ISSN 1678-0701
Número 68, Ano XVIII.
Junho-Agosto/2019.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
 
Relatos de Experiências

No. 68 - 11/06/2019
EDUCAÇÃO AMBIENTAL: SEMEANDO A IMPORTÂNCIA DA VEGETAÇÃO DURANTE UMA COLÔNIA DE FÉRIAS  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=3738 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: SEMEANDO A IMPORTÂNCIA DA VEGETAÇÃO DURANTE UMA COLÔNIA DE FÉRIAS



Fernanda Soares Junglos¹, Mário Soares Junglos², Julielen Zanetti Brandani¹, Francisco Tiago Alves da Silva³, Edmar Aguiar Sgamate4, Glaucia Almeida de Morais5



¹ Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Recursos Naturais, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Dourados, Mato Grosso do Sul, Brasil, fernandajunglos@yahoo.com.br/julielen_zanetti@hotmail.com

² Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia Ambiental, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, Mato Grosso do Sul, Brasil, mario_junglos@yahoo.com.br

³ Acadêmico do Curso de Educação Física - Licenciatura, Centro Universitário Claretiano, Dourados, Mato Grosso do Sul, Brasil, fer_ftiago@yahoo.com.br

4 Acadêmico do Curso de Ciências Biológicas, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Ivinhema, Mato Grosso do Sul, Brasil, edmarsgamate@hotmail.com

5 Doutora em Ciências Biológicas (Biologia Vegetal), Docente da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Ivinhema, Mato Grosso do Sul, Brasil, gamorais@uems.br



Resumo: Como a Educação Ambiental é um tema que deve ser disponibilizado em todos os espaços (formal e não formal), objetivou-se sensibilizar beneficiários do PETI atendidos no Projeto Sagrado Coração, em Ivinhema - MS sobre a importância da vegetação. Durante as férias escolares foram realizados seis encontros, durante os quais os jovens tiveram a oportunidade de participar de diversas atividades lúdicas: Visita à Unidade da UEMS, com realização de diversas atividades no viveiro de mudas; montagem de história em quadrinhos sobre as experiências vividas; visita ao antigo Zoológico, onde se realizou uma trilha para conhecer características e curiosidades sobre algumas espécies nativas ali presentes; oficina de desenhos com folhas e passeio recreativo com piquenique. O evento atendeu em média 25 crianças e a qualidade das histórias elaboradas e a participação nas demais atividades foram utilizadas para avaliar a contribuição da ação. Pelas histórias em quadrinhos ficou evidente que alguns termos técnicos foram absorvidos durante a visita, já que estes foram citados nos trabalhos e mesmo as atividades propostas possuindo cunho educativo, através do lúdico, chamou-se a atenção para questões ambientais, contribuindo com o desenvolvimento criativo, crítico e responsável dos jovens atendidos, perante o ambiente em que se inserem.



Palavras chave: Educação ambiental; Espaços não formais; Atividades lúdicas; Ensino-aprendizagem. Espécies arbóreas.



ENVIRONMENTAL EDUCATION: SOWING VEGETATION IMPORTANCE DURING A VACATION COLONY



Abstrat: As environmental education is a theme that should be provided in all spaces (formal and non-formal), it aimed to sensitize PETI beneficiaries assisted at Project Sagrado Coração in Ivinhema - MS about the importance of vegetation. Six meetings were held during the school vacation, children participated in various recreational activities: Visit to the Unit UEMS, where they did various activities in the greenhouse; Creating comics about their experiences; Visit to the old Zoo, where they met characteristics and curiosities of some native species present there; Drawing workshop with leaves and recreational ride with picnic. Approximately 25 children participated of each meeting and the quality of elaborate stories and participation in other activities were used to evaluate the contribution of the action. From the comics it was evident that some technical terms were absorbed during the visit, since they were cited in all the works and although the proposed activities have had educational basis, the objectives were achieved in a fun and interesting way. This was possible because the recreational activities caught the attention of children to environmental issues, contributing to the creative development, critical and responsible, about the environment in which they live.



Key words: Environmental education; Non-formal spaces; Recreational activities Teaching-learning; Tree species.



Introdução



Falar de educação ambiental é discorrer sobre a vida, suas relações e paradigmas que incluem respeito e reverência por todos os seres do planeta Terra, é em essência um caminho de busca de novos paradigmas que pensem o bem comum, reflitam sobre a riqueza que herdamos de nossos antepassados e meios de deixarmos para as futuras gerações o mínimo de impacto durante nossa estada nesse planeta (Pádua 2002).

A educação ambiental é uma das ferramentas existentes para a sensibilização e capacitação da população em geral sobre os problemas ambientais. Com ela, busca-se desenvolver técnicas e métodos que facilitem o processo de tomada de consciência sobre a gravidade dos problemas ambientais e a necessidade urgente de nos debruçarmos seriamente sobre eles (Marcatto 2002).

Porém nos espaços formais de educação, devido a organização atual das instituições de ensino, o docente não tem tempo disponível para se dedicar ao planejamento de suas aulas, mesmo com a facilidade atual de adquirir diferentes recursos para as aulas (Alves 1998; Alves 2008). Desta forma fica difícil trabalhar os ditos temas transversais presentes nos PCNs, dentre eles a educação ambiental (Brasil, 1999), pois o professor não tem como fugir do método tradicional e ao manual didático criado por Comenius.

Já os espaços não formais funcionam oferecendo atividades educativas fora do ambiente escolar, sem a obrigatoriedade legislativa, nas quais o indivíduo experimenta a livre escolha em torno de assuntos potencialmente significativos (Bevilaqua 2012; Langhi e Nardi 2010), e desta forma possibilita o despertar da curiosidade para o tema e a participação dos jovens em outras atividades educativas posteriores à visita, como estágios de iniciação científica, projetos de inclusão social e fóruns, contribuindo assim para a formação de significados mais amplos (Bevilaqua 2012; Rocha et al. 2010).

Mas não devemos nos esquecer de que nos ambientes não formais, a aprendizagem é prejudicada pelo tempo reduzido que os visitantes interagem com os aparatos científicos (Rocha et al. 2010; Bevilaqua 2012), sendo assim a aproximação entre os ambientes formal e não formal só tem a contribuir no processo de ensino e aprendizagem.

O Projeto Sagrado Coração, mantido pela Associação Missionária Catequista do Sagrado Coração, atende beneficiários do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI), retirando crianças e adolescentes da rua e do trabalho. Os jovens atendidos por este programa têm suas famílias acompanhadas pela assistência social e devem frequentar a escola e o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) onde terão atividades lúdicas, esportivas, culturais e de lazer, como formas de expressão, interação, aprendizagem, sociabilidade e proteção social; já nos períodos de férias escolares, deve-se prever a realização de atividades coletivas, como passeios culturais, colônias de férias, entre outros (MDS 2010).

Colônia de Férias ocorrem necessariamente no período de férias de seus participantes, e sua organização pode ser feita em dias consecutivos, ou alternados, com duração superior a três dias contando com um grupo fixo de participantes e sem previsão de pernoite, podendo acontecer em diferentes espaços e com um conjunto diversificado de atividades e experiências culturais propostas por animadores socioculturais (Silva 2008; Silva e Marcellino 2011).

Diante deste quadro, cabe aos profissionais que se colocam em posição comprometida com uma ação pedagógica transformadora, garantirem no tempo-espaço da Colônia de Férias a difusão dos valores do lazer, levando em conta seu duplo aspecto educativo e enfocando o divertimento e o descanso tanto quanto o desenvolvimento (social e individual), para que, então, novos valores se consolidem e levem à reformulação dos objetivos primeiros das programações de manter os participantes ocupados o tempo todo, evitando que o entusiasmo diminua e a desordem se estabeleça (Silva 2008).

Como tema transversal, a Educação Ambiental deve estar presente em todos os espaços e modalidades do processo educativo (Brasil 1999). Assim diante do exposto, objetivou-se oferecer uma atividade diferenciada para os beneficiários do PETI atendidos no Projeto Sagrado Coração, em Ivinhema - MS e sensibilizá-los sobre a importância da vegetação, por meio de uma Colônia de Férias Ecológica.



Material e métodos



O Projeto Sagrado Coração localiza-se no município de Ivinhema-MS, e trata-se de uma entidade filantrópica, de caráter cultural, assistencial e educacional, sem fins lucrativos, que visa apoiar o desenvolvimento físico e intelectual das crianças e adolescentes de 07 a 16 anos, sem distinção de cor, raça e religião.

Colônias de férias com cunho ecológico realizadas no Projeto Sagrado Coração é uma parceria entre a entidade e a Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul - Unidade Universitária de Ivinhema, na sua terceira edição a colônia apresentou como tema central a importância da vegetação.

Em janeiro, realizaram-se 6 encontros, duas vezes na semana (terça e quinta-feira), no período matutino (das 7:30 as 10:30 h), onde receberam-se em média 25 crianças por encontro, todas estas frequentam regularmente em contra turno o Projeto Sagrado Coração e de forma espontânea durante o período férias escolares.

A programação da Colônia de férias contou com diferentes atividades lúdicas que abordaram a importância da vegetação. Inicialmente os estudantes realizaram uma visita à Unidade da UEMS de Ivinhema, onde conheceram e participaram de todo o processo de produção de mudas, passando pelas atividades de quebra de dormência de sementes, semeadura, preparo de substrato, transplante de mudas, viveiro de mudas, plantio e cuidados. No final conheceram o arboreto da unidade e experimentaram um fruto nativo, conhecido popularmente como Araçá. Todo este processo foi fotografado com câmeras digitais pelos participantes, para o desenvolvimento da atividade posterior.

Os dois encontros posteriores foram destinados à construção de histórias em quadrinhos sobre as experiências da visita à Unidade da UEMS de Ivinhema. Para isto foi disponibilizado uma sala de informática onde os estudantes, divididos em 4 grupos, utilizaram computadores que continham as fotos tiradas e prepararam a história no programa Power Point. Para cada grupo foi cedido um tutor que não interferiu na produção intelectual, mas ficou responsável por esclarecer dúvidas sobre a montagem dos slides e o uso do computador.

No quarto encontro foi realizada uma trilha no antigo Zoológico da cidade, hoje um bosque, onde as crianças e adolescentes conheceram características e curiosidades sobre algumas espécies nativas ali presentes. Ao final os alunos foram incentivados a coletarem no entorno de suas casas folhas de vários tamanhos, formatos e cores, bem como flores e outras partes florais para a próxima atividade.

No encontro seguinte, com o material vegetal que os alunos trouxeram de suas casas, realizou-se uma oficina de desenhos, que consistiu na colagem de folhas verdes e secas e outras partes vegetais para montar vários desenhos. Foram disponibilizadas folhas sulfite A4, cola branca, tesouras e alguns modelos pré-definidos para inspirar novas ideias. As crianças que não participaram da trilha e que estavam presentes neste encontro, coletaram o material ao redor da entidade.

O encerramento ocorreu com um passeio recreativo e piquenique na Associação dos Servidores Públicos Municipais de Ivinhema (ASSEMI), este espaço conta com um campo de futebol, quiosque, parquinho, bosque e um salão de eventos. A manhã foi reservada para o lazer, no final foi realizado o piquenique e neste momento os participantes reuniram-se para uma roda de discussão sobre a importância da vegetação que foi observada no período da Colônia de férias.

Para avaliar a contribuição da ação verificou-se a qualidade das histórias elaboradas e a participação efetiva de todos nas demais atividades.



Resultados



Durante o primeiro encontro os estudantes estavam entusiasmados com a aquisição de novos conhecimentos e pela participação em diferentes atividades na Universidade (Figura 1). Nos dois encontros posteriores foi possível observar pelas histórias em quadrinhos que alguns termos técnicos foram absorvidos durante a visita, já que estes foram citados em todos os trabalhos, entre eles destacam-se: sementes dormentes, sementes quiescentes, escarificação, embrião, transplante e substrato.