ISSN 1678-0701
Número 70, Ano XVIII.
Março-Maio/2020.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Área de autores      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Entrevistas     Saber do Fazer     Culinária     Arte e ambiente     Educação     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias
 
Artigos

No. 70 - 20/03/2020
CONTROLE POPULACIONAL DE GATOS EM ESPAÇOS URBANOS: REVISÃO DA LITERATURA  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=3905 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

CONTROLE POPULACIONAL DE GATOS EM ESPAÇOS URBANOS: REVISÃO DA LITERATURA



Antonio Felipe da Silva Souza1

Antonio Tiago da Silva Souza2

João Francisco Oliveira Nery3

Marianne dos Santos Pereira4

Raimundo Nonato Fontinele dos Santos5

Sirlândia Maria Fontinele Pereira6

Denis Barros de Carvalho7

  1. Aluno do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA), Universidade Federal do Piauí, Teresina, Piauí – felipe.piripiri@hotmail.com

  2. Aluno de Graduação em Medicina, Universidade Federal do Piauí, Parnaíba, Piauí – at.tiago@hotmail.com

  3. Aluno de Graduação em Engenharia Ambiental e Sanitária, Centro Universitário UNINOVAFAPI, Teresina, Piauí – joaodolixo8@hotmail.com

  4. Aluna de Graduação em Serviço Social, Christus Faculdade do Piauí, Piripiri, Piauí – marianne.dossantosp@gmail.com

  5. Aluno de Licenciatura Plena em Geografia, Universidade Estadual do Maranhão, Anapurus, Maranhão - raimundononato.03@hotmail.com

  6. Graduada em Licenciatura Plena em História, Universidade Norte do Paraná, Piripiri, Piauí - nandamaria05@gmail.com

  7. Professor do Programa de Pós-Graduação Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA), Universidade Federal do Piauí, Teresina, Piauí - denispsi@bol.com.br



Resumo

O convívio de gatos com seres humanos forma um círculo de relação entre saúde humana, saúde animal e meio ambiente que, estando em equilíbrio, permite benefícios psicológicos, fisiológicos e sociais. Esta pesquisa objetivou buscar na literatura estudos que abordassem o controle populacional de gatos através de experiências realizadas em território brasileiro. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica onde foi realizada busca eletrônica nas bases de dados SciELO (Scientific Electronic Library Online), Periódicos da CAPES e Google Acadêmico. Utilizou-se a combinação das palavras-chave: gatos, controle populacional e políticas públicas. Foram encontrados 10 artigos que abordagem a temática estudada. As principais estratégias de controle populacional apontadas na literatura foram a eutanásia, esterilização cirúrgica e campanhas preventivas de posse responsável de animais domésticos. Conclui-se que o envolvimento de órgãos governamentais e Instituições de Ensino Superior é essencial para a promoção de ações que visem ao controle populacional de animais e à conscientização quanto à posse e guarda responsável.

Palavras-chave: gatos, controle populacional, políticas públicas

Abstract

The coexistence of cats with humans forms a circle of relationship between human health, animal health and the environment that, being in balance, allows psychological, physiological and social benefits. This research aimed to search in the literature studies that approach the population control of cats through experiments conducted in Brazilian territory. This is a bibliographic search where was performed electronic search in the databases SciELO (Scientific Electronic Library Online), CAPES Journals and Google Scholar. It was used the combination of keywords: cats, population control and public policy. It was found 10 articles that approach the theme studied. The main population control strategies mentioned in the literature were euthanasia, surgical sterilization and preventive campaigns for responsible pet ownership. It is concluded that the involvement of government agencies and higher education institutions is essential for the promotion of actions aimed at the population control of animals and the awareness of ownership and responsible custody.

Keyword: cats, population control, public policies.

INTRODUÇÃO

Estudos apontam registro do gato doméstico há pelo menos 9.500 mil anos a.C. no sudoeste asiático. Este animal possui comportamento e biologia que desperta no ser humano diferentes percepções. Ao longo da história a relação humano-gato ora é marcado de forma positiva, sendo os felinos adorados e protegidos, ora é marcada de forma negativa, sendo vítimas de perseguição, crueldade e morte (MACHADO; PAIXÃO, 2014).

Ao proteger depósitos de grãos de roedores o gato assumiu papel central no Egito Antigo e posteriormente obteve destaque na vida religiosa devido aos seus atributos místicos (SAITO et al., 2002). Já na Europa medieval os felinos eram perseguidos e mortos por representarem uma simbologia do mal, sendo novamente aceitos durante as Cruzadas devido ao seu valor utilitário de caça a roedores transmissores de doenças. Na Idade Moderna o gato volta a sofrer percepção simbólica negativa (PAIXÃO; MACHADO, 2015).

Na Europa alguns países contabilizam o número de gatos excedendo o de cães, o que tão logo será realidade no Brasil (GENARO, 2010). Levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2013) identificou uma população de aproximadamente 22 milhões de gatos domiciliados no país. Não existe dimensionamento para a população de felinos não domiciliados o que traz preocupação pois pode prejudicar humanos, outros animais e o meio ambiente (MACHADO; FERREIRA; GENARO, 2018).

O convívio de gatos com seres humanos forma um círculo de relação entre saúde humana, saúde animal e meio ambiente que, estando em equilíbrio, permite benefícios psicológicos, fisiológicos e sociais. Contudo, a falta de um controle reprodutivo e de cuidados veterinários pode acarretar na grande concentração numérica num determinado local, possibilitando conflitos entre humanos e animais tais como: agressões, contaminação ambiental e transmissão de doenças (MACENTE et al., 2016).

Nos centros urbanos o abandono de felinos em repartições públicas é um fenômeno que desperta a atenção. Tais animais passam a “residir” nestes espaços com o consentimento de proprietários não-assumidos o que possibilita a proliferação e formação de uma incômoda superpopulação (OLIVEIRA; SILVA, 2008).

O manejo inadequado de felinos pode resultar em agravos à população humana, dentre os quais pode-se citar a raiva, toxoplasmose, difusão de parasitas (carrapatos, pulgas e sarnas), agressões, acidentes no trânsito, poluição sonora, dejetos contaminados entre outras perturbações (MACENTE et al., 2016).

De acordo com Macente e colaboradores (2012), embora as opiniões sejam divergentes na população acerca do tema, a necessidade de medidas de controle populacional é necessária aliando-se à participação ativa da sociedade. Algumas experiências são realizadas em diversos municípios brasileiros por instituições de ensino superior, organizações não-governamentais e pelo poder público através de políticas públicas que visam o manejo adequado de animais de rua.

Diante do exposto, considerando a importância da temática, este estudo objetivou buscar na literatura estudos que abordassem o controle populacional de gatos através de experiências realizadas em território brasileiro.



  1. METODOLOGIA

Este estudo trata-se de uma revisão da literatura. Este tipo de pesquisa explora novas áreas onde os problemas não se cristalizaram suficientemente. A pesquisa bibliográfica não é mera repetição do que já foi dito ou escrito sobre certo assunto, mas proporciona o exame de um tema sob novo enfoque ou abordagem, chegando a conclusões inovadoras (MARCONI; LAKATOS, 2011).

Para a realização da pesquisa foi realizada busca eletrônica nas bases de dados SciELO (Scientific Electronic Library Online), Periódicos da CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) e Google Acadêmico. Utilizou-se a combinação das palavras-chave: gatos, controle populacional e políticas públicas.

A seguir, após a localização dos artigos, realizou-se uma leitura exploratória, seguida da seletiva e, por fim, a analítica do material selecionado. Foi feito o fichamento com a devida identificação das fontes e o registro dos conteúdos pertinentes, para reunir sistematicamente o material colhido dos artigos selecionados para o estudo (GIL, 2002).

Por fim, foi feito a análise e a interpretação desse material estudado, elaborando categorias, a fim de organizar a redação do texto.



  1. DESENVOLVIMENTO



As publicações estão apresentadas na tabela a seguir quanto ao autor, ano de publicação, tipo de produção cientifica, local do estudo e resultados encontrados. Posteriormente, há a discussão dos resultados por meio das práticas desenvolvidas no controle populacional de gatos abordadas na literatura encontrada.



Tabela 01. Disposição dos estudos utilizados na revisão.

Autor/Ano

Tipo de produção científica

Local

Resultados encontrados

1

MENDES-DE-ALMEIDA, F. (2008)

Artigo (Revista Ciência Veterinária nos Trópicos)

Rio de Janeiro - RJ

Estudou-se uma colônia urbana de gatos domésticos livres, que habitavam o Jardim Zoológico da cidade do Rio de Janeiro, pesquisando sua estrutura e composição e acompanhando, durante 36 meses, o impacto da histerectomia como forma de controle populacional. A estrutura da população variou mostrando tendência à manutenção da relação entre machos e fêmeas em 1:3 e à redução do número de animais jovens. A proporção inicial de filhotes de 17% caiu para 7% em 2002, 6% em 2003 até que em 2004 foi de apenas 2,5%, sugerindo ter havido redução no número de nascimentos mostrando que após dois anos consecutivos de intervenções com histerectomia de gatas adultas, intervenções programadas e realizadas a cada dois anos constituem medida adequada para controle da população urbana de gatos livres.

2

VIARO, O. (2008)

Dissertação

São Paulo – SP

O estudo traz o impacto educativo do projeto "Para Viver de Bem com os Bichos", módulo cães e gatos, realizado em Unidades Educacionais do Município de São Paulo, no ano de 2008. O projeto é destinado à difusão e promoção do conceito da posse responsável de animais de estimação, em especial de cães e gatos e trabalhou com professores de 1.605 escolas da cidade.

3

OLIVEIRA, F. L. L. et al., (2011)

Artigo (Revista Arquivos de Ciências Veterinárias e Zoologia da UNIPAR)

Teresina-PI

Foi realizada uma análise do relatório anual de 2006 na Gerência de Zoonoses (GEZOON) do município de Teresina (PI), com o objetivo de identificar quais os motivos da eutanásia de animais domésticos e o custo referente a este procedimento. Em 2006, 9.278 animais sofreram eutanásia, sendo que 91,9% (8.528) eram cães e 8% (750) gatos. A maioria dos animais que sofreram eutanásia foi proveniente de entrega voluntária. A entrega voluntária no GEZOON provém de proprietários que não querem mais permanecer com seus animais por motivos diversos. Tais eutanásias tiveram um alto custo para o contribuinte, o que pode inviabilizar o serviço.

4

BÜRGUER, K. P. et al. (2013)

Artigo (Revista Em Extensão)

Descalvado-SP

Aplicação do projeto de extensão universitária “Esterilize seu animal: um ato de responsabilidade e amor” por professores e alunos do curso de graduação em Medicina Veterinária da Universidade Camilo Castelo Branco (UNICASTELO) que visou à promoção da saúde da população, a disseminação do conceito de guarda responsável de animais de estimação e a capacitação dos alunos do curso de graduação em Medicina Veterinária da Universidade Camilo Castelo Branco em esterilização cirúrgica de animais de companhia.

5

FERNAN-DES, T. R et al. (2014)

Artigo (Revista Unimar Ciências)

Marília-SP

Foram esterilizados no Programa de Castração a Baixo Custo da Prefeitura Municipal de Marília, no período de 2008 a 2011, um total de 472 gatos. Ações educativas também foram observadas, como o trabalho de conscientização sobre posse responsável nas escolas de ensino fundamental do município, bem como em locais de alto fluxo de pessoas, além da utilização da imprensa local como disseminadora de informações. No campo da legislação municipal destaca-se a aprovação da Lei 7324/2011, que estabeleceu o controle de natalidade animal.

6

DUARTE, SANTOS, SILVA (2014)

Artigo (Revista Ciência em Extensão)

Araçatuba – SP

O artigo relata a avaliação de um programa de esterilização cirúrgica de gatos em Araçatuba, SP através do projeto de extensão universitária “Avaliação de diferentes técnicas de gonadectomia em gatos e gatas adultos e impúberes”, desenvolvido na Unesp – campus de Araçatuba no período de 1996 a 2010. A demanda por cirurgias no projeto demonstrou conscientização das pessoas ligadas ao bem estar animal como também a preocupação em relação a importância da esterilização no enfrentamento do problema de superpopulação e abandono de gatos.

7

FARIA, J. A. (2014)

Dissertação

Bairro da Paupina, Fortaleza-CE

Realizado aplicação de questionário com os moradores do bairro, tanto os que criavam como os que não criavam animais. Fazendo levantamento das zoonoses existentes, e dos incômodos e transtornos provocados pelos animais, realizado orientações sobre guarda responsável, e realização de cadastro como os criadores de cães e gatos, para a realização da esterilização cirúrgica. Foi realizada castração em 208 animais, representando 91% dos proprietários que pretendiam castrar seus animais.

8

CAMARGO, K. S. et al., (2014)

Artigo (Revista de Extensão Tecnológica do Instituto Federal Catarinense)

São Francisco do Sul -SC

Criação de um blog destinado à adoção de cães e gatos provenientes do centro de bem-estar animal do município de São Francisco do Sul. A criação e veiculação do Blog Adoção Animal por meio da internet e das redes sociais, possibilitou não somente que alguns animais encontrassem seus lares e tutores definitivos, como também que inúmeras pessoas conhecessem a realidade atual do expressivo número de animais que são abandonados todos os dias nas ruas e das ações que órgãos como os Centros de Bem-Estar Animal empregam para minimizar essa situação.

9

CATAPAN, D. C. et al., 2014

Artigo (Revista Brasileira de Ciência Veterinária)

São José dos Pinhais – PR

O trabalho objetivou avaliar a interferência do programa de esterilização cirúrgica na taxa de natalidade de gatas e cadelas, no período de julho de 2011 a julho de 2012, no município de São José dos Pinhais/PR, com base em estimativas populacionais de cães e gatos realizadas por amostragem. Calcula-se que as esterilizações das fêmeas permitiram um impacto de 11,60% sob o número total de gatos domiciliados e semi-domiciliados estimados em 2011.

10

MACENTE, B. I. et al. (2016)

Artigo (Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP)

Jaboticabal-SP

Aplicação do Projeto de Extensão da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP) de Jaboticabal, intitulado “Levantamento sérico de leptospirose e erliquiose em fêmeas caninas de proprietários de baixa renda encaminhadas para a esterilização em Jaboticabal-SP”, que visou à esterilização cirúrgica de cães e gatos, desenvolvida com a participação de alunos em atividade de extensão, residentes, veterinários pós-graduandos pesquisadores, professores e voluntários.

Fonte: Elaborada pelos autores, 2019.

Práticas desenvolvidas no controle populacional de gatos

Em setembro de 2003 foi realizado na cidade do Rio de Janeiro a Primeira Reunião da América Latina sobre Posse Responsável, organizado pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) em conjunto com Organização Mundial da Saúde (OMS) e a World Society for the Protection of Animals (WSPA), onde reuniu-se um comitê formado por representantes dos países latino americanos e Caribe. Na ocasião confirmou-se a necessidade de controlar a reprodução, realizar registro animal, bem como ações educativas e de legislação que objetive controlar cães e gatos e zoonoses envolvidas (OLIVEIRA; SILVA, 2008).

No Brasil não existe uma política nacional de controle populacional de gatos. Tal ação é realizada de maneira isolada em alguns Estados e municípios e uma quantidade mínima destes dispõe de uma estrutura administrativa e técnica que atenda o problema de animais abandonados em vias públicas (LIMA, 2013).

O controle populacional de gatos é necessário pois evita disputas entre pessoas que prezam o convívio com gatos e os que não apreciam; além de impedir acidentes de trânsito decorrentes de freadas bruscas; mordidas e arranhaduras; circulação de patógenos e os maus-tratos a estes animais decorrente do incômodo que causam às pessoas que não gostam do convívio com os mesmos (MENDES-DE-ALMEIDA, 2008).

Em muitas cidades brasileiras, a exemplo de São Paulo e Fortaleza, os gatos apreendidos em áreas públicas são capturados pelos Centros de Controle de Zoonoses (CCZs) e por três (03) dias úteis (segunda a sábado) a partir do dia da apreensão ficam disponíveis para resgate pelo proprietário. Após este período, os animais são eutanasiados. Em São Paulo, ao ser resgatado o gato recebe vacina anti-rábica e o Registro Geral Animal (RGA). É recolhida uma taxa pelo proprietário referente à multa, translado, diária do animal e RGA. A vacina anti-rábica é gratuita. Nos casos dos animais portadores da identificação do RGA os seus proprietários são contatados por telefone ou telegrama, e os gatos ficam à disposição do proprietário por até cinco (05) dias úteis. Após este período, os animais estão sujeitos à eutanásia (OLIVEIRA; SILVA, 2008).

A eutanásia também é adotada em Teresina (PI) pela Gerência de Zoonoses (GEZOON), órgão de âmbito municipal ligado a Fundação Municipal de Saúde (FMS). Além do controle de enfermidades, a eutanásia é também realizada por outros motivos como abandono e entrega voluntária. Mesmo não sendo atribuição da GEZOON, o órgão recebe os animais por ser um procedimento mais barato do que a captura de animais abandonados nas ruas evitando a oneração para o município (OLIVEIRA et al., 2011).

Para os gatos a esterilização cirúrgica torna-se necessária devido serem bastante prolíferos e por trazer uma série de benefícios aos mesmos. Em fêmeas, a ovário-salpingo-histerectomia (OSH), cirurgia na qual é realizada a retirada do útero, tubas uterinas e ovários, contribui para evitar o aparecimento de doenças como neoplasia mamária e infecções uterinas. Em machos, a orquiectomia (retirada dos testículos), elimina comportamentos indesejáveis como demarcação do território com urina, agressão entre machos e o hábito de perambular (DUARTE; SANTOS; SILVA, 2014).

A esterilização de gatos é considerada um procedimento seguro com baixa morbidade e mortalidade quando realizada em animais saudáveis. Contudo, um programa de esterilização para ser mais efetivo, precisa da interação de vários setores da sociedade, práticas bem sucedidas decorrem da junção de poderes públicos com instituições universitárias, por meio de projetos de extensão. Macente e colaboradores (2016) relataram experiência realizada na Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP) de Jaboticabal, intitulado “Levantamento sérico de leptospirose e erliquiose em fêmeas caninas de proprietários de baixa renda encaminhadas para a esterilização em Jaboticabal-SP”. O projeto objetivou a esterilização cirúrgica de cães e gatos, desenvolvida com a participação de alunos em atividade de extensão, residentes, veterinários pós-graduandos pesquisadores, professores e voluntários.

Ainda na Unesp do campus de Araçatuba existe há duas décadas o projeto de extensão universitária “Avaliação de diferentes técnicas de gonadectomia em gatos e gatas adultos e impúberes”, que tem como principal objetivo realizar gratuitamente cirurgias de esterilização de gatos e gatas adultos e impúberes, abandonados ou recolhidos da rua por pessoas ligadas ao bem estar animal, facilitando assim a adoção dos mesmos (DUARTE; SANTOS; SILVA, 2014).

Experiência similar foi realizada por professores e alunos do curso de graduação em Medicina Veterinária da Universidade Camilo Castelo Branco (UNICASTELO) através do projeto de extensão “Esterilize seu animal: um ato de responsabilidade e amor” que objetivou a promoção da saúde, a disseminação do conceito de guarda responsável de animais de estimação e a capacitação dos alunos do curso de graduação em Medicina Veterinária da Universidade Camilo Castelo Branco com a realização de esterilização cirúrgica de animais de companhia (BÜRGUER et al., 2013).

Pode-se elencar como vantagens destes projetos de extensão, além de contribuir para o controle da superpopulação de gatos nas cidades que dispõe das universidades, fornecer aos alunos dos cursos de Medicina Veterinária contato com a área de cirurgia (DUARTE; SANTOS; SILVA, 2014).

A maioria das pesquisas destaca a esterilização da fêmea, com pouco foco na esterilização do macho. Entretanto, cada macho intacto é um reprodutor em potencial. Desta maneira a esterilização de um grande número de machos contribui para o decréscimo do número de fêmeas gestantes. Diante disso para uma boa resposta no controle de natalidade em gatos deve-se adotar medidas preventivas para ambos os sexos (FARIA, 2014).

As leis federais e estaduais podem regular as ações de controle animal, mas a competência da saúde pública no que tange ao controle de população animais e de zoonoses recai nos municípios e órgãos de controle de zoonoses (VIARO, 2008).

É o caso de São José dos Pinhais/Paraná, onde foi criado o programa de esterilização denominado “Programa de Controle Ético da População Canina e Felina do município de São José dos Pinhais”, através do Decreto municipal n° 035 de 2 de março de 2010. Os proprietários interessados primeiro fazem um cadastro por telefone ou pessoalmente. Em seguida como pré-requisito para receber o benefício da esterilização do seu gato, os proprietários são convidados a assistir uma palestra que aborda temas como: guarda responsável, bem-estar animal, zoonoses, esterilização e cuidados no pré e pós-operatório. Em seguida é agendado, via telefone, uma avaliação física do animal. Os procedimentos cirúrgicos são realizados mediante a assinatura do termo de consentimento pelo proprietário. Além do procedimento cirúrgico (orquiectomia em machos ou ovário-histerectomia em fêmeas), cada animal recebe um microchip de identificação, no dia do ato cirúrgico (CATAPAN et al., 2014).

No município de Marília, estado de São Paulo, é disponibilizado o “Programa de Castração a Baixo Custo da Prefeitura Municipal de Marília”, dados obtidos na Coordenadoria de Zoonoses apontam que no período de 2008 a 2011 foram esterilizados 472 gatos. Adotando-se a proporção 1:16 para a população de gatos estimada, pode-se determinar que o total atingiu um índice muito abaixo do esperado, quando vemos o número de habitantes do município estudado apontado no último censo, ou seja, 3,5% dos felinos. Porém verificou-se uma crescente adesão pelos moradores, fato observado pelo aumento das esterilizações ocorridas desde 2008 até 2011 (FERNANDES et al., 2014).

Faria (2014) encontrou no bairro da Paupina em Fortaleza um baixo índice de castrações - 9% dos gatos – onde após aplicação do levantamento, houve grande aceitação da cirurgia, sendo realizada castração em 208 animais, representando 91% dos proprietários que pretendiam castrar seus animais.

Os órgãos públicos também devem desenvolver ações com vistas ao controle do comércio de animais, associados aos programas educativos, de forma a coibir a aquisição de animais por impulso. Pesquisas apontam que, uma grande contribuição para populações de animais sem controle, são as crias indesejadas abandonadas (GARCIA; CALDERÓN; FERREIRA, 2012).

Estratégia exitosa é relatada por Camargo e colaboradores (2014) que aponta a criação e veiculação do “Blog Adoção Animal” por meio da internet e das redes sociais no município de São Francisco do Sul, SC em 2009, através de uma parceria entre o Centro de Bem-Estar Animal (CEBEA) e o Instituto Federal Catarinense (IFC), campus Araquari. O projeto possibilitou não somente que alguns animais encontrassem seus lares e tutores definitivos, como também que inúmeras pessoas conhecessem a realidade atual do expressivo número de animais que são abandonados todos os dias nas ruas e das ações que órgãos como os Centros de Bem-Estar Animal empregam para minimizar essa situação.

Ações como as descritas por Viaro (2008) se constitui numa maneira adequada de sensibilização sobre posse responsável. Seu estudo aborda o projeto educativo “Para Viver de Bem com os Bichos” (PVBB) fruto de uma parceria entre o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ-SP) pertencente à Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo com a Secretaria Municipal de Educação, instituído desde 2002 e que envolve as unidades escolares e particulares de ensino. Através do estudo verificou-se que o PVBB forneceu capacitação para 1.243 educadores, abrangendo direta ou indiretamente cerca de 180 mil alunos em 1.605 escolas: municipais, estaduais e particulares. A capacitação visou a difusão e promoção do conceito da posse responsável e aperfeiçoamento da interação entre homens e animais domésticos, minimizando assim o risco de agravos e transmissão de agentes de zoonoses.

A sensibilização da propriedade responsável deve ser pilar dos programas de controle de populações animais. Em muitos casos a falência do vínculo entre o ser humano e o seu animal de estimação é devido, principalmente, à falta de conhecimento dos proprietários sobre os animais que possuem, gerando um contingente de animais abandonados depois de já terem tido um lar (em torno de 70% dos casos de abandono) (BÜRGER et al., 2013).

O abandono e a consequente eutanásia incomoda a sociedade em geral, gerando angústia, revolta e sofrimento uma vez que o bem-estar animal é responsabilidade do ser humano. Métodos comprovadamente eficazes como a castração de animais errantes e divulgação permanente da guarda responsável precisam ser adotados com urgência pelas autoridades responsáveis. A efetividade dos programas de esterilização depende da adesão da população e, portanto, do desenvolvimento de ações educativas principalmente em áreas onde se verifiquem maior refratariedade às ações (OLIVEIRA, et al., 2011).



  1. CONCLUSÃO

Há uma grande preocupação em se encontrar uma alternativa urgente para a situação paradoxal de abandono sistemático/superpopulação de animais e conivência de proprietários não-assumidos. Verificou-se que o controle populacional de felinos associada a esterilização cirúrgica e campanhas de adoção responsável com informações sobre comportamento animal é uma estratégia positiva. O envolvimento de órgãos governamentais e Instituições de Ensino Superior é essencial para a promoção de ações que visem ao controle populacional de animais e à conscientização quanto à posse e guarda responsável. A divulgação de projetos desenvolvidos nessas áreas são, portanto, de extrema importância para a população, visto que tratam de medidas preventivas que visam a saúde pública.



REFERÊNCIAS

BÜRGER, K. P. et al. Projeto de esterilização de cães e gatos no município de Descalvado-SP: “Esterilize seu animal: um ato de responsabilidade e amor”. Em Extensão, Uberlândia, v. 12, n. 2, p. 93-99, 2013.

CATAPAN, D. C. et al. Impacto do programa de esterilização cirúrgica na população de cães e gatos do município de São José dos Pinhais – PR. Rev. Bras. Cien. Vet., Niterói, v. 21, n. 3, p. 178-182, 2014.

CAMARGO, K. S. et al. Criação de um blog destinado a adoção de cães e gatos provenientes do centro de bem-estar animal do município de São Francisco do Sul. Revista de Extensão Tecnológica do Instituto Federal Catarinense, Blumenau, v. 1, n. 1, p. 13-18, 2014.

DUARTE, R. P.; SANTOS, A. M.; SILVA, A. M. Avaliação dos dados obtidos em um programa de esterilização cirúrgica de gatos em Araçatuba, SP no período de 1996 a 2010. Rev. Ciênc. Ext., São Paulo, v.10, n.1, p.51-61, 2014.

FARIA, J. A. Relação/controle populacional de cães e gatos/melhoria das condições ambientais e bem-estar da comunidade no bairro da Paupina em Fortaleza - Ceará. 2014. 118f. Dissertação (Mestrado em Ambiente, Tecnologia e Sociedade), Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, 2014.

FERNANDES, T. R. et al. Ações públicas no controle populacional e posse responsável de cães e gatos aplicadas no município de Marília/SP no período de 2008 a 2011. Unimar Ciências, Marília, v. 23, n. 1-2, p. 23-28, 2014. Disponível em: <http://ojs.unimar.br/index.php/ciencias/article/view/470/203> Acesso em 21 Out 2018.

GARCIA R. C. M.; CALDERÓN N.; FERREIRA F. Consolidação de diretrizes internacionais de manejo de populações caninas em áreas urbanas e proposta de indicadores para seu gerenciamento. Rev Panam Salud Publica. v. 32, n. 2, p. 140-144, 2012. Disponível em: < https://www.scielosp.org/pdf/rpsp/v32n2/v32n2a08.pdf>. Acesso em 28 Ago 2019.

GENARO, G. Gato doméstico: futuro desafio para controle da raiva em áreas urbanas? Pesquisa Veterinária Brasileira, Rio de Janeiro, v. 30, n. 2, p. 186-189, 2010.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisas. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.175p.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Brasil, 2013. Disponível em: <ftp://ftp.ibge.gov.br/PNS/2013/pns2013.pdf>. Acesso em: 05 Nov. 2018

LIMA, F. P. Bem-estar animal e controle populacional de cães e gatos em área urbana. Anais do I Encontro do Ministério Público em proteção à fauna. Ministério Público do Estado de Minas Gerais, Procuradoria-Geral de Justiça. Belo Horizonte, 2013. Disponível em: <https://www.mpmg.mp.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=8A91CFA94FBB6B 7F014FBDC006564F02> Acesso em 21 Out 2018.

MACENTE, B. I. et al. Evolução do programa de controle reprodutivo de cães e gatos realizado na Unesp, Campus de Jaboticabal – SP, no período de 2007 a 2014. Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 6-11, 2016.

MACHADO, J. C., FERREIRA, G. A., GENARO, G. Castração e Bem-Estar Felino. Revista Brasileira de Zoociências, Juiz de Fora, v. 19, n. 2, p. 265-279. 2018.

MACHADO, J. C., PAIXÃO, R. L. A representação do gato doméstico em diferentes contextos socioculturais e as conexões com a ética animal. Rev. Interthesis, Florianópolis, v. 11, n. 1, p.231-253, 2014. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/interthesis/article/view/1807-1384.2014v11n1p231/26894>, Acesso em 05 de Novembro de 2018.

MENDES-DE-ALMEIDA, F. Controle populacional de colônias urbanas de gatos domésticos (Felis catus LINNAEUS, 1758) livres: aspectos clínicos e comportamentais. Ciênc. vet. tróp., Recife, v. 11, sup. 1, p.111-115, 2008. Disponível em: <http://www.rcvt.org.br/suplemento11/111-115.pdf>. Acesso em 18 Ago 2019.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 7. ed. – 6. reimpr. São Paulo: Atlas: 2011.

OLIVEIRA, F. L. L. et al. Eutanásia de cães e gatos na gerência de zoonoses em Teresina, PI (Brasil). Arq. Ciênc. Vet. Zool. UNIPAR, Umuarama, v. 14, n. 2, p. 95-99, 2011.

OLIVEIRA, D. M., SILVA, M. C. Sobre animais abandonados e pessoas que lidam com eles: O papel dos clínicos Veterinários. Uma Revisão. Revista Brasileira de Higiene e Sanidade Animal, Fortaleza, v.2, n.1, p. 56 – 79, 2008. Disponível em: <http://www.higieneanimal.ufc.br/seer/index.php/higieneanimal/article/view/42>. Acesso em 28 Ago 2019.

PAIXÃO, R. L., MACHADO, J. C. Conexões entre o comportamento do gato doméstico e casos de maus-tratos, abandono e não adoção. Revista Brasileira de Direito Animal. Salvador, v. 10, n. 20, p. 137-168, 2015. Disponível em: <https://portalseer.ufba.br/index.php/RBDA/article/view/15300/10480>. Acesso em 05 de Novembro de 2018.

VIARO, O. Impacto educativo do projeto “Para Viver de Bem com os Bichos”, módulo cães e gatos, realizado em Unidades Educacionais do Município de São Paulo, no ano de 2008. 2008. 164 f. Dissertação (Mestrado em Epidemiologia Experimental Aplicada às Zoonoses), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.





" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
  Início      Cadastre-se!      Procurar      Área de autores      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Entrevistas     Saber do Fazer     Culinária     Arte e ambiente     Educação     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias