A responsabilidade social e a preservação ambiental significa um compromisso com a vida. - João Bosco da Silva
ISSN 1678-0701 · Volume XXI, Número 85 · Dezembro-Fevereiro 2023/2024
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(1) Dicas e Curiosidades(1) Reflexão(9) Para Sensibilizar(2) Dinâmicas e Recursos Pedagógicos(2) Entrevistas(1) Arte e Ambiente(1) Divulgação de Eventos(13) O que fazer para melhorar o meio ambiente(3) Sugestões bibliográficas(3) Educação(1) Você sabia que...(4) Reportagem(2) Educação e temas emergentes(1) Ações e projetos inspiradores(14) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Relatos de Experiências(2) Notícias(17)   |  Números  
Notícias
06/09/2023 (Nº 84) ANTÓNIO GUTERRES: "COLAPSO CLIMÁTICO COMEÇOU"
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4609 
  

ANTÓNIO GUTERRES: "COLAPSO CLIMÁTICO COMEÇOU"

"O nosso clima está a implodir mais depressa do que conseguimos aguentar, com fenómenos meteorológicos extremos a atingir todos os cantos do planeta", lamentou ainda António Guterres.

06 set. 2023



A Terra viveu este ano o verão mais quente jamais registado no Hemisfério Norte

DANIEL IRUNGU/EPA

Com os nossos alertas, pode seguir o seu autor, tópico ou programa favorito. Para não perder nada do que lhe interessa.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, defendeu esta quarta-feira que “o colapso climático começou”, numa reação ao anúncio do verão deste ano como o mais quente jamais registado no Hemisfério Norte. “Os cientistas há muito que alertaram para as consequências da nossa dependência dos combustíveis fósseis”, disse Guterres, citado pela agência francesa AFP.

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) e o serviço climático europeu Copernicus anunciaram esta quarta-feira que a Terra viveu este ano o verão mais quente jamais registado no Hemisfério Norte. No Hemisfério Sul também foram batidos muitos recordes de calor em pleno inverno austral.

Ondas de calor, secas, inundações e incêndios atingiram a Ásia, a Europa e a América do Norte durante este período, em proporções dramáticas e muitas vezes sem precedentes, segundo os cientistas. Os extremos meteorológicos custaram vidas humanas e danos para as economias e o ambiente.

O nosso clima está a implodir mais depressa do que conseguimos aguentar, com fenómenos meteorológicos extremos a atingir todos os cantos do planeta”, lamentou Guterres.

Fonte: https://bitlybr.com/VvgGV



Ilustrações: Silvana Santos