ISSN 1678-0701
Número 69, Ano XVIII.
Setembro-Novembro/2019.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Área de autores      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Saber do Fazer     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias
 
Artigos

No. 69 - 27/09/2019
EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO BENZENO EM POSTOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEL FRACIONADO NA CIDADE DE FEIRA DE SANTANA-BA  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=3787 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO BENZENO EM POSTOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEL FRACIONADO NA CIDADE DE FEIRA DE SANTANA-BA



Sheila Souza da Silva1, Sara Julliane Ribeiro Assunção2, Alessandra Ribeiro Assunção do Amaral3 Lorena Xavier Conceição Santos4



1 Especialista em Segurança no Trabalho, Departamento de Pós-graduação, Faculdade de Tecnologia e Ciências, sheila_souzafsa@hotmail.com

2 Doutora em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Departamento de Engenharia Agronômica, Universidade Federal de Sergipe, julliassuncao@yahoo.com.br

3 Mestre em Ciências da Educação, Universidade del Sur, sandra_amaral2@hotmail.com.br

4 Doutoranda em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal de Sergipe, lolyxavier@hotmail.com





Resumo: A atividade em postos revendedores de combustíveis tem uma grande relevância na sociedade, porém, atrelada a ela está a exposição ocupacional ao benzeno que envolve seus trabalhadores a uma série de riscos ao meio ambiente e a saúde. Presente na composição dos combustíveis, o benzeno é um composto tóxico, cujos vapores, se inalados, causam tontura, dores de cabeça e até mesmo inconsciência. Se inalados em pequenas quantidades por longos períodos causam sérios problemas sanguíneos, além de ser altamente cancerígeno. Também pode se contaminante por contato na pele ou ingestão. Levando em consideração essa realidade, objetivou-se analisar o perfil do trabalhador, como sexo, idade, escolaridade, o ambiente de trabalho a que estão inseridos como a disponibilidade de dispositivos de controle, e o comportamento dos trabalhadores expostos ao benzeno nos postos revendedores de combustíveis da cidade de Feira de Santana-Ba autorizados pela agência nacional de petróleo. Para isso, foi realizada uma entrevista por meio de questionário ao responsável pelo posto revendedor. Os resultados demonstraram que parte dos trabalhadores ainda possuem hábitos errôneos que agravam sua saúde. Identificou-se também, uma falta de coerência na utilização de cada equipamento de proteção individual, cada posto demonstrou utilizar equipamentos diferentes para a mesma atividade. Tornando assim, evidente a necessidade melhorias nas capacitações, com objetivo de sensibilizar os trabalhadores na utilização dos EPI´s adequados para cada setor e a não se envolverem em atitudes que exponham ainda mais sua saúde. Dinâmicas, atividades práticas e uma avaliação com perguntas objetivas poderão contribuir na aprendizagem e na sensibilização almejada.

Palavras-chave: Benzeno. Risco. Equipamento de proteção individual.



ABSTRACT: The activity in fuel retailers has a great relevance in society, however, tied to it is the occupational exposure to benzene that involves its workers to a series of risks to the environment and health. Present in the composition of fuels, benzene is a toxic compound whose vapors, if inhaled, cause dizziness, headaches and even unconsciousness. If inhaled in small amounts for long periods cause serious blood problems, in addition to being highly carcinogenic. May also be contaminated by skin contact or ingestion. Taking into account this reality, the objective was to analyze the profile of the worker, such as sex, age, schooling, the work environment to which they are inserted as the availability of control devices, and the behavior of workers exposed to benzene in the resellers fuels of the city of Feira de Santana-Ba authorized by the national agency of petroleum. For this, an interview was conducted by means of a questionnaire to the person responsible for the reseller station. The results showed that part of the workers still have erroneous habits that aggravate their health. It was also identified a lack of consistency in the use of each individual protection equipment, each station demonstrated using different equipment for the same activity. Thus, it is evident that there is a need for improvements in training, with the aim of sensitizing workers to the use of PPEs suitable for each sector and not getting involved in attitudes that expose their health even more. Dynamics, practical activities and an evaluation with objective questions can contribute to the learning and the sensitization aimed.

Keywords: Benzene. Risk. Individual protection equipment.



Introdução

O benzeno é extraído do petróleo ou do carvão mineral, sendo considerado uma importante matéria-prima na indústria petroquímica. Conhecido como de segunda geração, é a quinta substância mais produzida em volume no mundo. É um contaminante universal, altamente tóxico para a saúde humana e ambiental e apresenta toxicidade mesmo em doses inferiores a 1,0 ppm. Não há, portanto, limite seguro de exposição a essa substância, considerada a quinta de maior risco químico pelo Programa das Nações Unidas de Segurança Química.

A exposição ao benzeno ocorre principalmente através do ar, pela via respiratória e pelas vias cutânea e digestiva, sendo esta geralmente acidental. Segundo estudos de exposição ocupacional realizados na União Europeia, as principais fontes de exposição são as indústrias químicas, de petróleo, de plástico, de madeira, de metalurgia e siderurgia, o comércio atacadista e varejista, e o transporte terrestre. É importante destacar que os trabalhadores estão expostos não somente na indústria, mas em toda a cadeia produtiva e da logística em que esse produto se faz presente. Essa exposição pode causar intoxicações agudas e crônicas, e o conjunto de seus efeitos é denominado benzenismo.

A Agência Internacional de Estudos sobre o Câncer estabeleceu, em 1983, que o benzeno é um agente cancerígeno do Grupo 1 (IARC). A absorção do benzeno ocorre principalmente pela inalação do agente na forma de vapor, e secundariamente pela pele, através do contato com a sua forma líquida. Os sintomas de intoxicação por benzeno são variáveis e têm um espectro clinicamente amplo. Sintomas como dispneia, xerostomia e rinite alérgica são referidos frequentemente, assim como hiperemia ocular. Extra-sístoles, taquicardia e arritmia também podem afetar os trabalhadores em contato com esse agente. Sintomas mais vagos como mialgias e dor nas pernas têm uma prevalência alta.

Os sintomas relacionados à intoxicação do sistema nervoso central incluem sonolência, cefaleia, vertigem e tremores. Em alguns casos, a inalação ou a ingestão de grandes quantidades de benzeno pode resultar em morte. Com relação às alterações hematológicas periféricas da exposição ao benzeno, podemos encontrar anemia, leucopenia, linfocitopenia e trombocitopenia, doenças que acarretam uma série de alterações, como distúrbios de coagulação e infecções por patógenos atípicos, além de infecções recorrentes.

Os Postos Revendedores de Combustíveis - PRC, ou mesmo o ar ao redor desses locais, são ambientes que podem apresentar altos níveis de benzeno. A gravidade do envenenamento provocado por benzeno depende da quantidade, via de contato (respiração, pele ou ingestão) e tempo de exposição (duração do contato com o agente), bem como a idade e a condição de saúde da pessoa exposta. Devido ao contato com a gasolina, os trabalhadores de postos de combustíveis estão mais expostos ao benzeno e aos malefícios provenientes desta exposição (Ministério da Saúde, 2017).

A única forma de prevenção é a não exposição, que pode ser: por substituição de benzeno por outros produtos ou pelo uso de tecnologia adequada para evitar a exposição. As ações preventivas são importantes na proteção da saúde. Assim, o ambiente e o processo de trabalho devem assegurar sempre a menor exposição ocupacional possível. Medidas de proteção coletiva adotadas no processo de trabalho, minimizando a exposição ou eliminando o agente, e medidas de proteção individual contribuem decididamente na prevenção da intoxicação (Fundacentro, 2012).



Materiais e Métodos

O estudo a ser apresentado possui uma abordagem interdisciplinar na maneira em que faz uso de conceitos, metodologias e ferramentas de diversas áreas, visando a conhecer o perfil, o ambiente de trabalho e o comportamento dos trabalhadores expostos ao benzeno nos postos revendedores de combustíveis da cidade de Feira de Santana. O objetivo principal que norteia o estudo é o de contribuir com a produção científica com foco nas diretrizes de saúde e segurança do trabalho, a fim de enfatizar a importância da promoção da higiene ocupacional e da educação ambiental voltada aos trabalhadores expostos ao benzeno. Quanto à abordagem da pesquisa, a mesma pode ser identificada como pesquisa qualitativa, uma vez que se preocupa com aspectos da realidade que não podem ser quantificados, centrando-se na compreensão e explicação da dinâmica das relações de um grupo social.

O estudo foi realizado em Feira de Santana, município brasileiro do Estado da Bahia situado a 108 quilômetros de sua capital, Salvador, a qual se liga através da BR-324. Feira, como comumente é apelidada, é a segunda cidade mais populosa do estado e primeira cidade do interior nordestino em população, ou seja, é a maior cidade do interior das regiões Norte, Nordeste, Centro Oeste e Sul do Brasil, e é também a sexta maior cidade do interior do país, e com uma população maior que oito capitais estaduais. Localiza-se a 12º16'00" de latitude sul e 38º58'00" de longitude oeste, a uma altitude de 234 metros. Sua população de acordo com estimativa do IBGE de 2017 é de 627 477 habitantes, sendo a única cidade grande do interior do Norte, Nordeste e Centro Oeste do país, assim definida pelo IBGE na rede urbana do Brasil.

A cidade encontra-se no principal entroncamento rodoviário do Norte-Nordeste brasileiro, e o segundo do Brasil, atrás apenas de São Paulo, é onde ocorre o encontro das BRs 101, 116 e 324, além de seis rodovias estaduais, funcionando como ponto de passagem para o tráfego que vem do Sul, Sudeste e do Centro-Oeste, que se dirige para Salvador e outras capitais e importantes cidades nordestinas. Graças a esta posição privilegiada, possui um importante e diversificado setor de comércio e serviços, além de indústrias de transformação, alimentícias, química, materiais elétricos, materiais de transporte, na produção de biodiesel, mecânica, e aeronáutico. A partir da década de 1970, o perfil econômico feirense cresceu progressivamente, tendo evoluído para um importante e diversificado centro industrial, logístico e econômico regional, até se tornar uma das principais cidades do interior do Brasil.

Para o presente estudo, pesquisou-se juntamente a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) a lista de Posto Revendedor Varejista de Combustíveis Automotivos em Operação da cidade de Feira de Santana. De acordo com a ANP, na data de 10 de Novembro de 2017 havia o equivalente a 93 posto revendedores de combustíveis – PRC com atividades autorizados no município. Dessa população de PRC, foi tomada uma amostra probabilista de 48 postos, com nível de confiança de 95% e margem de erro de 10% calculada através da calculadora amostral.

Os procedimentos técnicos adotados da pesquisa em questão, considerou como mais adequado ao objetivo da pesquisa a utilização de questionário direto limitando-se as respostas do responsável por cada estabelecimento em estudo, na busca conhecer a atual situação do seu objetivo de estudo. Quanto a natureza da pesquisa, a mesma pode ser identificada como uma pesquisa exploratória pois o pesquisador tem como objetivo descrever melhor o problema para obter maiores informações sobre determinado assunto, envolvendo entrevistas com pessoas que estão diariamente com o problema pesquisado e descritiva uma vez que as características estudadas são descritas com o intuito de analisar as relações de causa e efeito (Gil, 2007; Trivinos, 2009).

Na aplicação da entrevista para levantamento de dados, foram feitas visitas nos postos de combustíveis autorizados pela ANP e que estavam dentro dos limites urbanos da cidade visando uma logística de transporte que possibilitasse a eficiência na coleta de dados. A entrevista foi conduzida com o auxílio de um questionário impresso, onde as questões foram anotadas pela entrevistadora, buscando como objetivo conhecer o perfil do trabalhador, como sexo, idade, escolaridade, o ambiente de trabalho a que estão inseridos como a disponibilidade de dispositivos de controle, e o comportamento dos trabalhadores expostos ao benzeno nos postos revendedores de combustíveis da cidade de Feira de Santana.

Junto ao questionário, foi apresentado um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE), que após a explanação dos objetivos do estudo, era assinado pelo Responsável (entrevistado) caso consentisse em participar da pesquisa. Todas as entrevistas foram conduzidas pela mesma entrevistadora, com o intuito de minimizar os efeitos da influência do entrevistador sobre a resposta coletada e o vazamento de informações.



Resultados e Discussão

Diante do coletado foi realizado a tabulação de dados onde possibilitou verificar que do total de postos de combustíveis entrevistados 30% é formado por funcionários exclusivamente do sexo masculino e os demais 70% que apresentam uma população mista, apenas 10% é composta pelo sexo feminino. Com relação a faixa etária, os trabalhadores expostos ao benzeno identificados na pesquisa estão numa média de idade de 33 anos, estando entre o valor de 18 e 67 anos de idade. Dos entrevistados 13% não informaram o nível de escolaridade de seus funcionários e do restante dos funcionários que foram analisados apenas 66% possui ensino médio completo.

Em relação ao ambiente de trabalho, os PRC se apresentaram bastante disciplinados com as novas exigências da Portaria 1.109/2016 do Ministério do Trabalho e Emprego. A legislação deixa explicitado no item 9.4 “Todas as bombas de abastecimento de combustíveis líquidos contendo benzeno devem estar equipadas com bicos automáticos”. Identificou-se uma totalidade de 100% dos postos analisados com adesão ao bico automático nas bombas de abastecimento.

Apresentaram também 100% dos postos entrevistados o conhecimento a certa da substância Benzeno, os riscos de sua exposição, a disponibilidade de Equipamento de Proteção Individual, a periodicidade na realização de treinamentos que envolvem os procedimentos de operações, efeitos à saúde e medidas de prevenção relacionadas a exposição ocupacional por benzeno nos postos revendedores de combustíveis da cidade, como mostra a tabela abaixo.



Tabela 01: Conhecimentos sobre a substância e ambiente de trabalho

Questionamentos

Respostas Apresentadas

Percentual

Conhece a substância benzeno?

Sim

48 - 100%

Conhece os efeitos do benzeno na saúde do trabalhador?

Sim

48 - 100%

Disponibiliza EPI aos trabalhadores?

Sim

48 - 100%

Oferece treinamentos sobre os procedimentos, efeitos a saúde e medidas de prevenção quanto a exposição ocupacional ao benzeno?



Sim





48 - 100%

Realiza o monitoramento com exames médicos da contaminação do benzeno sobre a saúde dos trabalhadores?



Sim



48 - 100%

Fonte: SILVA, et al. Elaborado com dados dos autores, 2019



O responsável de cada Posto Revendedor informou que realiza os exames periódicos exigidos devido a exposição ocupacional ao benzeno, porém com periodicidades divergentes de realização de um posto para o outro, conforme mostra o Gráfico 1.

A maioria dos entrevistados explanaram que os exames estão sendo realizados num prazo de tempo de 6 meses, ou seja, duas vezes ao ano. Os novos critérios estabelecem de no mínimo a realização do exame semestral, como ocorre com 65% dos entrevistados.

De acordo com o Ministério do trabalho os PRC devem manter sinalização, em local visível, na altura das bombas de abastecimento de combustíveis líquidos contendo benzeno, indicando os riscos dessa substância, nas dimensões de 20 x 14 cm com os dizeres: "A GASOLINA CONTÉM BENZENO, SUBSTÂNCIA CANCERÍGENA. RISCOS À SAÚDE." Sendo assim, foi possível visualizar em 98% dos postos analisadas a existência da sinalização adequada em todas as bombas de abastecimento.







Gráfico 01: Periodicidade dos exames realizados

Fonte: SILVA, et al. Elaborado com dados dos autores, 2019

De acordo com o Decreto nº 2.657 de 03/07/1998, a Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ é um documento obrigatório para a comercialização de produtos químicos. Ela oferece recomendações sobre medidas de proteção e ações em emergência, alertando sobre os perigos e possíveis riscos no manuseio de produtos químicos tóxicos. A FISPQ fornece algumas informações necessárias para a elaboração de um programa de saúde, segurança e meio ambiente efetivo.

O atual contexto dos PRC da cidade possibilitou perceber que 96% dos postos possuem a FISPQ à disposição dos trabalhadores, em local de fácil acesso para consultas e eventuais dúvidas, desta parcela apenas 61% dos postos indicaram o interesse dos trabalhadores em conhecer as FISPQ dos respectivos produtos que estão expostos diariamente, em especial o benzeno.

Com o objetivo de reduzir a contaminação por benzeno e outros subprodutos, nocivos à saúde humana, contidos nos combustíveis, o Ministério do Trabalho e Emprego proibiu a utilização de flanela, estopa ou tecidos similares utilizados na contenção de respingos e extravasamentos durante o abastecimento e outras atividades com essa possibilidade, conforme previsto no item 9.7 da nova portaria. O mesmo sugeriu que para a situação explicitada será admitida apenas o uso de tolhas de papel absorvente, desde que o trabalhador esteja utilizando luvas impermeáveis apropriadas. Entretanto observa-se que na prática este comportamento não tem sido adotado por todos os trabalhadores, conforme dados apresentados na figura 02.

Figura 02: Fatores que contribuem para exposição à riscos associados ao benzeno e demais químicos oriundos de postos de gasolina.

Fonte: SILVA, et al. Elaborado com dados dos autores, 2019

Observou-se que em 70% dos resultados deste estudo, para a contenção de respingos e extravasamentos foi utilizado material absorvente descartável em postos revendedores de combustíveis da cidade. Os demais informaram utilizar material absorvente como o papel toalha, agregado a outros materiais como: água (2%), sabão (2%), areia (2%), tecido (2%), estopa (2%), conforme figura 3 apresentada abaixo.



Figura 03: Material utilizado para contenção de respingos e extravasamentos

Fonte: SILVA, et al. Elaborado com dados dos autores, 2019



A norma regulamentadora 09, em seu anexo II, deixa explicito que a medição de tanques com régua é admitida nas seguintes situações: Para aferição do sistema eletrônico; Em situações em que a medição eletrônica não puder ser realizada por pane temporária do sistema; Para a verificação da necessidade de drenagem dos tanques; Para fins de testes de estanqueidade. No entanto, tornou-se nítido que essa atividade existe em 54% dos postos analisados apresentando as explicativas da falta de costume com o sistema eletrônico, de problemas com o sistema ou até mesmo como forma de hábito.

Observou-se ainda que para a realização das medições dos tanques com réguas, e para a coleta de amostra no caminhão-tanque os funcionários fazem uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s), (Figura 04), como luvas, mascarás, capacetes e cintos. Segundo a Norma Regulamentadora Nº 06, Equipamento de Proteção Individual é “todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho”.

A partir dos dados apresentados, houve a predominância da utilização de equipamento de proteção respiratória de face inteira, com filtro para vapores orgânicos, e a luva nitrílica e a luva PVC, estando de acordo com a legislação vigente. Este equipamento esteve sendo apresentado no momento do questionário pelos postos revendedores de combustíveis.

O benzeno em altas concentrações é uma substância bastante irritante para as mucosas (olhos, nariz, boca etc.) e, quando aspirado, pode provocar edema (inflamação aguda) pulmonar e hemorragia nas áreas de contato. Também provoca efeitos tóxicos para o sistema nervoso central, causando, de acordo com a quantidade absorvida: períodos de sonolência e excitação, tontura, dor de cabeça, enjoo, náusea, taquicardia, dificuldade respiratória, tremores, convulsão, perda da consciência e morte (ATSDR, 2007).



Figura 04: EPI utilizado para medição manual do nível do tanque no subsolo e para a coleta de amostra no caminhão-tanque respectivamente

Fonte: SILVA, et al. Elaborado com dados dos autores, 2019



Partindo da análise dos trabalhadores perante a apresentação de queixas, reclamações e / ou atestados médicos a respeito de sintomas relacionados a exposição ao benzeno em seu ambiente de trabalho, apurou-se do total de 582 funcionários os seguintes dados apresentados na Figura 05.



Figura 05: Sintomas relacionados a exposição ocupacional ao benzeno

Fonte: SILVA, et al. Elaborado com dados dos autores, 2019



As principais queixas apresentadas pelos funcionários no presente trabalho foram fadiga (7,04%), cefaleia (2,75%), dor nas pernas (1,72%), rinite alérgica (2,23%), lombalgia (2,23%) e alterações de humor (1,03%). Possibilitando assim verificar as consequências da sua exposição e os danos causados pela não utilização adequada de EPI´s e/ou o procedimento realizado de forma inadequada.



Considerações Finais

Os responsáveis pelos postos revendedores de combustíveis demonstraram saber da importância do estudo abordado e estiveram bastante comprometidos em responder aos questionamentos. Os resultados indicam que os trabalhadores estão cientes da exposição ao benzeno e de seus efeitos à saúde, principalmente quando relacionados ao câncer. Porém há ainda não se abstiveram completamente de alguns hábitos de agravam essa exposição, como a utilização de flanelas estopa e tecidos similares para a contenção de respingos e extravasamentos e o costume de molhar a roupa com combustíveis, possibilitando o contato direto com a substância ao corpo.

Os EPI´s são disponibilizados pelas empresas, porém cada posto de combustível atuou de forma diferente na sua utilização ou ainda tiveram dúvidas como proceder e em quais momentos utilizar cada EPI, caracterizando, assim, falha nos treinamentos de procedimentos operacionais diante a exposição ao benzeno. Os sintomas demonstram as consequências da sua exposição e os danos causados pela não utilização ineficiente de EPI´s e/ou o procedimento realizado de fora dos padrões.

Capacitações destinadas aos trabalhadores expostos ao benzeno carecem de uma abordagem com maior intensidade, com objetivo de sensibilizá-los a utilizar os EPI´s adequados para cada setor e a não se envolverem em atitudes que exponham ainda mais sua saúde. Dinâmicas, atividades práticas e uma avaliação com perguntas objetivas poderão contribuir na aprendizagem e na sensibilização almejada.



Referências

BRASIL. Decreto nº 2.657, de 3 de Julho de 1998. Promulga a Convenção nº 170 da OIT, relativa à Segurança na Utilização de Produtos Químicos no Trabalho, assinada em Genebra, em 25 de junho de 1990. Disponível em: Acesso em: 10 nov.2017.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Efeitos da exposição ao benzeno para a saúde. São Paulo. Série benzeno; n. 1, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Você sabe o que tem no combustível. Ministério da Saúde. Marcus Vinícius Silva / CRB 7 / n. 616. Rio de Janeiro, 2017.

BRASIL. Portaria 1.109, de 21 de Setembro de 2016. Aprova o Anexo 2 - Exposição Ocupacional ao Benzeno em Postos Revendedores de Combustíveis - PRC - da Norma Regulamentadora n.º 9 - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA. Disponível em: <http://www.trtsp.jus.br/geral/tribunal2/ORGAOS/MTE/ Portaria/P1109_16.html>. Acesso em: 10 nov.2017.

BUAINAIN, A. M.; ROMEIRO, A. R.; GUANZIROLLI, C. Agricultura familiar e o novo mundo rural. Sociologias, Porto Alegre, RS, v. 10, p. 312-347, 2003

Confederação Nacional da Indústria. Consolidação da legislação sobre o benzeno. – Brasília: CNI/SESI, 2012. 228 p.: il.

D’ALASCIO, R.G. MENEGALI M. ANDREI DA SILVA BORNELLI, A.S. MAGAJEWSKI, F. Sintomas relacionados à exposição ocupacional ao benzeno e hábitos ocupacionais em trabalhadores de postos de revenda de combustíveis a varejo na região sul de Santa Catarina. Tubarão,2013.

ESCOLA, Brasil. Descoberta da Estrutura do Benzeno. Disponível em: < http://brasil escola .uol.com.br/quimica/descoberta-estrutura-benzeno.htm>. Acesso em: 22 nov.2017.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

PISAT, 2017. Boletim Epidemiológico. Quantos são os trabalhadores expostos ao benzeno no brasil? Estimativas baseadas em uma matriz de exposição ocupacional.

Edição nº 12, ano VII.

POSTOS, Brasil. Flanelas, Estopas e Panos estão proibidos. Disponível em: https://www.brasilpostos.com.br/noticias/saude-e-seguranca-do-colaborador/flanelas-estopas -e-panos-estao-proibidos/. Acesso em: 22 nov.2017.

Revista Brasil Saúde Ocupacional, 2017. Prevenção da exposição ocupacional ao benzeno em trabalhadores de postos de revenda de combustíveis: a experiência do estado do Espírito Santo. 42 (supl 1):e4s.

Revista Proteção, 2017. Benzeno: segurança à saúde nos postos de combustíveis. Disponível em: <http://www.protecao.com.br/noticias/legal/benzeno:_seguranca_a_ saude _nos_ postos _de_combustiveis/JyyAAcjbAc/10898>. Acesso em: 20 nov.

Secretária Municipal de Saúde. Exposição ocupacional ao benzeno em postos revendedores de combustíveis. Rio de Janeiro, 2017

SOLVIS. Cálculos de Amostragem. Disponível em: <http://www.solvis.com.br/ calculos -de-amostragem/>. Acesso em: 20 nov.





" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
  Início      Cadastre-se!      Procurar      Área de autores      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Saber do Fazer     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias