ISSN 1678-0701
Volume XIX, Número 73
Dezembro-Fevereiro 2020/2021.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Área de autores      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Notícias     Dicas e Curiosidades     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Gestão Ambiental     O Eco das Vozes     Relatos de Experiências
 
Relatos de Experiências

No. 73 - 03/12/2020
PROJETO PRAIA LIMPA, AMBIENTE FELIZ: DESENVOLVENDO EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO-FORMAL NA PRAIA DE CAMAPUM, MACAU/RN  
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4075 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

PROJETO PRAIA LIMPA, AMBIENTE FELIZ: DESENVOLVENDO EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO-FORMAL NA PRAIA DE CAMAPUM, MACAU/RN



Alef Kennedy Rocha da Silva1



¹ Licenciado em Biologia (IFRN), Mestre em Sistemática e evolução (UFRN), Pós-graduando em Educação Ambiental (Faculdade de Educação São Luís) – alefkennedy94@outlook.com



Resumo: O presente trabalho é um relato de experiência sobre uma série de ações desenvolvidas através da Educação Ambiental não-formal, e teve como objetivo sensibilizar os usuários da Praia de Camapum. Outrossim, mitigar o descarte incorreto de lixo que acontece no local.



Abstract: This paper is an experience report on a series of actions developed through non-formal Environmental Education, and aimed to sensitize users of Camapum Beach. Furthermore, mitigate the incorrect disposal of garbage that happens on site.



1 INTRODUÇÃO

O município de Macau/RN é conhecido por suas belas paisagens e sua grande quantidade de recursos naturais. A Praia de Camapum, um dos principais cartões postais da cidade, recebe anualmente um número considerável de pessoas para os mais diversos fins (e. g., turismo, realização de festas, prática de esportes). Esse fluxo de usuários, fatalmente, gera uma série de impactos negativos para o local, sendo a poluição o ponto mais crítico.

São inúmeras as desvantagens que o lixo pode causar aos ecossistemas marinhos. O consumo desenfreado e destino incorreto dos “descartáveis”, por exemplo, têm gerado grande degradação para esses ambientes (DE ARAÚJO & DA COSTA, 2003). As praias quando expostas a poluição tem sua fauna ameaçada, além de uma estética desagradável. Pesquisas desenvolvidas em praias brasileiras mostraram o quanto essas regiões vêm sofrendo com o acumulo de lixo (e. g., MACEDO, 2017).

Nem os lugares mais inóspitos para a espécie humana estão livres da poluição, na Fossa das Marianas, local mais profundo do mundo, Weston et al. (2020) detectaram a presença de plástico no estômago de uma espécie de anfípode. Segundo Gall & Thompson (2015) animais marinhos como tartarugas (todas as espécies), aves e mamíferos já foram prejudicados por ingestão de lixo. Notícias como essas devem servir de alerta para repensarmos sobre a forma como estamos lidando com os oceanos.

O projeto “Praia limpa, ambiente feliz (PLAF)” surgiu com o objetivo de amenizar os impactos causados pelo descarte incorreto de lixo na Praia de Camapum. Várias ações são desenvolvidas na tentativa de sensibilizar quem frequenta o local, por exemplo, mutirões de limpeza, implantação de lixeiras ecológicas e coletores de filtros de cigarro (Figura 1).

As ações desenvolvidas pelo PLAF estão sempre voltadas para a educação ambiental dentro e fora do âmbito escolar. Corroborando assim com o que está presente no Art. 2o da Lei nº 9.795 de 27 de abril de 1999, “A educação ambiental é um componente essencial e permanente da educação nacional, devendo estar presente, de forma articulada, em todos os níveis e modalidades do processo educativo, em caráter formal e não-formal.” (BRASIL, 1999).

Frente à essa realidade, o presente trabalho desenvolveu ações através da EA não-formal, com o objetivo de sensibilizar tanto a comunidade local como os turistas, outrossim, objetivou mitigar o descarte incorreto de lixo ao longo da Praia.



Figura 1. Registros de algumas ações desenvolvidas pelo projeto Praia limpa, ambiente feliz na Praia de Camapum, Macau/RN. A-B) Mutirão de limpeza; C) Coletor de filtro de cigarro; D) Lixeira ecológica.

Fonte: Acervo pessoal do autor.



2 METODOLOGIA

Todas as ações aqui citadas foram desenvolvidas na Praia de Camapum, pertencente a cidade de Macau, localizada na região setentrional do estado do Rio Grande do Norte à 176 km da capital (IDEMA, 2008). (Figura 2).



Figura 2. Localização da Praia de Camapum, Macau/RN.

Fonte: Mapa elaborado pelo autor.



2.1 Mutirão de limpeza

Para a realização do mutirão de limpeza, uma metodologia com três etapas foi aplicada: 1ª etapa - Escolha da data e divulgação do mutirão nas redes sociais; 2ª etapa - Coleta, triagem e pesagem do material coletado no dia do evento; 3ª etapa - Destinação correta para o lixo recolhido da praia. A coleta teve duração de 60 minutos e contou com 20 voluntários, entre eles, 18 adultos e duas crianças.



2.2 Produção e distribuição dos coletores de filtro de cigarro

Fora criada uma campanha de financiamento coletivo, com o intuito de viabilizar a produção dos coletores de filtro de cigarro. A arrecadação dos recursos foi realizada através de doações de pessoas e empresas voluntárias do projeto, tornando possível a compra do material necessário para a construção das lixeiras de filtro de cigarro. Antes da distribuição dos coletores na praia de Camapum, um mapeamento das áreas mais afetadas pelo descarte de filtros de cigarro foi realizado, logo, os acumuladores de bituca foram fixados em pontos estratégicos.



2.3 Produção e distribuição das lixeiras ecológicas

As lixeiras ecológicas foram produzidas a partir da reutilização de resíduos sólidos (pneus). A montagem do material teve a seguinte ordem: 1) coleta dos pneus em borracharias e das madeiras na casa de voluntários; 2) montagem da lixeira; 3) pintura e fixação de adesivo com a identidade visual do projeto. As lixeiras foram distribuídas de forma sistemática, com distância de 200 metros entre si.



3 RESULTADOS E DISCUSSÕES

As ações desenvolvidas na Praia de Camapum geraram 14 novos pontos para descarte correto de lixo. Seis lixeiras ecológicas e oito coletores de filtros de cigarro, além da retirada de 1.820 itens que estavam poluindo a praia, aproximadamente 46 kg, compreendendo a plástico (66.15%), vidro (1.81%), metal (1.10%) e outros tipos de materiais (30.93%), (Figura 3).



Figura 3. Porcentagem (%) dos tipos de resíduos retirados da Praia de Camapum durante o mutirão de limpeza.

Fonte: Elaborado pelo autor.



Os dados gerados ao fim do mutirão de limpeza (Figura 4), possibilitou uma melhor resolução sobre a poluição da praia, e influenciou diretamente na escolha das demais ações desenvolvidas no local.



Figura 4. Lista dos itens coletados durante o mutirão de limpeza na Praia de Camapum.

Fonte: Elaborado pelo autor.



Entre os itens coletados, filtros de cigarro foram os mais encontrados. Várias pesquisas destacam a presença desse material nos oceanos e os impactos negativos que geram à biodiversidade marinha (e. g., WIDMER & REIS, 2008; MARCHI et al., 2014). A instalação dos coletores de filtros de cigarro teve como objetivo o declínio do descarte incorreto dos filtros. Widmer & Reis (2008) comprovaram o efeito positivo que esses aparatos podem gerar quando disponibilizados em praias.

Outro fator preocupante foi a ausência de lixeiras comunitárias na orla de Camapum, refletindo o número considerável de lixo retirado durante o mutirão de limpeza, aproximadamente 46 kg em apenas uma hora de coleta. Como solução para a ausência de pontos de descarte de lixo, lixeiras ecológicas foram produzidas através da reutilização de pneus, e distribuídas de forma sistemática, distantes 200 metros entre si, ao longo da praia. Essa metodologia de reaproveitamento de resíduos sólidos para a produção de lixeiras ecológicas já foi aplicada de forma bem sucedida por Collins et al., (2019).

Na tentativa de atenuar ações antrópicas de impacto negativo na Praia de Camapum, assim como, sensibilizar a comunidade local, o PLAF corroborou com o que está presente no Art. 13o da Lei nº 9.795 de 27 de abril de 1999, “Entendem-se por educação ambiental não-formal as ações e práticas educativas voltadas à sensibilização da coletividade sobre as questões ambientais e à sua organização e participação na defesa da qualidade do meio ambiente.” (BRASIL, 1999).

Com isso, ficou evidente a importância da EA em todos os âmbitos, outrossim, o engajamento de uma comunidade na luta por uma causa ambiental presente em sua região. É preciso trabalhar EA dentro e fora das instituições escolares, mas sempre adaptando as práticas educacionais a realidade de cada local.



4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Através das ações realizadas pelo PLAF na Praia de Camapum, foi possível observar a importância da EA fora do âmbito escolar. As atividades proporcionaram novos conhecimentos a todos os envolvidos que participaram de forma ativa, do planejamento à execução, de todas as ações. Desse modo, ficou evidente a importância de um projeto de EA para uma comunidade. As práticas desenvolvidas geraram um rendimento positivo, e mostraram-se bastante eficazes quando usadas para sensibilizar o público envolvido.



5 BIBLIOGRAFIA

BRASIL, Comissão de Políticas de Desenvolvimento. Lei n. 9.795, de 27 de abril de 1999: Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, v. 28, 1999.



COLLINS, N. P. et al. Reutilização de pneus inservíveis: uma proposta ecológica. Revista Multidisciplinar Pey Këyo Científico-ISSN 2525-8508, v. 4, n. 2, 2019.

GALL, S. C., THOMPSON, R. C. The impact of debris on marine life. Marine pollution bulletin, v. 92, n. 1-2, p. 170-179, 2015.

INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E MEIO AMBIENTE DO RIO GRANDE DO NORTE – IDEMA. Perfil do seu município: Macau. Natal, 2008.

MACEDO, A. V., DA SILVA, A. L. C., MADUREIRA, E. A. L. & SILVESTRE, C. P. Poluição por lixo nas praias de Abraão e Preta na borda setentrional-oriental da Ilha Grande (Angra dos Reis, RJ) e o impacto socio-ambiental. Os Desafios da Geografia Física na Fronteira do Conhecimento, 1, 3009-3014. 2017.

MARCHI, J., MACHADO, E. C. & TREVISAN, M. Descarte e destinação adequados aos resíduos pós-consumo de cigarros: inovação e alternativas possíveis. Encontro Internacional Sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente, 2014.

DE ARAÚJO, M. C. B. & DA COSTA, M. F. Lixo no ambiente marinho. Ciência hoje, 32(191). 2003.

MASCARENHAS, R. et al. Lixo marinho em área de reprodução de tartarugas marinhas no Estado da Paraíba (Nordeste do Brasil). Revista de Gestão Costeira Integrada-Journal of Integrated Coastal Zone Management, 8(2), 221-231. 2008.

WESTON, J. N., CARRILLO-BARRAGAN, P., LINLEY, T. D., REID, W. D. & JAMIESON, A. J. New species of Eurythenes from hadal depths of the Mariana Trench, Pacific Ocean (Crustacea: Amphipoda). Zootaxa, 4748(1), 163-181. 2020.

WIDMER, W. M.; REIS, R. A. Avaliação experimental da eficiência de cinzeiros portáteis na redução da contaminação de praias arenosas. In: Anais do III Congresso Brasileiro de Oceanografia e I Congresso Ibero-Americano de Oceanografia, AOCEANO, Fortaleza, CE, Brasil. 2008.





" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
  Início      Cadastre-se!      Procurar      Área de autores      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Notícias     Dicas e Curiosidades     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Gestão Ambiental     O Eco das Vozes     Relatos de Experiências