ISSN 1678-0701
Número 65, Ano XVII.
Setembro-Novembro/2018.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Soluções e Inovações     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Artigos

16/09/2018A EFICÁCIA DO LIVRO DIDÁTICO DE CIÊNCIAS UTILIZADO NO 9° ANO DE UMA ESCOLA ESTADUAL DE BURITI DOS LOPES-PI  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=3365 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

A EFICÁCIA DO LIVRO DIDÁTICO DE CIÊNCIAS UTILIZADO NO 9° ANO DE UMA ESCOLA ESTADUAL DE BURITI DOS LOPES-PI



Francyana Lopes Oliveira BARBOSA1

Kelly Polyana Pereira dos SANTOS2



Graduanda do curso de Licenciatura em Ciências da Natureza, da Universidade Federal do Piauí / Universidade Aberta do Brasil, Pólo de Apoio Presencial de Buriti dos Lopes – PI. franyanalo@hotmail.com

2Doutora em Desenvolvimento e Meio ambiente. Profa. do Curso de Especialização em Gestão e Educação Ambiental da Universidade Estadual do Piauí. kellypolyana@hotmail.com



RESUMO

O presente artigo tem como objetivo analisar o livro didático de ciências do 9° ano de uma escola estadual da cidade de Buriti dos Lopes-PI, a fim de validar a sua eficácia no processo de ensino aprendizagem dos alunos, bem como detalhar a opinião de professores da turma do 9° ano quanto ao livro utilizado nas aulas de ciências. A pesquisa foi realizada durante os meses de janeiro a junho de 2018, por meio da análise do livro didático, e com a utilização de entrevista semiestruturada. Verificou-se que o livro didático exerce o papel basilar na sala de aula, pois auxilia na mediação do conteúdo entre professor e aluno, que constitui um elo importante no processo de ensino aprendizagem.

Palavras chaves: Educação. Ensino-aprendizagem. Ciências.



ABSTRACT

The present article aims to analyze the textbook of science of the 9th grade of a state school in the city of Buriti dos Lopes-PI, in order to validate its effectiveness in the process of teaching students learning, as well as to detail the opinion of teachers of the 9th grade class regarding the book used in science classes. The research was carried out during the months of January to June of 2018, through the analysis of the didactic book, and with the use of semistructured interview. It was verified that the textbook plays the basic role in the classroom, because it helps in mediating content between teacher and student, which constitutes an important link in the process of teaching learning.

Keywords: Textbook. Teaching-learning. Sciences.



INTRODUÇÃO

Ensinar Ciências na contemporaneidade é trabalhar com um ensino dinâmico, inovador e reconfigurado, já que, por exemplo, oitenta anos atrás, nos livros didáticos, o corpo humano era estudado omitindo-se o aparelho reprodutor, reflexo de tabus e preconceitos (BRASIL, 2017).

O estudante está imerso a um mundo virtual, em que as informações do mundo natural e dos seres humanos são veiculadas através de vários suportes, como em vídeos, fotos, animações, blogs e outros. Entretanto o livro didático ainda hoje é o principal instrumento que os alunos utilizam para estudar, e que os docentes usam para ministrar suas aulas.

De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB):



Ressalta-se que “a educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe a formação comum indispensável para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores” (BRASIL, 1996).



Em muitas escolas, esses “meios” e instrumentos de fornecer educação são representados pelo livro didático, que se tornam um recurso de vital importância, pois são os únicos materiais impressos usados como fonte de trabalho, disponível para os alunos e professores.

A definição clássica de livro didático é descrita como sendo uma versão didatizada do conhecimento para fins escolares e/ou com o propósito de formação de valores que configuram concepções de conhecimentos, de valores e visões de mundo (LOPES, 2007).

E para que tal instrumento esteja nas mãos dos alunos é executado o PNLD (Programa Nacional do Livro Didático), que tem por objetivo levar para as escolas públicas de ensino fundamental e médio, livros didáticos e acervos de obras literárias, obras complementares e dicionários gratuitamente. O PNLD é executado em ciclos trienais alternados. Assim, a cada ano o FNDE adquire e distribui livros para todos os alunos de determinada etapa de ensino, e repõe, complementando os livros reutilizáveis para outras etapas (BRASIL, 2017).

Analisar e fazer a escolha do livro didático é importante para que o professor reconheça qual obra possui as melhores técnicas de ensinar, para que os alunos saibam realmente manusear e entender melhor o conteúdo através das explicações e ilustrações, atividades e projetos propostos, ampliando a sua compreensão e interpretação.

Assim, o professor deve buscar no livro didático as contribuições que possibilitam a ele medir a construção do conhecimento científico pelo aluno, para que este se aproprie da linguagem e desenvolva valores éticos, mediante os avanços da ciência, contextualizada e socialmente relevante (PERUZZI et al., 2000).

A importância do estudo deve-se à orientação de que os professores possam fazer uso adequado do instrumento que é ofertado nas escolas para apoio do ensino de ciências, mais precisamente no 9º ano, fase que os alunos saem do fundamental e iniciam uma etapa mais complexa que é o ensino médio.

Pensando na preocupação exposta acima de adequar o livro didático à heterogeneidade de nosso país, lança-se a problemática do estudo: “O livro didático de ciências e seus recursos estão sendo eficazes no ensino de ciências da turma do 9ª (nono) da escola campo de pesquisa”?

Desta questão norteadora tem-se o seguinte objetivo: Analisar o livro didático do 9º ano a fim de validar a sua eficiência no processo de ensino aprendizagem dos alunos, bem como detalhar a opinião de professores da turma do 9º ano quanto ao livro utilizado nas aulas de ciências.

A realização desta pesquisa engloba âmbitos social, profissional e acadêmico, abordando questões referentes ao uso do livro didático como instrumento que possibilita o auxílio na aquisição de conhecimento, relacionando-o, não apenas ao cotidiano daqueles que o utilizam, mas também do que este importante recurso tem a oferecer para a comunidade escolar.



MATERIAL E MÉTODOS

Buriti dos Lopes-PI Localiza-se a uma latitude “03º10'30" sul e a uma longitude 41º52'01" oeste,  na região Norte do estado do Piauí, a 330 quilômetros da Capital do estado, Teresina, à margem da rodovia BR/343 (IBGE, 2017).

A pesquisa foi realizada por meio da análise do livro didático e entrevista semiestruturada (BERNARD, 1988). O universo amostral da pesquisa é composto por duas docentes que lecionam Ciências no (9º A e 9º B) de uma escola pública estadual. As quais serão chamadas de “Professora X e Professora Y”, vale destacar que na sede de Buriti dos Lopes, tem apenas três escolas que são mantidas pelo governo do estado.

As entrevistas foram realizadas mediante permissão dos
entrevistados através de aceite, conhecimento e assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE), em duas vias, uma pertencente ao entrevistado e outra ao pesquisador,
visando apresentar os direitos de nosso voluntário da pesquisa, assegurando a este, que ele tem o direito de não participar ou se retirar de nosso estudo.

A pesquisa é de cunho descritivo, que segundo Costa e Costa (2014) é a mais tradicional das pesquisas. Assim, o caráter descritivo se dá por delinear as questões que contribuem para a eficácia ou inadequação do uso do livro didático, apresentando os fatos que incidem nos resultados positivos ou negativos.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

O livro didático em questão é o livro de Ciências do 9º ano da coleção Projeto Teláres, do autor Fernando Gewandsznajder, editora Ática, distribuído pelo PNLD para serem utilizados no período de 2017 a 2019. Destaca-se, que o livro está catalogado no Banco do Livro de Escolas Públicas, avaliado pelo Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). As professoras entrevistadas lembram que este recurso é um norteador da teoria e prática em sala de aula. Com ele a interação com os conteúdos fluem mais facilmente.

Segundo Penteado (2010) o livro didático é o material disponível, e de uso generalizado em nossas escolas, muitas vezes até por ser o único material impresso de que o aluno e até mesmo a escola e o professor dispõem. Assim, este é fundamental para o processo de ensino e aprendizagem, sendo mediador do conhecimento, ajudando o professor na sala de aula, sendo um recurso que estabelece um elo na sala de aula. Assim, fica ainda mais evidente que o livro didático é recurso muito importante para as escolas brasileiras, embora seja apenas um dos muitos recursos didáticos que o professor pode utilizar durante as aulas, este exerce um papel de fundamental importância na sala de aula, onde o seu uso já tem se tornado tradição e a falta deste, por muitas vezes pode implicar no retrocesso do ensino ou na falta de interação entre os conteúdos e o aluno.

Martins (2006) nota que o livro didático é um “agente cultural”, isso é ainda mais forte em comunidades pobres onde o único material impresso que os alunos tem a sua disposição é o livro didático, entretanto, este é um fator perigoso, tendo em vista, que muitas vezes o livro pode expressar a opinião do autor.

Fracalanza e Megid Neto (2006) salientam que o livro didático serve como um direcionamento na delimitação de conteúdo, na estruturação do planejamento anual e na busca de exercícios, sendo frequentemente a fonte de verdade científica para os discentes.

Bittencourt (2011) também lembra que, “os livros didáticos, os mais usados instrumentos de trabalho integrantes da ‘tradição escolar’ de professores e alunos, fazem parte do cotidiano escolar há pelo menos dois séculos”. Com isso percebe-se como este é basilar no processo de ensino e aprendizagem. Assim, muitas vezes o livro didático determina o currículo a ser seguindo, já que os conteúdos que são ministrados na sala de aula, são os que estão presente no livro.

Ao perguntar as professoras entrevistadas como elas caracterizam o uso do livro didático no processo de ensino aprendizagem, a Professora X respondeu que “o livro didático caracteriza-se como o instrumento tradicional escolar de professores e alunos. É um recurso para alunos terem mais sucesso na aprendizagem e os professores terem mais credibilidade no ensino.” Já a professora Y afirmou que é “de fundamental importância para remete o aluno a um conjunto organizado é sistemático de conteúdos adequados ao seu nível de estudo.” Assim como as professoras, Brasil (1998) também lembra do papel do livro desempenhado na sala de aula: O livro didático é um material de forte influência na prática de ensino brasileira. É preciso que os professores estejam atentos à qualidade, à coerência e a eventuais restrições que apresentem em relação aos objetivos educacionais propostos. Além disso, é importante considerar que o livro didático não deve ser o único material a ser utilizado, pois a variedade de fontes de informação é que contribuirá para o aluno ter uma visão ampla do conhecimento.

Zabala (1998) afirma que o livro didático é avaliado como um material curricular, que apesar de muitas vezes ser desprezados, acaba definindo a atividade dos docentes na sala de aula. Neste sentido, este é um recursos de ensino utilizado para garantir a aquisição dos saberes nas diferentes áreas de conhecimento.

Ao indagar as professoras se o livro adotado é de fácil leitura e entendimento por parte dos alunos, a professora X ressalta que “logo no início há uma apresentação do livro aos alunos, o que facilita o entendimento da proposta do livro, bem como as leituras que serão realizadas. E de leitura motivada por causa de imagens com demonstrações.” A professora Y lembra que “É um livro detalhado, de fácil acompanhamento pelos alunos. E de fácil leitura”. A partir da fala das docentes, percebe-se que o livro em questão se apresenta adequado para ser usado em sala de aula.

Quando questionadas acerca da importância do livro de ciências na sala de aula, a professora X ressalta que “O livro de ciências é um norteador de teoria e prática. Com ele a interação com os conteúdos fluem mais facilmente”. A professora Y salienta que é de “Grande importância, pois se torna mais fácil para os alunos o acompanhamento dos conteúdos estudados”. Corroborando com estas afirmações Pereira (2004) fala que é notório que o livro didático é uma ferramenta basilar para o trabalho docente, tendo em vista que, para muitos professores este é o único material de trabalho.

Quanto à utilização ou não do livro didático em sala de aula, a professora X ressalta que “O livro didático é um recurso de esforço, com seus textos imagens propostas de práticas o objetivo é facilitar o aprendizado e o desenvolvimento cognitivo. Ele contém objetivos, basta que o professor utilize-o de forma recomendada”. Enquanto a professora Y expõe que este “Facilita. Por que o livro utilizado inicia os conteúdos estimulando a curiosidade dos alunos, faz a utilização de atividades práticas relacionadas aos conteúdos vistos, assim como são a oferta de questionamentos teóricos e de pesquisa que os instigam a busca do conhecimento”. Assim, o livro usado na escola está de acordo com as indicações dos órgãos educacionais, na medida em que estimulam os docentes a buscam formas de facilitar a aprendizagem dos mesmos.

Barreto e Monteiro (2008) afirmam que “a presença do livro didático na sala de aula é um modo de garantir, minimamente, as referências de conteúdo e de habilidades exigidas em casa serie”. Os autores enfatizam que o livro didático exerce um papel primordial na sala de aula, pois este indica os conteúdos adequados para cada serie.

A respeito da principal função que elas atribuem ao livro didático, observe-se como resposta da professora X, “A principal função é ser recurso para o ensino aprendizagem e nunca apenas um emaranhado de textos e tarefas para ocupar os alunos”. A professora Y relatou que “Fornecer aos educandos acesso à leitura e aprendizagem. É um valioso instrumento de apoio ao trabalho do professor”. Percebe-se na fala das entrevistadas que o livro didático é um recuso muito importante na aprendizagem dos alunos.

Neste contexto, Baganha (2010) destaca que o livro didático é um elemento da cultura escolar usado para fins escolares, que reúne conteúdos organizados em unidades ou capítulos e destinados a ajudar tanto o professor na organização das suas aulas quanto o aluno no aprendizado dos conteúdos escolares. Assim, ele é considerado um “referencial curricular”, um “documento histórico” e ao mesmo tempo um “objeto físico” presente nas escolas estabelecendo diferentes relações entre professor, aluno e objeto de conhecimento. O autor ainda aponta a relevância do livro tanto para o aluno, com para os docentes, lembrar que seu uso é muito frequente. Ressalva-se que muitos professores usam o livro para estruturar suas aulas e organizar os conteúdos para cada serie, sendo assim, é conveniente que esses livros didáticos sejam analisados com muita atenção, que o momento da escola das coleções sejam feitas de forma adequado, com uma observação detalhada da organização do material, para evitar possíveis julgamentos estereotipados que não contribuem para a melhoria do seu uso.

Quando questionados sobre o papel que o livro didático exerce como mediador do conhecimento ao lado do professor e do aluno. Para a professora X “Vê-se em muitos casos que alguns professores não usam esse recurso didático na sua mediação com os alunos, pois segundo eles, apresentar atividades ou projetos inacessíveis à realidade dos alunos”. De acordo com a professora Y “A sociedade atual compreende a grande importância desta ferramenta de ensino”. Percebemos na fala das docentes dois pontos de vistas opostos, uma falar que este material tem sua importância reconhecida, enquanto a outra ressalta que muitos professores acham difícil trabalhar com este recurso, não o utilizando na sala de aula.

Nesta pesquisa buscou-se identificar quais os pontos positivos e negativos para as entrevistadas quanto ao uso do livro didático. A professora X enfatizou que “Positivos: ajuda no planejamento, norteia os conteúdos com teoria e prática, ilustra as ações, facilitando a aprendizagem. Negativos: será negativo quando for usado de forma desmotivadora: leituras sem mediação, atividades sem explicações”. Cabe ainda destacar a opinião da professora Y “Pontos positivos: organização dos conteúdos adequados e cada serie. Auxiliar o aluno na leitura, discussões e desenvolvimento do processo de ensino aprendizagem. Contribuir para o conhecimento científico dos alunos. Pontos negativos: muitas vezes professores e alunos utilizam o livro didático como único recurso disponível”.

Cada uma das colaboradas destaca um ponto diferente em relação ao livro, entretanto, vermos que as mesmas abordam que se este for usado de forma adequada, pode enriquecer a aprendizagem dos alunos, auxiliando no seu desenvolvimento.

Com relação à frequência com que é usado o livro didático em sala de aula, a professora X\ afirma que “É solicitado todos os dias para reforçar a valorização, para apontar os exemplos e outras possibilidades”. Enquanto a professora Y diz ser “Em todas as aulas”. Observa-se que o livro é muito usado nas aulas, segundo Batista (1999) este são fontes basilares na escola, pois apresentam informações impressas utilizadas por parte significativa de alunos e professores brasileiros e essa utilização intensiva ocorre quanto mais as populações escolares (docentes e discentes) têm menor acesso a bens econômicos e culturais. Os livros didáticos parecem ser, assim, por parte significativa da população brasileira, o principal impresso em torno do qual sua escolarização e letramento são organizados e constituídos.

Ao questionar as professoras sobre como elas avaliam as contribuições das ilustrações, informações, conteúdos, dentre outros aspectos, contidos no livro didático, a professora X afirma que “São as melhores alternativas que o livro pode oferecer para auxiliar os alunos a relacionar teoria e realidade”. Já segundo palavras da professora Y é “De forma positiva, pois contribuem para estimular o conhecimento e desenvolvimento dos alunos, assim como funciona como estratégia que provocam a mudança dos conceitos prévios, auxiliando-os na construção de conceitos mais elaborados com base no livro texto”. Neste contexto, Souza e Garcia (2013) lembram que o livro didático colabora na aprendizagem dos alunos, ao usar imagens fazendo com que os conteúdos de Ciências sejam trabalhados de maneira mais acessível. Com isso é notório que o livro sendo ilustrado auxilia no processo de ensino e aprendizagem.

Sob as formas com as quais avaliam o livro didático de ciências do 9° ano, em relação ao que pede os PCNS para objetivos do ensino, para a professora X, “O livro é estruturado de forma a atender os requisitos dos paramentos nota-se pelas escolhas feitas de textos na ênfase sobre determinadas questões e professores”. Segundo a professora Y “O livro utilizado está de acordo com os PCNs, pois apresenta conteúdos sistemáticos que permitem aos alunos desenvolverem competências para compreenderem o mundo em que vivem e atuarem como indivíduos conscientes de seu papel na sociedade. O livro aborda conceitos científicos associados a energia, matéria, transformações, espaço e outros compatíveis com os conteúdos abordados para esta série de estudo”.

Foi indagado às docentes se a proposta do livro didático utilizado está de acordo com a metodologia “ideal” indicada pelos teóricos da área, a professora X enfatiza que “Os teóricos da área de ciências consideram que conhecer ciências e aprender a melhor forma de usa-las é um objetivo que todos nós devemos prosseguir para melhorar as condições de vida no planeta. Percebe-se que o livro busca mostrar esse saber com seus artefatos”. Já para a professora Y “Sim, pois o livro inicia os capítulos abordando questões relacionados ao conhecimento prévio dos alunos, estimula-os a pesquisas com atividades direcionadas a consulta de outros fontes, além de encarregar o debate em sala de aula, estimulando o aluno a apresentar seus pontos de vista e avaliar sua concepção sobre o fenômeno abordando”.

Segundo a análise do livro de ciências do 9º com base nos direcionamentos dos PCN’s, constatou-se que este está bem estruturado, apresenta os requisitos dos parâmetros, possui conteúdos sistemáticos que permitem os alunos desenvolver competências para a compreensão do mundo em que vive e atuar como indivíduo consciente de seu papel na sociedade. O livro aborda conceitos científicos que se associam com a série de conteúdos adequados para os alunos do ano em questão.



CONCLUSÕES

Esta pesquisa mostrou importantes contribuições para o entendimento de como os docentes da referida escola fazem uso do livro didático de ciências em sala de aula. Verificou-se que as professoras que participaram da amostra utilizam o livro didático de maneira muito frequente, seja para preparar suas aulas, ou para realizar o planejamento anual, assim como para desenvolver suas aulas.

Com isso pode-se apontar que o PNLD, executa com êxito sua tarefa de distribuir livros de qualidades para as instituições de ensino públicas, resultado de sucesso da sua tarefa de busca uma aprimoramento no ensino e na qualidade dos livros didáticos adotados nas escolas públicas.

Observou-se que as professoras fazem uso do livro como o instrumento principal nas suas aulas, orientando as discussões e o conteúdo a ser trabalhado em cada serie. Nesta perspectiva, vale destacar que o livro didático tem grandes responsabilidades sociais, tendo em vista que muitas vezes este é o único livro os estudantes têm acesso.

Pode-se destacar que o uso do livro didático na escola constitui um elo importante no processo de ensino e aprendizagem que promove o avanço cognitivo e educacional da comunidade escolar como um todo.

Assim, pode-se verificar em todas as respostas danadas pelas as entrevistadas que o livro de Ciências do 9º ano da coleção Projeto Teláris, do autor Fernando Gewandsznajder, está de acordo com o que indica os documentos que regem a educação brasileira, com isso se este for usado de forma adequada pode proporcionar uma boa aprendizagem. Vale destacar ainda que segundo as professoras o índice de aprovação dos alunos do 9° ano é de 95%, constata-se ser um índice baixo de reprovação.



REFERÊNCIAS

BAGANHA, D. E. O papel e o uso do livro didático de ciências nos anos finais do ensino fundamental. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010



BARRETO, B. C. MONTEIRO, M. C. G. G. Professor, livro didático e contemporaneidade. Pesquisas em discurso pedagógico, n. 4. 2008.



BATISTA, A. A. G. Um objeto variável: textos, impressos e livros didáticos. In: ABREU, M.(org.). Leitura, história e história da leitura. Campinas, São Paulo: Associação de Leitura do Brasil: Fapesp, 1999.



BERNARD, H. R. (1988); Research Methods in Cultural Anthropology, Sage, Newbury Park, CA, EEUU. 520 p.



BITTENCOURT, C. M. F. Ensino de História: fundamentos e métodos. 4. ed. São Paulo:Cortez, 2011.



BORTONI-RICARDO, S. M. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.



BRASIL: Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde – Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Resoluções. Citar em destaque o titulo completo da resolução com a data de publicação. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/comissao/conep/resolucao.html. Acesso em: 24 set. 2017.



BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Introdução. Secretaria de Educação Fundamental, Brasília: MEC/SEF, 1997.



BRASIL. MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO. Guia de Livros Didáticos: ensino fundamental anos finais – ciências. Brasília: Secretaria de Educação Básica, 2016.



BRASIL. MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO. LDB – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em 27 jun., 2017.



BRASIL. MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO. PNLD – Programa Nacional do Livro Didático. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/programas/livro-didatico Acesso em 27 jun., 2017.



COSTA, M. A. F.; COSTA, M. F. B. C. Projeto de Pesquisa: entenda e faça. 5 ed. Petrópolis – RJ: Vozes, 2014.



FRACALANZA, H.; MEDIG NETO, J. Livro didático de ciências no Brasil: a pesquisa e o contexto. In: FRACALANZA, Hilário; MEDIG NETO, Jorge. (Org.) O livro didático de Ciências no Brasil. Campinas: Komedi, 2006. P.9-17.



GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.



IBGE- Institudo Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: WWW.ibge.gov.br/home/ Acesso em 27 jun, 2017.



LOPES, A. C. Currículo e Epistemologia. Ijuí: Editora Unijuí, 2007, p.205-228.



MARTINS, I. Analisando livros didáticos na perspectiva dos estudos do discurso: compartilhando reflexões e sugerindo uma agenda para a pesquisa. Pro-Posições, Campinas, v. 17, n. 1, p. 117-136, jan./abr. 2006.



PENTEADO, H. D. Metodologia do Ensino de História e Geografa. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.



PERUZZI, H. U .et.al. Livros Didáticos, Analogias e Mapas Conceituais no Ensino de Célula. In: ARAGÃO, R.M.R. de; SCHNETZLER, R.P; CERRI, Y.L.N. S (Org.). Modelo de Ensino: Corpo Humano, Célula, Reações de Combustão. Piracicaba, São Paulo: UNIMEP/CAPES/PROIN, 2000.



PEREIRA, C. M. R. B. Política pública e avaliação no Brasil: uma interpretação da avaliação do livro didático de Geografia para o Ensino Fundamental. (Dissertação de mestrado) para o curso de ciências e tecnologia da Universidade Estadual Paulista. Presidente Prudente, 2004. 93p.



SOUZA, E. L. G.; N. M. D. Livros didáticos de Ciências: a influência da cultura local sobre a escolha e uso por professores do Ensino Fundamental. Atas do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – IX ENPEC. Águas de Lindóia, SP, 2013.



ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. trad. Ernani F. da F. Rosa. Porto Alegre: ArtMed, 1998.



1

2



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Soluções e Inovações     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias