ISSN 1678-0701
Número 69, Ano XVIII.
Setembro-Novembro/2019.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Área de autores      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Saber do Fazer     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias
 
Relatos de Experiências

No. 69 - 27/09/2019
SENSIBILIZAÇÃO QUANTO AO DESCARTE CORRETO DE DEJETOS DE ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO EM SANTOS (SP)  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=3852 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

SENSIBILIZAÇÃO QUANTO AO DESCARTE CORRETO DE DEJETOS DE ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO EM SANTOS (SP)

Victor Vasques Ribeiro1, Igor Roberto Lins da Silva2, Vitória Rocha dos Santos2

¹victorvasquesribeiro@outlook.com
²ir_lins@hotmail.com
²vitoria.rocha0309@gmail.com

1 e 2Centro Universitário São Judas – Campus Unimonte



Resumo: O presente trabalho tem como objetivo relatar as ações e resultados do Projeto de Educação Ambiental intitulado “Quem Cuida Recolhe”, sediado pelo Departamento de Políticas e Condutas Ambientais da Secretaria do Meio Ambiente de Santos. As atividades relatadas tiveram duração de aproximadamente 11 meses, entre 2017 e 2018 e contaram com a participação de aproximadamente 19 estagiários. O projeto contemplou grande parte da área da cidade de Santos, e efetuou a aplicação de cerca de 1.036 questionários, além de caracterizar os trajetos visitados, com a ajuda de checklists preenchidos pelos estagiários. Durante as abordagens foram utilizados coletores ecológicos com forma de instrumento educacional, o que foi de grande importância para a divulgação do projeto, assim com as faixas instaladas pela cidade e a participação em diversos eventos relacionados ao meio ambiente. A partir dos resultados encontrados, foi possível determinar os pontos críticos, e assim direcionar a esses locais maior atenção quanto a necessidade de projetos de educação ambiental. Ao final, ficou claro a importância de projetos relacionados ao meio ambiente e o quanto esse tema é indispensável para a sociedade.

Abstract: This paper aims to report on the actions and results of the Environmental Education Program entitled "Quem Cuida Recolhe", hosted by the Environmental Policy and Conduct Department of the Santos Environment Secretariat. The activities reported lasted approximately 11 months, between 2017 and 2018 and had the participation of approximately 19 trainees. The project covered a large part of the area of ​​the city of Santos, and carried out the application of about 1,036 questionnaires, in addition to characterizing the routes visited, with the help of checklists filled out by the trainees. During the approaches were used ecological collectors with the form of educational instrument, which was of great importance for the dissemination of the project, as well as the bands installed by the city and participation in various events related to the environment. From the results found, it was possible to determine the critical points, and thus to direct to these places more attention on the need for environmental education programs. In the end, it was clear the importance of projects related to the environment and how much this theme is indispensable for society.

Introdução

A população estimada do município de Santos (SP), segundo censo IBGE de 2018, é de 432.957 habitantes, com uma densidade demográfica de 1494,96 hab/km². A área total do município é de 271 km². Destes, são divididos entre uma área insular, ligada ao mar, e uma área continental, conectada a serra do mar (Figura 1). A área continental tem aproximadamente 231,6 km² e a área insular, 39,4 km² (SEADE apud MELHOR DE SANTOS, 2010).

Figura 1 – Área continental e insular do município de Santos (SP).

Fonte: Melhor de Santos, 2010.

A cidade de Santos é cortada por sete (7) canais de drenagem pluvial. Os canais servem como divisa entre bairros e também das praias de Santos, que recebem são diferentemente nomeadas. É importante ressaltar que a descarga de esgotos dos locais não se mistura com a rede de drenagem de águas pluviais, sendo esta, escoada pelos Canais de drenagem.

Em função da grande ocupação na região, há uma grande pressão sobre os sistemas de coleta e tratamento de efluentes urbanos. O sistema de disposição oceânica de esgotos de Santos/São Vicente está em operação desde 1978 e atende à maior parte das residências de Santos e metade das residências em São Vicente. O sistema é constituído por uma estação de pré-condicionamento (EPC) e um emissário submarino (ABESSA et al., 2006).

A Secretaria do Meio Ambiente de Santos (SEMAM) desenvolve, desde 1993, projetos socioambientais a fim de contribuir para a qualidade de vida de toda a população, abordando frequentemente, questões referentes a impactos ambientais negativos relacionados aos recursos hídricos, advindos da deposição de resíduos de qualquer natureza em locais inadequados (BRITO et al., 2017).

Metodologia

O projeto de Educação Ambiental intitulado “Quem cuida Recolhe” teve sua duração entre Dezembro de 2017 e Outubro de 2018, e contou com a atuação de 19 estagiários. Foram selecionados estudantes de Biologia e Engenharia Ambiental de instituições de ensino superior do município.

O Departamento de Políticas e Controle Ambiental (DEPCAM), na Secretaria do Meio Ambiente de Santos (SEMAM) foi sede principal do projeto. Entretanto, a atuação dos estagiários contou com a conexão e sinergia de outros centros de Educação Ambiental municipais, sendo estes o Jardim Botânico “Chico Mendes”, Orquidário e Aquário municipal.

As três semanas iniciais do projeto foram dedicadas à formação dos estagiários. O objetivo da formação foi possibilitar a compreensão dos estagiários quanto aos aspectos que um projeto de Educação Ambiental apresenta e despertar a autonomia nos novos educadores ambientais, para que pudessem realizar abordagens com confiança sobre assuntos complexos como os canais de drenagem pluvial, sistemas de tratamento de esgoto e descarte correto de resíduos.

O treinamento contou com a realização de diversas palestras, vivências educacionais, visitas técnicas e oficinas (Figura 2). Ao final do período de treinamento dos estagiários, ocorreu uma oficina de construção coletiva para definir as metodologias que seriam utilizadas durante todo o projeto.

Figura 2 – Oficinas e visitas técnicas durante o período de treinamento dos estagiários.

Fonte: Secretaria do Meio Ambiente de Santos, 2018.

Devido à falta de informações e dados sobre o diagnóstico do recolhimento correto da população de Santos (SP), decidiu-se que as metodologias utilizadas seriam a abordagem aos munícipes e turistas nas ruas do município, aplicando um questionário para os munícipes e turistas que estivessem passeando com seus pets sobre os costumes e hábitos de recolhimento dos respectivos donos. Foi aplicado também um checklist visual das condições em que as ruas se encontravam (Tabela 1).

Tabela 1 – Fatores visuais a serem avaliados nas ruas do município.

Checklist

Questionário

Fluxo de pessoas?

Munícipe ou Turista?

Faixa etária dos entrevistados?

Você passeia com seu animal de estimação?

Munícipes passeando com cachorros?

Se sim, Cachorro ou Gato?

Porte dos cachorros?

Com que frequência passeia?

Presença de animais abandonados?

Seu animal costuma defecar na rua?

Presença de fezes nas ruas?

Você recolhe as fezes do seu animal?

Aspecto do canal?

Se recolhe, qual material utilizado?

Nível do canal?

Onde você descarta as fezes após recolhê-la?

Reação ao Rapa Caca?

Em casa, você descarta as fezes de que forma?

Avaliação da abordagem?

Em casa, qual material usado para o descarte?



Fonte: Secretaria do Meio Ambiente de Santos, 2018.

A quantidade ideal de questionários a serem aplicados nas ruas foi determinada a partir do cálculo de amostragem aleatória simples (AAS). Assumiu-se um grau de confiança de 99% e um erro aceitável de 4%, partindo-se do número de habitantes do município de Santos (SP).

Os estagiários foram divididos em equipes distintas, tendo como sede os centros de educação ambiental e a Secretaria de Meio Ambiente do município (SEMAM). Das quatro equipes, três estavam nos centros e duas na sede. A “Equipe de dados” lidou com o controle, tabulação de dados gerados e a elaboração de relatórios mensais ao Fundo Estadual de Recursos Hídricos (FEHIDRO), patrocinador do projeto. As demais equipes ficaram responsáveis pelas abordagens e aplicação de questionários aos munícipes e turistas nas ruas, palestras e apresentações teatrais em escolas da região (Tabela 2).

Tabela 2 – Sedes das equipes e suas respectivas funções.

Sedes

Funções

Aquário

Abordagens; Aplicação de Questionários e Checklists; Palestras e apresentações teatrais em escolas.

Jardim Botânico

Orquidário

SEMAM (Itinerante)

SEMAM (Dados)

Planejamento de atividades; Tabulação de Dados; Elaboração de relatórios mensais.



Fonte: Secretaria do Meio Ambiente de Santos, 2018.

A área na qual os questionários foram aplicados e os checklists visualizados foram definidas pelas equipes, que traçaram quadrantes a serem percorridos. Chegou-se ao número de 46 trajetos, com aproximadamente três (3) quilômetros cada.

Os 46 trajetos foram analisados separadamente quanto ao checklist. De forma coletiva, chegou-se a consideração de que, para diagnosticar as ruas do município, seria necessário realizar três (3) checklists a cada trajeto, de forma mais espaçada possível. Assim, foram determinados a realização de 138 checklists visuais num período de aproximadamente seis (6) meses.

Para os questionários, os quadrantes não foram analisados separadamente. Portanto, embora se buscasse realizá-los de forma homogênea, os estagiários ficaram livres para aplicar a quantidade de questionários que julgassem necessárias por trajeto. Entretanto, buscando padronizar a metodologia, a equipe de dados orientou que as outras equipes aplicassem apenas quatro (4) questionários por dia.

Durante as abordagens, um dos materiais que foram utilizados para sensibilização foi o coletor ecológico denominado “Rapa Caca”, feito de papel. Os estagiários tinham a disposição 17.000 unidades de coletores a serem entregues aos munícipes e turistas. Em eventos relacionados ao meio ambiente, palestras, apresentações e ao final das abordagens, eram entregues um ou mais coletores por pessoa interessada.

Em fevereiro de 2018, os estagiários entregaram uma notificação em petshops, hotéis caninos e clínicas veterinárias. A notificação explanava que os dejetos dos animais devem ser descartados na rede de esgoto, para que esses dejetos possam também ser tratados ao invés de serem despejados nos canais de drenagem pluvial do município.

Ao decorrer do projeto, notou-se a necessidade de confecção de materiais para melhor sensibilização das crianças, além das palestras e apresentações nas escolas. Em março de 2018, foram confeccionados materiais educacionais na temática do projeto, como painéis, cartazes, jogos e desenhos para colorir.

Em abril de 2018, a equipe de dados iniciou a avaliação da balneabilidade das águas das praias de Santos, buscando traçar uma possível melhora nos índices. A SEMAM do município recebe um relatório mensal da SABESP quanto a balneabilidade, que foi analisado pelos estagiários.

No mês de maio de 2018, iniciaram-se os contatos telefônicos com as escolas públicas municipais, para levantar quais dessas instituições topariam receber os estagiários. Durante o contato, foi explanado que os estagiários gostariam de realizar, num primeiro momento, palestras para os professores nas HTPC’s (Horário de Trabalho Pedagógico Coletivo). Num segundo momento, os estagiários fariam as palestras e apresentações diretamente com as crianças.

O “Pooblicão” é uma empresa que investe na propaganda ambiental. Essa empresa atendeu a um chamamento publico da prefeitura de Santos e implementou e instalou de totens com dispenser de sacos de papel, utilizados como coletores de dejetos de animais domésticos. O objetivo dessa parceria com a iniciativa privada foi oferecer uma alternativa ecológica para o descarte de dejetos de animais domésticos, para contribuir com a melhora das águas dos canais de drenagem pluvial e a balneabilidade das praias. Estes totens foram instalados em diversos locais da cidade e continham orientações aos donos de cães, além de propagandas.

O mês de junho de 2018 foi marcado pelo término da aplicação dos questionários e checklists visuais. Iniciaram-se também as palestras nas escolas, para os professores e alunos. Ainda em junho, além dos jogos educativos, foram confeccionados outros materiais educativos para serem utilizados em intervenções com crianças, como desenhos para colorir e um painel com informações e ilustrações. O painel era utilizado também nos eventos relacionados ao meio ambiente, pois nestes, os estagiários tinham sempre uma mesa ou stand para exposição.

Os estagiários receberam 25 dias de folga, no mês de julho de 2018. Nos meses de agosto e setembro de 2018, os estagiários continuaram com as palestras e apresentações nas escolas e abordagens nas ruas. O Projeto “Quem cuida Recolhe” teve seu término em três (3) de outubro de 2018, quando foi entregue aos coordenadores e patrocinadores, o relatório final de atividades.

Resultados e Discussões

Os materiais de divulgação do projeto utilizados foram faixas, cartazes, totens e painéis. Foram entregues 17.000 unidades de coletores ecológicos “Rapa Caca”. Em escolas e eventos relacionados ao meio ambiente, foram realizadas palestras e apresentações teatrais. Nos 46 trajetos traçados, foram analisados os aspectos visuais, além dos questionários aplicados para diagnosticar o costume da população quanto ao descarte correto de dejetos de animais.

Durante o período de atuação dos estagiários foram instalados faixas de divulgação no município (Figura 3). Os locais escolhidos para a instalação foram aqueles por onde circulavam grande número de pessoas e veículos, buscando envolver e mobilizar toda a sociedade. As faixas alertavam ainda para a existência de legislação que permite a aplicação de multas para o descarte incorreto de dejetos animais.

Figura 3 – Faixa do projeto Quem cuida recolhe.