ISSN 1678-0701
Número 63, Ano XVI.
Março-Junho/2018.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Resultado do prêmio     Prêmio: Destaques     Prêmio: Selecionados     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Prêmio: Selecionados

15/03/2018BRINCANDO COM A NATUREZA  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=3172 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

BRINCANDO COM OS 4 ELEMENTOS DA NATUREZA: ÁGUA, FOGO, TERRA E AR

Luciana Queiroz Rodrigues Moreira

luciana.queiroz.moreira@hotmail.com



O melhor brinquedo para a criança é a própria natureza. A graça para a criança ao brincar está em subverter os objetos e transformá-los em brinquedos, em algo diferente e novo”. MACHADO, Ana Lúcia


O presente projeto surgiu da união de várias paixões acadêmicas que foram, ao longo de minha trajetória profissional, se revelando como se fossem fios invisíveis conectados através do ideal de poder contribuir para a construção de uma humanidade melhor, tendo como ponto de partida a Infância. Percebo que cheguei até a realização desse projeto levada por muitas de minhas convicções sobre a importância do brincar na infância, pelo amor às crianças, minha prática docente e, principalmente, pela minha feliz vivência infantil onde sempre estive em contato com a natureza no sítio de minha família, onde passei toda a minha infância.

Sou formada no Magistério há 25 anos, e após 5 anos como professora do Ensino Infantil, me graduei com licenciatura plena em Geografia, consolidando assim, uma carreira como professora de Geografia por 10 anos no Ensino Fundamental. Realizei nessa fase o curso BH Itinerante onde recebi o certificado de Agente Ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente/PBH (Prefeitura Municipal de Belo Horizonte). Este curso despertou em mim mais uma vocação natural, a de Educadora Ambiental.Tal interesse motivou a busca pela especialização em Educação Ambiental na UEMG (Universidade do Estado de Minas Gerais).

Após o nascimento de minhas duas filhas e vivendo intensamente o mundo infantil, foi despertada em mim uma vocação latente em relação ao brincar. Sempre tive muita facilidade para elaborar atividades ao gosto das crianças e adolescentes no contexto escolar, e isso,me fazia querer desenvolver cada vez mais atividades lúdicas para meus alunos. Assim, paralelamente as minhas atividades como professora, comecei a realizar Colônias de Férias em clubes e escolas de minha cidade. Tornei-me entusiasta do brincar, e fui em busca de uma maior capacitação nessa área. Certifiquei-me como Brinquedista pelaABBri – Associação Brasileira de Brinquedotecas. Idealizei também uma Brinquedoteca Itinerante chamada Colônia do Brincar e em maio de2017ganhei o Oscar de melhor brinquedista pelo ENAI – Encontro Nacional de Animadores Infantis.

Estava formada assim a Educadora Ambiental e Brinquedista: Luciana Moreira. Durante o ano de 2017 fui monitora voluntária do Curso BH Itinerante, onde pude participar por já ter obtido no de ano de 2002 o certificado de Agente Ambiental da PBH. Em uma de nossas travessias urbanas que consta na programação do curso, fomos ao Centro de Educação Ambiental no Parque Professor Amilcar Vianna Martins. Nesta atividade,assistimos a palestra de Laiena RibeiroT. Dib, Mestre em Ecologia, Bióloga e Psicóloga habilitada em Equoterapia e que está como Diretora de Gestão Ambiental do CEA – Centro de Educação Ambiental da regional Centro Sul. Laiena nos apresentou os projetos desenvolvidos pelo CEA, e colocou o espaço disponível a todos os presentes para a realização de novos projetos. Procurei a Laiena logo após a palestra. Em nossa conversa, apresentei a ideia de promover atividades lúdicas de educação ambiental com crianças, no espaço do Parque e essa ideia foi imediatamente acolhida por ela onde também me apresentou ricas ideias e sugestões engrandecendo ainda mais a minha ideia original.

Após alguns encontros para alinharmos nossas expectativas, fomos à Creche Nosso Abrigo, que se localiza nas proximidades do Parque, e apresentamos o nosso projeto de Educação Ambiental no Parque. Para a nossa alegria, a proposta foi muito bem aceita pela direção da Creche, bem como por todas as Educadoras.

Nosso maior objetivo seria o de estimular nas crianças o encantamento pela natureza e favorecer que tivessem um tempo de atividades em espaços ao ar livre fato esse que não era possível devido a permanência diária de 8 horas dentro do espaço da creche, contando apenas com as áreas livres do pequenopátio interno.

Nos centros urbanos brasileiros, as crianças passam 90% de seu tempo diário em lugares fechados impedindo o brincar em áreas livres e tal contato com a natureza em todas as etapas da vida de uma pessoa, é tão relevante, que sua carência foi designada Transtorno do Déficit de Natureza pelo americano Richard Louv, autor do livro A Última Criança na Natureza, essa constatação segundo ele, nada tem a ver com um saudosismo barato mas sim, com os impactos negativos na vida da criança tais como obesidade, depressão, déficit de atenção e hiperatividade. Os vínculos com os seres vivos e elementos naturais, por sua vez, correlacionam-se, segundo o compilado de diversas pesquisas independentes, com a saúde física, psíquica, social e acadêmica dos seres humanos. Brincar na natureza, é portanto, receita de saúde!


O E-book Educando com 4 elementos da Natureza de Ana Lúcia Machado foi a minha maior fonte de fundamentação e inspirição teórica para a realização desse projeto. Em seu trabalho, há uma citação de Rudolf Kishnick onde ele afirma que


As forças mais profundas que vivem no íntimo da criança, podem ser tocadas e avivadas pelo brinquedo mais sadio do mundo: o brinquedo chamado natureza.KISHNICK, Rudolf


Partindo desse pressuposto teórico compreendo que brincar em contato com a natureza seria estimular a criança a viver em sua própria natureza, ou seja, no ambiente natural de sua fase infantil. Neste espaço podemos encontrar também os estímulos naturais para que elas desenvolvam seu potencial humano e criativo, pois ao se colocar em contato com os processos da natureza e a reconhecer neles o movimento e ritmo, ela também se inspiraria a se desenvolver como natureza humana.

Em seu artigo sobre Os processos da natureza, o pensador e humanista Argentino González Pecotche afirma que “Existe uma ordem universal pré-estabelecida, que mantém o equilíbrio da Criação em todas as suas dimensões. A Terra, como parte integrante da Criação, cumpre sua função evolutiva por meio de grandes processos, que se verificam em suas entranhas e em todos os seus confins. O conjunto de suas manifestações físicas se chama Natureza, e é essa mesma Natureza a que, expressando-se num sem-número de variações, mostra à inteligência humana que tudo nela se leva a cabo mediante processos que se efetuam com precisão matemática. À realização desses processos se deve a presença de uma infinidade de maravilhas que a Natureza torna manifestas aos olhos humanos, e é a eles que o homem deve tudo quanto sabe, pois ao observá-los extrai os mais valiosos elementos para sua iniciativa.” E diz ainda que “A Natureza é sábia e contém o néctar da Sabedoria.”’ É a primeira mestra do ser humano, e sendo assim despertar na criança o encantamento com essa natureza seria contribuir para reconhecer nos processos naturais a natureza divina expressa em sua perfeição e que está presente dentro e fora de si mesmo.


Reconhecer o planeta Terra como um ser vivo é uma hipótese da Teoria de Gaia, que foi criada pelo cientista e ambientalista inglês James Ephraim Lovelock, no ano de 1969. De acordo com esta teoria, nosso planeta possui a capacidade de auto-sustentação, ou seja, é capaz de gerar, manter e alterar suas condições ambientais desde que exista uma postura humana de Desenvolvimento sustentável.

Como Educadora Ambiental e Brinquedista, realizo um trabalho com as crianças da Educação Infantil através de jogos e brincadeiras que contemplam os 4 elementos da natureza. O objetivo é fomentar o reconhecimento da natureza viva que existe fora e dentro de si mesmo, promover a valorização e o respeito por seus processos naturais. Segundo Ana Lúcia Machado, colocar a criança em contato com os 4 elementos é conectá-la com sua própria essência, é desfrutar da comunhão com sua natureza interna.

No Brasil mais de 80% da população vive em cidades. Moramos em grandes centros urbanos, onde as áreas verdes estão cada vez mais perdendo espaço para especulação imobiliária, e para procurar diminuir os conflitos urbanos no espaço das grandes cidades. Atualmente, apenas 40% das crianças brasileiras passam uma hora ou menos brincando ao ar livre, por dia.

A proximidade entre creches e áreas verdes é, portanto, muitas vezes, o único modo que muitas crianças, que nelas permanecem por cerca de oito horas diárias de segunda a sexta-feira, terem acesso a áreas verdes em dias de semana, pois podem acessá-las a pé. A localização desses serviços dentro de áreas verdes públicas e o número crescente destas no Município de Belo Horizonte aumentam a probabilidade de acesso à natureza. De fato, todos os Centros Regionais de Extensão em EA – Educação Ambiental da Prefeitura de Belo Horizonte se situam em Parques Municipais, Centros de Vivência Agroecológica (CEVAEs), ou em outros equipamentos com presença significativa de áreas permeáveis vegetadas.

O Centro de Educação Ambiental CentroSul (CEA-CS),sob responsabilidade da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, está situado no Parque Municipal Professor Almicar Vianna Martins (PMPAVM). Foi este parque que nos acolheu para a realização desse projeto, e para tal, como dito anteriormente, tivemos total apoio e parceria da também Educadora Ambiental Laiena Ribeiro na execução de todo o projeto.

As Crianças regularmente matriculadas na rede municipal de educação (UMEIsUnidades Municipais de Educação Infantile Escolas Municipais de Ensino Fundamental) da capital mineira têm acesso aos CEA – Centro de Educação Ambiental, Parques, Praças, etc., a partir, entre outras iniciativas, do Programa BH para Crianças, que disponibiliza transporte aos alunos e professores até os espaços educadores em questão.

Ocorre que, inclusive por motivo de segurança no trajeto e no destino, o Programa BH para Crianças se dirige aos maiores de três anos de idade, e por isso, as crianças da creche foram autorizadas pelos pais a realizarem o trajeto até o Parque Amílcar a pé juntamente com a equipe de Educadoras da creche. Foi o que ocorreu entre a Creche Nosso Abrigo e o CEA-CS/PMPAVM onde fizemos a proposta de realizar junto as crianças no Parque Amílcar Vianna Martins o projeto Brincando com a natureza.

Maria Consuelo Cabaleiro Rodrigues Cardoso é a presidente da creche Nosso Abrigo que conta hoje com 82 crianças, no bairro Cruzeiro, em Belo Horizonte. As crianças ficam na creche de segunda à sexta, das 7h30 às 17h30, tomam café da manhã, almoço, lanche e jantar. Estudam, praticam esportes, tem apoio psicológico, odontológico e se divertem bastante. Contam com a ajuda de empresas, prefeitura e muitos amigos.



Em nossa reunião de planejamento, concluímos que o melhor seria dividir as crianças em dois grandes grupos, de acordo com a faixa etária, sendo o grupo 1 composto por crianças com idade de 2 e 3 anos, e o 2º. grupo composto por crianças de 4 e 5 anos. Assim, a cada duas semanas focamos especificamente em um dos 4 elementos da natureza, e recebemos as crianças com brincadeiras onde foi possível sentir e despertar a paixão pela natureza! Tudo numa grande brincadeira, cheia de encantamento com as crianças!

De acordo com o s4 grandes estágios do desenvolvimento da inteligência de Jean Piaget podemos perceber o quanto é importante na educação infantil o viver, experimentar e fazer as coisas com a máxima participação dos sentidos, em detrimento do ensinar, ou apenas de transmitir conhecimentos. Porisso, como Educadora Ambiental compreendo que a Educação Ambiental na infância perpassa essencialmente nas vivências com a natureza e como o brincar é uma linguagem de desenvolvimento infantil, nada melhor do que favorecer às crianças o melhor brinquedo que existe: a Natureza!

A vivências e brincadeiras com os elementos naturais propiciam inúmeras conquistas, segundo Ana Lúcia Machado:

  • Autonomia e segurança

  • 0 Conhecimentodo próprio corpo,

  • Habilidades motoras,destreza e equilíbrio corporal

  • Florescimento da imaginação e fantasia

  • Interesse e encantamento pelo mundo

  • Vitalidade e saúde

Terra, água, ar e fogo estão por toda a parte, são forças vitais que compõe toda a natureza e estão fora e dentro de nós, e delas também fazemos parte com a nossa natureza humana. Colocar a criança em contato com os 4 elementos é conectá-la com sua própria essência, é desfrutar da comunhão com sua natureza interna. Como sugere o nome do documentário Tarja Branca (RHODEN 2014), brincar previne, trata e não possui contra indicações.

Iniciamos o projeto no mês de Setembro, sempre às 2ª feiras pela manhã, no horário de 9h às 10hs. Nos dias de chuva ficou combinado de que realizaríamos a atividade na creche, ou poderíamos remarcar para a próxima 2ª. feira, pois esse era o dia mais favorável para todos os organizadores envolvidos no projeto.

A cada encontro, as crianças eram recebidas por nós em uma grande roda, onde após muitos chamegos, abraços e beijos iniciávamos a nossa atividade com alguma brincadeira cantada. Na sequência, introduzíamos a brincadeira com um dos elementos naturais que estava planejado para aquele módulo.Veja abaixo como foram organizados os módulos e as vivências realizadas em cada um deles.


BRINCANDO COM A TERRA MóduloI


Os brinquedos da Terra estimulam a imaginação da criança que é curiosa por conhecer o interior das coisas, o oculto da natureza. São elementos de estruturação social. Explorar: o tato, observação, criatividade e a criação de brinquedos que imitam a vida em sociedade.

  • Vivência:

A brincadeira cantada utilizava a música “A árvore na montanha” onde encenamos, exploramos e procuramos identificar no parque os elementos naturais apresentados na música, tais como: árvore, galho, ninho, ovo, pássaro, pena e fruta.

Foi realizado um trajeto com as crianças recolhendo elementos naturais “brinquedos do chão” com uma cestinha de vime, onde as crianças colocavam as folhas, gravetos, sementes e outros elementos encontrados no espaço do parque. Após a coleta dos elementos naturais as crianças criaram um brinquedo enfeitando a cestinha, ou construindo algo usando os elementos naturais. Com um cone de linha fizemos uma tocha usando as folhas recolhidas para simbolizar o fogo. Depois de brincarem com a tocha, as crianças jogaram as folhas no centro do tecido paraquedão, logo após, fizemos uma chuva de folhas pelo ar movimentando todos juntos e bem forte o tecido para verem as folhas voando.Foi lindo demais!!


Atividade de chegada – Grande roda


Recolhendo as folhas do chão para fazer a chuva de folhas no paraquedão