Nós nunca sabemos o valor da água até que o poço está seco. (Thomas Fuller)
ISSN 1678-0701
Volume XIX, Número 74
Março-Maio/2021
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(7) Notícias(5) Dicas e Curiosidades(2) Reflexão(3) Para sensibilizar(1) Dinâmicas e recursos pedagógicos(2) Entrevistas(1) Culinária(1) Sugestões bibliográficas(2) Educação(1) Sementes(1) Ações e projetos inspiradores(2) Gestão Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Relatos de Experiências(5)   |  Números  
Artigos
31/03/2021 (Nº 74) EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA ALUNOS DO 7º ANO DO ENSINO FUNDAMETAL: CONTRIBUIÇÃO AO CURRÍCULO ESCOLAR E INTEGRAÇÃO ENTRE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ESCOLA, NO MUNICÍPIO DE PORTO FERREIRA – SP
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4112 
  

EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA ALUNOS DO 7º ANO DO ENSINO FUNDAMETAL: CONTRIBUIÇÃO AO CURRÍCULO ESCOLAR E INTEGRAÇÃO ENTRE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ESCOLA, NO MUNICÍPIO DE PORTO FERREIRA – SP

Ana Elisa Teixeira da Silva1, Giovana Cristiane Prevato2, Sonia Aparecida de Souza- Evangelista3



1 Bióloga. Especialista em Educação Ambiental (CRHEA-USP). Mestra em Ciências Ambientais (PPGCAm-UFSCar) – Monitora Ambiental BK Consultoria – Fundação Florestal/Parque Estadual de Porto Ferreira. anaelisabiologia@outlook.com

2Bióloga. Professora Coord. Área de Ciências da Secretaria Municipal de Educação de Porto Ferreira. gigiprevato@gmail.com

3Bióloga. Pesquisadora Científica – Parque Estadual de Porto Ferreira / Instituto Florestal / Fundação Florestal. sasouzapf@gmail.com





RESUMO

Ações de Educação Ambiental em unidades de conservação (UCs) e outras áreas protegidas têm sido desenvolvidas no Estado de São Paulo desde a década de 1970, por meio do atendimento da comunidade escolar, entre outros públicos, integrando tais áreas à população e apoiando as atividades da rede formal de ensino. O curso Conhecendo o Ambiente II foi realizado na E.M.E.F. M. “Mário Borelli Thomaz” e no Parque Estadual de Porto Ferreira (PEPF), entre os meses de maio a novembro de 2019, e contou com a participação de 150 alunos e 8 professores do 7º ano do Ensino Fundamental. Objetivou desenvolver atividades integradas visando contextualizar o conteúdo curricular e enfatizar questões ambientais locais relacionadas aos recursos hídricos, flora, fauna, conservação e impactos ambientais. Para expressarem a importância do curso, os alunos desenvolveram maquetes, cartazes, entrevistas, vídeos, jornal, revista e música; trabalhos esses expostos na Feira do Conhecimento. O curso se configurou como uma estratégia de educação ambiental continuada, contribuiu positivamente com o currículo escolar, complementando-o com conteúdos específicos sobre o PEPF, o município e a região, por meio de atividades práticas, diálogos e reflexões sobre questões ambientais locais, conforme preconiza os objetivos do Parque, as políticas Nacional e Estadual de Educação Ambiental e as Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica, estreitando a relação entre Parque, escola e comunidade, promovendo a atuação dos alunos como agentes ativos e multiplicadores.

Palavras-chave: Educação Ambiental; Formação continuada; Biodiversidade; Contextualização; Questões Ambientais.



ABSTRACT

Environmental Education actions in conservation units (CUs) and other protected areas have been developed in the State of São Paulo since the 1970s, serving the school community, among other audiences, connecting such areas to the population and supporting formal education network activities. The course Knowing the Environment II was held with meetings at the E.M.E.F. M. “Mário Borelli Thomaz” and at the Porto Ferreira State Park (PEPF in Portuguese), from May to November 2019, and counted with the participation of 150 students and 8 teachers from the 7th year of Middle School. It aimed to develop integrated activities in order to contextualize the curricular content and emphasize local environmental issues related to water resources, flora, fauna, conservation and environmental impacts. To express the importance of the course, students developed science models, posters, interviews, videos, newspapers, magazines and music; works exhibited at the Knowledge Fair. The course was configured as a continuing environmental education strategy, contributed positively to the school curriculum, complementing it with specific content about the PEPF, the municipality and the region, through practical activities, dialogues and reflections on local environmental issues, as advocates the aims of the PEPF’s Environmental Education, the National and State Environmental Education Policies and the National Basic Education Curriculum Guidelines, strengthening the relationship between Park, school and community, promoting the performance of students as active agents and multipliers of environmental information.

Keywords: Environmental education; Continuing environmental education; Biodiversity; Contextualization; Environmental issues.





INTRODUÇÃO

Entende-se por Educação Ambiental – EA, os processos permanentes de aprendizagem, formação individual e coletiva para reflexão, bem como a construção de valores, saberes, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências, visando a melhoria da qualidade da vida e uma relação sustentável da sociedade humana com o ambiente que a integra. Essa educação deve estar presente, de forma articulada e continuada, em todos os níveis e modalidades dos processos educativos formal e não-formal, em âmbito estadual, municipal e nos processos de gestão ambiental; envolvendo aspectos ecológicos, psicológicos, legais, políticos, sociais, econômicos, científicos, culturais e éticos (BRASIL, 1999; SÃO PAULO, 2007).

Segundo as Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica, a EA deve ser cidadã, responsável, crítica e participativa, de modo que cada sujeito aprenda por meio dos conhecimentos científicos associados aos saberes tradicionais, possibilitando a tomada de decisões transformadoras a partir do meio ambiente natural ou construído, o qual as pessoas integram, avançando na construção de uma cidadania responsável voltada para culturas de sustentabilidade socioambiental (BRASIL, 2013).

No estado de São Paulo, desde a década de 1970, várias ações de educação ambiental têm sido desenvolvidas nas unidades de conservação e em outras áreas especialmente protegidas, atendendo a comunidade escolar, entre outros públicos. Segundo Vasconcellos (2006) as ações de educação ambiental são os elos entre as unidades de conservação e a população, e um apoio às atividades da rede formal de ensino.

Nesse sentido, destaca-se a inserção das unidades de conservação geridas pela Fundação Florestal como espaços educadores no sistema formal de ensino, propondo uma educação emancipatória, solidária e comprometida com o exercício da cidadania e subsidiada pelas políticas educacionais federal, estadual e municipal, visando a construção de um saber não fragmentado, voltado para a conservação e sustentabilidade dos recursos naturais (SÃO PAULO, 2017).

Deste modo, o Parque Estadual de Porto Ferreira (PEPF), administrado pela Fundação Florestal, desde 1992 configura-se como uma das unidades de conservação do Estado de São Paulo que desenvolve atividades de educação ambiental.

Nos últimos anos, vários projetos educativos foram desenvolvidos para a comunidade escolar e esses resultaram em divulgação dos aspectos ambientais locais; vivências e práticas na natureza; integração dos conceitos socioambientais locais e regionais aos currículos escolares; socialização de conhecimentos específicos e busca de apoio à conservação da biodiversidade, dos recursos naturais e do meio ambiente em geral (SOUZA et al., 2012; SOUZA et al., 2014).

As unidades de conservação historicamente adotam cursos para professores como estratégia de educação ambiental sob a perspectiva de incorporar a dimensão ambiental na formação, especialização e atualização dos professores de todas as áreas.

No entanto, alunos/crianças podem também atuar como agentes ativos e multiplicadores de educação ambiental de forma direta ou indireta, uma vez que, eles exercem influências sobre os pais, familiares e amigos (MENEZES, 2012).

Prevato et al. (2014) verificou que atividades de sensibilização prévia com alunos, cujos rendimentos foram estatisticamente significativos, devem ser incorporadas como parte integrante de programas de visitas às unidades de conservação, assim como estratégias fundamentais para o desenvolvimento de atividades de educação ambiental, buscando integrar os alunos aos espaços naturais e reforçar o pensamento de que são partes constituintes e dependentes do meio que os cercam.

Assim, com base no princípio da Educação Ambiental, de concepção do meio ambiente em sua totalidade, a interdependência entre o meio natural, o socioeconômico, político e cultural, com enfoque na sustentabilidade e na Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental – ENCEA, que prevê o alinhamento das atividades entre unidades de conservação e secretarias de educação estaduais e municipais (MMA, 2010), foi elaborado o Projeto/Curso “Conhecendo o Ambiente”, com a finalidade de contextualizar o Parque Estadual de Porto Ferreira e as questões socioambientais locais para alunos da rede municipal de ensino. Em 2017 o Projeto alcançou os objetivos propostos, onde a maioria dos alunos participaram de atividades continuadas com contribuições cognitivas e afetivas, favorecendo a compreensão integrada e a noção de interdependência do meio ambiente natural, rural e urbano do município (SOUZA-EVANGELISTA et al., 2018).

Isto posto, o curso Conhecendo o Ambiente II em 2019 teve como objetivo desenvolver um curso com atividades continuadas e integradas entre o PEPF e alunos do 7º ano do Ensino Fundamental da rede municipal, visando contextualizar o conteúdo curricular e enfatizar questões ambientais locais relacionadas aos recursos hídricos, à flora, fauna, conservação e aos impactos, entre outros assuntos.



2. METODOLOGIA

O PEPF localiza-se no município de Porto Ferreira – São Paulo e possui uma área de 611,55 hectares. Sua criação em 1962 teve como um dos objetivos, a preservação de amostras representativas de vegetações de Cerrado, Floresta Estacional Semidecidual e 05 km de Mata Ciliar do Rio Mogi Guaçu, principal rio da região. Área para qual já foram registradas 59 espécies de mamíferos, destacando-se a onça-parda, a jaguatirica, o lobo-guará, o veado-catingueiro, o tamanduá-bandeira, o macaco-prego, a cutia, etc; 207 espécies de aves, estando entre elas o papagaio-verdadeiro (quase ameaçada de extinção no Estado de SP), jaó e urubu-rei (ameaçadas de extinção no Estado de SP); 18 espécies de répteis, sendo 13 espécies de serpentes e 05 de lagartos; 16 espécies de anfíbios, 20 espécies de peixes; e mais de 600 espécies de plantas.

Como ação prevista no Programa de Uso Público do PEPF, o Projeto Conhecendo o Ambiente II foi elaborado a partir da avaliação da sua primeira versão em 2017 (SOUZA-EVANGELISTA et al., 2018). Após ser apresentado à Coordenação da Área de Ciências, Divisão Pedagógica da Secretaria Municipal de Educação, o mesmo foi adotado como estratégia complementar ao currículo escolar dos alunos do 7º ano da Escola Municipal de Ensino Fundamental e Médio “Mário Borelli Thomaz”, uma vez que os conteúdos seres vivos, ecossistemas brasileiros, impactos e preservação ambiental estão previstos na Base Nacional Comum Curricular para o 7º ano (BNCC, 2018).

Para o desenvolvimento do Projeto foram adotadas diferentes estratégias com conteúdos diversos, conforme consta no Quadro I.

Quadro 1. Datas, locais, estratégias e conteúdos do curso Conhecendo o Ambiente II.

A percepção sobre o curso por parte da equipe do PEPF deu-se de modo qualitativo e descritivo nos diferentes encontros, por meio de diálogo (reflexões e ações), registros fotográficos e da análise dos trabalhos confeccionados pelos alunos.



RESULTADOS E DISCUSSÃO

O curso Conhecendo o Ambiente II foi realizado entre os meses de maio e novembro de 2019. Contou com seis encontros, sendo cinco na escola e um no PEPF (Figura 1), e com a participação de 150 alunos e 8 professores do 7º ano do Ensino Fundamental da EMEFM “Mário Borelli Thomaz”.

As visitas ao PEPF, durante a Semana da Árvore, possibilitaram o contato dos alunos com um dos ambientes naturais do município de Porto Ferreira e foram aqui compreendidas como atividades pedagógicas extraclasses (Figura 1), desejando complementar os conteúdos do currículo escolar do 7º ano. Em função do tempo chuvoso, um dos sétimos anos visitou o PEPF duas vezes, o que provavelmente propiciou um maior envolvimento dos alunos deste 7º ano nas atividades.

O curso apresentou como produto final a “Feira do Conhecimento”, realizada na unidade escolar com apoio da Coordenadora da Área de Ciências da Divisão Pedagógica da Secretaria Municipal de Educação, onde os alunos exteriorizaram seus conhecimentos e experiências por meio da confecção de maquetes, cartazes, entrevistas, vídeos, jornal, revista e música (Figura 1). A “Feira” foi prestigiada pela secretária municipal de Educação e equipe, bem como pelos professores e alunos dos 6º anos do período matutino e 1º, 2º e 3º anos (Ciclo I) do período vespertino.