ISSN 1678-0701
Número 67, Ano XVII.
Março-Maio/2019.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Uma crônica, um artigo e algumas histórias!     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Artigos

13/03/2019A EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM COMUNIDADES ESCOLARES: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE NEPOMUCENO – MINAS GERAIS  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=3614 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM COMUNIDADES ESCOLARES: um estudo de caso no município de Nepomuceno – Minas Gerais

Daiane Fernandes Pereira1, Letícia Rodrigues da Fonseca2, Leandro Costa Fávaro3

1Mestranda do Programa de Mestrado Profissional Sustentabilidade em Recursos Hídricos, Universidade Vale do Rio Verde, E-mail: daianepereira@arpariogrande.org.br

2Docente do Programa de Mestrado Profissional Sustentabilidade em Recursos Hídricos, Universidade Vale do Rio Verde, E-mail: leticia.rodrigues.vga@gmail.com

3 Mestranda do Programa de Mestrado Profissional Sustentabilidade em Recursos Hídricos, Universidade Vale do Rio Verde, E-mail: pedagogico@ead.unincor.br

Resumo: Resumo em português.

Considerando que é preciso promover uma mudança de cultura em relação ao uso dos recursos naturais com o intuito de minimizar impactos negativos para as gerações futuras, acredita-se ser fundamental a concretização da educação ambiental nas escolas, seja por meio da inserção de disciplinas no currículo escolar ou por meio de eventos e atividades que levem a reflexão e que apresentem práticas ambientais que promovam a conservação do meio ambiente. Diante deste contexto, o presente estudo buscou oferecer respostas ao seguinte questionamento: como promover a sensibilização de comunidades escolares quanto à importância da preservação do meio ambiente?. As ações contextualizadas neste trabalho se referem à Semana do Meio Ambiente que foi realizada no município de Nepomuceno – MG, entre os dias 04 a 08 de junho de 2018. Este evento foi promovido por uma mestranda e por professores orientadores do Mestrado Profissional em Sustentabilidade e Recursos Hídricos da Universidade Vale do Rio Verde – UninCor. Das ações realizadas, foram obtidos os seguintes resultados: 1 desenvolvimento de cartilha educacional; 150 cartilhas educacionais distribuídas; 5 comunidades escolares envolvidas; 500 alunos envolvidos, aproximadamente; 18 plantios de mudas de espécies florestais nativas; 2 palestras sobre conservação dos recursos hídricos; 1 palestra sobre produtos orgânicos; 2 atividades lúdicas (teatro de fantoches e teatro com a participação da comunidade de catadores da cidade); 1 concurso de desenho sobre as águas de Nepomuceno e, 1 iniciação de horta escolar com doação de sementes. Constatou-se que ao final de todas as atividades, os alunos foram capazes de compreender os cenários que justificam as ações de sensibilização quanto a importância da preservação do meio ambiente e entenderam que os problemas socioambientais de ordem mundial são decorrentes das ações da sociedade.

Abstract: Resumo em inglês

Bearing in mind the necessity to promote a culture change about the use of natural resources to minimize negative impacts on future generations, it is believed  that it is essential to achieve environmental education in schools, either through the insertion of subjects in the curriculum school or through events and activities that provoke reflection and that show environmental practices that promote its conservation. Through this context, the present study pursuit to provide answers to the following question: how to promote the awareness of school communities regarding the importance of preserving the environment? The contextualized actions in this work refer to the event called Environment Week, which was sponsored in Nepomuceno city, MG, from June 4 to 8, 2018. This Event was promoted by a student of master's degree and by professors of the Professional Master’s Program in Sustainability and Water Resources of the University of Vale do Rio Verde - UninCor. Through the carried out actions, the following results were obtained: the development of 1 educational book; 150 educational booklets distributed; 5 school communities involved; approximately 500 students involved; the plantation of 18 seedlings of native forest species; 2 lectures about the conservation of water resources; 1 lecture about organic products; 2 ludic activities (puppet theater and theater with the participation of the city's collectors community); 1 drawing contest about the waters of Nepomuceno, and 1 kitchen garden school initiation with donated seeds. In the end of all the activities, the students were able to understand the scenarios that justify the sensitization actions regarding the importance of preserving the environment and understood that the socio-environmental problems of world order are due to the actions of society.

Introdução

Os atuais problemas socioambientais conquistaram um espaço de grande relevância entre os assuntos discutidos em nossa sociedade, por serem causados em sua maior parte pela intervenção humana e, por ameaçarem não apenas o equilíbrio ecológico do planeta, mas também a existência de diversas formas de vida. No entanto, a natureza continua a ser vista como uma simples fonte de recursos, ou como um local de depósito de resíduos das atividades humanas (SILVA; REIS; AMANCIO, 2011).

Devido ao aumento da população e de suas necessidades de consumo, surgiram as indústrias que cresceram em suas áreas de atuação, oferecendo uma grande variedade dos produtos. Entretanto, pouco se refletiu sobre o impacto deste crescimento no meio ambiente e sobre como conseguir um desenvolvimento sustentável. Segundo Milaré (2005), a renovação de alguns recursos naturais está comprometida, ao comparar o meio ambiente com uma empresa, conclui-se que este estaria à beira da falência devido à destruição do capital que seria constituído pelos seus recursos naturais.

Para Gryxinski (2006), o homem está retirando da natureza mais do que ela pode oferecer, e apresenta cinco recursos que se encontram em situação crítica: (1) água: ameaça de esgotamento das fontes de água limpa; (2) mudança climática; (3) perda da biodiversidade; (4) poluição; (5) redução dos recursos energéticos. Logo, se esta postura permanecer, o planeta ficará cada vez mais degradado e o crescimento cada vez mais insustentável.

Considerando que é preciso promover uma mudança de cultura em relação ao uso dos recursos naturais com o intuito de minimizar impactos negativos para as gerações futuras, acredita-se ser fundamental a concretização da educação ambiental nas escolas, seja por meio da inserção de disciplinas no currículo escolar ou por meio de eventos e atividades que levem a reflexão e que apresentem práticas ambientais que promovam a conservação do meio ambiente.

Diante deste contexto, o presente estudo buscou oferecer respostas ao seguinte questionamento: como promover a sensibilização de comunidades escolares quanto à importância da preservação do meio ambiente? Já, como principais objetivos, buscou-se: descrever a forma em que se realizou a Semana do Meio Ambiente nas comunidades escolares do município de Nepomuceno, com o intuito de sensibilizar os alunos quanto à importância de se gerar menos resíduos sólidos para conservação dos recursos hídricos; descrever como é possível apresentar práticas ambientais conservacionistas por meio de atividades lúdicas e educacionais.

Espera-se que este estudo possa subsidiar a realização de ações semelhantes em outras comunidades e envolvendo diversas instituições de ensino, para que a educação ambiental possa ser efetivada nos ambientes escolares de forma significativa, por meio de diferentes recursos metodológicos, segundo a perspectiva da aprendizagem transformadora.

Referencial Teórico

Desenvolvimento Sustentável

Ao longo dos anos, as organizações vêm procurando desenvolver práticas ambientalmente salubres. Este contexto é conduzido pelo desenvolvimento da legislação ambiental que regulamenta as atividades empresariais quanto ao uso de recursos e serviços ambientais, pela maior cobrança da sociedade que exige a redução e compensação dos impactos gerados pelas empresas, pelos investidores que buscam minimizar seus riscos e pelo próprio mercado, pois as questões ambientais se tornaram importantes para a competitividade. Contudo, o grande desafio é transformar esta preocupação em ações administrativas e operacionais efetivas (BARBIERI, 2007; FUSS; VASCONCELOS BARROS; POGANIETZ, 2018).

Devido a este momento, surge um novo paradigma de desenvolvimento que é sustentável, para conciliar o desenvolvimento econômico com a preservação ambiental e possibilitar boas relações sociais (ASEFI; LIM, 2017). Busca-se o desenvolvimento em harmonia com as limitações ecológicas do planeta para que as gerações futuras tenham a chance de existir e viver bem, de acordo com as suas próprias necessidades (SANTOS et al., 2011)

Esta perspectiva traz contribuições para a superação do entendimento radical proposto pela modernidade para a relação entre as atividades humanas, econômicas e os sistemas naturais, ao defender que uma economia próspera depende de uma ecologia saudável e vice-versa (GLADWIN; KENNELLY; KRAUSE, 1995).

O desenvolvimento centrado na sustentabilidade pode ser compreendido como uma síntese que busca a integração entre as ideias antropocêntricas que visualizam a natureza como um recurso econômico e ecocêntricas, que defendem que os recursos naturais devem ser utilizados apenas para satisfazer as necessidades de subsistência da humanidade, não comprometendo assim o meio ambiente. Este paradigma considera o inter-relacionamento mutuamente influenciado entre humanidade e natureza. Um fenômeno natural pode afetar a humanidade, assim como uma ação humana pode afetar a natureza e, para se obter uma economia próspera, é necessário conciliar a necessidade de desenvolvido com a necessidade de um meio ambiente saudável (SILVA; REIS; AMÂNCIO, 2011).

Sendo assim, a sustentabilidade passa a ser definida como uma estratégia de desenvolvimento que resulta na melhoria da qualidade da vida humana e na minimização simultânea dos impactos ambientais negativos. Surge então a visão conexa e holística dos aspectos de desenvolvimento social, crescimento econômico e proteção ambiental, que devem ser considerados no momento do estabelecimento das estratégias de gestão (MEADOWS; MEADOWS; RANDERS, 1992; SACHS, 1993; FUSS; VASCONCELOS BARROS; POGANIETZ, 2018).

Estes três aspectos ou dimensões da sustentabilidade – social, ambiental e econômica – originaram-se a partir da ideia de desagregação do conceito de desenvolvimento sustentável (ASEFI; LIM, 2017; FUSS; VASCONCELOS BARROS; POGANIETZ, 2018).

O aspecto social envolve habitação, educação, saúde e segurança do capital humano de uma empresa ou sociedade. Trata-se de buscar alternativas para o desenvolvimento social da região na qual a empresa exerce as suas atividades. O aspecto ecológico ou ambiental é o capital natural de uma empresa. Compreende a proteção e gestão dos recursos renováveis a fim de amenizar os impactos. Já, o aspecto econômico, envolve a análise de temas relacionados à produção, distribuição e consumo de bens e serviços que devem considerar os outros dois aspectos (BECKER et al., 2011).

Portanto, os três aspectos ou dimensões da sustentabilidade são complementares, e não devem ser trabalhados separadamente. Por exemplo, uma empresa não pode lucrar e promover ações sociais ao mesmo tempo em que provoca a devastação do meio ambiente (ASEFI; LIM, 2017).

Educação Ambiental

A Educação Ambiental (EA) é discutida desde a década de 1970 por meio de conferências e reuniões para deliberação de conceitos, princípios e objetivos para sua implantação, e após o desenvolvimento de suas diretrizes, passou a “integrar” os currículos educacionais com ressalva a sua implementação de maneira transversal, multidisciplinar e interdisciplinar (LIMA, 2015).

Entretanto, a EA no Brasil só foi introduzida formalmente em 1999 pela Lei da Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA), tornando-se assim, o único país da América Latina a apresentar uma política específica para a EA (DIAS, 2004).

A lei de Política Nacional de Educação Ambiental entende a EA como:

Art. 1º Entendem-se por educação ambiental os processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade (BRASIL, 1999).

Para Dias (2004) a evolução dos conceitos de EA esteve diretamente relacionada à evolução do conceito de meio ambiente e ao modo como este era percebido, sendo que as definições de EA se completam, entendendo assim que não existe um conceito padrão.

O combate à visão unilateral e unidisciplinar do ambiente é um dos avanços alcançados ao longo das últimas décadas no Brasil, sendo este um dos objetivos centrais da EA através da Lei 9.795/999:

Buscar o desenvolvimento de uma compreensão integrada do meio ambiente em suas múltiplas e complexas relações, envolvendo aspectos ecológicos, psicológicos, legais, políticos, sociais, econômicos, científicos, culturais e éticos (BRASIL, 1999, ARTIGO 5º, INCISO I).

Há uma relação de interligação entre meio ambiente e sociedade, assim faz-se necessário uma educação pautada em princípios de justiça e igualdade, para a obtenção de uma sociedade sustentável.

Logo, meio ambiente e sociedade estão intimamente interligados, e a busca por uma sociedade ambientalmente equilibrada só se dá simultaneamente com a busca de uma sociedade justa, igualitária e democrática (RUSCHEINSKY, 2009).

Grandes empresas, para atenderem suas demandas, utilizam de maneira irracional os recursos naturais, provocando a degradação do meio ambiente e a geração de uma má qualidade de vida da população em geral.

Sendo assim, é preciso encontrar formas alternativas para diminuir os impactos causados no ambiente, pois viver em um espaço equilibrado é uma garantia constitucional de cada indivíduo.

A ação de educar e conscientizar as pessoas sobre a inter-relação entre solo, água, ar e seres vivos, é uma grande estratégia para atingir o objetivo de se ter cidadãos mais comprometidos com o futuro do planeta. Desta forma, como ressaltado por Milaré (2015), a educação ambiental deve ser vista como uma atividade-fim, pois se destina a despertar e formar a consciência ecológica para o exercício da cidadania. Não se trata de panaceia para resolver todos os males, é um instrumental valioso para a geração de atitudes, hábitos e comportamentos que concorrem para garantir o respeito ao equilíbrio ecológico e a qualidade do ambiente como patrimônio da coletividade.

Ainda, a EA se apresenta como essencial à educação, uma vez que se explicita formalmente na obrigatoriedade constitucional ao ser incluída nos Parâmetros Curriculares Nacionais e na Lei Federal que define a Política Nacional de Educação Ambiental (Lei 9.795/1999). Estes instrumentos legais e documentos governamentais permitem assegurar a temática em um caráter transversal e indissociável da política educacional brasileira (FURTADO, 2009, p.346).

Metodologia

Considerando os objetivos propostos neste estudo, optou-se por realizar uma pesquisa de abordagem qualitativa de natureza aplicável. Para Berg (2001), a pesquisa qualitativa responde perguntas pela investigação de ambientes sociais e possibilita ao pesquisador compartilhar das compreensões e percepções dos indivíduos que habitam esses ambientes por meio da interpretação do comportamento das pessoas e dos significados que elas atribuem às situações vivenciadas.

Para coleta e análise dos dados fez-se uso da observação sistemática que se trata de um método que possibilita a compreensão do funcionamento de determinada atividade ou tarefa. Por meio deste método, é possível entender as etapas, os procedimentos e os resultados obtidos em cada atividade. Os dados coletados por meio da observação são registrados em um Diário de Campo para análise posterior (MARROUN; YOUNG, 2017).

A coleta de dados ocorreu no período de 04 a 08 de julho de 2018 quando ocorreu a Semana do Meio Ambiente, no município de Nepomuceno localizado no estado de Minas Gerais. Participaram deste evento aproximadamente 500 estudantes regularmente matriculados na educação básica (ensino fundamental).

Resultados

As ações contextualizadas nesta seção se referem à realização da Semana do Meio Ambiente, no município de Nepomuceno, Minas Gerais, promovida por uma mestranda e professores orientadores do Programa de Mestrado Profissional Sustentabilidade em Recursos Hídricos da Universidade Vale do Rio Verde - UNINCOR. As atividades e metodologias que foram utilizadas estão apresentadas no quadro abaixo conforme cronograma de atividades:

Quadro 1 – Atividades realizadas na Semana do Meio Ambiente em Nepomuceno-MG

Data

Atividade

Local

Metodologia

04/06/2018

Apresentação do concurso de desenhos com o tema “a água na minha cidade”

Coreto da cidade

Concurso de desenhos proposto pela equipe uma semana antes do evento, e que envolveu todos os alunos do Núcleo Educacional Dona Henriqueta Rafael de Menezes – Curumim.

05/06/2018

Plantio de mudas

Concha Acústica

A equipe organizadora recebeu a doação de mudas de ipê roxo e amarelo do Vereador do município. Para o plantio, foi disponibilizado um servidor da prefeitura para fazer as covas, espaçamentos e irrigação. As crianças ajudaram na realização do plantio.

Horta Escolar – iniciação do projeto, doação de sementes e palestra sobre produtos orgânicos

Escola Municipal Antônia Garcia Vilela

Foi realizada uma breve explanação pelos integrantes convidados do Núcleo de Estudos da UFLA (Universidade Federal de Lavras) sobre alimentos orgânicos com a distribuição de cartilhas sobre o tema que os mesmos disponibilizaram. Ofereceu-se ainda, sementes para a horta escolar que foi iniciada posteriormente, com o auxílio do Secretário de Meio Ambiente

06/06/2018

Teatro de fantoches e exposição de animais empalhados, realizado pela Polícia Militar do Meio Ambiente

Escola Municipal Prefeito Ribeiro Neto

A equipe organizadora convidou a Polícia Militar do Meio Ambiente da região para realizar as atividades.

Palestra “importância da conservação dos recursos hídricos” e distribuição de cartilha

Escola E. Coronel Joaquim Ribeiro

Palestra realizada pela mestranda em Sustentabilidade em Recursos Hídricos, integrante da equipe organizadora. Entrega da cartilha elaborada pela aluna em parceria com a Agência Regional de Proteção Ambiental da Bacia Rio Grande- ARPA Rio Grande.


07/06/2018

Teatro realizado pelos catadores do RECICLANEP e apresentação do resultado final do Concurso de Desenhos

Núcleo Educacional Dona Henriqueta Rafael de Menezes - Curumim

Foram convidadas as catadoras da RECICLANEP – Cooperativa de catadores de materiais recicláveis de Nepomuceno para realizar o teatro.

Nesse mesmo dia, foram apresentados os alunos que conquistaram o 1º e 2º lugar no concurso de desenhos.

Palestra “importância da conservação dos recursos hídricos” e distribuição de cartilha

Colégio Losango

Ocorreu novamente a palestra e a distribuição de cartilhas.

08/06/2018

Exposição do concurso de desenhos com o tema “a água na minha cidade”.

Praça Central

Exposição dos desenhos do concurso realizado no Curumim.







































Fonte – Elaborado pelos autores

Concurso e Exposição de Desenhos

Inicialmente, na semana anterior a este evento, foi proposto pela equipe organizadora um concurso de desenho aos alunos do Núcleo Educacional Dona Henriqueta Rafael de Menezes – Curumim, cujo tema foi: a água na minha cidade. Essa atividade de percepção ambiental por meio de desenhos foi desenvolvida dentro da própria escola e contou com a participação de 70 alunos com faixa etária entre 6 e 14 anos. Optou-se por iniciar com este tipo de atividade, devido a existência de autores que acreditam que a percepção ambiental deve ser uma etapa prévia em programas de educação ambiental, enquanto outros corroboram com a ideia afirmando que este processo é uma das etapas iniciais destes programas (BORTOLON; MENDES, 2014).

Alguns desenhos realizados apresentaram o meio ambiente segundo uma visão conservadora, representando apenas o meio natural, enquanto outros apresentaram elementos da vida cotidiana dos seus autores como prédios, ruas, casas, meios de transporte, conforme uma visão da Educação Ambiental Crítica, na qual o meio ambiente não apresenta apenas concepções naturais, mas entrelaça com as condições sociais, culturais e econômicas que envolvem o indivíduo.

Posteriormente, no primeiro e último dia do evento, realizou-se a exposição desses desenhos no Coreto e na Praça central da cidade, o que permitiu a transcendência da educação ambiental para além das comunidades escolares e a sensibilização dos cidadãos do município de Nepomuceno.

Plantio de Mudas

No segundo dia, foi realizado o plantio de mudas na Concha Acústica da cidade. Para isso, a equipe recebeu doações de mudas de Ipê Roxo e Amarelo de um Vereador do município e foi disponibilizado um servidor da prefeitura para fazer as covas, o espaçamento e a irrigação. Essa ação contou com a participação de 22 alunos do 4º ano da Escola Prefeito Ribeiro Neto e 26 alunos da escola Losango do 5º ano. A participação dos alunos das escolas foi fundamental para o desenvolvimento da atividade, uma vez que os mesmos mostraram-se sentir parte do meio ambiente por meio de suas contribuições, cooperando para revitalização em beneficio de um local público.

Atividades práticas de preservação ambiental como esta desenvolvida são fundamentais para a formação da conscientização das crianças e alcance da sustentabilidade (BORTOLON; MENDES, 2014).

Horta Escolar, Explanação e Distribuição de Cartilhas sobre Alimentos Orgânicos

Ainda no segundo dia, na Escola Municipal Antônia Garcia Vilela, foi realizada uma breve explanação pelos integrantes convidados do Núcleo de Estudos da Universidade Federal de Lavras – UFLA às duas turmas de 4º ano sobre alimentos orgânicos, com a distribuição de cartilhas sobre o tema. Estes também doaram as sementes para a horta escolar que foi constituída com o auxílio do Secretário do Meio Ambiente. Segundo Silva e Fonseca (2011), as hortas em escolas urbanas trabalham a educação ambiental com a educação em saúde de forma transdisciplinar, contribuindo para a ampliação da compreensão das atividades agrícolas como pertinentes para o espaço escolar urbano.

Teatro de Fantoches e Exposição de Animais Empalhados

No dia seguinte, a Polícia Militar do Meio Ambiente promoveu na Escola Municipal Prefeito Ribeiro Neto, para cerca de 300 crianças entre 06 a 10 anos, um teatro de fantoches e uma exposição de animais empalhados, explicando de forma lúdica a importância da preservação dos recursos naturais e da biodiversidade.

Apesar de serem crianças, quase não houve dispersão da atenção, e ocorreu uma boa interação entre elas e os interlocutores. Ao final, concluiu-se que a apresentação do teatro de fantoches foi benéfica para as crianças e atingiu o seu objetivo principal de sensibilizá-las sobre a importância da preservação ambiental, a partir de suas próprias conclusões.

Assim, no trabalho da educação ambiental, atividades lúdicas como o fantoche podem contribuir para a aprendizagem das crianças, pois possibilitam a assimilação e geração de interesse pelos assuntos ambientais. Portanto, a sua incorporação nas atividades escolares pode ser de grande valia para se promover esta sensibilização (RIGODANZO et al, 2013; BALDIN et al, 2010).

Palestra “Importância da Conservação dos Recursos Hídricos” e Distribuição de Cartilhas

Em continuidade às atividades do terceiro dia, na Escola E. Coronel Joaquim Ribeiro, foi ministrada pela mestranda a palestra: “A Importância da Conservação dos Recursos Hídricos: Águas de Nepomuceno” para as duas turmas do 6º ano, totalizando 70 alunos. A palestra abordou a disponibilidade hídrica no Planeta e no Brasil, e de forma sucinta, falou-se sobre a as matas ciliares e resíduos sólidos. Como parte da palestra, foi exibido ainda, um vídeo sobre o Programa Produtor de Água (ANA, 2014). Também foi discutido o ciclo da água, o conceito de bacia hidrográfica contemplando o Ribeirão Sapê e Rio Servo, ambos pertencentes ao município. Apresentou-se dicas sobre economia de água e se falou sobre o seu tratamento por meio das Estações de Tratamento de Água, conhecidas com ETAs.

No encerramento da palestra, foram distribuídas cartilhas sobre os assuntos abordados de forma a fixar o conteúdo abordado. A cartilha foi desenvolvida especialmente para o evento pela mestranda com o auxilio dos professores orientadores, e continha ilustrações e linguagem adequada para alunos de ensino fundamental. A cartilha funciona como ferramenta para a educação ambiental, servindo como material didático ao aprendizado sobre a conservação dos recursos hídricos e que está adequado à realidade do município daqueles jovens. Ações pedagógicas deste tipo, contribuem para reverter algumas das causas da degradação ambiental mundial e auxiliam na busca de por soluções para se obter uma sociedade mais equilibrada (ANDRADE; FERNANDES, 2017).

Teatro sobre Resíduos Sólidos

No penúltimo dia, quinta-feira, as catadoras da Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis de Nepomuceno – RECICLANEP, realizaram um teatro no Núcleo Educacional Dona Henriqueta Rafael de Menezes - Curumim. O teatro demonstrou a importância da coleta seletiva e da reciclagem para o meio ambiente. Também foram realizadas atividades com premiação de brindes para aqueles alunos que acertassem a separação dos resíduos sólidos.

As atividades propostas demonstraram ser importantes ferramentas de reflexão que contribuem para a construção de uma ideia de lixo mais compatível com a nova tendência mundial, e que perpetuará mesmo depois do encerramento da atividade. Trindade (2011) sustenta que atividades como essas propiciam uma série de situações desejáveis e necessárias: a reflexão de forma individual e também coletiva; propicia uma nova visão sobre a cultura do consumismo; propicia a percepção sobre a necessidade da separação e reciclagem do lixo, assim como o seu impacto para o meio ambiente e todos os benefícios quando o mesmo é reutilizado.

As atividades realizadas neste dia foram transmitidas pela DTTV Nepomuceno, emissora local. Posteriormente, ocorreu a palestra “Importância da Conservação dos Recursos Hídricos” e a destruição de cartilhas para 62 alunos do Colégio Losango, turmas do 4º e 5º ano.

Tabela 01: Resultados da Semana do Meio Ambiente em Nepomuceno-MG

Fonte: Elaborada pelos autores.

Conclusões

Acredita-se que “o aluno é um sujeito capaz de interpretar, problematizar, dialogar, compreender e construir conhecimento” (LUCKESI, 1993, p.114). Assim, um trabalho de ensino e aprendizagem como este que foi realizado, nos remete àquilo que prepondera Cribb (2010), ao abordar questões relacionadas às alternativas curriculares, sobretudo como possibilidade de contribuição para a emancipação social. De acordo com o autor, o currículo não é apenas uma lista de conteúdos a serem ministrados para um determinado grupo de sujeitos, mas uma criação cotidiana daqueles que fazem as escolas, e como prática, envolve todos os saberes e processos interativos do trabalho pedagógico realizado por educadores.

Estas atividades que foram realizadas, apresentaram alguns desafios que poderemos enfrentar com a degradação ambiental e revelaram outras formas de observar e se relacionar com o meio ambiente, permitindo o questionamento da falsa realidade que impede o homem de estabelecer uma relação mais harmoniosa com a natureza.

Constatou-se que ao final de todas as atividades, os alunos foram capazes de compreender os cenários que justificam as ações de sensibilização quanto a importância da preservação do meio ambiente e entenderam que os problemas socioambientais de ordem mundial são decorrentes das ações da sociedade.

Percebeu-se que as reflexões e discussões ultrapassaram os limites da sala de aula, atingindo as famílias dos estudantes e indiretamente, parte significativa da comunidade. Crianças relataram conversas com familiares e conhecidos. Via-se interesse de membros externos da comunidade escolar em participar das atividades promovidas.

Compreendeu-se ainda, que práticas educativas articuladas com a EA não devem ser vistas como um adjetivo, mas como parte componente de um processo educativo que reforce o pensar da educação, orientado para a reflexão do tema num contexto de crise ambiental, de crescente insegurança e incerteza, face aos riscos produzidos pela sociedade global (CASTOLDI; BERNARDI; POLINARSKI, 2009).

As atividades desenvolvidas durante a Semana do Meio Ambiente do município de Nepomuceno contribuíram também para a compreensão da necessidade de se conservar os ecossistemas, os recursos hídricos e de se reaproveitar os resíduos sólidos. Logo, este evento por meio de suas atividades, possibilitou aos alunos a aquisição de novos valores e a mudança de suas atitudes quanto ao meio ambiente.

Bibliografia

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (ANA). Programa Produtor de Água. Youtube, 13 jul. 2014. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ATy335tjlIM. Acesso: 10 out. 2018.

ANDRADE, D. B.; FERNANDES, M. L. O. Construindo escola sustentável: elaboração e utilização de cartilha como ferramenta de educação ambiental. Revista eletrônica EcoDebate. Jun, 2017.

ASEFI, H.; LIM, S. A novel multi-dimensional modeling approach to integrated municipal solid waste management. Journal of Cleaner Production. v. 166, p. 1131–1143, 2017.

BALDIN et al. Teatro de Fantoches e Educação Ambiental: A importância pedagógica dessa relação. Educação Ambiental em Ação, n. 34, dez, 2010.

BARBIERI, J. C. Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2007. 382 p.

BECKER, D. V.; ÁVILA, L. V.;NASCIMENTO, L. F. M.; MADRUGA, L. R. R. G. Educação para a sustentabilidade no ensino superior: o papel do docente na formação do administrador. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental Santa Maria, v. 19, n. 3, set-dez. 2015, p. 615-628 Revista do Centro de Ciências Naturais e Exatas – UFSM.

BERG, B.L. Qualitative Research Methods for the social sciences. California: Allyn & Bacon, 2001.

BORTOLON, B.; MENDES, M. S. S. A importância da Educação Ambiental para o alcance da Sustentabilidade. Revista Eletrônica de Iniciação Científica, Itajaí, v. 5, n. 1, p. 118-136, 2014.

BRASIL. Lei nº 9795 – 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental. Política Nacional de Educação Ambiental. Brasília, 1999. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm.>. Acesso em: 06 out. 2018.

CASTOLDI, R.; BERNARDI, R.; POLINARSKI, C. A. Percepção dos problemas ambientais por alunos do ensino médio. Revista Brasileira de Ciências, Tecnologia e Sociedade, v. 1, n. 1, p. 56-80, 2009.

CRIBB, S. Contribuições da educação ambiental e horta escolar na promoção de melhorias ao ensino, à saúde e ao ambiente. Ensino, Saúde e Ambiente, v. 3, n. 1, 2010.

DIAS, G. F. Educação Ambiental: princípios e práticas. 9 ed. São Paulo: Gaia, 2004.

FURTADO, D. J. Os caminhos da educação ambiental nos espaços formais de ensino-aprendizagem: qual o papel da política nacional de Educação Ambiental? Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient. ISSN 517-1256, v. 22, janeiro a julho de 2009.

FUSS, M.; VASCONCELOS BARROS, R. T.; POGANIETZ, W. Designing a framework for municipal solid waste managementtowards sustainability in emerging economy countries - An application to a case study in Belo Horizonte (Brazil). Journal of Cleaner Production. v. 178, p. 655-664, 2018.

GLADWIN, T. N.; KENNELLY, J. J.; KRAUSE, T. S. Shifting paradigms for sustainable development: implications for management theory and research. Academy of Management Review, New York: v. 20, n. 4, p. 874-907, Oct. 1995.

GRYZINSKI, V. Perigo real e imediato. Veja, edição 1926, ano 38, nº 41, p. 8487, 12 de out. 2006.

LIMA, G. P. Educação ambiental crítica: da concepção à prática. Revista Sergipana de Educação Ambiental, v. 1, n. 2, p. 33-54, 2015.

LUCKESI, C. C. Filosofia da educação coleção magistério 2ºgrau. Série formação do professor. 21 Ed. São Paulo: Cortez, 1993.

MARROUN, S.; YOUNG, L. Multi-method Systematic Observation: Theory and Practice. Collaborative Research Design: Working with Business for Meaningful Findings, Singapore, v. 55, n. 1, p.195-211, 28 set. 2017.

MEADOWS, D.; MEADOWS, D.; RANDERS, J. Más allá de los límites del crecimiento. Madrid: Aguilar, 1992.

MILARÉ, E. Direito do Ambiente. 4. ed., São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2005.

RIGODANZO, S. I. et al. Teatro de Fantoches Como Ferramenta De Educação Ambiental. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 5, n. 3, 2013.

RUSCHEINSKY, A. Educação ambiental. Penso Editora, 2009.

SANTOS, A. S. R dos. Educação ambiental e o poder público.2000.

SACHS, I. Estratégias de transição para o século XXI: desenvolvimento e meio ambiente.São Paulo: Stúdio Nobel, Fundap.1993.

SANTOS, J. G.; FERREIRA, C. E. V.; RAMALHO, A. M. C.; MACEDO, N. M. M. N. A importância das cooperativas de reciclagem na gestão dos resíduos sólidos urbanos: um estudo em uma cooperativa de Campina Grande – PB. In: XIV Seminário em Administração, 2011, São Paulo.

SILVA, S. S. da; REIS, R. P.; AMÂNCIO, R. Paradigmas ambientais nos relatos de sustentabilidade de organizações do setor de energia elétrica. RAM, Rev. Adm. Mackenzie, v.12, n.3, Edição Especial, São Paulo, SP: maio/jun. p.146-176, 2011.

SILVA, E. C. R.; FONSECA, A. B. Hortas em escolas urbanas, Complexidade e transdisciplinaridade: Contribuições para a Educação Ambiental e para a Educação em Saúde. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 11, n. 3, p. 35-54, 2011.

TRINDADE, N. A. D. Consciência ambiental: coleta seletiva e reciclagem no ambiente escolar. Enciclopédia Biosfera, v. 7, n. 12, p. 1-15, 2011.





" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Uma crônica, um artigo e algumas histórias!     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias