A responsabilidade social e a preservação ambiental significa um compromisso com a vida. - João Bosco da Silva
ISSN 1678-0701 · Volume XXI, Número 85 · Dezembro-Fevereiro 2023/2024
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(1) Dicas e Curiosidades(1) Reflexão(9) Para Sensibilizar(2) Dinâmicas e Recursos Pedagógicos(2) Entrevistas(1) Arte e Ambiente(1) Divulgação de Eventos(13) O que fazer para melhorar o meio ambiente(3) Sugestões bibliográficas(3) Educação(1) Você sabia que...(4) Reportagem(2) Educação e temas emergentes(1) Ações e projetos inspiradores(14) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Relatos de Experiências(2) Notícias(17)   |  Números  
Reflexão
15/12/2023 (Nº 85) A CONQUISTA DA VITÓRIA
Link permanente: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=4698 
  

A CONQUISTA DA VITÓRIA

Apresentação: Fotopoema e letra de música que apresenta o Caminho de Santiago do Piripiri em Vitória da Conquista, Bahia. Uma trilha que serve de treinamento e simula um dia de aventura para peregrinos que pretendem conhecer o Caminho de Santiago de Compostela, na Espanha ou em Portugal ou para quem apenas deseja fazer atividade física em contato com a natureza. Essa produção faz parte da tese “O que fazer em Vitória da Conquista? Estudo do potencial turístico do município em busca do desenvolvimento territorial sustentável” e procura apresentar os atrativos turísticos do município, com incentivo ao turismo de experiência, ao turismo rural, ao ecoturismo, ao cicloturismo, ao turismo esportivo e outras possíveis formas.



Mauricio de Oliveira Silva

Doutorando em Agroecologia e Desenvolvimento Territorial (UNIVASF)



Vivianni Marques Leite dos Santos

Professora pelo Doutorado em Agroecologia e Desenvolvimento Territorial (UNIVASF)



Michele Martins Correa

Professora pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)



Eliene Silva Ferreira

Bacharel em Psicologia (UniFTC)



Rosy Banda

Bacharel em Administração (UNOPAR), Cantor e compositor





Caminho de tênis por aqui

E apresento a vocês

O Caminho de Santiago do Piripiri

Sua trilha é bem longa

Mas o melhor está por vir



Atração dessa cidade aconchegante, redundante

É uma conquista na vitória

Uma Vitória da Conquista

Tem mata e cafezal

Que ao caminhar agrada a vista



E pelas estradas de poeira

Tem ciclistas, tem ladeira

Tem mandacaru, tem mata-burro

Mas cuidado com a canseira

Pra não deixar de sambar



Por que Conquista samba

A Jurema samba

Gameleira samba

Eu também quero sambar



Se quiser se aventurar

21 quilômetros vai andar

Leve um sorriso no rosto

Chapéu na cabeça

Câmera e binóculos

Para as aves que avistar



O suor vai escorrer

Pela ponte irá passar

Pare e descanse

Que tal a vista apreciar?



Deguste um chimango

Ou um biscoito “avoador”

Foi lá na feira que compraste

Esses símbolos, sim, senhor

E depois caia no samba

Que eu também quero sambar



Que nas Araras samba

No Pradoso samba

No Iguá samba

Na cachoeira do Jeribá

Eu vou sambar



Os pés não deve molhar

Olha o Santiago e o Verruga

Águas cheias de história

Antes valiam como joia

Hoje só podes olhar

Nessa dita Suíça Baiana

Que de seus rios fez uma disgrama

Hoje só o olho pode tocar

Essas águas tão sofridas

Esfaceladas, a preço de banana



Na mochila leve de bom

A pamonha do Marçal

Famosa aqui no interior

E até na capital



Sua vegetação que tanto muda

Tem até cacto que reclama

Queria tanto ser mais disperso

Pelos os caminhos, eu confesso



Mas aqui do alto

Perto do Cristo de Mário Cravo

Sou Melocactus conoideus

E também tenho coroa

Cheia de espinhos

Feito aqueles que machucaram

O Jesus pessoa



Para os íntimos

Tenho nome extenso

Comprido e meio cricri

Olha só, que patifaria

Coroa-de-frade-do-piripiri



Quando chegar a Olívia Flores

Venha me visitar

Eu não estou no Santiago

Mas na serra do Piripiri eu vou estar



Por que Conquista samba

A Jurema samba

Gameleira samba

Eu também quero sambar



Falando ainda sobre a trilha

Tem sabiá, coruja, periquito e família

Borboletas, abelhas

Vales e capineiras



Sinta a brisa

Ouça a seriema que avisa

Esse caminho tem casinha abandonada

Cheia de história e poesia



Pose para a foto

Não tenha medo da livusia

Foi só uma coruja-buraqueira

Ai, que linda companhia