ISSN 1678-0701
Número 67, Ano XVII.
Março-Maio/2019.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Uma crônica, um artigo e algumas histórias!     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Artigos

13/03/2019ENSINO POR INVESTIGAÇÃO NA EDUCAÇÃO DO CAMPO COM PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL AMBIENTAL  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=3626 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

ENSINO POR INVESTIGAÇÃO NA EDUCAÇÃO DO CAMPO COM PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL AMBIENTAL



Jeová Moraes de Melo

jeovajpt@hotmail.com

Licenciado em Pedagogia, aluno do curso de Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Desenvolvimento – IFPA – Bragança- Pará



Luiz Rocha da Silva

luiz.rocha@ifpa.edu.br

Doutor Em Educação em Ciências e Matemática – UFMT Docente e orientador do Programa de Pós–Graduação em Ciências Ambientais IFPA - Bragança - Pará

RESUMO: A Educação Ambiental Patrimonial na Escola do Campo aqui tratada como uma ferramenta aplicada a pesquisa, como princípio educativo e investigativo na prática escolar durante as atividades pedagógicas do professor do campo, buscando relacionar saberes locais de cidadania e fazeres dos grupos sociais no campo.

Palavras-chaves: Ambiente, Educação do campo, Pesquisa ambiental, Patrimônio e Cultura.

ABSTRACT: The Patrimonial Environmental Education in the School of the Field here treated as a tool applied to research as an educational principle and investigated in the school practice during the pedagogical activities of the field teacher seeks to relate local knowledge of citizenship and social groups of the field.

Keywords: Environment, Field education, Environmental research, Heritage and Culture.

INTRODUÇÃO

O enfoque deste ensaio é demonstrar a investigação das práticas da Educação Patrimonial Ambiental e suas vias de aplicabilidade na educação do Campo na comunidade de Laranjal, Município de São João de Pirabas. Envolve escola e sociedade em relações de interação entre situações problemas, pesquisa, conhecimento e reconhecimento da comunidade; como algo realmente importante tanto em caráter coletivo, como individual, local e global.

Consideramos importante busca nos pressupostos da Educação Ambiental, saberes já construídos para estudar e disseminar o conhecimento científico acerca dos projetos de Educação Patrimonial Ambiental do Campo fazem parte da fundamentação desta pesquisa. No contexto dos saberes e práticas do campo em andamento, e a consequente produção de novos conhecimentos fundamentados na realidade local das escolas investigadas, e cujos resultados das experiências podem ser utilizados em atividades práticas de Educação Ambiental na escola da comunidade do campo.

Frente a essas afirmativas entende-se que a necessidade de uma Educação Patrimonial Ambiental na escola do Campo como contexto pedagógico crítico, pode convalidar as práticas da pesquisa pela educação no ambiente da escola do Campo, contribuindo na formação para a cidadania e para a preservação do meio ambiente.

Os princípios das problematizações apresentadas como propostas investigativas devem tratar das questões ambientais nas diferentes perspectivas como, por exemplo, os mitos e religiosidade, o contexto e as crenças respeitando seu espaço cultural e natural como Patrimônios. Não ariscamos aqui definir Educação Patrimonial Ambiental do Campo, mas consideramos que esta educação deverá fazer sentido, quando se levam em conta os contextos diversos do povo do campo.

Neste estudo, investigou-se o projeto de Educação Ambiental por um professor do campo, buscando apresentar propostas da inserção da Educação Patrimonial Ambiental do Campo e seus princípios epistemológicos nas práticas do professor, como princípio didático interdisciplinar, cuja utilização de suas metodologias, com o ensino pela pesquisa, podem tornar o ensino sobre Meio Ambiente na Escola do Campo mais dinâmico na configuração escolar; como acontece nas práticas de forma compartilhada e valorizada dos conhecimentos ou saberes do professor, dos alunos e da comunidade.

Ao se refletir sobre algumas “Tendências”, destaca-se aqui a importância de colocá-las em movimento, relacionadas com as peculiaridades educativas, considerando-as no processo de construção da escola. Frente as suas potencialidades, as inter-relações, complementaridades e as relações com a educação ambiental pode-se destacar especialmente uma: a Educação Patrimonial Ambiental do Campo assentada na ligação entre os elementos bióticos e abióticos que compõe o planeta, sendo necessária a construção de uma cultura de preservação, na qual o homem passe a desfrutar de uma nova percepção e relação com o meio ambiente, o qual lhe proporciona a produção e a qualidade de vida.

Na perspectiva de uma Educação Patrimonial Ambiental do Campo percebe-se que o educador precisa estar sintonizado com a realidade local, envolver a escola e os alunos com as percepções do homem do campo, o modo de produção, como ele pensa e suas perspectivas. Utilizando assim, o seu “conhecimento social” que é resultado do seu cotidiano, nos projetos e na ação pedagógica, que podem ser problematizadas e pesquisadas na prática educativa.

MÉTODO DA INVESTIGAÇÃO

Neste estudo nos arriscamos a apresentar pressupostos que podem subsidiar a Educação Patrimonial Ambiental do Campo, na qual o ponto fundamental foi a investigação e a discussão sobre os projetos e a prática de Educação Ambiental e a narrativa do professor na Educação do Campo. Direcionou-se a uma escola que promove a conscientização acerca dos problemas ambientais cotidianos, a compreensão do meio socioambiental, a fim de favorecer mudanças de comportamentos e atitudes.

Nos arriscamos aqui adaptar e transformar e enumerar alguns princípios da Educação Ambiental, como princípios para utilizá-los na Educação Patrimonial Ambiental no Campo. Neste sentido, podemos descrever uma educação ambiental com característica interdisciplinar. Uma educação em que o ambiente e a cultura têm caráter culturais, científicos, sociais e naturais que podem ser utilizados como situações indicadoras de problemas, que podem ser investigados pela escola do campo.

Nesse estudo, buscou enumerar alguns princípios universais e fundamentais que ao nosso ver podem ser adaptados e aplicados nas práticas da Educação Patrimonial Ambiental na escola Campo:

  1. A Educação Patrimonial Ambiental do Campo deve conceber o ser humano em seu ambiente natural, social, político e cultural podendo transformá-lo e construí-lo de acordo com suas necessidades;

  2. Na Educação Patrimonial Ambiental do Campo o ser humano é patrimônio do meio, portanto, depende da preservação da teia natural, social e política;

  3. A Educação Patrimonial Ambiental do Campo valoriza o conceito de pertença em função da cidadania ambiental e da concepção de natureza;

  4. A Educação Patrimonial Ambiental do Campo deve interagir com várias naturezas de pensamentos, sujeitos e conhecimentos que favoreçam a compreensão do conceito de ambiente patrimonial;

  5. A Educação Patrimonial Ambiental do Campo deve valorizar as histórias de vida, os mitos, a religiosidade e a cultura de um povo ou comunidade;

  6. A Educação Patrimonial Ambiental do Campo trata das questões e problemas do ambiente considerando causas e inter-relações em uma perspectiva complexa;

  7. A Educação Patrimonial Ambiental do Campo compartilha das aspirações das diferentes culturas e da construção de espaços político-ambiental;

  8. A Educação Patrimonial Ambiental do Campo deve auxiliar na compreensão da vocação local em prol de sociedades sustentáveis.

  9. A Educação Patrimonial Ambiental do Campo deve auxiliar no desenvolvimento da formação crítico-ambiental;

  10. A Educação Patrimonial Ambiental do Campo tem na base a ética e respeito ambiental a todas as formas de vida do planeta, em defesa dos limites de exploração.

  11. A Educação Patrimonial Ambiental do Campo deve cooperar e dialogar com instituições ou grupos que promovam a educação ampla em termos de patrimônio ambiental.

Analisando esses princípios, entende-se que nos projetos para a educação do campo há uma preocupação do professor com a construção de uma cidadania ambiental, em que será possível tratar questões ambientais de forma complexa, mas diante das problemáticas da comunidade e das suas necessidades e tradições. “Não se tem uma única definição para a Educação Patrimonial Ambiental do Campo, todavia consideramos que esta educação faz sentido quando se levam em conta os contextos diversos”. Silva (2013, p.15)

Nesta pesquisa, analisou-se pela observação do participante que o projeto de um determinado professor e suas práticas problematizadoras em Educação Ambiental enfatizando-se os conceitos e aprendizados ligados a EA com inserção dos alunos na pesquisa os resultados foram analisados de forma interligada em sala de aula e no próprio cotidiano, ou seja, de maneira formal e informal, praticando a Educação Ambiental, tendo como base a realidade da comunidade e do meio ambiente na qual ela está inserida.

ELEMENTOS PARA A PRÁTICA NO PROJETO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL AMBIENTAL DO CAMPO

A importância da Educação Patrimonial Ambiental do Campo e de projetos nas escolas do campo está no fato do povo do campo viver e trabalhar em contato direto com a natureza e seus problemas, suas atividades deveriam produzir alimentos organicamente saudáveis e naturais e não sofrer influências de grandes empresas agrícolas. No entanto, já se percebe que os produtores utilizam alguns produtos químicos nas suas lavouras e isso tem sido motivo de preocupação por parte dos educadores do campo que passaram a utilizar esses fatores como problemas pontuais que vem mudando hábitos nas comunidades do campo.

Esta preocupação levou o professor do campo a elaborar planos de aulas com projetos problematizadores de Educação Ambiental interdisciplinar para o ensino em classe multisseriadas, pautados na valorização do meio como patrimônio da comunidade na qual a escola do campo está inserida.

O plano de educação ambiental analisado traduz a necessidade do docente e dos estudantes da escola do campo em trabalhar com temas ambientais que refletem as realidades locais das comunidades. “Tal postura interdisciplinar é característica da EA quando a articulação dos conhecimentos ambientais, sociais e culturais fortalece o sentido da educação e da vida [dos povos do campo] como patrimônios ambientais”. (SILVA, 2013, p.12)

O plano de aula do professor, intitulado de “Educação Ambiental na valorização dos recursos naturais na comunidade de Laranjal em São João de Pirabas-Pará” tem como objetivos a necessidade de considerar os instrumentos necessários para o desenvolvimento de práticas em educação ambiental na comunidade, que na visão do professor são “os aspectos típicos do relacionamento do homem do campo com a natureza onde ele vive e trabalha”. E dispõe na sua metodologia levar em consideração “valorizar nos estudos, o trabalho no cultivo da terra e na pesca, a organização das atividades produtivas mediante a utilização da mão-de-obra dos membros da família, cultura e valores na produção de conhecimentos”. (Análise do Plano de aula Prof. João, 2017).

É nesta atitude docente que Paulo Freire reflete ao afirmar que o processo de ensino e aprendizagem da Educação Ambiental não pode ficar restrito exclusivamente à transmissão de conhecimentos, à herança cultural às novas gerações ou a simples preocupação com formulações de inserções do educando no seu contexto social. “O processo de aprendizagem necessita centralizar-se no aluno, sendo gradativo, contínuo e respeitando a sua cultura e a comunidade em questão”. (FREIRE, 2004, p.66)

Silva (2016) em sua Tese de Doutorado utilizando a teoria da Aprendizagem Significativa de Ausubel, como fundamento que defende o conhecimento construído com base nos princípios da Educação Ambiental Crítica e com a valorização do ambiente como patrimônio local na Educação do Campo. Proporcionando assim ao sujeito uma visão de conjunto (diferenciação progressiva) e visão das partes reintegradas (reconciliação integrativa) tal como defendidas por Ausubel. (AUSUBEL, 1980)

Na mesma direção epistemológica, Barros (2008, p.21) considera que a introdução de “estudos na perspectiva do ambiente como patrimônio” pode associar aos estudos escolares “a problemática socioambiental à valorização dos bens ambientais como elementos importantes na construção de novos conceitos e novas formas de intermediação entre a sociedade e o confronto com a realidade existente e a pretendida”.

O professor ao trabalhar com planejamentos que valorizam o meio e a cultura local encontra amparo legal na Lei de Diretrizes e Bases de Educação Nacional (Lei nº 9.394/96) em onde se observa dentro do artigo 26, que a parte diversificada dos currículos do Ensino Fundamental e Médio deve observar as características regionais e locais da sociedade e da cultura.

A Educação Patrimonial Ambiental do Campo só pode ser concretizada de fato se o professor conseguir penetrar com seu planejamento das aulas de educação ambiental no cotidiano da comunidade. O educador tem de ser provido de uma criticidade suficiente para quebrar as barreiras que existem entre os saberes da comunidade e da escola, procurando fazer laços e relações de confiança e amizade, conhecendo e reconhecendo suas dificuldades e diferenças, desenvolvendo atividades junto à comunidade e não para a comunidade.

Oliveira (2010, p12) destaca que os resultados dos planejamentos desenvolvidos com

...as metodologias em Educação Ambiental como investigações do meio como Patrimônio alcançaram o nível de ensino infantil, as séries iniciais do ensino fundamental, a educação inclusiva de deficientes visuais e a educação de jovens e adultos por meio de aulas e pequenos projetos escolares”

Este mesmo autor destaca ainda que é o principal impacto destas práticas foi promover a identificação de professores e alunos como elementos do ambiente-patrimônio e a “tomada de consciência para realizar os enfretamentos socioambientais em defesa da herança natural, histórica, social e cultural da comunidade que precisa ser preservada para as futuras gerações”. (Oliveira 2010, p.12)

Entende-se nesta concepção que a Educação Patrimonial Ambiental do Campo não pode estar desvinculada de um projeto de desenvolvimento do campo que se pretende construir para a comunidade com a comunidade.

Para o aludido professor nos projetos de educação ambiental para as escolas do campo devem emergir os conteúdos e debates sobre a diversificação de produtos, a utilização de recursos naturais, como ele descreve no seu plano de ensino: “valorizar na agricultura familiar a Agroecologia, as culturas orgânicas, a questão agrária e as demandas históricas por reforma agrária, valorização dos trabalhadores do campo e suas demandas por melhores condições de vida possibilitando o estudo de um modelo de desenvolvimento do campo que se contraponha ao modelo tradicional imposto”. (Plano de aula Prof. João, 2017).

O plano de aula do professor delimita problemáticas, finalidades e práticas claras de uma proposta de valorização patrimonial quando percebe a importância da produção, sobrevivência, reconhecimento pessoal e coletivo, politização e outros quesitos socioculturais e socioambientais, bem como a valorização e preservação do habitat ecológico do povo do campo como fundamentos da composição e estruturação do currículo e das práticas na escola do campo.

Na sua estrutura conceitual a Educação Patrimonial Ambiental do Campo deve contribuir para que o aluno do campo se perceba no seu tempo e no seu meio apreendendo a importância de se reestabelecer uma relação horizontal entre o homem, a sociedade e a natureza, num processo dinâmico e crítico. É um projeto de educação que forma pessoas críticas, que se envolvam na dinâmica do contexto em que estão inseridas, que aprendam a reivindicar seus direitos e que cumpram seus deveres de cidadão, que sejam capazes de perceber o outro a natureza, as diferenças e as semelhanças que os unem, enfim, de refletir para construção de um futuro de maneira responsável e sustentável.

É nesta extensão que a Educação Ambiental é uma dimensão educativa crítica que permite a formação de cidadãos, envolvidos com a sustentabilidade ambiental, a partir de uma apreensão e compreensão do mundo enquanto ambiente e patrimônio complexo (FIGUEIREDO, 2007; JACOBI, 2003; LOUREIRO, 2003).

Nessa direção, a investigação do projeto da escola do campo converge ao encontro dos objetivos, das finalidades e das práticas pedagógicas que baseiam a Educação Ambiental crítica. Extremamente integrada ao contexto de patrimônio, a Educação Ambiental, em sua definição mais modesta, visa o desenvolvimento de novas formas de relação dos homens entre si e com a natureza, a preservação dos patrimônios naturais e a redução das desigualdades sociais em prol de uma sociedade mais justa e sustentável. A consonância entre ambas permite inferir que a Educação Ambiental Patrimonial é uma poderosa ferramenta na construção do comprometimento socioambiental almejado pela escola do campo.

Nessa questão está também presente elementos como a formação da cidadania ambiental, o desenvolvimento dos sujeitos para a participação na transformação da sociedade e a práxis do educador do campo. Assim, a Ética da Responsabilidade é realçada sob a perspectiva de uma ética cidadã planetária, pautada na compreensão de que a comunidade do campo faz parte do mesmo mundo e, portanto, todos são responsáveis pelo cuidado do Planeta quanto à sustentabilidade ambiental. Freire (2004) focaliza o ser humano como ser relacional e intimamente ligado com o mundo e o coloca como consciência do mundo e de si, o que implica a sua responsabilidade ética para com a realidade-ambiente-patrimônio e sua preservação.

No seu contexto teórico o planejamento das aulas em educação ambiental do professor João percebe-se que há um verdadeiro compromisso com as problemáticas ambientais da comunidade, no seu bojo encontra-se questões cujo tema gerador faz-se presente nos problemas da comunidade, água, solo, produtos químicos, lixo e cadeia alimentar. Todo esse conjunto temático foi potencialmente trabalhado pelo professor, com base na concepção crítica de educação, tendo como norte a constituição do enfoque teórico-metodológico voltado à formação de cidadãos conscientes e transformadores das condições sociais das realidades por eles vividas no campo.

O ensino crítico sob esse paradigma torna-se importante ferramenta no processo de aquisição e construção do conhecimento, capaz de nortear o cidadão nas tomadas de decisões comprometidas com a realidade, visando construção de nova cidadania e mentalidade ambiental atenta aos problemas ecológicos e sociais, na medida em que amplia a consciência crítica. (...) “Então o (camponês) descobre que tendo sido capaz de transformar a terra, ele é capaz também de transformar a cultura: renasce não mais como objeto dela, mas também como sujeito da história”. Paulo Freire (1987, p.56)



A COMPREENSÃO DE CONHECIMENTOS DE MEIO AMBIENTE, PATRIMÔNIO POR MEIO DA ATIVIDADE PRÁTICA

A prática aqui analisada aponta para resultados concretos, não se caracterizando como uma ação precisa, como por exemplo: uma caminhada as margens do igarapé em que os alunos fazem a plantação de mudas de açaizeiros (Euterpe oleracea Mart.) e buritizeiros (Mauritia flexuosa L.f.) na nascente e nas margens do igarapé que está assoreando e perdendo seu manancial aquífero no verão, devido ao desmatamento, mas conduziu os alunos a um entendimento sobre os problemas e consequências causados pelo desmatamento das nascentes e sobre os problemas ambientais causados pela retirada da mata ciliar, e o mais importante: foi possível de ser realizado no cotidiano da escola e da comunidade. Nessa sequência, Santos (2010 p.43) escreve que pela necessidade da preservação e da compreensão do ambiente como matéria viva, “os grupos sociais precisam formar consciência de valorização do ambiente como herança para as gerações futuras”. E não há ambiente melhor para conscientização do que a escola em consonância com a comunidade e suas problemáticas.

Barros (2008, p. 53) afirma que a proposta da Educação Patrimonial Ambiental do Campo aponta para “uma educação livre de títulos, essencialmente complexa, que perceba a importância da relação conhecimentos e valores, entre razão e emoção, entre o homem e o ambiente, entre corpo e mente”.

Em relação às práticas, primeiro o professor João programou por situações problemas, o primeiro tema a ser selecionado pelos alunos foi sobre o igarapé da comunidade que está secando. Foi então programada uma aula de reconhecimento ou de campo em que a atividade foi de seguir o córrego do igarapé da comunidade1 e durante o trajeto os alunos iam problematizando o que encontravam no percurso e buscando soluções, uma delas foi replantio de árvores que já existem ou existiam e foram retiradas: açaizeiros e buritizeiros.

Durante o percurso os alunos iam plantando as mudas selecionadas próximas às margens do igarapé. Cada estudante levou duas mudas sendo uma de cada espécie para plantar. Esta prática seria uma solução para reflorestar com vegetação nativa o desmatamento que ocorreu no local em estudo para retirada de palmito e madeiras para confecção de artesanatos.

As mudas foram coletadas na própria comunidade, nesta lógica faz-se destaque ao contexto dialógico (FREIRE, 2004) em que tem se dado a construção da Educação Patrimonial Ambiental do Campo, cujo entendimento de meio ambiente, recomenda o diálogo entre saberes do cotidiano e as mais variadas áreas do conhecimento.

No início da caminhada os alunos perceberam muitas sacas de mandioca (Manihot esculenta ou Manihot utilíssima) de molho dentro do igarapé. O professor aproveitou o momento para falou sobre a mandioca e sua importância na alimentação e na economia da comunidade, mas observou que esta prática de molho para retirada do cianeto não é mais aceita pelos órgãos de proteção ambiental, porque o cianeto é uma substância venenosa que mata os peixes, as algas e muitos outros animais que dependem do igarapé para viver. No entanto observou ser importante que poder público tome iniciativa de construir meios alternativos (tanques de concreto) na comunidade para que esta prática seja abolida.

Nesta ação observou-se que as atividades fora da sala de aula estimulou uma melhor percepção do ambiente – Igarapé – pelos alunos e promoveu uma integração entre a escola e a comunidade oferecendo oportunidades para que os estudantes vivenciassem experiências práticas no contato com o seu ambiente. Eles já haviam estado ali e para eles o simples fato da mandioca está de molho para a fabricação de farinha não era prejudicial doutra feita eles já sabiam que mandioca tem veneno, mas não sabiam o nome do veneno e passaram, a saber, naquele momento.

Em Educação Patrimonial Ambiental na escola do campo, e no ensino pela pesquisa, visitar um igarapé que está sendo degradado e caminhar por suas margens, deixa de ser um simples passeio ou habito rotineiro dos alunos, para se tornar uma aula estimulante sobre os seu uso e seus componentes. Mas para que haja essa interação é importante que o professor planeje as aulas, o roteiro e as atividades que pretende desenvolver com a turma. Durante a visita é importante ir ressaltando o valor da atividade, deixando claro o objetivo da aula, procurando sempre apresentar aos alunos que o que acontece não é um passeio e sim, uma pesquisa em que todos estão buscando apreender mais sobre seu ambiente e patrimônio. Silva, (2007, p.43) explicita que na pesquisa do meio ambiente “os alunos, em conjunto com o professor, devem fazer crescer o desejo de aprender a partir dos objetos patrimoniais do cotidiano: “é importante ao professor explicitar a relação destes objetos com o saber construído (com teoria e prática) e o sentido do trabalho escolar fora da sala de aula, desenvolvendo no aluno a capacidade de investigar o cotidiano”.

É fundamental que as atividades programadas no planejamento das aulas estejam sempre relacionadas aos conceitos dos temas que o professor tem no currículo e adaptados aos problemas ambientais da comunidade, e antes de apresentar os conceitos uma atividade prática pode ser produzida antes da explicação teórica para facilitar o entendimento dos estudantes. A sugestão é que o professor utilize a educação ativa, em que todos participam e colaboram na construção da pesquisa, integrando a escola com o modo de vida dos alunos e as situações problemas da comunidade. Essas atividades podem proporcionar ao professor infinitas oportunidades de desenvolver sua criatividade em conjunto com seus alunos aumentando sua participação na comunidade.

De acordo com a narrativa do Professor: “a escola não oferece materiais de ensino porque não tem recursos financeiros para isso, mas eu superei em parte isso usando a criatividade e os recursos disponíveis na comunidade”.

Para quem desenvolve projetos com Educação Patrimonial Ambiental os recursos da comunidade são ricas fontes de motivação e apresentam as vantagens de trazer valores da realidade ao processo de ensino e aprendizagem que se realiza na escola, além do mais torna o trabalho desenvolvido pelo professor mais próximo da realidade abrindo um canal de comunicação entre a escola e a comunidade.

Entende-se que escola sozinha não faz a transformação da sociedade é importante chamar a comunidade para participar do processo, mas importante ainda é fazer uma educação ambiental crítica e libertadora como um dos instrumentos indispensáveis ao aglutinamento de forças transformadoras e conceptivas do trabalho de formação de pessoas com consciências críticas, ou seja, “sujeitos de sua própria educação” (Freire & Nogueira, 1999, p. 28).

A COLETA DE DADOS E A MULTIPLICAÇÃO DO CONHECIMENTO

Após a pesquisa no ambiente patrimonial da comunidade – o igarapé – o professor com os alunos retornaram a sala de aula para discutir sobre os questionamentos e as hipóteses levantadas na investigação buscando soluções ou minimizações para os problemas encontrados como: a utilização do igarapé para botar a mandioca de molho pelos comunitários, saber por que o igarapé seca no verão e como fazer para que ele volte a ser como era antes com manancial limpo e caudaloso e porque os moradores desmatam as margens do igarapé.

As respostas surgem nos debates e o professor explica aos alunos que as árvores e a vegetação as margens do igarapé funciona até mesmo como uma peneira, não deixando que materiais como a areias provenientes das erosões se desloquem para o córrego porque não passa pelas raízes das plantas.

As raízes também são importantes para a manutenção da umidade impedindo que o sol penetre secando o chão as margens.

Uma dúvida que surgiu pelos alunos foi: mas até quantas arvores temos que plantar. O professor respondeu mostrando que existe uma lei “O código florestal brasileiro” que determina uma distância mínima que devesse manter da mata ciliar nas margens de um rio. Sendo no caso do Igarapé da comunidade de no mínimo 30 (trinta) metros porque o curso d’água deste manancial é tem menos de 10 (dez) metros de largura.

Após a discussão a proposta foi de intensificar o trabalho de preparação de mudas de açaí, buritis outras mudas de espécies nativas das margens para o replantio da vegetação do igarapé na tentativa de recuperá-lo antes de secar definitivamente, o professor mostrou aos alunos que é importante fazer esse trabalho porque a garantia de vida do igarapé só é possível com vegetação nas suas margens na sua nascente. Segundo o professor “as respostas vão chegar com o tempo e de acordo com o crescimento da vegetação que foi replantada, contudo e importante conscientizar a comunidade, para que todos entendam e acordem para a importância das árvores na vida do igarapé e de quem dele depende”.

Em relação ao molho da mandioca os alunos ficaram de discutir alternativas viáveis haja vista que proibi naquele momento seria financeiramente inviável, pois os moradores não tinham ainda alternativa para o problema em curto prazo, mas que viabilizaria junto ao poder público municipal qual seria a opção mais viável de solução para esse problema na comunidade.



CONCLUSÃO

Planejar novas práticas em Educação Ambiental é um procedimento que exige tempo, disponibilidade e vontade do professor. Não é satisfatório para o meio ambiente que os temas estejam escritos ou prescritos nos currículos, é necessário que os professores constatem os efeitos das vantagens de ensinar num contexto compreensível para os alunos, qual seja, o da própria comunidade.

Quando os assuntos a ensinar são novos, é autêntico que os professores sintam maior dificuldade em conceituá-los fora da realidade dos alunos e se interroguem sobre quais seriam as melhores formas de se trabalhar na sala de aula com esses temas para os alunos compreenderem.

A constituição da consciência e da cidadania ambiental implica um questionamento intenso, um repensar a atitude de produzir, de desgastar, de trabalhar, e um posicionamento ante a vida que agrega a solidariedade não somente para as gerações futuras, mas para homens, mulheres seres vivos de modo geral que habitam a Terra e precisam dela para viver.

A vivência de projetos de Educação Patrimonial Ambiental do Campo coloca os alunos na abordagem global e interdisciplinar de problemas, permitindo-lhes compreender a importância dos valores de solidariedade, de cooperação e de justiça social, ajudando-os também a definir o seu lugar e papel na natureza.

O planejamento e a aula aqui apresentada permite compreender melhor as inovações do professor do campo criativo que contribui para a pesquisa e para a preservação ambiental, portanto é imprescindível a divulgação dessas práticas.

REFERÊNCIAS

BARROS, J. V. Representações Sociais do Ambiente do Igarapé da Rocinha como Patrimônio por Crianças das Séries Iniciais. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemáticas)- NPADC-UFPA – Belém. 2008.

FIGUEIREDO, J. B. de A. Educação ambiental dialógica: as contribuições de Paulo Freire e a cultura sertaneja nordestina. Fortaleza: Edições UFC, 2007.

FREIRE, Paulo; NOGUEIRA, Adriano. Teoria e Prática em Educação Popular.

Petrópolis: Vozes, 1999.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra; Anca/MST, 2004. 143 p

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1987.

JACOBI, P. R. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 118, p. 189-205, mar. 2010.

LOUREIRO, C. F. B. Premissas teóricas para uma educação ambiental transformadora. Ambiente & Educação. Rio Grande, v. 8, p. 37-54, 2003.

OLIVEIRA, R. J. F. Alcances, possibilidades e impactos de metodologias em Educação Patrimonial Ambiental do Campo , IEMCI/UFPA Dissertação de Mestrado, UFPA. orientadora Profa. Dra. Maria de Fátima Vilhena da Silva. – IEMCI/UFPA, 2010.

SANTOS, A. G. Representação social de ambiente por professores e estudantes em diferentes contextos Educacionais. orientadora Profa. Dra. Maria de Fátima Vilhena da Silva. – IEMCI/UFPA. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemáticas) - IEMCI-UFPA – Belém

SILVA, M.F.S. A Educação Patrimonial Ambiental do Campo no Ensino de Ciências. 11º Seminário Nacional de Políticas Educacionais e Currículo: Os Fundamentos Epistemológicos e Políticos da Produção do Conhecimento em Educação. Universidade Federal do Pará. 2013.

ROCHA da Silva, Luiz. A Educação Patrimonial Ambiental na prática do ensino crítico

Transformador. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Mato Grosso, Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Programa de Pós- Graduação em Ensino de Ciências e Matemática, Cuiabá, 2016.

1



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Uma crônica, um artigo e algumas histórias!     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias