ISSN 1678-0701
Número 69, Ano XVIII.
Setembro-Novembro/2019.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Área de autores      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Saber do Fazer     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias
 
Artigos

No. 69 - 27/09/2019
DESMISTIFICANDO OS MORCEGOS: SENSIBILIZAÇÃO DE DISCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=3830 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

DESMISTIFICANDO OS MORCEGOS: SENSIBILIZAÇÃO DE DISCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE



Fábio Henrique de Souza Cardoso1, Guilherme Santana Lustosa2, Daniel Silas Veras2

1Especialização em Educação e Ensino de Ciências, Instituto Federal do Maranhão, Campus Caxias. Email: fabiohenrique16s@hotmail.com

2Laboratório de Ecologia de Comunidades, Instituto Federal do Maranhão, Campus Caxias. Email: daniel.veras@ifma.edu.br

Resumo: A ordem Chiroptera, são um dos grupos de mamíferos mais diversificado do mundo, para o ano de 2005 foram esse táxon compreendia 18 famílias, 202 gêneros. O presente trabalho tem como objetivo revelar a importância ambiental dos morcegos, bem como, acabar com o sentimento de aversão do público em geral por esses organismos, percebe-se a necessidade da realização de atividades de educação ambiental (EA), para sensibilização de crianças para que essas possam passar a tomar uma postura de proteção e conservação da biodiversidade de forma a promover o desenvolvimento sustentável. A pesquisa foi realizada na área urbana no município de Caxias/MA localizado no leste maranhense compreendendo uma área de 5150,667 quilômetros quadrados, o que a torna a terceira maior cidade do Maranhão. A coleta dos dados foi realizada na escola Municipal Santa Catarina Laborê entre os meses de agosto e setembro de 2018. A pesquisa levantou informações de 25 alunos do 9° ano do ensino fundamental, do período vespertino. Os resultados das perguntas pré-teste e pós teste demonstraram uma significância falta de informações sobre os morcegos onde através das palestras foi despertado um pensamento conservacionista aos morcegos.



Abstract: The order Chiroptera, are one of the most diversified mammal groups in the world, for 2005 this taxon comprised 18 families, 202 genera and 112. The present work aims to reveal the environmental importance of bats, as well as, to end the public's general aversion to these organisms, it is necessary to carry out environmental education (EA) activities to raise awareness among children so that they can take a position of protection and conservation of biodiversity in order to promote sustainable development. The research was carried out in the urban area in the municipality of Caxias / MA located in the east of Maranhão comprising an area of 5150,667 square kilometers, which makes it the third largest city in Maranhão. Data collection was carried out at the Santa Catarina Laborê Municipal School between August and September 2018. The research gathered 25 students from the 9th grade elementary school, from the evening period. The results of the test and post test questions showed a significant lack of information about the bats where through the lectures a conservationist thought to the bats was awakened.



Introdução

Os morcegos pertencem a ordem Chiroptera, do grego cheir (mão) pteron (asa), são um dos grupos de mamíferos mais diversificado do mundo (REIS et al., 2007), para o ano de 2005 foram esse táxon compreendia 18 famílias, 202 gêneros (SIMMONS, 2005). Essa riqueza representa aproximadamente 22% das espécies conhecidas de mamíferos para o mundo, que totalizam 5.416. Para o Brasil houve registros de 68 gêneros e 174 espécies para o táxon, desses dois gêneros e 10 espécies são endêmicas do país (NOGUEIRA, 2014).

Os morcegos apresentam grande diversidade em seus hábitos alimentares, podendo apresentar diferentes preferencias alimentares, os fitófagos consumidores de plantas, que compreendem: os frugívoros (comem frutos), nectarívoros (néctar), polinívoros (pólen), folívoros (folhas) e granívoros (comem sementes em forma de grãos). Já os animalívoros são aqueles que se alimentam de outros animais ou partes deles, englobando insetívoros (consomem insetos), carnívoros (aves, répteis e pequenos mamíferos), piscívoros (peixes), ranívoros (rãs, sapos e pererecas) e por fim os hematófagos (sangue) (MELLO, 2007).

A capacidade de voar, junto com a ecolocalização e hábitos noturnos permitem esses animais a explorarem uma grande variedade de nichos ecológicos, levando ao desenvolvimento de muitas especializações morfológicas e hábitos alimentares como resposta às adaptações a estes nichos, a ocupação em diferentes nichos tornam esses animais indispensáveis para a manutenção das relações tróficas e da diversidade dos ecossistemas (SIMMONS, 2005).

Considerando a grande diversidade taxonômica e funcional dos morcegos, eles mostram-se de fundamental importância em diversos serviços ecossistêmicos, como controle biológico, dispersão de sementes e polinização (JARDIM, 2008; WEIR et al. 2018). A despeito de sua importância para as funções ecológicas, esses são animais que geram recorrente medo pelo grande público, uma simples palavra “morcego” geralmente provoca reações negativas nas pessoas (BERNARD, 2005). Tal conceito pode decorrer da falta de conhecimento sobre a biologia e os aspectos comportamentais desses animais (SCAVRONI, 2008), além de lendas que envolve questões de vampirismo, no qual os morcegos são elementos centrais (IZECKSOHN, 2007).

Então, o medo que as pessoas sentem pelos morcegos as levam a tomar várias atitudes contra esses animais, como agressões físicas (RIBEIRO; MAGALHÃES JÚNIOR, 2015), disparos de baladeiras, queima de pneus dentro de cavernas e a utilização de pastas vampiricidas em seu dorso, para diminuir o tamanho da população (DONATO et al., 2009). E embora haja estudos que buscam indicar a contribuição dos morcegos ao meio ambiente, raramente essas informações são divulgadas para a sociedade (TAYLOR et al. 2018). Dessa forma, poucas informações chegam ao conhecimento dos alunos da educação básica e consequentemente da população em geral (ANDRADE e TALAMONI, 2005), o que mantém os preconceitos com os morcegos, assim como, os riscos a redução em sua biodiversidade.

Tendo em vista a importância ambiental dos morcegos, bem como, o sentimento de aversão do público em geral por esses organismos, percebe-se a necessidade da realização de atividades de educação ambiental (EA), para sensibilização de crianças para que essas possam passar a tomar uma postura de proteção e conservação da biodiversidade de forma a promover o desenvolvimento sustentável.



Metodologia

A pesquisa foi realizada na área urbana no município de Caxias/MA localizado no leste maranhense compreendendo uma área de 5150,667 quilômetros quadrados, o que a torna a terceira maior cidade do Maranhão. É a quinta mais populosa cidade do estado, com uma população de 164.224 habitantes km², conforme dados do (IBGE de 2017).

A coleta dos dados foi realizada na escola Municipal Santa Catarina Laborê no ano de 2018, entre os meses de agosto e setembro. Foi aplicado o questionário no mês de agosto e setembro foram feitas as palestras. A pesquisa levantou informações de 25 alunos do 9° ano do ensino fundamental, do período vespertino. Para a investigação do conhecimento prévio dos alunos do ensino fundamental sobre morcegos foi aplicado um questionário semi-estruturado (MARCONI; LAKATOS, 2008), composto por oito perguntas, utilizando como referenciais os modelos de Esbérard et al. 1996, Ohi 2005 e Godoy 2006.

A atividade de sensibilização consistiu de uma palestra utilizando recursos visuais (data show), com a exposição de imagens mostrando morcegos em seus ambientes naturais, considerando: aspectos da biologia e da ecologia do grupo. Também foram entregues folders com mais informação, além da sessão de mitos e verdades, na qual foram esclarecidas diversas dúvidas. Após a palestra, o questionário foi reaplicado com o objetivo de avaliar a assimilação de informação sobre o tema pelos alunos.



Resultados e Discussão

Todos os participantes da pesquisa apontaram já terem visto morcegos, seja de forma direta ou indireta (mídias), assim como, reconheceram como uma das principais características desses animais a presença de glândulas mamarias e pelos (76%). Isso indica que os morcegos estão entre os mamíferos mais conspícuos entre a sociedade humana, mas que apesar disso nem todos são capazes de reconhecer suas principais características (ANDRADE e TALAMONI, 2015). Portanto, verificamos a necessidade de fortalecer as práticas pedagógicas que levem ao reconhecimento dos caracteres que levem ao reconhecimento dos diferentes táxons existentes na natureza e como esses caracteres são importantes para as funções ecológicas que esses desenvolvem nos ecossistemas (BRAGA e VERAS, 2017; SARMENTO et al. 2017), e dessa forma resinificar o ensino da biodiversidade nas series iniciais (PROENÇA et al. 2014; LUCAS et al. 2017).

Quanto aos aspectos da biologia dos morcegos como sobre sua capacidade visual e seu desenvolvimento houve uma mudança de concepções após a aplicação da palestra, de tal forma que os participantes passaram a compreender que os morcegos são capazes de enxergar e que eles não se desenvolvem a partir de ratos (Figura 1 A e B). Portanto, verificamos que a palestra com aspectos informativos para divulgação científica pode ser uma ferramenta importante para mudar as concepções prévias do público (HANAI e ESPINDOLA, 2011; CAVALCANTE et al. 2012), e melhorar sua compreensão sobre táxons não tão atrativos de forma a sensibilizar quanto a importância da conservação dessas espécies (CERATI e LAZARINI, 2009).

Figura 1. Respostas apresentadas pelos alunos no pré-teste e no pós-teste da escola Municipal Santa Catarina Laborê da área urbana do município de Caxias/MA, Brasil. A) Capacidade visual; B) Desenvolvimento biológico

A palestra também permitiu mudanças nos aspectos de afetividade aos morcegos, bem como melhorou a percepção quanto as diferentes funções ecossistêmicas realizadas pelos morcegos (Figura 2 A e B). E pelas falas abaixo:

Aluno A: “Antes de assistir a palestra sobre os morcegos, eu tinha pavor e nojo. Mas agora consegui compreender a grande importância dos morcegos”.

Aluno B: “Via os morcegos como asquerosos e horríveis. Mas agora mudei meus conceitos sobre o morcego, se por acaso eu encontrar um morcego na rua ou na minha casa, eu o coloco numa caixa e procuro colocá-lo no mato ou em árvores que servem como abrigos para os morceguinhos”.

Ao proporcionar um maior conhecimento sobre os diversos aspectos de espécies que a priori causam repulsa as pessoas, elas passam a ter uma concepção diferente sobre tais organismos de forma que se sensibilizam quanto a importância de conservar tais espécies (ANDRADE e TALAMONI, 2005; NASCIMENTO et al. 2016; SARMENTO et al. 2017). De tal forma que pelas falas podemos verificar a mudança na narrativa e o desenvolvimento da ideia de altruísmo (SANCHEZ, 2013), portanto, urge que se transforme os discursos ecologicamente corretos em práticas que efetivem a conservação/preservação da biodiversidade (PINHEIRO et al. 2011).

Figura 2. Respostas apresentadas pelos alunos no pré-teste e no pós-teste da escola Municipal Santa Catarina Laborê da área urbana do município de Caxias/MA, Brasil. A) Afetividade; B) Importância ambiental.



Conclusão

A atividade de sensibilização desenvolvida com os participantes indicou mudanças de concepção quanto aos morcegos, indicando que a compreensão mais adequada de aspectos da biologia e da ecologia desses organismos permite uma maior afetividade pelos mesmos. De tal forma que é possível fomentar a conservação de grupos que a priori não se mostrem tão atrativos ou que sejam bandeiras para a conservação como é o caso da ordem Quiróptera.



Bibliografia



ANDRADE. T. Y. I.; TALAMONI. J. L. B.; Morcegos, anjos ou demônios? desmitificando os morcegos em uma trilha interpretativa. Rev.Simbio-Logias, V. 8, n. 11. 2015.

BERNARD, E. Morcegos vampiros: sangue, raiva e preconceito. Revista Ciência Hoje, 2005.

BRAGAS, C. S. S.; VERAS, D. S. Educação ambiental e ludicidade: meios de transmissão prevenção da toxoplasmose no ensino fundamental. Educação Ambiental em Ação, v. 62, p. 3014, 2018.

CAVALCANTE, L.P.S. et al. Análise da percepção ambiental e sensibilização de educandos do ensino fundamental de uma escola pública para realização da coleta seletiva, campina grande – PB. Monografias Ambientais. v(9), nº 9, p. 2047 – 2054, 2012.

CAVASSIN, J. Perspectiva para o teatro na educação como conhecimento e prática pedagógica. Revista científica FAP, Curitiba, v. 3, p. 39-52, 2008. Disponívelem:<http://www.fap.pr.gov.br/arquivos/File/RevistaCientifica3/08_Juliana_Cavassin.pdf>. Acesso em:05 nov. 2013.

CERATI, T.M; LAZARINI, A.M. A pesquisa-ação em educação ambiental: uma experiência no entorno de uma unidade de conservação urbana. Revista científica Ciência e Educação. v. 15, n. 2, p. 383-92, 2009.

CHAVES, P. M. R.; FRANCO, P. A. D.; PEREIRA, V. C. R. Diversidade de morcegos (Mammalia, Chiroptera) em gruta de formação calcária localizada na Fazenda Cantinho, Município de Formosa Goiás (GO). Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade, v. 1, n.1, p. 1-28, 2012.

DONATO, C. R. et al. Conscientização dos alunos da Escola Municipal Maria Ione Macedo Sobral (Laranjeiras, Sergipe) sobre os morcegos e sua importância ecológica. Scientia Plena, Sergipe, v.5, n. 9, p. 1-4, set. 2009.

ESBÉRARD, C.E.L. et al. Pesquisa com público sobre morcegos. Rev. Chiroptera Neotropical, v.2, n.6, p.297-323, 1996.

GODOY, F.S. Percepção dos alunos de 5ª a 8ª séries da Escola Estadual Almirante Barroso no município de Rondon, Paraná, acerca da importância dos morcegos. 2006. 25 f. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) - Universidade Paranaense, Cianorte, 2006.

HANAI, F.Y; ESPÍNDOLA, E.L.G. Programa de Sensibilização Sustentável do Turismo: uma proposta para envolvimento e participação de comunidades locais. Revista Turismo em Análise. Vol. 22, n. 1, abril 2011.

IBGE. Atlas do Estado do Maranhão. Rio de Janeiro, 1984. 104 p., mapas color, il. Censo. Disponível em Acesso em: 20 jan., 2017.

IZECKSOHN. E. Apresentação. In: REIS, N. R. et al. (Eds.). Morcegos do Brasil. Londrina, 2007.

JARDIM, M.M.A. Mocegos Urbanos: Sugestões para o controle em escolas públicas estaduais de Porto Alegre. Manual didático. Museu de Ciências Naturais. Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul. 2008.

LUCAS, F.C.A. et al. Ressignificação das aulas de botânica na escola: sensibilização e valorização da biodiversidade amazônica. Revista Educação. Vol. 38 Pág. 21, 2017.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MANFRINATO, M.H.V; ANACLETO, T.C.A. Morcegos: percepção dos alunos do ensino fundamental 3º e 4º ciclos e práticas de educação ambiental. São Paulo: Ciência e educação, 2013.

MARCONI, M.A.; LAKATOS, E.M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Atlas, 2008.

MELLO, M.A.R. Morcegos e frutos: interação que gera florestas. Ciência hoje, v. 41, p. 30- 35, 01 set. 2007.

NASCIMENTO, S. R. S.; AZEVEDO, C. A. S. ; ALMEIDA, M. A. G. Educação ambiental: insetos aquáticos como ferramenta para preservação e conservação do meio ambiente. Educação Ambiental em Ação, v. 57, 2016.

NOGUEIRA, M. R., et al., Checklist of Brazilian bast, with coments of original records. Check list, 2014.

NOGUEIRA, O. Pesquisa social: introdução às suas técnicas. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1964.

OHI, H.M. Percepção da população de Cianorte, Paraná, acerca da importância dos morcegos ao ambiente. 2005. 38f. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) – Universidade Paranaense, Cianorte, 2005.

PATTERSON, B.; R. PASCUAL.The fossil mammal fauna of South America, p. 247-309.In:A. KEAST; F.C. ERK; B. GLASS (Eds). Evolution,mammals and Southern continents. Albany, State University New York Press, 1972.

PINHEIRO, I.F.S ; LIMA, V. L. A. ; FREIRE, E. M. X. A percepção ambiental de uma comunidade da caatinga sobre o turismo: visões e perspectivas para o planejamento turístico com vistas a sustentabilidade. Sociedade & natureza (UFU. Online) , v. 23, p. 467-482, 2011.

PROENÇA, M.S. et al. As percepções de estudantes do ensino fundamental em relação às espécies exóticas e o efeito antrópico sobre o ambiente: uma análise com base nos pressupostos da ctsa - ciência-tecnologia-sociedade-ambiente. Pesquisa em Educação Ambiental.vol. 9, n. 2 – págs. 51-66, 2014.

REIS, N.R dos; PERACCHI, A.L; PEDRO, W. A; LIMA, I. P. de. Sobre Morcegos do Brasil. In: Morcegos do Brasil. Londrina, p.18-19, 2007.

RIBEIRO, N. C. G.; MAGALHÃES JÚNIOR, C. A. O. Crianças e adultos no museu: suas concepções sobre morcegos. UNOPAR Científica: ciências humanas e educação, Londrina, v. 16, n. 4, p. 263-268, 2015.

SANCHEZ , K.F. A contribuição da educação ambiental para uma compreensão ética da relação entre indivíduos humanos e cães: inferências teóricas a partir de um estudo de caso no município de rio grande-rs. Dissertação (Mestre em Educação Ambiental), Rio grande do Sul, 2013.

SARMENTO, E.C. VERAS, D. S.; ANDRADE, M. V. M. Educação ambiental para reduzir impactos no riacho Lamego: ações na escola Arlindo Fernandes de Oliveira, residencial Eugênio Coutinho. Educação Ambiental em Ação, v. 59, p. 2667, 2017.

SCAVRONI. J.; PALEARI, L. M.; UIEDA, W. Morcegos: realidade e fantasia na concepção de crianças de área rural e urbana de Botucatu, SP. Revista Simbio-Logias, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 34-51, nov. 2008.

SIMMONS NB Mammal species of the world: A Taxonomic and geographic reference. Baltimore, The Johns Hopkins University..Press, 3ªed, v1, 312-529, 2005.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 5. ed. São Paulo: Cortez, 1992.

VOSS, R.S. & EMMONS, L.H.. Mammalian diversity in Neotropical lowland rainforest: a preliminary assessment. Bull. Am. Museu. NAT. Hist. 230:1-115,19



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
  Início      Cadastre-se!      Procurar      Área de autores      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Saber do Fazer     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias