ISSN 1678-0701
Número 69, Ano XVIII.
Setembro-Novembro/2019.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Área de autores      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Saber do Fazer     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias
 
Artigos

No. 69 - 27/09/2019
REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO MEIO AMBIENTE PARA ESTUDANTES DO PROJETO EDUCAÇÃO INTEGRAL INTEGRADA DA UNIDADE ESCOLAR JOSÉ BITTENCOURT DE SOUZA, ESTRELA DALVA-MG  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=3822 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO MEIO AMBIENTE PARA ESTUDANTES DO PROJETO EDUCAÇÃO INTEGRAL INTEGRADA DA UNIDADE ESCOLAR JOSÉ BITTENCOURT DE SOUZA, ESTRELA DALVA-MG

Marcela Eringe Mafort1, Jean Carlos Miranda2

1Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais, mafortmarcela@gmail.com

2Universidade Federal Fluminense, jeanmiranda@id.uff.br



Resumo - O presente trabalho refere-se às representações sociais do meio ambiente de alunos do Projeto Educação Integral Integrada de uma unidade escolar do município de Estrela Dalva – MG. Sua realização foi motivada pela importância da incorporação de questões relacionadas ao meio ambiente na educação, com destaque para o ensino de Ciências e Biologia. Os dados, obtidos por meio da técnica de evocação livre de palavras, foram analisados e interpretados de acordo com a abordagem estrutural da Teoria das Representações Sociais. Observou-se que os estudantes relacionam o termo indutor meio ambiente aos seres vivos, correlacionando-o a elementos de construções naturais. No entanto, também fazem menção a elementos de influência direta pelo homem, como desmatamento e poluição. Os resultados obtidos podem ser utilizados como base para elaboração de projetos de educação ambiental, assim como, devem estar presentes nas aulas de Ciências e Biologia promovendo o diálogo e a discussão de temas relacionados à ética entre o homem, a sociedade e o meio ambiente.

Palavras-Chave: Ensino de Ciências. Ensino de Biologia. Educação Ambiental. Teoria das Representações Sociais.



Abstract - The present work refers to the environment social representations by students of the Integral Integrated Education Project of a school unit in the city of Estrela Dalva – MG. Its achievement was motivated by incorporation importance the issues related to the environment in education, with focus for the science and biology teaching. The database obtains the technique of free recall of words, were interpreted and analyzed according to the structure of approach of Social Representations Theory. It was observed that individuals related to the inducer term environmental to living beings, correlating with elements of natural constructions. However, they also mention the influence of man, such as deforestation and pollution. The results obtained can be used as basis for the elaboration of environmental education projects, as well as, they should be present in the classes of Sciences and Biology promoting the dialogue and a discussion of subjects related to the ethics between the man, the society and the environment.

Keywords -Science Education. Biology Teaching of Biology. Environmental Education. Social Representations Theory.



INTRODUÇÃO

É premente a identificação, análise e discussão, pela sociedade civil e governo, acerca de problemas ambientais, como por exemplo, poluição das águas, desmatamento, escassez de recursos naturais e extinção de espécies. Como afirmam Miranda e Gonzaga (2015, p. 140), “o atual estado de degradação em que o planeta Terra se encontra tem elevado a questão ambiental à categoria de “grande questão contemporânea”. Portanto, torna-se necessário compreender os conceitos relacionados ao meio ambiente para a busca por soluções para os problemas ambientais (SAUVÉ, 2005). A escola, enquanto espaço de formação de cidadãos críticos, desempenha importante papel nesse processo, uma vez que pode habilita-los para uma atuação mais efetiva e comprometida com a mudança do atual cenário socioambiental que compromete o futuro das próximas gerações.

A Teoria das Representações Sociais (TRS) pode ser utilizada como estratégia pedagógica para a compreensão da realidade dos discentes e, por meio dela, ações práticas podem ser desenvolvidas no ambiente escolar. Formulada por Serge Moscovici, a TRS teve início na década de 60, por meio de sua Tese de Doutorado intitulada “Psychanalyse, sonimage et sonpublic” (SILVA; SILVA; TREVISAN, 2014) evidenciando elementos tanto para debates envolvendo a Psicologia Social, assim como para a sociologia do conhecimento (AZEVEDO, 2007). Moscovici buscou redefinir, com um novo olhar, os problemas da Psicologia Social, partindo do conceito de representação coletiva de Émile Durkheim (SILVA, SILVA & TREVISAN, 2014). No qual afirma que esta descreve, ou identifica uma categoria coletiva que deve ser explicada a um nível inferior, isto é, em nível da psicologia social, julgando ser mais adequado, num contexto moderno, estudar as representações sociais, uma vez que as sociedades modernas são caracterizadas por um amplo pluralismo e pela rapidez com que as mudanças culturais, políticas e econômicas ocorrem (FARR, 2016).

As Representações Sociais (RS), definidas por Moscovici (1978) como um conjunto de conceitos, propostas e explicações que surgem na vida cotidiana, num processo de comunicação interpessoal, se manifestam por meio de palavras, sentimentos e condutas, frutos da vivência do cotidiano, podendo ser consideradas como matéria-prima para análise e entendimento do social e também para ações político-pedagógicas de transformações de determinado segmento da sociedade (MINAYO, 2016). Precisam ser entendidas a partir do contexto e de sua funcionalidade nas interações sociais, funcionando como um sistema de interpretação da realidade do sujeito e de suas relações com o meio onde se encontra inserido (SPINK, 2016).

Para uma melhor compreensão do estudo das representações sociais, Sá (1996) desenvolveu uma abordagem complementar à Teoria das Representações Sociais de Moscovici, onde se insere a Teoria do Núcleo Central (AZEVEDO, 2007; SILVA, SILVA & TREVISAN, 2014). O Núcleo Central determina a natureza do objeto e sua relação com grupo, se apresenta como sendo estável, coerente, consensual e historicamente determinado, assim como seu ao redor, localiza-se os elementos do sistema periférico, sendo este flexível, adaptativo e relativamente heterogêneo (AZEVEDO, 2007).

O Núcleo Central de uma representação social é aqueles que, em geral, direciona a ação e define o comportamento do sujeito, representando a essência da representação social, constituída pela memória coletiva do grupo e suas normas (FERREIRA, et al, 2005). Sendo as representações sociais teorias do senso comum, cabe ao estudo, desvendar à associação de ideias buscando entender a diversidade quanto o que há de comum e compartilhado em determinado grupo (SPINK, 2016). A mesma pode ser aplicada em diversas áreas, como por exemplo, estudo da motivação para o trabalho (FERREIRA et al, 2005) e estudo do meio ambiente voltado para o desenvolvimento de processos de educação ambiental e formação continuada de professores (MAGALHÃES JÚNIOR & TOMANIK, 2012, 2013).

Motivados pela importância da incorporação de questões relacionadas ao meio ambiente no ensino de Ciências e Biologia, objetivou-se investigar e compreender as representações sociais do meio ambiente de 25 estudantes pertencentes ao Projeto Educação Integral Integrada do município de Estrela Dalva-MG, localizado na mesorregião da Zona da Mata Mineira, por meio da Teoria das Representações Sociais associada à técnica de evocação livre de palavras.



Procedimentos Metodológicos

Caracterização da pesquisa

Esta pesquisa caracteriza-se, quanto aos objetivos, como descritiva, uma vez que reúne e descreve fatos e fenômenos de uma determinada realidade (SILVEIRA & CÓRDOVA, 2009), especificamente as representações sociais do meio ambiente de 25 estudantes do Projeto Educação Integral Integrada da unidade escolar José Bittencourt de Souza (Estrela Dalva – MG) e sua relação de importância como base para a elaboração de projetos de educação ambiental interdisciplinar, assim como, o ensino de Ciências e Biologia. Quanto aos procedimentos, é classificada como estudo de campo, uma vez que procura o aprofundamento de uma realidade específica e determinada (SILVEIRA & CÓRDOVA, 2009). A abordagem escolhida para a pesquisa é de interpretação qualitativa e quantitativa (OLIVEIRA et al., 2005).



Área de estudo

A pesquisa foi realizada no município de Estrela Dalva, localizado na região sudeste do Estado de Minas Gerais, na Microrregião de Cataguases e Mesorregião da Zona da Mata Mineira. Abrange uma área de aproximadamente 132,54 km² (PNUD, 2013) e uma população estimada de 2.470 habitantes (IBGE, 2016).



Coleta de dados

A coleta de dados ocorreu no mês de dezembro 2018, na Unidade Escolar José Bittencourt de Souza. A atividade foi realizada com 25 estudantes (16 do sexo masculino e 09 do sexo feminino) do Projeto Educação Integral Integrada, com faixa etária entre 12 e 15 anos de idade.

Os grupos semânticos foram obtidos por meio da Evocação Livre de Palavras (ELP) (SÁ, 1996; FERREIRA et al., 2005; CORTES JÚNIOR, CORIO & FERNANDEZ, 2009; MAGALHÃES JÚNIOR & TOMANIK, 2012, 2013) mediadas pelo termo indutor “Meio Ambiente”. Os estudantes escreveram as cinco primeiras palavras que vinham às suas mentes quando mencionado o termo indutor “Meio Ambiente”, sendo considerada a primeira palavra a mais relevante e a quinta a menos relevante.



Análise de dados

Para a análise dos dados obtidos por meio da evocação livre de palavras, a seguinte ordem foi estabelecida: (I) categorização das palavras em grupos semânticos; (II) cálculo da frequência dos grupos semânticos; (III) cálculo da ordem média de evocação (OME) (corresponde à média aritmética dos produtos). As evocações obtidas por meio ELP foram categorizadas em grupos semânticos de acordo com grau de similaridade (FERREIRA et al., 2005). Logo após, foi realizado o cálculo de frequência dos grupos semânticos representado pelo número de vezes em que ele foi citado pelos discentes, e posteriormente, o cálculo da ordem média de evocação foi realizado de acordo com Ferreira et al. (2005) e exemplificado no Quadro 1.

Quadro 1: Exemplo do cálculo da frequência e da ordem média de evocações do grupo semântico “desmatamento” referente aos estudantes do Projeto de Educação Integral Integrada da Unidade Escolar José Bittencourt de Souza.

Exemplo do grupo semântico “desmatamento” referente aos estudantes do Projeto de Educação Integral Integrada.

Número de vezes que foi evocada em 1° lugar: 06

Número de vezes que foi evocada em 2° lugar: 05

Número de vezes que foi evocada em 3° lugar: 03

Número de vezes que foi evocada em 4° lugar: 02

Número de vezes que foi evocada em 5° lugar: 00

Frequência total: 06 + 05 + 03 + 02 + 00 = 16

OME: [(6x1) + (5x2) + (3x3) + (2x4) + (0x5)]/16 = 2,06

Fonte: Adaptado de Ferreira et al. (2005).



A partir da análise conjunta da frequência e da OME, os grupos semânticos foram organizados em quadrantes classificados como núcleo central, intermediários e sistema periférico (SÁ 1996; FERREIRA et al., 2005; CORTES JÚNIOR., CORIO & FERNANDEZ, 2009; MAGALHÃES JÚNIOR & TOMANIK, 2012, 2013).

Encontra-se no quadrante superior esquerdo os elementos pertencentes ao núcleo central, que possuem maior relevância, os localizados no quadrante superior direito e inferior esquerdo são os elementos denominados intermediários e os localizados no inferior direito são os grupos semânticos pertencentes ao sistema periférico (SÁ, 1996, 1998). A análise e interpretação dos quadrantes para o entendimento da representação social são construídas com lógica qualitativa e quantitativa (OLIVEIRA et al., 2005).



RESULTADOS E DISCUSSÃO

As palavras evocadas por meio da ELP a partir do termo indutor “Meio Ambiente” foram categorizadas em dez grupos semânticos de acordo com grau de similaridade entre elas (Tabela 1) (FERREIRA et al., 2005).

Tabela 1: Frequência de evocação e Ordem Média de Evocação dos grupos semânticos na Unidade Escolar José Bittencourt de Souza, turma Projeto de Educação Integral Integrada, Ensino Fundamental.

Grupo semântico

de palavras

Frequência de evocação

Ordem média de evocação

Árvores

18

3,33

Animais

17

3,47

Desmatamento

16

2,06

Preservação

15

2,47

Poluição

15

3,27

Seres vivos

13

2,46

Vida

07

3,57

Respeito

06

2,67

Natureza

04

2,00

Rio

03

4,00

Média

11,4

2,93



A partir da análise conjugada dos dados de frequência e ordem média de evocação, presentes na Tabela 1, foi possível a construção de um quadro evidenciando a estrutura da representação social acerca do termo indutor “Meio Ambiente” (Quadro 2).

Quadro 2: Estrutura da representação social acerca de “Meio Ambiente” da turma do Projeto de Educação Integral Integrada, da Unidade Escolar José Bittencourt de Souza, pela frequência média e ordem média de evocação (OME).


OME < 2,93

OME > 2,93


Elemento

F

OME

Elemento

F

OME

f > 11,4

Desmatamento

Preservação

Seres vivos

16

15

13

2,06

2,47

2,46

Árvores

Animais

Poluição

18

17

15

3,33

3,47

3,27

f < 11,4

Respeito

Natureza

06

04

2,67

2,0

Vida

Rio

07

03

3,57

4,0



Dentre os dez grupos semânticos distribuídos na estrutura da representação social, três se mantiveram presentes no quadrante superior esquerdo (desmatamento, preservação e seres vivos), possuindo valores de frequência maior que 11,4 e ordem média de evocação menor que 2,93, formando, de acordo com a teoria das representações sociais, o núcleo central da representação social. Isso significa que desmatamento, preservação e seres vivos são os primeiros grupos semânticos lembrados pelos discentes quando mencionado o termo indutor “Meio Ambiente”. Magalhães Júnior e Tomanik (2013) encontraram os grupos semânticos natureza, vida e preservação compondo o núcleo central das representações do meio ambiente em pesquisa realizada com professores das séries inicias sobre o meio ambiente.

A presença do elemento desmatamento no núcleo central da representação nos chama atenção, uma vez que demonstra a conexão de ações antrópicas ao aspecto do meio ambiente. Tal fato também é observado no trabalho de Nascimento-Schülze (2000) com os elementos poluição e lixo. Os mesmo aparecerem entre os demais grupos do núcleo central da representação social do meio ambiente de moradores de Florianópolis-SC. Demonstrando a concepção do homem como agente de impactos negativos.

Fazendo ligações próximas ao núcleo central, permitindo a elaboração de uma “teia de saberes” quanto ao tema, obtêm-se os elementos intermediários do segundo e terceiro quadrantes. Como elementos intermediários do segundo quadrante, superior direito, encontramos os grupos semânticos árvores, animais e poluição, cujos valores de frequência são superiores a 11,4 e ordem média de evocação maior que 2,93. Já os elementos intermediários do terceiro quadrante, que estão dispostos no quadrante inferior esquerdo, com valores de frequência média menor que 11,4 e ordem média de evocação menor que 2,93, correspondem aos grupos semânticos respeito e natureza.

Como elementos periféricos, que também foram lembrados pelos discentes, porém de forma menos relevante quando comparada ao núcleo da representação social, temos os grupos semânticos vida e rio, ambos com frequência menor que 11,4 e ordem média de evocação maior que 2,93. Os mesmos podem ser utilizados como auxiliares para a interpretação da construção social dos discentes a cerca do tema meio ambiente. O elemento vida evidencia a importância atribuída ao meio ambiente como garantidor da existência dos seres vivos (POLLI & CAMARGO, 2015).

De acordo com a estrutura da representação social e a distribuição dos elementos em quadrantes, pode-se inferir que para os discentes participantes da pesquisa, o meio ambiente está relacionado aos seres vivos, fazendo relações diretas a árvores e animais, correlacionando a termos de construções naturais como natureza e rio, associando-os a vida. Não faz menção a objetos físicos construídos pelo homem (e.g. casas e outras edificações). Porém, destacam influências diretas do mesmo, quando mencionam os elementos desmatamento e poluição. Observa-se a preocupação quanto à preservação e o respeito ao meio ambiente.

O resultado obtido é resposta do conhecimento prático, demonstrando serem construções sócio-históricas relacionadas com as experiências de vivência dos discentes. O mesmo pode ter influência direta da mídia, como telejornais e redes sociais, de trabalhos no ambiente escolar que abordam o tema, assim como da família e do modo de vida da população desta região (REIGOTA, 2010), uma vez que os discentes residem em uma área que possui fragmentos de Mata Atlântica mesclados com áreas de pastagens e agricultura. Portanto, estão em contato direto com os elementos evocados na estrutura da representação.

Considerando que as representações sociais “compõem um sistema de classificação e denotação onde cada objeto ou ser possui um determinado lugar em uma clara escala hierárquica” (DIAS et al, 2018, p.165), têm importância na compreensão de certos posicionamentos (FREITAS & MEIRELLES, 2018) e funcionam como guias para a ação (POLLI & CAMARGO, 2015), Magalhães Júnior e Tomanik (2013, p. 194) afirmam que “as Representações Sociais sobre meio ambiente influenciam a prática pedagógica dos professores”. Nesse sentido, os resultados obtidos podem contribuir com o trabalho docente, fomentando práticas pedagógicas voltadas para a realidade socioambiental dos discentes e promovendo o diálogo e a discussão de temas relacionados à ética ambiental, sustentabilidade e conservação, com vistas ao desenvolvimento de ações educativas que permitam a formação de cidadãos ambientalmente críticos e capazes de atuarem de forma positiva na região onde vivem.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A análise e interpretação dos dados das representações sociais do meio ambiente dos alunos do Projeto de Educação Integral Integrada, constitui-se em um processo resultante de construções sócio-históricas relacionadas com as experiências de vivência dos discentes, demonstrando haver uma nítida relação entre o núcleo central da representação social com os demais elementos pertencentes ao sistema intermediário e periférico. Os estudantes fazem correlação do termo meio ambiente aos seres vivos e a construções naturais, assim como também relacionam elementos que fazem menção à influência direta do homem neste meio. Estes resultados podem e devem servir como base para elaboração de projetos de educação ambiental voltados para a realidade local, assim como devem ser discutidos, promovendo a construção de sujeitos críticos e reflexivos quanto às questões ambientais locais e globais.

REFERÊNCIAS

AZEVEDO, G.C. Representações sociais de meio ambiente: a Reserva Florestal Adolpho Ducke. Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas / Editora do Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia, 2007.

CORTES JUNIOR, L.P.; CORIO, P; FERNANDEZ, C. As representações sociais de química dos alunos iniciantes na graduação em Química. Química Nova na Escola, v. 31, n. 1, p. 46-54, 2009.

DIAS, G. L.; CAMPONOGARA, S.; COSTA, V. Z.; WEILLER, T.; CESAR-VAZ, M. R. Representações sociais sobre saúde e meio ambiente para equipes de estratégia saúde da família. Saúde e Sociedade (Online), v. 27, p. 163-174, 2018.

FARR, R.M. Representações sociais: a teoria e sua história. In: GUARESCHI, P.; JOVCHELOVITCH, S. (Orgs.). Texto em Representações Sociais. Petrópolis: Editora Vozes, p. 27- 51. 2016.

FERREIRA, V.C.P.; SANTOS JÚNIOR, A.F.; AZEVEDO, R.C.; VALVERDE, G.A representação social do trabalho: uma contribuição para o estudo da motivação. Estação Científica, n. 1, p. 1-13, 2005.

FREITAS, R.G.A.; MEIRELLES, R.M.S.  Representações sociais sobre o meio ambiente de estudantes do ensino profissionalizante na Amazônia Sul-Ocidental. Ensino, Saúde e Ambiente, v. 11, p. 59-86, 2018.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Canal Cidades - Município De Estrela Dalva (MG), 2018. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/estrela-dalva>. Acesso em 18 de abr. 2018.

MAGALHÃES JÚNIOR, C.A.O.; TOMANIK, E.A. Representações Sociais e direcionamento para a educação ambiental na reserva biológica das Perobas, Paraná. Investigações em Ensino de Ciências, v. 17, n. 1, p. 227-248, 2012.

MAGALHÃES JÚNIOR, C.A.O.; TOMANIK, E.A. Representações sociais de meio ambiente: subsídios para a formação continuada de professores. Ciência & Educação, v. 19, n. 1, p. 181-199, 2013.

MINAYO, M.C.S. O conceito de representações sociais dentro da sociologia clássica. In: GUARESCHI, P.; JOVCHELOVITCH, S. (Orgs.). Texto em Representações Sociais. Petrópolis: Editora Vozes, p. 95-118. 2016.

MIRANDA, J.C.; GONZAGA, G.R. Temática ambiental: marcos históricos, ensino e possibilidades. Revista Metáfora Educacional, v. 19, p. 138-157, 2015.

MOSCOVICI, S. A Representação Social da Psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

NASCIMENTO-SCHÜLZE, C.M.. Representações Sociais da Natureza e do Meio Ambiente. Revista de Ciências Humanas, Edição Especial Temática, p..67-81, 2000.

OLIVEIRA, D.C.; FISCHER, F.M.; AMARAL, M.A.; TEIXEIRA, M.C.T.V.; SÁ, C.P. A positividade e a negatividade do trabalho nas representações sociais de adolescentes. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 18, n. 1, p. 125-133, 2005.

POLLI, G.M.; CAMARGO, B.V. Representações Sociais do Meio Ambiente e da Água. Psicologia: Ciência e Profissão (Online), v. 35, p. 1310-1326, 2015.

REIGOTA, M. Meio ambiente e representação social. São Paulo: Cortez, 2010.

SÁ, C.P. Núcleo Central das Representações Sociais. Petrópolis: Vozes, 1996.

SÁ, C.P. A Construção do objeto de pesquisa em representações sociais. Rio de Janeiro: EDUERJ. 1998.

SAUVÉ, L. Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 2, p. 317-322, 2005.

SILVEIRA, D. T.; CÓRDOVA, F. P. A pesquisa científica. In: GERHARDT, T. E.;

SILVEIRA, D. T. (org.). Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

SILVIA, M.J.; SILVA, G.C.; TREVISAN, I. Representações sociais de meio ambiente: um estudo com licenciandos de diferentes cursos da UEPA, campus Altamira. Revista de Educação em Ciências e Matemática. v.11, n. 21, p. 92-105, 2014.

SPINK, M.J. Desvendando as teorias implícitas: uma metodologia de análise das representações sociais. In: GUARESCHI, P.; JOVCHELOVITCH, S. (Orgs.). Texto em Representações Sociais. Petrópolis: Editora Vozes, p. 95-118. 2016.

PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento; IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada; Fundação João Pinheiro. Atlas de desenvolvimento humano do Brasil de 2013. 2013. Disponível em: <http://www.atlasbrasil.org.br/2013/>. Acesso em: 18 de abril de 2018.





" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
  Início      Cadastre-se!      Procurar      Área de autores      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Saber do Fazer     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias