ISSN 1678-0701
Número 68, Ano XVIII.
Junho-Agosto/2019.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Relatos de Experiências

11/06/2019ESTUDO DE CASO SOBRE O LIXO ELETRÔNICO COM PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=3699 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

ESTUDO DE CASO SOBRE O LIXO ELETRÔNICO COM PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO

Talita Fraguas 1, Carlos Eduardo Fortes Gonzalez 2, Alisson Antônio Martins 3

1Curitiba. Mestranda UTFPR. Professora na Rede Estadual de Educação de Curitiba. Contato: tafraguas@hotmail.com

2Curitiba. Professor, Doutor em Educação. Docente da UTFPR – Universidade Tecnológica Federal do PR, Campus Curitiba. Contato: cefortes@yahoo.com

3Curitiba. Professor, Doutor em Educação. Docente da UTFPR – Universidade Tecnológica Federal do PR, Campus Curitiba. Contato: alimartins@gmail.com

Resumo: Este é um relato de Estágio Supervisionado realizado no segundo semestre de 2018 no Colégio Estadual Pilar Maturana – Ensino Fundamental, Médio e EJA, situado no município de Curitiba – Paraná. O objetivo foi verificar, analisar e compreender de que modo a geração e o descarte de lixo eletrônico são abordados pelos professores do Ensino Médio que estão atuando em sala de aula. Primeiramente, fez-se uma análise documental acerca dos planejamentos. Posteriormente, os professores do Ensino Médio responderam a um questionário sobre o lixo eletrônico, consumismo e as consequências para o meio ambiente com enfoque em Educação Ambiental. Em seguida, foi entrevistado um docente de cada disciplina sobre o lixo eletrônico, consumismo e as consequências para o meio ambiente. No término do projeto foi importante e gratificante perceber que a Escola com a direção, equipe pedagógica e os professores a quem foram apresentadas as intenções de começar este trabalho se dispuseram a contribuir e o fizeram de modo muito espontâneo.

Abstract: This is a report of supervised internship carried out in the second semester of 2018 at the Colegio Estadual Pilar Maturana – Elementary, Middle and EJA, located in the city of Curitiba – Paraná. The objective was to verify, analyze and understand how the generation and disposal of electronic trash are approached by high school teachers who are acting in the classroom. Firstly, a documentary analysis was made about the planning. Subsequently, high school teachers responded to a questionnaire about electronic trash, Consumerism and the consequences for the environment with a focus on environmental education. Then, a professor of each discipline was interviewed about the electronic trash, consumerism and the consequences for the environment. At the end of the project, it was important and rewarding to realize that the school with the direction, the pedagogical team and the teachers to whom I presented the intentions of starting this work were willing to contribute and did so very spontaneously.

Introdução

Este artigo tem a finalidade de compartilhar as experiências vivenciadas em um Estágio Supervisionado do PPGFCET – Programa de Pós-graduação em Formação Científica, Educacional e Tecnológica da UTFPR – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, campus Curitiba. Foi realizado com o objetivo de verificar, analisar e compreender de que modo a geração e o descarte de lixo eletrônico são abordados pelos professores do Ensino Médio que estão atuando em sala de aula. Já os objetivos específicos foram: analisar os documentos que fundamentam a Educação Básica no que se refere ao lixo eletrônico e entrevistar e questionar os professores se e como abrangem a temática sobre lixo eletrônico em suas aulas, para que assim fosse desenvolvida uma sequência didática com atividades sobre a geração de lixo eletrônico.

Os questionários e entrevistas tiveram o objetivo de proporcionar uma reflexão acerca do lixo eletrônico e da Educação Ambiental. Como se trata de um tema muito recorrente nos currículos escolares é importante que se dialogue com outras áreas de conhecimento, de tal modo que nos aprofundemos não apenas com a questão ambiental, mas principalmente procurando espaços de conscientização que sejam significativos para toda a sociedade. Os professores de todas as disciplinas aceitaram a análise dos planos de trabalho docente, para futuras discussões que se propõem acerca de temas tão abrangentes como este, que serão levados aos alunos.

O Colégio Estadual Pilar Maturana foi escolhido para este estágio por eu fazer parte do quadro docente desde 2011, tendo um imenso carinho por esta escola, por ter uma infraestrutura particularmente adequada a sua finalidade e por ter uma equipe diretiva e pedagógica muito atuante, que incentiva a participação dos professores e funcionários.

Já o tema lixo eletrônico foi escolhido para auxiliar os professores a trabalharem com os estudantes acerca do assunto. A motivação para o trabalho veio porque percebi que quando comecei a trabalhar na escola, em 2011, eram poucos estudantes que tinham equipamentos eletrônicos, principalmente celulares. Hoje em dia, este cenário foi alterado; pouquíssimos estudantes não possuem equipamentos eletrônicos. Outro motivo foi a pouca quantidade de informação disponível e sua divulgação à população, especialmente a que ocupa a periferia dos grandes centros.

Lixo eletrônico, segundo Miguez (2018), é todo o resíduo material produzido pelo descarte de equipamentos eletrônicos.

A crescente utilização de equipamentos eletrônicos tem ocasionado uma alteração no tipo do lixo e também um aumento na produção do lixo eletrônico; este apresenta grandes quantidades de substâncias químicas que podem ser tóxicas e prejudicar ao meio ambiente e à saúde, infiltrando-se no solo e na água; com isso é fundamental que a escola oriente os estudantes sobre a destinação adequada destes resíduos. É importante que as discussões sobre a possibilidade de destinação desses tipos de resíduos sejam levadas a termo. A Educação Ambiental consta na Constituição Federal (BRASIL, 1988), na Lei nº 12.305 que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (BRASIL, 2010a) e no Decreto nº 7.404 que salienta a importância da coleta seletiva (BRASIL, 2010b).

Atividades realizadas com os docentes

As atividades na escola foram desenvolvidas no período de agosto a dezembro de 2018, com os professores atuantes do Ensino Médio, que costumam colocar-se à disposição para a colaboração com trabalhos desenvolvidos no Colégio Pilar Maturana.

As atividades desenvolvidas foram a pesquisa de dados estatísticos sobre a escola e sua História, desde o prédio antigo até a mudança para o prédio atual; análise dos documentos oficiais (Projeto Político-pedagógico e planos de trabalho docentes), questionário e entrevistas com os professores acerca do lixo eletrônico com ênfase em Educação Ambiental.

Metodologia

O projeto se desenvolveu entre os meses de agosto e dezembro de 2018, com 37 professores do Ensino Médio do período da manhã, da tarde e da noite, no Colégio Estadual Pilar Maturana, pertencente à Rede Pública do Estado do Paraná. A metodologia aplicada seguiu a seguinte ordem:

Num primeiro momento, foram levantados dados sobre a escola. Infraestrutura, quantidade de alunos, quais eram os professores que atuavam no Ensino Médio. Analisaram-se os documentos escolares: Projeto Político Pedagógico e os planos de trabalho docentes. Foi elaborado e aplicado um questionário sobre o lixo eletrônico com enfoque em Educação Ambiental com as seguintes questões:

  • Nome:

  • E-mail:

  • Sexo:

  • Data de nascimento:

  1. Disciplina que trabalha:

  2. Período (s) que leciona:

  3. Modalidade de ensino que leciona:

  4. Há quanto tempo leciona?

  5. Costuma-se abordar temas de Educação Ambiental em suas aulas? Se sim, como aborda a temática?

  6. Com que frequência costuma abordar o tema Educação Ambiental em suas aulas?

  7. Comenta acerca do consumismo e as consequências que isso pode trazer ao meio ambiente? Se sim, como aborda em suas aulas?

  8. Você aborda em suas aulas o tema lixo eletrônico? Como?

  9. Você conhece algum componente químico prejudicial à saúde e ao meio ambiente presente no lixo eletrônico? Quais?

  10. Você aborda em suas aulas a importância de separar o lixo para destinar à reciclagem? Se sim, como trabalha o tema em suas aulas?

Para finalizar, foram entrevistados ao todo 12 professores do Ensino Médio - ou seja, um professor de cada disciplina - acerca de Lixo Eletrônico com enfoque em Educação Ambiental.

Resultados da Análise Documental

Na busca por dados sobre a infraestrutura e um pouco da História do Colégio Estadual Pilar Maturana, conversei com professores que trabalhavam na escola e hoje até se aposentaram, descobrindo muitas curiosidades sobre a construção da sede nova e a mudança para o novo prédio, como um abaixo-assinado para a construção da nova sede.

Na análise dos documentos, percebeu-se a abordagem da Educação Ambiental no Projeto Político Pedagógico, mas não especificamente acerca de lixo eletrônico, tema direto de interesse deste trabalho. Deve-se salientar que os resultados pretendidos precisam ser contemplados na metodologia que se realiza junto aos docentes.

Após a análise documental percebeu-se que o corpo docente trabalha com a temática Educação Ambiental, conforme a Lei 9.795 de 27 de abril de 1999, esta dispõe sobre a Educação Ambiental e institui a Política Nacional de Educação Ambiental (BRASIL, 1999). Porém, em algumas disciplinas, a temática só é trabalhada em eventos especiais. Já o consumismo é abordado com ênfase nas disciplinas de Sociologia, História e Geografia. O lixo eletrônico já foi abordado nas disciplinas de Ciências no sexto ano e no oitavo ano, sendo que leciono neste oitavo ano. Quanto aos componentes presentes no lixo eletrônico, os professores de Química trabalham sobre estas questões. Já a importância da reciclagem é comentada nas disciplinas em geral.

Resultados obtidos nos questionários

Ao todo, no estabelecimento de Ensino, havia trinta e sete professores do Ensino Médio regular sendo que foram distribuídos em mãos trinta e três questionários sobre o lixo eletrônico com enfoque em Educação Ambiental. Quatro professores não foram encontrados, duas professoras se recusaram a responder, uma delas porque ficou afastada de sala de aula devido a problemas de saúde e uma professora não devolveu, tendo-se desta forma um retorno de trinta questionários. Participaram da pesquisa dezoito professoras e doze professores. Duas professoras nasceram na década de 50, cinco professoras na década de 60, sete professoras na década de 70, três professoras na década de 80 e uma das professoras nasceu na década de 90. Dos professores um não informou a data de nascimento, enquanto que seis professores nasceram na década de 60, três professores nasceram na década de 70 e dois nasceram na década de 80.

Quanto às disciplinas que lecionam de acordo com os questionários recolhidos há uma professora de Biologia, duas de Geografia, três de Matemática, uma de Sociologia, uma que leciona Ensino Religioso e Filosofia, uma de História, uma que atua em História e Ensino Religioso, duas de Química, duas de Inglês, uma de Português, duas que atuam em Espanhol e Português e uma de Arte. Já os professores atuam nas seguintes disciplinas: dois de Geografia, dois de Física, um de Matemática, um de Sociologia, um de Filosofia, um de História, três de Educação Física e um de Química. Quanto ao período que trabalham três professoras atuam somente no período da manhã, sete atuam nos períodos da manhã e da noite, cinco atuam nos períodos da manhã e da tarde, e três nos períodos da manhã, tarde e noite. Enquanto que três professores atuam no período da manhã e da noite, cinco professores atuam no período da manhã; apenas um professor atua nos períodos da manhã e da tarde, dois atuam nos períodos da manhã, tarde e noite e um atua somente no período noturno.

Quanto à modalidade de Ensino das professoras: uma professora atuante no Ensino Fundamental regular, Ensino Fundamental EJA, Ensino Médio Regular e Ensino Médio EJA; cinco professoras atuam no Ensino Médio Regular; nove professoras atuam no Ensino Fundamental regular e no Ensino Médio Regular; uma professora atua no Ensino Fundamental EJA e no Ensino Médio Regular; uma professora atua no Ensino Fundamental regular, Ensino Fundamental EJA e Ensino Médio Regular e uma professora atua no Ensino Médio Regular e Ensino Médio EJA. Quanto à modalidade de Ensino dos professores: um professor atuante no Ensino Fundamental EJA, Ensino Médio Regular e Ensino Médio EJA; sete professores atuam no Ensino Médio Regular; três professores atuam no Ensino Fundamental regular e no Ensino Médio Regular; um professor atua no Ensino Fundamental EJA e no Ensino Médio Regular.

Do tempo que atuam em sala de aula as professoras: três lecionam de 1 a 5 anos, duas lecionam de 6 a 10 anos, três lecionam de 11 a 15 anos, três lecionam de 16 a 20 anos, cinco lecionam de 21 a 25 anos, duas lecionam há mais de 25 anos. Do tempo que atuam em sala de aula dos professores: um leciona de 1 a 5 anos, dois lecionam de 6 a 10 anos, dois lecionam de 11 a 15 anos, dois lecionam de 16 a 20 anos, dois lecionam de 21 a 25 anos, três lecionam há mais de 25 anos.

Das professoras quatorze abordam a temática Educação Ambiental, somente quatro não abordam em sala de aula, sendo que o conteúdo é trabalhado algumas vezes por oito professoras e sempre por seis professoras, o conteúdo é citado em sala de aula por meio de leituras e interpretações de textos presentes no livro didático, exercícios estatísticos, gráficos, oralidade, discussões, projetos, datas específicas como o dia da água e do meio ambiente, vídeos, fotos, abordagem do local de vivência dos alunos, visita técnica ao Museu do lixo e organizando o ambiente em determinadas situações. Dos professores oito abordam a temática Educação Ambiental, somente quatro não abordam a temática em suas aulas, sendo que o conteúdo é trabalhado algumas vezes por seis professores e sempre por dois professores, o conteúdo é citado em sala de aula por meio de conversas formais e informais sobre a produção de lixo e conservação ambiental, contextualizações, transformações e misturas em Química, higiene em geral, temas transversais e projetos ambientais, tratados internacionais, relação do ser humano com o meio ambiente, efeito estufa, aquecimento global e suas causas.

O consumismo (e as consequências ao meio ambiente) é abordado por quinze professoras através de debates, oralidade e comentários acerca da obsolescência programada, logística reversa, exploração dos recursos naturais versus produção e consumo, ciclo de vida dos produtos, responsabilidade compartilhada, nos conteúdos de Matemática financeira, textos, reportagens, imagens, a partir da Revolução Industrial, do Colonialismo, da produção de produtos industrializados em larga escala e ao incentivo ao consumo excessivo nas sociedades capitalistas, experiências vivenciadas pelos alunos, modo de vida e o minimalismo, alimentos industrializados e os malefícios à saúde e ao meio ambiente, como exercer a cidadania e consumir com responsabilidade, interação do meio ambiente com a arte, produção de cartazes e trabalhos em grupo sobre o tema. O mesmo tema, consumismo (e as consequências ao meio ambiente) é abordado por dez professores através de conversas formais e informais sobre a real necessidade de substituir o produto que está em total funcionamento, importância da limpeza no âmbito da saúde, slides, reflexões, músicas, aulas expositivas sobre o consumo da água, demonstrando a cadeia de responsabilidade ambiental em que todos estão envolvidos.

Dez professoras abordam o lixo eletrônico em suas aulas e dos professores apenas cinco abordam a temática em suas aulas.

Sobre os componentes presentes no lixo eletrônico foram citados: baterias de carros e celulares, chumbo, mercúrio, lítio, bromo, cádmio, metais pesados, arsênio, níquel, ácido sulfúrico, tintas e embalagens de produtos químicos para a fabricação dos eletroeletrônicos.

As professoras abordam a importância de separar o lixo através de discussões, conversas e debates acerca do tema, na escolha dos produtos, incluir embalagens como um dos critérios da compra, símbolos dos produtos recicláveis, reciclagem do produto e ou da embalagem em qual porcentagem, aumento da vida útil do aterro sanitário, ciclo de vida dos produtos, 5 R (repensar, recusar, reduzir, reutilizar, reciclar). Aspecto social, ambiental e econômico, textos, cores das lixeiras, visita ao Museu do lixo e usina de reciclagem, calendário de coleta do lixo tóxico, desenho, pintura e fotografia, transformando lixo em arte, demonstrando que a reciclagem reduz de forma importante os impactos sobre o meio ambiente, pois diminuindo a retirada de matéria prima da natureza, reduz-se a disposição inadequada de lixo e é fonte de renda aos catadores; através de textos, sempre que surge a possibilidade de relacionar com os conteúdos ou acontecimentos do cotidiano como os canudinhos de plástico, com a vivência dos alunos comentando o caos que será daqui alguns anos. Já os professores abordam a importância de separar o lixo através de aulas expositivas sobre separação de misturas, benefícios da separação ao meio ambiente e à saúde, para a consciência de um futuro melhor.

Considerações finais

Ao final do presente trabalho, pude perceber o quanto a temática desenvolvida é importante não apenas para mim, mas também para os que contribuíram de alguma forma com o desenvolvimento deste trabalho. Desde o início, quando pensei em elaborar e desenvolver um trabalho sobre lixo eletrônico, percebi a necessidade de aprofundamento do tema tanto para realização pessoal quanto para o trabalho com os alunos, especialmente das áreas de Ciências e Biologia. Foi importante e gratificante perceber que a Escola com a direção, equipe pedagógica e os professores a quem apresentei as intenções de começar este trabalho se dispuseram a contribuir e o fizeram de modo muito espontâneo. Isso se deu pela consciência que gradativamente se foi criando acerca do tema abordado, permitindo-nos refletir sobre a nossa própria conscientização no tocante à questão do consumo, uso e descarte dos aparelhos eletrônicos.

As questões discutidas sempre se baseiam em referenciais teóricos, muito embora seja a prática que nos leva a ter a efetiva disposição para contribuir com as questões socioculturais as quais estamos submetidos em razão do consumo, especialmente de equipamentos eletroeletrônicos, favorecidos pelos avanços tecnológicos. Esses aspectos conduziram-nos ao aprofundamento também de questões relativas à cultura consumista e da pouca consciência acerca do zelo que se deve ter com o meio ambiente. Pensá-lo (ao meio ambiente) nessa dimensão é conhecer e fomentar a ideia de que precisamos a partir da escola criar instâncias (condições) que levam a sociedade a refletir sobre seus comportamentos que podem ser nocivos à biosfera como um todo.

Os resultados foram alcançados graças à disposição da direção do colégio em permitir e facilitar a realização não apenas do questionário, mas principalmente a contribuição de todos.

Bibliografia

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 5 out. 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em 10 de junho de 2018.

BRASIL. Decreto nº 7.404, de 23 de dezembro de 2010 b. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 2010. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7404.htm>. Acesso em 10 de junho de 2018.

BRASIL. Lei nº 12.305, de 02 de agosto de 2010 a. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, CXLVII, n. 147, 03 ago. 2010. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=636>. Acesso em 18 de junho de 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental – PNEA e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Brasília, 1999.

Miguez, Eduardo Correia. Lixo eletrônico. Disponível em: <http://m.suapesquisa.com/o_que_e/lixo_eletronico.htm>. Acesso em 24 de abril de 2018.

PPP. Projeto Político Pedagógico do Colégio Estadual Pilar Maturana. Curitiba – PR. 2014.



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias