ISSN 1678-0701
Número 65, Ano XVII.
Setembro-Novembro/2018.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Soluções e Inovações     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Relatos de Experiências

16/09/2018AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA SUPERFICIAL DO LAGO ARTIFICIAL DA CIDADE DE JOÃO PINHEIRO MG  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=3366 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA SUPERFICIAL DO LAGO ARTIFICIAL DA CIDADE DE JOÃO PINHEIRO MG



Erasmo de Oliveira Mota

Graduado em Ciências Biológicas da Faculdade Cidade de João Pinheiro- FCJP, Pós-graduado em Gestão e Educação Ambiental

erasmo.oliveiramota@gmail.com



José Onicio Rosa da Silva

Graduado em Ciências Biológicas da Faculdade Patos de Minas - FPM, Pós-graduado em Gestão e Educação Ambiental.

joseonicio@gmail.com





Saulo Gonçalves Pereira

Biólogo Licenciado e Bacharel, Especialista em Didática e Docência do Ensino Superior e Gestão Ambiental, Mestre em Saúde Animal e Doutor em Ciências Veterinárias pela Universidade Federal de Uberlândia- UFU. Professor Orientador da FCJP saulobiologo@yahoo.com.br



RESUMO

É primordial que os recursos hídricos apresentem condições físicas e químicas adequadas para sua utilização pelos organismos. Eles devem conter substâncias cruciais à vida e estar equânimes de outras substâncias que possam produzir efeitos deletérios aos organismos que compõem as cadeias alimentares. Para tanto objetivou-se analisar a qualidade da água superficial do lago Dr. Antoônio Adão na cidade de João Pinheiro, através de análises físico-químicas e microbiológicas padronizadas pela portaria 2.914/2011 do Ministério da Saúde e pelo Índice de qualidade das águas (IQA) em um ponto. As amostras foram coletadas segundo os padrões e foram analisadas para verificar os parâmetros: temperatura da água, pH, Oxigênio dissolvido, Coliformes termotolerantes, Potencial hidrogeniônico - pH, Demanda Bioquímica de Oxigênio, Temperatura da água, Nitrogênio total, Fósforo total, Turbidez e Resíduo total condutividade elétrica. Atesta-se de acordo com as legislações aplicáveis e os autores da discussão que a água da Lagoa Urbana de João Pinheiro encontra-se imprópria para consumo.



Palavras-chave: Lago Artificial. Qualidade da Água. Parâmetros de Qualidade. Análises.



ABSTRACT

It is essential that the water resources present adequate physical and chemical conditions for their use by the organisms. They should contain substances crucial to life and be fair to other substances that may produce deleterious effects on the organisms that make up the food chains. The objective of this study was to analyze the quality of the water surface of the lake Dr. Antoônio Adão in the city of João Pinheiro, through physical-chemical and microbiological analyzes standardized by the Ministry of Health's 2,914 / 2011 and the Water Quality Index) at one point. The samples were collected according to the standards and were analyzed to verify the parameters: water temperature, pH, dissolved oxygen, thermotolerant coliforms, hydrogenation potential - pH, Biochemical Oxygen Demand, Water Temperature, Total Nitrogen, Total Phosphorus, Turbidity and Total Electrical Residue conductivity. It is borne in accordance with the applicable legislations and the authors of the discussion that the water of the Urban Lagoon of João Pinheiro is unfit for consumption.



Keywords: Artificial Lake. Water quality. Quality Parameters. Analyzes.



INTRODUÇÃO



O meio ambiente é um bem fundamental à existência humana e, como tal, deve ser assegurado e protegido para uso de todos, seguindo esse princípio expresso no texto da Constituição Federal de1988, artigo 225 (BRASIL, 1988).

A qualidade da água é, Segundo Tommasi (1994), um conjunto de propriedades físicas, químicas e biológicas que ela apresenta, de acordo com o seu emprego. Os padrões de classificação mais usados classificam a água de acordo com a sua potabilidade, a garantia que apresenta para o ser humano e para o bem-estar dos ecossistemas.

Aqui, trata-se de um estudo quali-quantitativo que foi realizado em um lago artificial, localizado no centro da cidade de João Pinheiro-MG. Lago esse que tem o intuito paisagístico e de lazer para a população, e também criação de peixes. Objetivou-se conhecer a qualidade da água superficial desse lago através de análises físico-químicas e microbiológicas padronizadas pela portaria 2.914/2011 do Ministério da Saúde e pelo Índice de qualidade das águas (IQA) em um ponto.

A água de carga vem de uma de uma nascente denominada “Capão da Água Limpa” localizada também dentro dos limites urbanos de João Pinheiro, o acesso da água é por queda livre. Tal curso de água insere-se na bacia do Rio São Francisco, na subbacia do rio Paracatu da microbacia do rio da Prata no estado de Minas Gerais. A área de estudo está localizada na cidade de João Pinheiro, estado de Minas Gerais, no bairro central.

Tal obra é de realização da Prefeitura Municipal, gestão 2013/2016, que teve início no mês de maio de 2016. Em torno do lago artificial existe vegetação, com árvores de grande, médio e pequeno porte, há também residências próximas do lago. O mesmo possui uma área inundada de aproximadamente 400 metros quadrados com um volume acumulado de 60000 m³. Cabe ressaltar que a área de preservação permanente está ausente.

De acordo com o projeto, entorno do lago será usado para lazer da população, desta forma é importante, mesmo que o lago não seja utilizado com balneabilidade, que se mantenha a qualidade da água desse lago, em função da condição sanitária das pessoas. Sendo assim, essa pesquisa foi realizada, para averiguar os paramentos de qualidade da água, uma vez que no decorrer no curso de água que irá abastecer o lago pode estar sujeito ao lançamento de efluentes e resíduos de toda sorte.

Segundo a resolução do CONAMA n. 430/2011, em seu artigo 2º, a “condição de qualidade das águas e a qualidade apresentada por um corpo d’água, num determinado momento, em termos dos usos possíveis com segurança adequada, frente às Classes de Qualidade”, há ainda no texto, o conceito que “classe de qualidade representa um: conjunto de condições e padrões de qualidade de água necessários ao atendimento dos usos preponderantes, atuais ou futuros” (BRASIL, 2005; 2011).

O Índice de Qualidade das Águas segundo a Agência Nacional das Águas - ANA (2004) foi criado em 1970, nos Estados Unidos, pela National Sanitation Foundation, e tem como objetivo avaliar a qualidade da água bruta, usada para o abastecimento público, após seu tratamento, porém os parâmetros utilizados no cálculo do IQA são em sua maioria, indicadores de contaminação, causados pelo lançamento de esgoto, a avalição da qualidade da água obtida pelo IQA, apresenta limitações, já que o índice não analisa vários parâmetros importantes para o abastecimento público, todavia são efetivos para determinar se é possível consumir a água sem tratamento e se pode haver uso da água para banhos e lazer (BRASIL, 2005, PORTAL DA QUALIDADE DAS ÁGUAS, 2016a;b).

E como determina a lei nº 9.433, de oito de janeiro de 1997, no Art° 1 A Política Nacional de Recursos Hídricos baseia-se nos seguintes fundamentos: I - a água é um bem de domínio público; II - a água é um recurso natural limitado, dotado de valor econômico; III - em situações de escassez, o uso prioritário dos recursos hídricos é o consumo humano e a dessedentação de animais; (BRASIL, 2005). Sendo assim, é sabido que as águas devem atender primeiramente as necessidades de consumo humano. Porém o homem em sua irracionalidade trata desses recursos de forma inadequada causando degradação, e danos irreparáveis ao meio ambiente aquático e vegetal.



material e métodos



O estudo foi dividido em duas fases. Inicialmente foi realizada a coleta das amostras em 01 ponto e de acordo com o Manual de Procedimentos de Coleta e Metodologias de Análise de Água da CETESB (CETESB, 2009). As amostras foram coletadas diretamente no lago artificial. Foi preenchida uma ficha de coleta relatando a data que foram realizadas, observando a ocorrência de chuva nas últimas 24 horas antecedentes a coleta.

No ato da coleta foram aferidos os seguintes parâmetros ainda em campo: temperatura da água, pH e a condutividade elétrica. As amostras foram coletadas na camada superficial da água, à aproximadamente 20 cm da superfície. A coleta foi realizada no período da manhã e armazenadas em frascos de polietileno de 500 mL, e imediatamente refrigeradas a 4º C e protegidas contra a luz. Posteriormente enviadas para os laboratórios “Multidisciplinar da Faculdade Patos de Minas - FPM” e CELASA, ambos de Patos de Minas, onde foi realizada as análises do IQA avaliando os paramentos: Oxigênio dissolvido, Coliformes termotolerantes, Potencial hidrogeniônico - pH, Demanda Bioquímica de Oxigênio, Temperatura da água, Nitrogênio total, Fósforo total, Turbidez e Resíduo total. Os dados foram posteriormente analisados à luz da literatura pertinente, e ainda acordo com as regulamentações portaria 430/2011 do CONAMA, Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH-MG n° 1 de maio de 2008, com a portaria 2914/2011 do Ministério da Saúde e portaria do CONAMA 430/2011.

resultados e discussão



Características Fisiográficas

A região estudada situa-se na porção noroeste do Estado de Minas Gerais, na cidade de João Pinheiro que se encontra inserida no bioma Cerrado. Possui uma área total de 10.716,960 km². O município tem relevo plano - 20%; ondulado - 40%; montanhoso - 40%. A geologia do município e da área de estudo pertence ao Grupo Bambuí, com grandes depósitos areníticos, que resultam em formas de relevo com rebordos bem marcados, além de coberturas Detríticas, caracterizadas por uma constituição areno-argilosa, sendo a primeira representada por areias finas e a segunda por argilas sílticas, localmente lateralizadas, às vezes com espessas cascalheiras como cobertura.

A região insere-se na Depressão Sanfranciscana precisamente na depressão interplanáltica com feições de aplainamento de superfícies. Nas planícies observa-se o tipo vegetacional mais prevalente que é cerradão (ARAUJO, et al., 2007).

O curso d’água em questão é um córrego denominado “Capão da Água Limpa” que nasce dentro da cidade no bairro Água Limpa, este córrego pertence a bacia do rio da Prata, na subbacia do rio Paracatu. O lago econtra-se nas seguintes coordenadas Latitude: -17.7458, Longitude: -46.1788 17° 44′ 45″ Sul, 46° 10′ 44″ Oeste. O córrego é um curso de água em do tipo estilete com menos de 5 metros de profundidade e de largura até o represamento na lagoa Dr. Antônio Adão. As figuras a seguir, apresentam a microbacia.

Figura 1: Cidade de João Pinheiro Micro bacia do Córrego do Capão da Água Limpa