ser estimulada a conhecer o solo e compreender o seu papel no meio ambiente.

A educação em solos é deixada em segundo plano em todos os níveis dentro do currículo escolar, tanto no meio rural quanto no ecossistema urbano. Apesar de constar como componente fundamental na educação básica, a disciplina consta nos materiais didáticos de uma forma genérica, incipiente, e não relaciona a sua importância com a utilidade prática ou com o cotidiano da população local, o que causa o desinteresse tanto do professor que a ministra quanto do aluno que a observa (LIMA et al., 2007). Assim, a população acaba por desconhecer a importância e as características do solo e, nesse ponto, a desinformação contribui para ampliar os processos de alteração e degradação das diferentes classes de solos de uma região (LIMA et al., 2007). Portanto, existe a preocupação para que a população se conscientize que o solo faz parte do ambiente em que vivem (FONTES & MUGGLER, 1999). O curso de licenciatura em Pedagogia foi escolhido, pois o tema “solo” está inserido na disciplina ciência natural de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) do primeiro e segundo ciclos do Ensino Fundamental (BRASIL, 1997). Entretanto, o tema “solo” poderia ser abordado como um conteúdo inserido no tema transversal "meio ambiente" em diversas matérias em também nos terceiro e quarto ciclo do Ensino Fundamental. A hipótese do presente trabalho é que os alunos do curso de licenciatura em Pedagogia podem ser sensibilizados sobre temas da ciência do solo relacionados à Educação Ambiental (EA). Objetivo geral do presente estudo é sensibilizar alunos do curso de licenciatura em Pedagogia sobre a importância da conservação dos solos que compõem o município de Campos dos Goytacazes, Estado do Rio de Janeiro, Brasil.


2. Educação ambiental e a sensibilização


Segundo o artigo 1º da Lei 9.795, de 27 de abril de 1999, que dispõe sobre a Educação Ambiental e institui a Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA):


Entende-se por educação ambiental os processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade.


Nesse aspecto a EA exerce um papel fundamental na garantia de um meio ambiente ecologicamente e socialmente equilibrado, através do princípio da emancipação e autonomia das pessoas de diferentes grupos étnico-sociais. E aliado, a construção de uma consciência crítica e cidadã contínua voltada, sobretudo, a execução de políticas públicas que integrem o meio ambiente, a sociedade e o indivíduo. Com isso o indivíduo se apresenta como um dos responsáveis pelo meio ambiente em que habita, e a sua participação na sociedade, através da EA, se torna parte das ações de responsabilidade de um grupo que pode contribuir para a adoção de práticas de desenvolvimento sustentável. Segundo Loureiro (2004):

[...] a Educação Ambiental transformadora procura a realização humana em sociedade enquanto forma de organização coletiva de nossa espécie, e não pela simples ‘cópia’ de uma natureza descolada do movimento total.


Assim, a EA deixa de ser uma disciplina isolada e passa a ser “[...] uma parte ativa de um processo intelectual, constantemente a serviço da comunicação, do entendimento e da solução dos problemas [...]” (VIGOTSKY, 1991) de uma sociedade equilibrada e saudável. Portanto, a EA busca a promoção de uma consciência ética coletiva que qualifique toda a vida que habita o planeta como um bem precioso, além incentivar o uso consciente dos recursos naturais através de limites à exploração na busca da sustentabilidade. Assim, as preocupações com o uso adequado dos solos são cada vez mais pertinentes na discussão ambiental que devem ser estudados tanto numa abordagem global quanto individual.

A sensibilização ambiental é uma ferramenta que tem por objetivo ajudar no esclarecimento dos indivíduos presentes em uma sociedade acerca da problemática ambiental, procurando assim transformar os indivíduos em cidadãos conscientes da conservação, ou até mesmo quanto à preservação dos recursos ambientais do meio em que habitam. A construção de cidadãos sensíveis à sustentabilidade só pode ser alcançada através do estabelecimento de ligações cognitivas e afetivas entre eles e o meio ambiente, com o cidadão percebendo que ele está inserido nesse meio, passível de imprimir ações de diferentes graus e também sofrer reações através desses processos cognitivos (MACHADO, 2008). Isso demonstra que a EA não é um processo linear ou uma disciplina estática, mas uma cadeia de eventos e ações cíclicas que reúne a percepção do ambiente em que vivemos para sensibilizar a sociedade acerca da sadia qualidade de vida.


3. Materiais e Métodos


3.1. Caracterização da área de estudo


Este estudo foi desenvolvido com alunos de duas turmas de licenciatura em Pedagogia de uma escola de formação de professores localizada no município de Campos dos Goytacazes (21°45′21″S; 41°19′57″W), Estado do Rio de Janeiro, Brasil. A escola foi escolhida por possuir alunos residentes nos diferentes bairros e distritos desse município, e que assim tendem a possuir diferentes realidades sociais que influenciarão na tomada de opinião quanto ao tema conservação dos solos.

A cidade do presente município possui médio porte com população estimada em 463.543 habitantes, sendo a sétima cidade mais populosa do estado (IBGE, 2010). Nesse município se destacam atividades agrícolas ligadas a produção da cana-de-açúcar (Saccharum sp.) (REIS & MONNERAT, 2002). Entretanto, a produção de açúcar no município entrou em declínio nos últimos anos deixando extensas áreas potencialmente agriculturáveis abandonadas sem o devido manejo, o que colabora para a ação dos mecanismos que atuam na perda dos solos da região e consequentemente o seu empobrecimento, prejudicando a ciclagem e disponibilidade de nutrientes no solo.

Outra atividade econômica historicamente estabelecida com alto grau de impacto no solo é o polo cerâmico da região, com mais de cem empresas produtoras, regulamentadas ou não, a qual empregava aproximadamente três mil empregos diretos e indiretos (RAMOS et al., 2008). O interesse das olarias no município está justamente na composição dos solos da região da baixada litorânea, que possuem uma elevada reserva de argilas originárias de processo de decantação de materiais silto-argilosos em ambientes de planície de inundação após eventos de enchentes do Rio Paraíba do Sul no passado geológico da bacia sedimentar (RAMOS et al., 2008). A extração da argila para a atividade fim colabora com a degradação do solo com a retirada de aproximadamente 6 mil m3dia-1 de argila (RAMOS et al., 2008), que contribui para a degradação dos solos no município e região. De acordo com o Projeto Rio de Janeiro (CPRM, 2001) as classes de solos predominantes no município de Campos dos Goytacazes são os Argissolos, Cambissolos, Espodossolos, Gleissolos, Latossolos, Neossolos litólicos, Neossolos flúvicos e Organossolos (EMBRAPA, 2013).


3.2. Metodologia


A abordagem didática foi realizada através de uma aula teórica e uma aula prática. A aula teórica consistiu da exposição oral através de um software de apresentação audiovisual com a finalidade de definir o tema solo em diferentes áreas do conhecimento humano e do ponto de vista da EA. Seguidamente, o tema solo foi caracterizado como uma ciência em diferentes ramos do conhecimento (e.g. Agronomia, Biologia, Engenharia e Geografia). Ainda, foram descritos os processos de formação do solo (pedogênese) e como pode ser influenciada por diferentes formas de intemperismo (e.g. químico, físico e biológico). As diferentes classes de solos presentes no município foram abordadas durante a aula em conjunto com a importância do uso consciente do solo em diversas atividades econômicas (e.g. usos da terra) exercidas na região (e.g. atividades das olarias, cultura da cana-de-açúcar, fruticultura, pecuária e extração de areia no Rio Paraíba do Sul), assim como os problemas sociais, econômicos e ambientais que ocasionam. Ainda, foi exemplificado como a preservação da cobertura vegetal e a mata ciliar das margens de rios e lagoas do município de Campos dos Goytacazes ajuda na conservação dos solos.

A aula prática consistiu da construção de um perfil hipotético do solo, e construído no interior de um recipiente de vidro; Construção de maquetes simples sobre peneiras com diferentes texturas de solos com a presença de cobertura vegetal (e.g. gramíneas) e na ausência dela, com a finalidade de demonstrar os mecanismos de infiltração de água no solo e os processos que causam a perda de solo no presente município.

Uma avaliação de natureza quantitativa do tipo survey (FREITAS et al., 2000) foi realizada com formulário padronizado para a coleta de dados (e.g. questionário), com questões abertas e fechadas. Segundo Dietz & Tamaio (2000), a construção e a utilização de questionários investigativos é uma ferramenta adequada na avaliação de conhecimento de uma população acerca de determinado assunto. Ainda, foi realizada uma reunião com o docente responsável pela disciplina de Meio Ambiente da presente escola de formação de professores. O objetivo da reunião foi avaliar o conhecimento dos alunos amostrados acerca da ciência do solo, e assim auxiliar na construção de um questionário efetivo em mensurar o conhecimento dos alunos amostrados. O questionário (Quadro 1), com 16 perguntas acerca do tema Conservação dos Solos no município de Campos dos Goytacazes, RJ, foi aplicado após as aulas para um total de 34 alunos, sendo 17 da turma 1 e 17 da turma 2. A coleta de dados ocorreu no mês de setembro de 2017.


Quadro 1 – Perguntas utilizadas no questionário para os alunos de licenciatura em Pedagogia de uma escola de formação de professores acerca da conservação dos solos no município de Campos dos Goytacazes, RJ

Questões

1. Você é nativo de Campos dos Goytacazes, sim ou não? Você mora em qual bairro e/ou distrito?

2. Você já estudou sobre solos anteriormente, sim ou não?

3. Você saberia explicar o que é o solo, sim ou não?

4. Você sabia da existência de diferentes classes de solos, sim ou não?

5. Você achava que os solos são ambientes homogêneos ou heterogêneos?

6. Você achava que a erosão é um processo negativo, positivo ou ambos?

7. Você sabia que a presença de cobertura vegetal no solo ajuda a preservá-lo, sim ou não?

8. Você acredita que os solos possuem uma função econômica, sim ou não? Qual?

9. Se a resposta anterior foi “sim”, você acha que essa função econômica do solo beneficia a população do município de forma total, parcial ou não beneficia a população?

10. Próximo a sua residência tem alguma atividade econômica com o uso do solo, sim ou não? Qual seria essa atividade?

11. Você tem interesse nas questões ambientais do seu bairro e/ou distrito, sim ou não?

12. Próximo a sua residência existe alguma atividade econômica potencialmente poluidora do solo, sim ou não?

13. Você pratica alguma atitude para melhorar as condições do meio ambiente em que vive, sim ou não?

14. Você acredita que os solos do município possuem importância para a conservação do meio ambiente, sim ou não?

15. Você gostaria de aprender mais sobre a importância de um ecossistema equilibrado e sadio no seu município, sim ou não?

16. Você acredita que a Educação Ambiental nas escolas é capaz de contribuir para a formação de um cidadão consciente, sim ou não?


4. Resultados e Discussão


Os resultados do questionário mostraram que a idade média da turma 1 é de 28,2 anos e da turma 2 de 39,3 anos. Todos o salunos da turma 1 possuem residência no município de Campos dos Goytacazes e apenas 1 (um) aluno da turma 1 não mora no município, possuindo residência em Cardoso Moreira, Estado do Rio de Janeiro. Assim, 33 alunos (97% do total) residem em Campos dos Goytacazes. A distribuição dos alunos por zona e/ou bairro no município mostrou que cerca de 90% dos alunos amostrados moram na região central, também conhecida como Distrito Sede e/ou Distrito Campos dos Goytacazes, dois alunos no Distrito de Travessão, um no Distrito de São Sebastião e um no Distrito de Santo Amaro (BRASIL, 2008).

Quando perguntados se os alunos de licenciatura em pedagogia haviam estudado sobre solos durante sua formação acadêmica, as respostas afirmativas foram assinaladas por 16 alunos (cerca de 94%) da turma 1 e 100% dos alunos da turma 2, com média de 97,1% do total de alunos em ambas as turmas; e quando perguntados se eles saberiam dizer o que é solo, as respostas afirmativas foram assinaladas por 14 e 15 dos alunos (média geral de 85,3%) das turma 1 e turma 2, respectivamente. Entretanto, em 36% do total de alunos amostrados, em ambas as turmas, acreditavam anteriormente a sensibilização por exposição audiovisual, que os solos eram na verdade um ambiente homogêneo, ou seja, um meio com ausência de compartimentos e de transformações químicas, físicas e biológicas. Durante a aula expositiva pode ser observado à surpresa de uma parcela de alunos quando foi demostrado que o solo, na verdade, é formado por diferentes compartimentos como fase mineral, água, ar, formas de vida variadas e material orgânico senescente. Abaixo está transcrito os relatos de três alunos selecionados: “Achava que o solo era só terra, água e restos de animais [...]” Aluno 1, “Não sabia que tinha espaços vazios com ar no chão [...]” Aluno 2, “Sabia que tinha terra e água, mas não achava que tinha ar [...]” Aluno 3.

Além disso, houve surpresa dos alunos de ambas as turmas quando demonstrado que o solo está presente sob todos os edifícios construídos no município, e incluindo a própria escola onde estudam. Foi relatado de forma oral que eles acreditavam que o solo somente era encontrado no meio rural, e ligado exclusivamente à produção agrícola. E mesmo com 29 do total de 34 alunos (média geral de 85%) afirmarem possuir algum aprendizado sobre solos, apenas 20,6% desse total sabiam da existência de diferentes classes de solos no município de Campos dos Goytacazes.

Quando perguntado acerca dos processos erosivos e como eles atuam nos solos, os resultados mostraram que somente um aluno da turma 1 e cinco alunos da turma 2 responderam que a erosão é um conjunto de processos positivos e negativos na conservação de solos, e entre 71 e 94% dos alunos (média geral de 82,4%) das turma 1 e turma 2, respectivamente, acreditavam que a erosão é um processo exclusivamente negativo para a conservação dos solos. Contudo, 32 dos alunos amostrados (média geral de 94,1%) afirmaram que a presença de cobertura vegetal nos solos poderia contribuir para a conservação e atuar como uma barreira aos processos erosivos prejudiciais sobre os solos de Campos dos Goytacazes.

Portanto, apesar dos futuros professores afirmarem conhecer o solo, o que foi observado é que a compreensão do solo como um compartimento heterogêneo e composto por diferentes atributos físico-químicos não está presente na formação dos alunos amostrados. Além disso, a compreensão do solo como um ambiente em transformação pela a ação dos processos erosivos, e que por sua vez contribui para o agrupamento e distinção do solo em diferentes classes pedológicas, representou o principal desafio deste tema para os futuros professores do Ensino Fundamental. Assim, esses resultados, quando interpretados do ponto de vista didático, se tornam preocupantes já que no segundo ciclo do Ensino Fundamental os alunos do Ensino Fundamental aprenderão com esses professores durante a disciplina de ciências naturais como "identificar e compreender as relações entre solo, água e seres vivos nos fenômenos de escoamento de água, erosão e fertilidade dos solos, nos ambientes rural e urbano" (BRASIL, 1997, p. 57-58). Portanto, a dificuldade sobre o entendimento básico acerca do tema “solo” dos formandos em Licenciatura em Pedagogia mostra a preocupação em como os seus futuros alunos assimilarão o conteúdo ministrado por eles, para assim compreender completamente seu papel em um contexto holístico, sobretudo através da percepção ambiental na discussão do ambiente físico e químico do solo.

Em sequência, o PCN descreve que ao longo do terceiro ciclo do Ensino Fundamental os professores devem ser capazes de uma


[...] retomada ou introdução dos estudos sobre os solos já apontados no segundo ciclo, onde se enfoca a possibilidade dos alunos estudarem a composição, as condições de fertilidade e erosão ou preservação de solos de diferentes origens (BRASIL, 1998, p. 71).


Enquanto no segundo ciclo do Ensino Fundamental o PCN indica que o solo deve ser apresentado ao estudante de forma a caracterizara-lo num contexto geológico, no terceiro e quarto ciclos os diferentes tipos de solos do município poderiam ser relacionados a temas de caráter interdisciplinar, como o uso da terra e questões socioambientais da região.

Assim no presente estudo, ao aplicar questões que levem em consideração a questão econômica dos solos e o uso da terra do município de Campos dos Goytacazes, os resultados apontaram que 10 do total de alunos (média geral de 29,4%) amostrados possuem domicílio próximo a atividades econômicas com uso da terra tais como olarias, cultura da cana-de-açúcar e extração de areia nos Rio Paraíba do Sul. Ainda, 31 alunos do total (média geral de 91,2%) afirmaram que os solos possuem alguma função econômica, e indicaram como principais atividades exercidas nos solos do município, a cultura da cana-de-açúcar e o polo cerâmico. Dentro desse total, sete alunos acreditam que as atividades econômicas desenvolvidas na região beneficiam totalmente a população do município, e 19 alunos acreditam que os benefícios dos diferentes usos da terra são repassados parcialmente e cinco alunos não acham que as atividades econômicas realizadas nos solos da região beneficiam a população.

Assim os resultados mostraram que os futuros professores do Ensino Fundamental parecem possuir um entendimento que os solos da região onde residem podem ser utilizados para o benefício da sociedade. Entretanto, a maior parcela dos alunos de Pedagogia não considera que as diversas atividades econômicas de usos da terra no município de Campos dos Goytacazes (RJ) possuam um retorno econômico amplo e eficiente para a população. Esses resultados indicam como os futuros educadores observam o tema uso da terra nos solos da região, assim a ampliação dos debates sobre esse tema os ajudaria como formadores de opinião dentro do ambiente escolar.

No PCN (BRASIL 1998, p. 71) está descrito que:


No terceiro ciclo, os estudos das características dos solos estão voltados à compreensão da sua profunda integração com o regime de chuvas, com a formação do relevo e da vegetação e com as decorrências da ocupação humana nos biomas brasileiros.


Assim com base no PCN (BRASIL 1998, p. 71) foi questionado aos alunos de Pedagogia do presente estudo sobre o interesse nas questões ambientais na região e/ou bairro onde reside. Os resultados mostraram que a turma 1 possui o menor grau de interesse na temática ambiental com apenas 41% dos 17 alunos amostrados, estariam dispostos atuar nas questões que envolvem a conservação do meio ambiente; ao passo que a turma 2 mostrou que 82% do total de 17 alunos estariam interessados em atuar nas questões ambientais de sua localidade. Os resultados ainda apontaram que 52% dos alunos da turma 1 não exercem qualquer atividade a fim de contribuir para a sustentabilidade do meio ambiente, contra somente 29% do total de alunos da turma 2, mesmo com cinco alunos do total (média geral de 15%) relatarem morar próximo a atividades que consideraram potencialmente poluidoras do solo, como o antigo lixão da Codin, próximo ao Aeroporto Bartolomeu Lyzandro, ou até mesmo próximo ao aterro sanitário do município, em Conselheiro Josino. Entretanto, 97% do total dos alunos amostrados acreditam que os solos do município possuem importância para a conservação do meio ambiente, e 99% deles afirmaram que a EA é uma ferramenta adequada para a formação de um cidadão consciente.

Os resultados demonstraram que apesar das turmas amostradas possuírem diferentes percepções ambientais acerca do local onde residem, e aparentemente não se importar quanto aos aspectos ambientais do seu bairro e/ou região, o interesse desses futuros educadores em aprender mais sobre a importância ambiental dos recursos naturais da sua região pode ser observado, em especial a conservação de solos com o objetivo de transmitir o conhecimento aos futuros alunos. Portanto, o objetivo principal para a formação de futuros professores mais atuante nas questões socioambientais está intimamente ligado à sua sensibilização através da percepção ambiental dos potenciais problemas ambientais inseridos na questão do solo e uso da terra da sua região, como corroborado por Layrargues (2001, p. 133) onde diz que:


[...] uma aproximação do vínculo entre os processos educativos e a realidade cotidiana dos educandos, onde a ação local representa a melhor oportunidade tanto do enfrentamento dos problemas ambientais como da compreensão da complexa interação dos aspectos ecológicos com os político-econômicos e socioculturais da questão ambiental.


De essa maneira, os alunos que finalizarem o terceiro ciclo do Ensino Fundamental, com o auxilio de educadores com amplo conhecimento acerca das questões ambientais da localidade onde residem, tenderão a também possuir um conhecimento mais adequado do solo e do meio ambiente do ponto de vista geológico e social, e assim, estarão aptos a ingressar no quarto ciclo que se apresenta como um integrador de conhecimentos do ponto de vista interdisciplinar, como observado no PCN (BRASIL, 1998, p. 110) onde diz:


Ao discutir o solo e as atividades agrícolas, retomam-se os estudos já propostos para o segundo ciclo, com maior profundidade e abrangência. [...] os processos de degradação dos ambientes por queimadas, desmatamento e consequente erosão do solo, ao lado de medidas de contenção e correção, também podem ser retomados, buscando-se uma abordagem mais ampla do que no segundo ciclo, por meio de suas relações com os ciclos dos materiais. [...] ao abordar a degradação de ambientes em áreas urbanas, retomam-se os estudos sobre poluição do ar, da água e do solo.


Resumidamente, diversas são as dificuldades em ensinar o tema solo nas escolas, e em sua maioria originadas na dificuldade do docente em compreender o conteúdo nos livros didáticos (FALCONI, 2004), já que não receberam a devida instrução acerca do tema durante a sua formação acadêmica. Além disso, o conteúdo que aborda o tema solo nos livros didáticos é descrito através de uma visão agrícola e geológica do solo, e que ignora abordagens interdisciplinares, ecológicas e socioambientais (REBOLLO et al., 2005). Portanto, deve-se considerar a importância do livro didático utilizado por esses professores, onde deve possuir um conteúdo que reflita as diferentes realidades socioambientais de cada município, além de apresentar uma ampla abordagem da EA com foco interdisciplinar na sustentabilidade e dentro de diferentes disciplinas (e.g. meio ambiente) do Ensino Fundamental.

As questões levantadas, no presente estudo, com foco na conservação de solos devem ser um item eliminatório e classificatório quando da seleção dos livros pelo Programa Nacional do Livro Didático para as escolas do município (SILVA Mello & Longhini, 2013). Entretanto, essa tarefa pode não ser economicamente viável em um curto período de tempo, e principalmente para adotar um novo modelo de critérios de seleção de materiais didáticos em diferentes municípios e regiões do Brasil. Por outro lado, as instituições de Ensino Superior se apresentam como uma importante alternativa no auxilio aos professores do Ensino Fundamental na solução desse problema, já que elas possuem uma ampla e reconhecida experiência em pesquisa básica e aplicada na área de ensino do tema solos.

O estímulo da discussão da questão ambiental em conjunto a ciência do solo em salas de aula colabora para sanar as deficiências do conhecimento na formação de professores, e ajuda na adoção de uma EA emancipatória com profundo compromisso socioambiental no curso de licenciatura em Pedagogia da escola do presente estudo localizada no município de Campos dos Goytacazes (RJ).


5. Considerações Finais


A sensibilização ambiental para alunos de licenciatura em Pedagogia acerca da importância dos solos da região de Campos dos Goytacazes, RJ se mostrou como uma ferramenta efetiva em iniciar a discussão sobre a conservação de solos na EA.

As ações realizadas indicam que os futuros educadores possuem conhecimentos básicos do solo quanto a processos geológicos e questões socioambientais do uso da terra no município onde residem.

A aula prática com solos em sala de aula contribuiu para que os alunos fossem sensibilizados acerca do uso consciente do solo, onde pode ser observada a percepção pelos alunos que o solo é um recurso finito e que ao passar por processos erosivos prejudiciais, pode não ser renovável a um curto prazo. As aulas práticas demonstraram que o uso ferramentas não formais de ensino contribui para a construção de conhecimento formal em salas de aula, sobretudo em instituições formadoras de professores que carecem de atividades extracurriculares de EA.

Um número pequeno de alunos demonstrou interesse pelas questões ambientais do seu bairro e/ou região, mas em sua maioria afirmaram que a EA é uma ferramenta indicada para contribuir na conscientização sobre a conservação dos solos do município.

Portanto, o principal desafio futuro no ensino de solos permeia por uma melhoria na qualificação dos alunos de licenciatura em Pedagogia na área da ciência do solo. Nesse sentido as instituições de ensino superior podem atuar com apoio técnico e a transferência continuada de conhecimento para as instituições formadoras de professores do Ensino Fundamental, e observando acima de tudo as especificidades das diferentes classes de solos e usos da terra na região de Campos dos Goytacazes para a adoção de uma EA emancipatória.


Bibliografia


BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: ciências naturais. Brasília: MEC/SEF, 1997. Disponível em <http://portal.mec.gov.br>


BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. Parâmetros Curriculares Nacionais – 5ª a 8ª série. Secretaria da Educação Fundamental. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998. (v. 1). Disponível em <http://portal.mec.gov.br>


BRASIL, Lei 9.795 de 27 de abril de 1999, dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em <http://www.planalto.gov.br>


BRASIL. LEI NÚMERO 7.972, DE 31 DE MARÇO DE 2008: Institui o Plano Diretor do Município de Campos dos Goytacazes. Rio de Janeiro: Prefeitura do Município de Campos dos Goytacazes 2008. Disponível em: <http://cidac.campos.rj.gov.br/wp-content/uploads/2010/01/Plano_Diretor.pdf>


CPRM - Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais. Ministério das Minas e Energia / Secretaria de Minas e Metalurgia / Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais. In: Projeto Rio de Janeiro. CDROM. Brasília. 2001. 36p.


DIETZ, L. A; TAMAIO, I. Aprenda fazendo: apoio aos processos de Educação Ambiental. Brasilia: WWF Brasil, 2000. 386 p.


EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Sistema brasileiro de classificação de solos. Embrapa solos, Brasília, 3.ed., 2013. 353p.


FALCONI, S. Produção de material didático para o ensino de solos. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Campus de Rio Claro, 2004.


FONTES, L. E. F.; MUGGLER, C. C. Educação não formal em solos e o meio ambiente: desafios na virada do milênio. In: CONGRESO LATINOAMERICANO DE LA CIENCIA DEL SUELO, 14, 1999, Pucón (Chile). Resumenes. Temuco: Universidad de la Frontera, 1999. 833p.


FREITAS, H et al.. O método de pesquisa survey. Revista de Administração, São Paulo,v.35, n.3, jul/set, 2000.


Hiederer, R.; Köchyl, M. Global soil organic carbon estimates and the harmonized world soil database. Luxembourg, 2012.


IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Dados digitais. Disponível em <http://www.ibge.com.br>


LAYRARGUES, Philippe Pomier. A resolução de problemas ambientais locais deve ser tema gerador ou atividade fim da educação ambiental? In: REIGOTA, Marcos. Verde cotidiano: o meio ambiente em discussão. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.


LIMA, V. C. et al. (Eds.) O solo no meio ambiente: abordagem para professores do ensino fundamental e médio e alunos do ensino médio. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, Departamento de Solos e Engenharia Agrícola, 2007. 130 p.


LOUREIRO, C. F. B. Educação ambiental transformadora. In: LAYRARGUES, Philippe Pomier (Coord.). Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004. p. 65-84.


Machado, L.M.C.P. A percepção do meio ambiente como suporte para a educação ambiental. Perspectivas na Limnologia do Brasil, 2008. 13p.


Ramankutty, N.; Evan, A. T.; Monfreda, C.; Foley, J. A. Farming the planet: Geographic distribution of global agricultural lands in the year 2000, Global Biogeochem. 2008.


RAMOS, I.S.; Alexandre, J.; Alves, M.G.; Vogel, V.; Gantos, M. The red ceramic industry in Campos dos Goitacazes and the social inclusion of artisans from Baixada Campista through the Caminhos de Barro project. Cerâmica, v. 54, n. 331, p. 280-286. 2008.


REBOLLO, M.; PRIETO, T., BRERO, V. Aproximación a la historia y epistemología del concepto de suelo: implicaciones didácticas. In: CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN LA DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS, 7, Granada, 2005. Enseñanza de las ciencias, Barcelona, n. extra, 2005. Disponível em <http://www.blues.uab.es/~sice23/congres2005/htm/aa.htm>


REIS JR., R. A.; MONNERAT, P. H. Diagnose nutricional da cana-de-açúcar em campos dos Goytacazes (RJ). Rev. Bras. Ciênc. Solo,  v. 26, n. 2, p. 367-372,  jun.  2002.


SILVA MELLO, A; LONGHINI, M. D.. Tendências de educação ambiental em livros didáticos de ciências. Pesquisa em Educação Ambiental, [S.l.], v. 8, n. 1, p. 62-75, ago. 2013.

Vigotsky, L. A. Formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.





" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Resultado do prêmio     Prêmio: Destaques     Prêmio: Selecionados     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias